aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Posts tagueados ‘cinema’

faleceu carlinhos lyra

Faleceu Carlinhos Lyra (Carlos Eduardo Lyra Barbosa, 1933), mais um excelente músico que nos deixa… A bossa nova não existe mais, e o vácuo deixado pelo Carlinhos e todos os outros gênios que já morreram não será preenchido, infelizmente.
A MPB hoje é burra, insensível, sem imaginação, uma eterna repetição de maus clichês.

Conheci o Carlinhos e a Kate Lyra lá nos anos 70-80 apresentados pelo meu amigo Walter Appel, chegamos a conviver e fui convidado pela Kate para fazer as fotos de cena do curta-metragem em 35mm, “O Círculo” de 1979, direção e roteiro de Kate Lyra. O curta foi destaque no Festival de Gramado, a trilha sonora era do Carlinhos, executada por Luis Eça, produção do Enzo Barone e fotografia Jorge Solaris. Lembro que as fotos que fiz com minha Asahi Pentax ficaram muito interessantes, mas infelizmente se perderam…

é isso, por fernando stickel [ 7:31 ]

elis & tom


Elis Regina e Tom Jobim

“Elis & Tom – Só Tinha de Ser com Você”, direção de Roberto de Oliveira e Jom Tob Azulay, roteiro de Nelson Motta, é um filme documentário extraordinário.

Na Los Angeles de 1974, Antonio Carlos Jobim, a encarnação da Bossa Nova, e Elis Regina, então a cantora mais popular do Brasil, se reuniram para gravar aquele que se tornaria um dos álbuns mais icônicos da história da música brasileira.

Através de imagens raras e inéditas, “Elis & Tom” revela o conflito e a alegria deste momento, numa viagem única no tempo, revelando momentos íntimos do processo criativo, as personalidades extraordinárias destes artistas e as inevitáveis tensões do processo.

Raras vezes temos a oportunidade de acompanhar o processo criativo de um artista, neste caso a documentação é farta e extremamente bem produzida, envolvendo depoimentos e gravações de toda a equipe, com destaque para Cesar Camargo Mariano, produtor musical do álbum e também arranjador de algumas músicas, marido de Elis na época.

Em contato com o minimalismo de Tom (nas palavras de Beth Jobim, filha de Tom, que tinha 16 anos na época das gravações, o pai usava muito mais a borracha do que o lápis ao compor) Elis promove uma progressiva depuração de sua voz exuberante, atingindo controle e lirismo inigualáveis em um processo lindo de ser acompanhado.

Tecnicamente o longa é impecável, o som é perfeito, fotografia impecável, é um filme que prende a atenção e extremamente prazeiroso de assistir, com detalhes da época inimagináveis hoje, como os cigarros presentes em todas as gravações…

Na minha área das artes visuais, 99% do processo criativo se faz a sós, imagino que ao compor uma música o artista também esteja só, talvez com seu piano. Mas ao tocar sua composição uma enorme quantidade de outros profissionais entra em ação, e torna-se necessário controlar e obter o máximo desempenho de toda a equipe. O documentário mostra muito bem essa dinâmica.


Tom Jobim e Cesar Camargo Mariano

é isso, por fernando stickel [ 8:42 ]

bomba atômica

O filme Oppenheimer é longo, pesado, difícil e muito bom. Poderia ter uma hora a menos? Talvez. Mas acho que vale a pena, é um daqueles filmes necessários. O personagem de Robert Oppenheimer está perfeito no ator irlandês Cillian Murphy, que eu já tinha amado na série Peaky Blinders.

Para mim que tenho interesse em ciência, e que já havia lido cerca de 10 anos atrás o livro “The making of the atomic bomb” escrito pelo ganhador do Pulitzer, Richard Rhodes, o filme foi um complemento perfeito!
São nada menos que 788 páginas fascinantes, a história do gênio humano e da física nuclear se confundem com a política do século XX, as perseguições nazistas aos judeus, a primeira e a segunda grande guerra, os prêmios Nobel.
Um esforço técnico/científico/político/logístico sem precedentes, algo que custou nos anos 40 dois bilhões de dólares ao governo dos E.U.A.
As questões morais colocadas, o esforço para terminar a guerra, a consciência pesada dos responsáveis pela criação da mais poderosa arma se confundem com o fascínio e o prazer intelectual da verificação prática de teorias altamente sofisticadas da desintegração atômica.
Sem dúvida um dos melhores livros que li. Tudo aquilo que aprendi nas aulas de física e química no colégio, mais um tanto que pude complementar na vida adulta voltaram à tona, simplesmente fascinante.
O autor deteve-se inclusive na vida pessoal dos protagonistas, nomes como Robert Oppenheimer, Enrico Fermi, Einstein, Nioels Bohr, Madame Curie, Heisenberg, Leo Szilard, Emilio Segrè, Egene Wigner, Edward Teller, e também na vida da comunidade de Los Alamos, onde centenas de cientistas, técnicos e suas famílias conviveram no período final da criação da bomba.
O horror de Hiroshima e Nagazaki não foi poupado, a descrição gráfica dos efeitos das bombas é de arrepiar, até hoje.
Raras vezes na vida consegui ler um livro deste tamanho e complexidade até o fim, valeu!!

é isso, por fernando stickel [ 8:56 ]

eliane lage e tom payne

eliane_lage
Minha amiga Vi Leardi lembrou um outro aspecto do Guarujá da minha infância e adolescência, a charmosa casa do Tom Payne, que ficava a meio caminho na estrada de terra, entre a Praia do Tombo e a Praia do Guaiuba.
Meus pais frequentavam bastante o antiquário que havia junto com a casa, compraram várias peças, me lembro bem dele, um verdadeiro “galã” e de uma mulher interessante, que devia ser a esposa, a atriz Eliane Lage.

“Eliane Lage é uma imagem que tremula no imaginário de gerações”, afirma Ana Carolina Maciel, que co-dirigiu com o cineasta Caco Souza o documentário Eliane, em 2002. Leia mais aqui.

Apesar da curta carreira cinematográfica, Eliane Lage foi uma das maiores estrelas da Companhia Cinematográfica Vera Cruz, o lendário complexo de estúