aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Quem já não foi ao cinema e ficou observando os cartazes dos filmes em exibição, ou daqueles que entrarão em cartaz? De repente até decidindo assistir algo por conta do poder de persuasão deste tradicionalíssimo meio de comunicação.

O cartaz tem esse poder de captar a nossa atenção, despertar nossa curiosidade, seja pela mensagem, seja pela beleza gráfica, muitos deles verdadeiras obras de arte.

Cartazes tem sido utilizados em todo o planeta para divulgar mensagens de forma visual e impactante. em todas as áreas imagináveis, publicidade, arte, política, religião, esportes, saúde, educação, etc…

Atenta ao potencial do cartaz, tanto como arte quanto como poderosa ferramenta de comunicação, a Fundação Stickel promoveu em 2023 o concurso POSTER CONTEST – ARTE TRANSFORMA, com curadoria de Carlos Perrone, pensando em trazer um novo olhar ao tradicional concurso de cartazes.

O POSTER CONTEST marca, não apenas, a nossa entrada no universo do design gráfico, como também o início das comemorações do aniversário de 70 anos da Fundação Stickel.

Você é nosso convidado para o evento de abertura, venha descobrir os 30 projetos gráficos selecionados por um júri de 7 especialistas da área, entre os 100 projetos submetidos, incluindo o Prêmio Aquisição e os seis destaques.

Exposição Poster Contest – Arte Transforma
Abertura – sábado, 17 de fevereiro, das 11h às 16h
Espaço Fundação Stickel
Rua Nova Cidade 195 – Vila Olímpia
Catálogo disponível

Membros do júri:
Carlos Perrone; Iris Di Ciommo; José Renato Maia; José Roberto DÉlboux; Marcelo Pallotta;, Sandra Pierzchalski; Tadeu Costa

é isso, por fernando stickel [ 7:57 ]


O hotel faz parte da rede Small Luxury Hotels of the World


Cenário lindo!


Sandra na entrada do hotel

O conceito The Barracuda foi criado em 2005, quando um grupo de amigos suecos se conheceram surfando em Itacaré, BA, se apaixonaram pela beleza e a cultura da produção do cacau do lugar, às manifestações culturais de raízes afrodescendentes – na culinária, na capoeira, nas artes e na música . A eles se juntaram a paulistana Juliana Ghiotto e o seu marido itacarense Daniel Lima.

Um dos participantes do grupo é o italiano Alessandro ­Catenacci, que se mudou jovem para a Suécia, e lá criou sua empresa, o Nobis Hospitality Group, gerindo hotéis, restaurantes e clubes. Interessante que já nos hospedamos em um hotel deste grupo, o Skeppsholmen em Estocolmo, maravilhoso!

O grupo comprou um terreno paradisíaco de aproximadamente 26 hectares praticamente no centro de Itacaré, entre a Praia das Conchas e a Praia do Resende, de frente para o mar.

O Barracuda Hotel & Villas foi planejado pelo arquiteto Eduardo Leite, residente em São Paulo. Eduardo esteve envolvido neste projeto desde o início e foi quem desenvolveu o masterplan do terreno para o grupo.

A concepção do empreendimento é brilhante, pois com arquitetura e construção primorosas, as residências particulares são utilizadas pelos proprietários suecos, que também, se assim desejarem, as alugam. Como centro de serviços e administração fica o hotel, tudo imerso na mata atlântica preservada, com segurança, sustentabilidade e muita beleza.

Em junho de 2021, o Grupo The Barracuda criou seu braço social, o Instituto Yandê Itacaré, voltado para o desenvolvimento sustentável, difundindo conhecimentos, capacitação e apoio a potenciais empreendedores sociais, para que estes fortaleçam sua autonomia, gerem sustentabilidade, agreguem valor e inovação aos seus projetos e negócios sociais, sob a presidência de Juliana Ghiotto.


Quarto 14


Sandra na casa 14

é isso, por fernando stickel [ 8:51 ]

Aqui tem coisa – Um blog maduro!

Completa hoje, 31 janeiro 2024 exatos 21 anos de idade!

Maduro por que?

Está completando 21 anos de idade?
Assim como eu insisto em escrevê-lo, tem meia dúzia de malucos queridos que insistem em visitá-lo e talvez lê-lo?
Foram escritos 6570 posts até agora, quase um post por dia (0,88) ininterruptamente nestes 7665 dias…
Já recebi 5760 comentários nos posts, e não deixei de responder nenhum deles?
O blog já mudou de casa e de cara várias vezes?
Fiz denúncias importantes, e acabei sendo processado?
Conto histórias de todos os tipos, sempre procurando checar todos os fatos envolvidos?
Conquistei várias amizades neste métier?
Fui acometido da terrível doença FUROR BLOGUEIRO, postando mais de três vezes ao dia por longos período, da qual consegui me curar?
Comprei minha primeira câmera fotográfica digital por causa do blog?
Implementei ao longo do tempo várias funcionalidades e upgrades tecnológicos?
O “aqui tem coisa” já foi eleito um dos 100 melhores blogs do Brasil?
Melhorei a qualidade das imagens postadas, e também a quantidade de texto por post, que cresceu, na média, ao longo do tempo?
Acredito cem por cento na liberdade de expressão?
Prefiro o mundo infestado por adolescentes punheteiros que por cretinos politicamente corretos?

Acompanhe AQUI a evolução do blog, desde sua criação.

é isso, por fernando stickel [ 7:51 ]

Faleceu Carl Andre aos 88 anos de idade. Desde o dia em que descobri sua obra lá nos anos 70, fiquei fascinado e curioso.
Como suas obras podiam ser tão poderosas e simples ao mesmo tempo? Muitas delas se erguendo apenas 1 cm. acima do chão…
A mesma pergunta se aplicava às obras de Walter De Maria e Donald Judd, dois minimalistas como ele, por exemplo, mas estes tinham mais atrativos visuais, Carl Andre era minimalista raiz, e mais surpreendente!

4th Steel Square
2008
Aço (1 x 200 x 200 cm)
16 unidades, cada (1 x 50 x 50 cm)

é isso, por fernando stickel [ 18:30 ]

Desde que me conheço por gente eu controlo o meu PESO.

De alguns anos para cá um pneu se inseriu silenciosa e insidiosamente no meu figurino, fato esse que ocorreu sem mudança no peso, pois mantenho de 92 a 93 quilos, na média há pelo menos duas décadas.

Ocorre que com o envelhecimento você inevitavelmente perde massa magra, e portanto aumentei a proporção de gordura em relação ao peso total, daí o aparecimento do pneu.

Já fui ao nutricionista alguns anos atrás, aprendi tudo que é preciso aprender, fiz uma dieta, anotei e fotografei tudo o que comia, desisti, e continuo fazendo exercícios regularmente mas não na mesma intensidade de anos atrás, o que também contribuiu para o aparecimento do pneu.

Depois de muito pensar decidi que é hora, aos 75, de tomar uma atitude definitiva e me livrar do pneu, de maneira natural, e para isso resolvi observar o que faz a Sandra, minha mulher, que come praticamente as mesmas coisas que eu e mantém seu peso e seu belo corpo há décadas. Qual a diferença?

Os hábitos que coincidem:
– Horários regulares das refeições saudáveis, café da manhã, almoço e jantar
– Horários regulares de dormir e acordar
– Exercícios diários
– Check-ups anuais

Onde ela faz diferente:
– Gosta muito mais de salgados do que de doces
– Bebe pouquíssimo, talvez 5 ou 10% da quantidade que eu bebo.
– Come pouquíssima besteira, como chocolates, sorvetes, etc… talvez menos de 5% do que eu
– Faz lanche da tarde regularmente
– Não come mais nada após o jantar.

Observações feitas resolvi fazer um teste, e replicar o comportamento da Sandra durante uma semana. Sem álcool, sem doces e sem nada depois do jantar, só água.
Apenas uma exceção, que é o jantar da quarta-feira, que fazemos tradicionalmente no restaurante japonês, e aí eu me permito um ou dois sakes. Algo similar farei no sábado ou domingo.

Iniciei o teste na sexta-feira 12/01/2024, com o peso de 92,5kg. Hoje, 19/1 estou pesando 92,1kg, ou seja com esta estratégia simples, praticamente indolor, perdi 400 gramas.

A técnica é indolor, sim, contanto que você mantenha 100% do foco no objetivo, que é perder o pneu, e ganhar agilidade, usar calças que estão apertadas, etc…

Para colocar números no objetivo, vou pensar em perder cerca de 200 gramas por semana durante 20 semanas, ou seja, chegar a 88kg em 1 julho 2024. Haverão intercorrências, viagens, e várias otras cositas mas, mas no geral acho que é um bom plano, o sucesso da primeira semana me deixa animado!

é isso, por fernando stickel [ 8:26 ]


Tintim e Milu © Hergé-Moulinsart 2018

Nada como iniciar o ano de 2024 celebrando, com alguns dias de antecedência, o aniversário de 95 anos de Tintim!

Reproduzo o post do blog Arte, aqui e agora da minha amiga Sheila Leirner:

Começo 2024 com Tintim, que hoje está um jovem velhinho com o qual nós, não tão velhinhos, mas verdadeiros baby boomers , podemos nos identificar. Tintim é Hergé, seu criador, claro! O positivo e modelar herói loiro de topete da nossa infância e juventude, repórter no qual nos projetávamos, e seu cachorro Milu – com mais de 250 milhões de álbuns vendidos no mundo, traduzidos em 110 línguas e dialetos – mesmo quando não podemos dizer que fomos ou somos verdadeiros “tintinófilos”. Isso, embora o personagem tenha sido criado em 1929 e constitua apenas a parte mais visível de uma obra com outras figuras e uma grande invenção, a famosa “linha clara”: o estilo de desenho que utiliza um só traço negro em torno das imagens e que influenciou até mesmo a Pop art.

Além da centena de personagens – entre as quais estão o Professor Girassol, Dupond e Dupont, Bianca Castafiore, Nestor, Rastapopoulos, Dr. Müller -, quem pode esquecer da residência do Capitão Haddock, calcada no castelo de Cheverny? E por falar nesse marinheiro, os curadores da grande exposição no Grand Palais em Paris dedicada a Hergé, em 2016, foram felizes na criação da sua página Twitter (hoje “X”) com um “gerador de insultos”. Assim, se as pessoas tivessem uma veia um pouco masoquista e quisessem ser injuriados(as) em francês de “Bachi-bouzouk!”, “Bugre falso ao molho tártaro”, “Espécie de cabra mal penteada”, “Coloquíntida com gordura de porco-espinho” ou “Ectoplasma de rodinhas”, bastava seguir o vociferador e dialogar com ele. Eu fui insultada de “Sombra oricterope”!

Muito se fala da “questão colonialista” nas histórias de Tintim. Coisa de woke não pode faltar. Mas entre os 600 livros que lhe foram consagrados, Albert Algoud, autor do volume integral dos xingamentos do Capitão (Ed. Casterman, 2014), que lançou também o Dicionário amoroso de Tintim (Ed.Plon), esclareceu um aspecto menos conhecido. O da batalha entre célinianos e tintinófilos, sobre a paternidade dos palavrões. Teria Hergé se inspirado em Louis-Ferdinand Céline para criá-los? Ora, parece que o barbudo Haddock de bom coração – fumador de cachimbo e colérico, também nascido do célebre Pencroff, personagem de Júlio Verne em “A Ilha Misteriosa” – sim, ele proferia horrores inspirados pela pluma (antissemita) do escritor e médico francês. Que honra e… decepção.

Um grande artista contemporâneo
A origem do pseudônimo do criador de Tintim deve-se às iniciais invertidas “RG” (de Georges Rémi), cuja pronúncia é “Hergé”. Hergé (1907-1983) foi um desenhista que esgotou todas as suas possibilidades de criação, inspirando-se inclusive em outros cartunistas, países, regimes, civilizações antigas e primitivas. No processo criativo do mestre, fica evidente a influência que tiveram sobre ele diferentes formas de arte como o cinema, a fotografia e também as ilustrações de Benjamin Rabier (autor da famosa “vaca que ri” do Polenguinho francês).

Fora da obra do gênio, quanto ao indivíduo, ainda resta a sombra de um grande mistério. Ele foi de fato um grande artista contemporâneo, uma das figuras mais conhecidas do planeta, porém também uma das mais elusivas. Por esta razão talvez, não apreciei a cronologia invertida naquela exposição retrospectiva no Grand Palais, há oito anos.

Começava por mostrar um sofisticado homem de cultura, para terminar com a infância dele em Bruxelas, sua cidade natal, a admiração pelo escotismo e as imagens do primeiro amor Milu, apelido da namorada. Esse “percurso ao contrário” perturbava, e muito. Opunha-se à ambição e à luta formidável de um artista sobre o qual uma das únicas coisas que sabemos de seu íntimo é que, inversamente, desejou sair da “cinza e medíocre juventude” e ganhar o vasto mundo.

Até a próxima que agora é hoje, primeiro dia do ano e, como diria Hergé, “as maiores aventuras são as interiores”! Mas como diria também o Capitão em “O Caranguejo das pinças de ouro” (e, no momento mundial presente, você pode interpretar como quiser) “VINGANÇA! VINGANÇA! VINGANÇA! VINGANÇA! Canalhas!… Emplastros!… Pés-descalços!… Trogloditas!… Caramelos-Tchuk-tchuk!”

Feliz Ano Novo, queridos amigos e leitores!


Tintim e Capitão Haddock © Hergé-Moulinsart 2018

é isso, por fernando stickel [ 9:38 ]


A sala de visitas da casa na R. dos Franceses.

Sonhei com meu pai Érico, ele estava na casa da Rua dos Franceses recebendo várias pessoas na sala de visitas. Era um evento festivo importante, ele vestia um terno jaquetão cinza muito elegante e uma gravata bordô, muito animado ele se movia com naturalidade, impondo sua presença. Eu estava por ali mas não participei da reunião, me sentindo bem por ele estar bem, pois aquelas pessoas eram da cultura e das artes, assuntos que ele prezava acima de todos.

Interessante que acordei hoje com o sonho muito vivo e claro na minha mente, e pensei: Preciso escrever!
O dia passou, fiz mil outras coisas e me esqueci do sonho. Ao deitar, já com a luz apagada, eis que o sonho volta à minha mente, levantei e fui escrever.

é isso, por fernando stickel [ 23:56 ]


Planta original do Edifício Modular lançado pela Forma Espaço Construções no início dos anos 70, com projeto do arquiteto Abrahão Sanovicz, com 124m2 privativos e 178m2 de área total.

é isso, por fernando stickel [ 14:49 ]

Na primeira vez que tive contato com a obra de James Turrell, lá nos anos 80, eu quase caí de costas pela potência do trabalho.

Não lembro se era um museu ou uma galeria, orientado por um funcionário você entrava em um grande espaço silencioso e aguardava um tempo para seus olhos se acostumarem com a escuridão. Pouco a pouco, à medida que a sua visão ia se adaptando à sombra, surgia muito fraca uma área de cor, e você magneticamente atraído por ela ia se aproximando, até que uma espécie de janela de cerca de 1 x 2 metros se revelava, preenchida com cor, melhor dizendo, preenchida com luz. Uma coisa muito estranha, fascinante, pois você não conseguia detectar a origem daquela luz, daquela massa de luz e cor que parece uma névoa colorida. Muito bonito, muito forte.

A partir daí me interessei pelo artista e conheci detalhes de sua obra, em especial o seu monumental projeto Roden Crater no Arizona.

Em Punta Del Este no Uruguai visitamos recentemente uma instalação do artista anexa à Posada Ayana, em José Ignacio. Chama-se Skyspace Ta Khut e foi construída por iniciativa dos donos da pousada, o casal austríaco Edda e Robert Kofler.

O espaço recebe visitantes para duas sessões ao dia, uma ao anoitecer, e outra ao alvorecer, mediante agendamento e pagamento de U$50,00. Marcamos nossa visita para as 19:15h e quem recebeu o grupo foi o próprio idealizador.


Robert Kofler explica o conceito e a história do espaço.

O grupo entra no grande espaço circular, ceca de 7 metros de diâmetro e 5 de altura, onde 20 pessoas podem se sentar confortavelmente em um banco que circunda todo o ambiente, ou, como o próprio Mr. Kofler sugere, se deitar no chão, em cima de pelegos, olhando para a abertura circular no teto.


O início e o fim da sessão.

A sessão começa, a luz no interior do espaço vai mudando, uma trilha sonora composta especialmente para o espaço preenche o ambiente, e o céu, visto através de uma abertura circular segue seu curso rumo à noite. Passam nuvens, mudam as cores, passa um pássaro… E você maravilhado com tudo aquilo vai mergulhando em um sereno transe feito de cores, sons, natureza, arte, tecnologia, sofisticação…


A entrada do espaço.


A vista da rua.


Na entrada do Skyspace, plantas e fotos da construção.

é isso, por fernando stickel [ 7:33 ]

Faleceu Carlinhos Lyra (Carlos Eduardo Lyra Barbosa, 1933), mais um excelente músico que nos deixa… A bossa nova não existe mais, e o vácuo deixado pelo Carlinhos e todos os outros gênios que já morreram não será preenchido, infelizmente.
A MPB hoje é burra, insensível, sem imaginação, uma eterna repetição de maus clichês.

Conheci o Carlinhos e a Kate Lyra lá nos anos 70-80 apresentados pelo meu amigo Walter Appel, chegamos a conviver e fui convidado pela Kate para fazer as fotos de cena do curta-metragem em 35mm, “O Círculo” de 1979, direção e roteiro de Kate Lyra. O curta foi destaque no Festival de Gramado, a trilha sonora era do Carlinhos, executada por Luis Eça, produção do Enzo Barone e fotografia Jorge Solaris. Lembro que as fotos que fiz com minha Asahi Pentax ficaram muito interessantes, mas infelizmente se perderam…

é isso, por fernando stickel [ 7:31 ]

Foi lançada no último dia seis de dezembro a nova marca do Itaú Unibanco, que, preparando-se para seu centenário, propõe o novo conceito ‘Feito de Futuro’, refletindo sua evolução e preparo para os próximos desafios.

Foram 22 meses de trabalho, mais de 70 estudos de cores, cerca de 100 estudos tipográficos e outros tantos de logotipia, que reavaliaram forma, cor, fontes, grafismos e expressões.
A americana Pentagram foi escolhida para consultoria estratégica, com condução de Fábio Haag, da Fabio Haag Type.

Gostei muito do novo logotipo, é uma evolução correta e necessária. As empresas e as instituições evoluem e a sua imagem visual acompanha o desenvolvimento, é um sinal dos tempos e uma oportunidade de realinhar propósitos e refrescar identidade.

Fiquei particularmente satisfeito com a nova imagem Itaú por ter participado do processo de evolução da marca, pois em  1982 fui contratado por Antônio Jacinto Matias para trabalhar na área de marketing do Banco Itaú como responsável pela implantação do novo programa de identidade visual do banco, criado dois anos antes por Alexandre Wollner.

Com essa contratação minha vida profissional passou a acontecer no centro da cidade, na Rua Boa Vista, no mesmo prédio da linda agência do banco, a 0057, criada pelo arquiteto Jacob Ruchti, que incluia um lago de carpas, muitas obras de arte e paisagismo de sua mulher, Irene Ruchti. Era o auge da demonstração do poderio do banco através de construções sofisticadas e grande metragem quadrada.

O meu trabalho era cuidar para que a nova marca Itaú fosse corretamente aplicada em todos os itens do banco, de talões de cheques e cartões de crédito à sinalização de prédios administrativos e agências, passando por uniformes, veículos e outros milhares de itens. Reuniões eram comuns na Itauplan, Itautec e DPZ, agência que monopolizava toda a comunicação e propaganda do banco. Até no Relógio Itaú no topo do Conjunto Nacional colaborei! Engoli um sapo de bom tamanho no dia 12/8/82, em uma reunião no departamento de compras, quando fui chamado de moleque pelo chefe do departamento, um coronel aposentado. Foram muitas emoções!

O meu trabalho naquela época pré internet não era fácil, o banco era uma instituição enorme, com a mesma quantidade de funcionários que tem hoje, 40 anos depois!! Muitos departamentos, muitos caciques, muitos egos feridos… Todas as comunicações eram por memorandos internos, processo lento e burocrático e a conquista de certa agilidade na minha missão se verificou mais e mais difícil. O trabalho do designer gráfico é muitas vezes incompreendido, ao menos naquela época.

Eu tinha comigo o manual de identidade visual do Chase Manhattan, a primeira página do manual era uma carta assinada por David Rockefeller, principal acionista do banco, solicitando a expressa adesão de todos os funcionários do banco na correta implantação das instruções contidas no manual.

Comentei com minha equipe sobre este manual e sugeri aos meus superiores que o Dr. Olavo Setúbal escrevesse uma carta semelhante, para ser incluída no manual Itaú, já que a resistência à implantação da nova imagem era muito grande. Eu imaginava que com uma carta dessas nas mãos as resistências diminuiriam, mas não foi o que aconteceu, a carta não chegou a ser feita, me deram explicações incompreensíveis, frouxas, a recusa foi a gota d’água…

Cerca de um ano e meio depois do início do meu trabalho, cansei de dar murro em ponta de faca e joguei a toalha, em uma bela manhã de quinta-feira, 3/11/1983, subi ao andar do Matias, pedi para falar com ele e comuniquei minha decisão:
– Matias, estou puxando o carro…
– Como?!
– Estou saindo do banco, pedindo demissão.
– Mas por que?
– Porque as coisas não andam, vocês não me dão força política para trabalhar, estou cansado…

Me obrigaram a cumprir o aviso prévio, o que fiz de péssimo humor, aproveitando para nestes últimos dias de trabalho no Itaú chegar tarde e sair cedo, me dedicando a preparar a minha primeira exposição individual “Fernando Stickel Desenhos”, cuja inauguração ocorreu no dia 5 abril 1983 na Galeria Paulo Figueiredo. Foi uma experiência incrível!


No escritório da R. Boa Vista a equipe: Ester, eu e Luciana.


Eu no meu “box” com desenhos dos meus filhos Fernanda e Antonio.


As meninas do marketing: Renata, Lili, Bia, Ester e Saly

é isso, por fernando stickel [ 12:16 ]


Dificílimo encontrar hoje em dia algum local onde fumar um charuto não seja considerada uma atividade próxima de algo criminoso…
O jeito é ir à calçada…

é isso, por fernando stickel [ 13:05 ]

Na nossa experiência de viajantes, Sandra e eu raríssimas vezes chegamos a um hotel ou pousada e encontramos tudo perfeito.
Na Casa FLor em La Barra, Punta Del Este foi assim, desde o primeiro minuto! Recepção simpática, agradável, tudo bonito, logo nos foi oferecida uma taça de vinho, em seguida o quarto, pequeno mas perfeito, banheiro idem, charmosíssimo, em uma escala em que você parece estar na tua própria casa.

Há sempre uma boa música no ar, em volume muito baixo, que não compete com o barulho do vento e dos pássaros. A equipe é educada, gentil, nota 10, Alfonso, Juan, Bruno e Bruna e o café da manhã é o melhor que já experimentamos. É a simplicidade na medida certa, decoração sofisticada exatamente na medida da simplicidade do quarto com vista para o mar, a dois quarteirões dele. Não é sempre que experimentamos felicidade total fora de casa, esta foi uma delas!

é isso, por fernando stickel [ 9:03 ]


Em um belo sábado de manhã, lá nos idos de 2010, Mário Sacconi me levou a uma loja enfurnada lá perto da represa de Guarapiranga para comprar equipamento de velejador, sem o qual é impossível participar de competições. Usei o equipamento em todas as provas que fizemos, e depois ficou guardado por uns bons anos.
Após o falecimento do Mário achei que era hora do equipamento encontrar um novo dono, e a Vera Domschke, viúva do Mário se encarregou de distribuí-lo.
Que os novos donos sejam felizes nos mares e represas assim como eu fui ao lado do Mário!

é isso, por fernando stickel [ 9:20 ]


Mário Sacconi e a Mercedes-Benz 280 SL, companheira de inúmeros rallyes de carros clássicos.

MEU AMIGO MÁRIO

Mário Vicente Sacconi era um esportista. Não por acaso foi na Sociedade Hípica Paulista que eu conheci o Mário, quando a Sandra minha mulher e eu nos associamos em 2007. A Sandra já conhecia a Vera Domschke, mulher do Mário desde os tempos de cursinho…
Certo dia eu estava na piscina e o Mário se aproximou de uma maneira ao mesmo tempo direta e suave, atitude que de cara me impressionou, e perguntou meu nome, o que eu fazia, e assim iniciamos uma gostosa conversa, que se tornaria uma sólida amizade.


Sandra, Vera e Mário na Lapa, PR.

Naquela época eu me dedicava bastante à natação, ele corria e nadava e nós, junto com a Sandra participávamos das competições “Biathlon” do clube, onde um corre e o outro nada.
No Biathlon de novembro 2012, a dupla Sandra e Mário participaram de um sorteio e ganharam o prêmio de uma estadia no Lapinha SPA no Paraná, com direito a acompanhante. No inverno de 2013 os dois casais embarcaram para uma deliciosa semana de caminhadas e muita saúde na Lapinha!

———


Chegando ao Clube Internacional de Regatas em Santos.

Vocês sabem o que é exaustão física extrema?
Eu sei, depois de dois dias de regata não muito bem sucedida… O primeiro dia, em setembro 2011 no Clube Internacional de Regatas em Santos foi só de treinos, Mário, timoneiro e eu, proeiro, entramos na água no snipe “Pantera por volta das 15:30 e navegamos até as 16:00 quando um defeito em uma roldana travou todo o sistema de controle da vela mestra do snipe, uma coisa provoca outra e acabamos virando, bem no meio da rota dos navios que entram e saem do porto de Santos. Rompeu-se a trava que segura a bolina, e ficamos sem a dita cuja, que mergulhou rumo ao fundo do mar… Mesmo se conseguíssemos desvirar o barco, seria impossível navegar sem a bolina.
Por sorte haviam outros competidores por perto que vieram nos ajudar, a coisa funciona assim: Mario e eu pedurados em uma escota, fazemos peso para desvirar o barco, quando a vela chega à superfície da água, alguém dos outros barcos pega a ponta do mastro que aflorou e dá um empurrão para cima, para completar a operação. Essa operação se repete uma, duas, três, cinco vezes, você escorrega, bate no barco, vai ficando fraco e com frio, cada tentativa é mais difícil que a anterior… Finalmente com o barco desvirado, um dos voluntários que nos ajudava saiu do barco dele e entrou no nosso tão rápidamente que parecia ter “andado sobre as águas”, e nos ajudou a baixar as velas e preparar um cabo para reboque. Chegamos no Clube Internacional de Regatas simplesmente exaustos… aí pega o carro e, chegando em São Paulo fomos ao Yacht Club Santo Amaro para emprestar uma bolina, a coisa foi longe…
Acordar no dia seguinte cheios de dores, tentando chegar cedo ao clube para consertar os estragos. Saímos em cima da hora, chegamos na raia exatamente na hora… UFA!!!!! Eis que, a dois minutos da largada se rompe um cabo… Novamente um perereco e a correria da improvização, conseguimos largar com cerca de 4 minutos de atraso, no primeiro contravento, tudo bem, conseguimos deixar três competidores para trás, na segunda bóia, tudo OK, aí o cabo esgarçou, pifou. Não deu mais, tivemos de desistir. Chegando de volta em São Paulo passamos na Regatta, compramos os equipamentos necessários, e amanhã cedo de volta à luta!!!!!!!

——–

O arquiteto João Batista Vilanova Artigas (1915-1985) projetou alguns prédios significativos na minha vida:
– FAUUSP na Cidade Universitária. No dia do vestibular de arquitetura em 1969, inauguração da nova faculdade, o próprio Artigas circulava entre as mesas, zeloso de sua obra e reprimia quem ousava usar um estilete sobre a fórmica virgem das mesas.
– Sobrados na R. Sampaio Vidal. Já formado arquiteto, comprei e reformei uma casa, projeto de sua autoria.
– Casa Domschke. Em setembro 2022 conheci outra obra do Artigas, desta vez em triste circunstância, pois nesta enorme casa realizou-se o velório de sua proprietária, Lydia Domschke, mãe da Vera, sogra do Mario e neste mesmo dia ficamos sabendo do diagnóstico do Mario, um tumor do tamanho de uma laranja no pulmão e várias metástases.

——

Mário e eu em Santos, prontos para competir!

Às sete da manhã em ponto, conforme combinado, Mario passou na minha casa e pegou a mim e ao meu filho Arthur, direção Ponta da Praia em Santos. Íamos participar do Circuito Netuno de Travessia em Águas Abertas – 2ª Etapa, abril 2010. Trânsito complicado em Santos, por um evento de pedestrianismo, ruas e avenida da praia fechados, chegamos ao stand da YPS, promoter do evento, às 8:15h, dentro do prazo.
Retiramos as toucas obrigatórias, verde para mim, vermelha para o Mario e tivemos nossos números de inscrição pintados no corpo. Às 9:00h houve “simpósio técnico”, com rápidas explicações para as provas, 9:20h, largada da minha prova. Cerca de 50m separavam a linha de início da prova do começo da arrebentação, distância que cobri em um trote leve, o que acabou por prejudicar meu fôlego no início das braçadas, planejada para ser em 4×1, mas acabei por começar direto no 2×1. Na primeira bóia, a 150m já havia controlado a respiração. Na virada da segunda bóia, a 600m, a coisa ficou feia, pois a correnteza me arrastava para longe do portal de chegada, e foi necessário aplicar mais de 100% da minha capacidade cardiopulmonar, com o esforço cheguei exausto, completando os 750m em 15’23”, em segundo lugar na minha categoria “P” 60+ nascidos entre 1947 e 1951.
O Mario largou às 9:35h e completou os 1500m em 34’14”, terceiro lugar na categoria “O” 55+ nascidos entre 1952 e 1956. No seu pódio haviam quatro Marios!!!!

——-

Poucas semanas atrás resolvi levar o Mario a passear de carro. Ele e a mulher Vera estavam morando temporariamente na casa da Luciana, irmã da Vera, pois a casa deles estava em reforma. Mario já estava sem trabalhar há algum tempo, fora de sua própria casa, imerso 100% na família, médicos, tratamentos, hospital etc… Achei que um passeio, retirando-o desta confusão faria bem a ele, consultei a Vera e ela me disse que o Mario gostou da ideia do passeio.
Cheguei na casa da Luciana em um sábado de manhã, 30 setembro 2023, estacionei a minha “baleia” Mercedes-Benz 560 SEL, toquei a campainha e a Luciana abriu a porta avisando:
– O Mario está saindo.
Ele apareceu na porta, caminhando muito devagar, muito fraco, e sem falar nada me deu um abraço emocionado.
Fomos até o carro, abri a porta do passageiro e ajudei-o a entrar no carro, dei a volta, sentei no banco do motorista e perguntei:
– Mario, você quer ir a algum lugar em especial, no YCSA?
– Quero ir na farmácia… e me deu instruções sucintas, usando mais gestos que palavras para chegar à farmácia mais próxima, quis descer do carro, ajudei-o, entramos na farmácia e ele comprou duas coisinhas.
Voltamos ao carro, e ele só com um gesto disse: Vamos!
Daí para frente, durante cerca de hora e meia dirigi em silêncio, apenas uma música suave no rádio, ele não abriu mais a boca, cheguei a pegar a Rodovia Castelo Branco, pensando em parar no bacalhau do km 54, mas o trânsito estava infernal e fugi por um desvio.
Voltamos à casa da Luciana e lá deixei o Mario. À tarde liguei e perguntei se ele havia comentado algo, e a Luciana disse que ele havia gostado do passeio.
No dia seguinte soubemos que ao se preparar para deitar, cerca de 23h, Mario disse para a Vera:
– Não vai dar, estou com muita dor.
E foram para o hospital.
Esse era o Mario, durão, aguentava dor sem reclamar, só abria o bico em último caso.
Esta foi a última vez que estive com o Mário, que o vi vivo, ele faleceu na sexta-feira 10 novembro 2023.

———-


Preparados para a largada do Rallye 1.000 Milhas Históricas Brasileiras.

Mario navegador e eu piloto articipamos nos dias 2,3,4 e 5 de junho 2011 do Rallye 1.000 Milhas Históricas Brasileiras destinado a carros clássicos, realizado pela primeira vez no Brasil pelo MG Club do Brasil, com regras da FIA e supervisão da “Fédération Internationale des Véhicules Anciens” – FIVA.
Percorremos cerca de 1.700 km entre São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, as cidades de pernoite foram Angra dos Reis, Tiradentes e Campos do Jordão. A máquina que nos levou nesta competição incrível foi o Porsche 911 Carrera 1975, motor 2,7 litros, 210hp, que passou com louvor em seu primeiro grande teste após período de três anos de restauro de motor, câmbio, suspensão, freios, etc…
Logo de manhã, na largada da segunda perna saindo do Portobello Resort, fui perguntando ao Mario qual o próximo objetivo, uma lombada, um ponto de ônibus, uma padaria, etc… ele dizia lombada e ela não estava lá, ele dizia padaria, mas ela já havia passado, e assim fomos indo e eu comentava com ele que alguma coisa estava errada…
Até que ele falou: Túnel! Não havia túnel… Aí eu tive certeza que havíamos errado o roteiro, e iniciei a toda velocidade (e muita emoção) a recuperação do erro, que nos custou apenas 60 km…
À noite, a organização do rallye projetou em uma tela o percurso de todos os carros registrado por GPS, vários pontos seguiam juntos após a largada e logo um ponto desgarrou-se do bloco principal (éramos nós…), o ponto distanciou-se bastante do grupo, e depois voltou rapidamente a se juntar, demos muitas risadas e fomos dormir felizes com a aventura.
Completamos a prova em 22º lugar na geral (51 inscritos) e 14º lugar na categoria (24 inscritos).
O carro se comportou perfeitamente e descobrimos que existem inúmeras belezas naturais que não conhecemos, simplesmente por falta de andar por este mundão afora.
Além dos prazeres da competição, e dos deliciosos “rachas” em trechos de deslocamento, conhecemos várias pessoas interessantes, escutamos muitos “causos”, e conversei muito com o Mario, ele mesmo um fantástico contador de causos. Mario, e eu fomos nos ajustando durante o percurso, ao ponto de zerarmos todos os PC no último trecho.

——–

Mario era um excelente contador de causos. Contava histórias da sua infância e adolescência na casa dos pais na Vila Nova Conceição, as brincadeiras e aventuras com os amigos da rua, passando por sua vida profissional, a MGS Eletronica, pelas aventuras na vela, viagens, etc… etc… Um dos causos ficou bem gravado na minha memória, pois passou-se na Praia do Tombo no Guarujá, local que eu conhecia bem, pois tínhamos casa ali perto, e sobre o qual meu pai sempre me alertou:
– Não entre no mar na Praia do Tombo, é muito perigoso, as ondas são muito fortes e tem correnteza!
Pois foi justamente nesta praia que o Mario foi surfar, foi embrulhado por uma onda e sofreu um corte profundo no ombro, ferido, teve que aguentar um bom tempo para conseguir sair do mar sangrando e procurar ajuda…

———

Passeio a Campos do Jordão, Francisco, Mario e eu nas BMW.

Certo dia, início de 2010, Mario me falou assim: Quer ser meu proeiro?
Eu respondi: Se você é louco de me convidar, eu sou louco de aceitar!
Eu explico. Mario foi desde sempre um velejador, inicialmente na classe Finn, uma das mais difíceis, e depois na classe Snipe, na qual eu fui proeiro na minha adolescência no YCSA. Como já havíamos conversado sobre esse assunto ele sabia que eu tinha intimidade com a vela.
Ele me explicou que o Snipe World Master Championship 2010, organizado pela Snipe Class International Racing Association – SCIRA, Campeonato Masters Mundial de Snipe, aconteceria em setembro no Rio de Janeiro, e que teríamos cerca de cinco meses para os necessários treinamentos.
Eu topei na hora, e começamos a participar de regatas, na represa de Guarapiranga, sede do Yacht Club Santo Amaro – YCSA. Comprei roupas técnicas, velejamos em temperaturas congelantes, viramos o barco em vento forte, fizemos muitos ajustes e reformas no barco, enfim, muita experiência acumulada em pouco tempo. Naquela época tanto ele quanto eu tinhamos potentes motos BMW, e ir e voltar ao YCSA era fácil e rápido.
Em julho veio o Campeonato Leste Brasileiro em Cabo Frio, minha primeira regata fora de São Paulo. Viajamos na quinta-feira ao meio-dia, rebocando o snipe na perua Peugeot do Mario. Em condições normais, sem congestionamentos são cerca de sete horas na estrada. Foram duas regatas na sexta-feira e duas no sábado, as duas do domingo não fizemos para poder preparar o barco para a viagem de volta e chegar cedo.
Ao final da regata na sexta-feira o Iate do Clube do Rio de Janeiro – Sede Cabo Frio ofereceu um churrasco, devorado por nós, e logo na sequência fomos à pousada Porto Fino, exaustos. Enquanto eu tomava banho, Mario já havia se preparado, mergulhou na cama e dormiu imediatamente, quando eu ia entrar na cama fui assaltado pelo ronco do Mario… Ele dormia profundamente e roncava na potência máxima! Pensei com os meus botões: Assim não vai dar! Fui à recepção e pedi outro quarto, onde pude finalmente desabar na cama! Nossa posição nas quatro regatas foi de 20º lugar, para um total de 26 participantes, resultado excelente, considerando que no grupo havia competidores com inúmeros troféus internacionais, como Bruno Bethlem e Ivan Valente, além de vários outros “feras”. Além disso nossas idades somavam 117 anos e o peso 170kg, muitas das tripulações concorrentes eram bem mais jovens e mais leves. O resultado, além de um brutal aumento na minha experiência e no treino da tripulação, foram dores generalizadas, exaustão total ao final das regatas, noites de doze horas de sono, e os meus dedos parecem salsichas “overstuffed”, duros, doídos, parecia que com qualquer coisa eles iriam estourar!

———

Mário preparando o barco.

Finalmente chegou o dia 18 setembro 2010, hora da viagem ao Rio de Janeiro para o tão esperado Campeonato Masters de Snipe, Mario e eu estávamos bastante bem treinados, o barco regulado, tudo em ordem.
Mais uma vez o processo de preparar a carreta e desmontar o barco e colocá-lo na carreta, aproveitei e fui atrás de um pneu novo, preparativos para uma viagem tranquila.
Chegamos ao Rio de Janeiro ao final da tarde e fomos direto ao Iate Clube do Rio de Janeiro em Botafogo para descarregar o snipe. O local é lindo demais, com o Pão de Açúcar logo ali. Na sequência fizemos o check-in no Novotel no Leme, desta vez em quartos separados!
Na manhã seguinte, a cerimônia de abertura do campeonato contou com banda de música da Marinha e discurso de autoridades!

Durante os meses de treinamento Mario me ensinou tudo, comentava sobre os competidores concorrentes e suas estratégias, me apresentou dezenas de amantes da vela, esclareceu as regras de largada e de competição, detalhes técnicos do barco. Tentei ser um bom aluno, fui melhorando no processo de montagem e desmontagem do barco, e na velejada em si, nas responsabilidades do proeiro, e, de fato, pouco a pouco nos tornamos um time. Algumas habilidades acessórias foram desenvolvidas, como guiar pelo Rio rebocando a carreta, procurando um borracheiro…


Mário e eu no Iate Clube do Rio de Janeiro.

As competições na baía da Guanabara, à sombra do Pão de Açúcar, eram lindíssimas, e muito difíceis. Poucos velejadores conhecem o complicado regime de marés e correntezas do local, então apenas os competidores locais e os mais experientes se davam bem.
A convivência no Iate Clube era muito divertida, com muita gente nova, tomar um chopp ao final da tarde naquele ambiente foi uma experiência única! Nas poucas horas livres conseguimos ainda caminhar bastante pelo Leme, visitar o Forte de Copacabana, fizemos uma trilha ao redor do Pão de Açúcar, visitamos o Museu Niemeyer em Niterói e uma exposição de Wesley Duke Lee na Pinakotheke em Botafogo.
A competição foi vencida pela dupla Paulo Santos e Rodrigo Inacio, cariocas e profundos conhecedores da Baía da Guanabara, nós ficamos em 35º lugar, dentro de um universo de 54 competidores, incluindo japoneses, noruegueses, italianos, norte-americanos e canadenses.


Mário e eu na Guarapiranga.

————

No Carnaval de 2016, os Hackepeters, grupo de Whatsapp formado por 4 casais de amigos da Sociedade Hipica Paulista, decidiam ir a um baile a fantasia em um restaurante no centro da cidade, na R. Nestor Pestana. Foi hilário! O Mario de Popeye e a Vera de arlequim; Sandra de anos 70 e Fernando; Mané de Chapolim Colorado e Laura e Alexandre de pirata e Celina.

———–

Almoço no Manacá, com Bassy, Alberto e meu filho Arthur.

Mario e eu estávamos treinando bastante natação, já havíamos feito o teste de natação no mar na prova em Santos, e resolvemos participar de uma prova maior, a Fuga das Ilhas na Barra do Sahy, litoral norte. A organização do evento insistia em dizer que a distância era de 1.500m, quando na realidade é de cerca de 1.900-2.000m.
No domingo 8/12/2013 Mario, Jean, outro amigo da Hípica e eu procuramos o espaço do Edu Modenez, parceiro do nosso professor Ricardo, e lá, guarnecidos de cadeiras, água, isotônico e sombra aguardamos o início da prova nos hidratando, para combater as cãibras. Foram cerca de duas horas de espera até a largada. Na escuna que leva os competidores à ilha fiz bastante alongamento das panturrilhas, e me senti preparado para a prova.
Dada a largada me esquivei de parceiros mais afoitos, ninguém quer tomar uma braçada ou pernada, peguei o meu ritmo e mirei na referência no continente. Mario e Jean sumiram, cada um na sua… Durante o percurso senti uma ou outra “fisgada” na panturrilha, início de cãibra, dei uma soltada na perna e me livrei da maldita, e assim foi até o final. O mar estava bastante mexido, acho que fiquei retido por um bom tempo em alguma correnteza contrária perto da largada, e na chegada, andando com água abaixo da cintura as cãibras quiseram se manifestar novamente, combati-as com calma, andando devagar e levei cinco minutos até passar pelo portal. Completei a prova em 55’06”, 9º colocado na categoria e 2086 na geral. O Mario completou a prova com pelo menos 10 minutos a menos.
Almoçamos como reis no Manacá, em Camburi, e a sensação de vitória e objetivo cumprido: Completar a prova sem cãibras!!!

——-

No topo do Monte Serrat, eu, Sandra, Vera e Mário.

Em Julho 2012 Mário sugeriu que visitássemos Santos, sugestão aceita imediatamente, e lá fomos nós para o litoral na tarde da sexta-feira 20 julho, Dia Internacional da Amizade.
Primeira parada no Monte Serrat, com linda visão 360 graus de toda a cidade, com acesso pelo bondinho. Em seguida pegamos uma catraia na Bacia do Mercado, em Santos, destino Vicente de Caravalho (antiga Itapema), no Guarujá, uma linda e curta viagem, ida e volta, pelo meio do porto de Santos.
Na sequência uma caminhada pelo Valongo, Bolsa do Café, museu Pelé em construção, até em um casamento tropeçamos!

é isso, por fernando stickel [ 23:55 ]

Comprei esta bicicleta Peugeot usada por volta de 1980/81. Usei-a muito, na fase em que morei na R. Pinheiros e depois na vila da R. Bela Cintra.
Quando viajei para New York em 1984, para morar lá, me desfiz do meu carro, um Passsat branco, que vendi para o Fajardo, e da bicicleta, que vendi para o Joaquim, que faleceu em 2004 e a bicicleta ficou com seu irmão Renato, que me envia agora a foto!

é isso, por fernando stickel [ 16:53 ]

Lá nos idos de 1989 a joalheira Miriam Mamber teve a ideia de convidar um grupo de arquitetos para fazer e expor joias, eu fui um dos convidados.
Adorei o convite e me lancei com entusiasmo à empreitada, utilizando seixos, conchas, cacos de cerâmica e vidro que encontrei e colecionei durante anos nas praias onde andei, principalmente a Praia do Curral em Ilhabela.
Por indicação contratei um ourives que desenvolveu os engastes de prata que receberam os materiais coletados.
A exposição na galeria da Al. Gabriel Monteiro da Silva teve o nome de ARQUITETOS JOALHEIROS.
Obrigado à minha mulher Sandra Pierzchalski pela produção das fotos!

Lembrei desta exposição ao tropeçar em uma mensagem antiga do meu falecido amigo hugo Curti, me enviando esta foto PB.


Polaroid antiga com a preparação das peças.

é isso, por fernando stickel [ 7:13 ]


A fachada do Espaço Fundação Stickel recebe tratamento especial.

No próximo sábado 11 novembro das 10 às 16h abriremos no Espaço Fundação Stickel, na R. Nova Cidade 195 – Vila Olímpia, a exposição de pinturas “Maria Villares – Flor e Pedra” com minha curadoria.

Minha carreira de curador de arte não existiu até hoje como tal, nunca dei maior destaque a este mister, mas, assim como nunca deixei de ser arquiteto, designer gráfico, artista plástico ou fotógrafo, o ofício da curadoria sempre esteve presente na minha vida artística desde os anos 70, tanto nas minhas exposições, nas exposições dos amigos e, a partir do início do meu trabalho com a Fundação Stickel em 2004, em todas as dezenas de exposições que fizemos.

Em algumas exposições me permiti assinar a curadoria, como “A Trama do Gosto”, na Bienal de São Paulo em 1987, onde apresentei um espaço intitulado “Natureza Morta Limitada”; na exposição “Retratos Eriçados” de Maciej Babinski em parceria com Agnaldo Farias no Espaço Fundação Stickel em 2019, e agora assino a curadoria da exposição “Maria Villares – Flor e Pedra”, para a qual escrevi o texto a seguir.

MARIA VILLARES Flor e Pedra

Flor e pedra. Claro e escuro. Quente e frio. Pele e osso. Vermelho e azul.

A obra de Maria Villares é extensa e longeva. Seu universo pictórico é labiríntico e habitado por seres sem rosto. Mas eles estão ali, silenciosos, observando, e comandando o espetáculo.

Conhecer suas pinturas é como passear por dentro de uma caverna, com uma lanterna na mão, descobrindo imagens fascinantes que brotam da escuridão, uma hora usando uma lupa, outra hora se aproveitando de um raio de sol bandido intrometido na escuridão. Pode-se também pensar em utilizar um periscópio, ele te revelará mais algumas imagens surpreendentes…. Mas, o que está fazendo esta flor aqui???!!! Assim é a pintura de Maria Villares.

Maria não busca os holofotes, mas a solidez da disciplina, coerência e permanência. Seu trabalho atravessa os anos sem interrupção, uma coisa fluindo para outra coisa, por vezes inclinada à gravura, por vezes à cerâmica, mas mantendo sempre o norte do desenho. Sim, o desenho comanda seu destino e sua arte, esta verdade permanente transparece nesta série de pinturas executadas ao longo de mais de duas décadas.

As pinturas de Maria não se revelam por completo, elas são discretamente generosas ao fornecer pequenas pistas ao arqueólogo de plantão que queira mergulhar em espaços desconhecidos à procura de flores ou outras iguarias no Jardim das Delícias de sua obra. Tal qual os peixes luminosos do abismo, flores crescem em locais proibidos…
Fernando Stickel
Outubro 2023


Maria Villares e seu armarinho de referências.


Montagem da exposição


O planejamento da expografia

é isso, por fernando stickel [ 7:15 ]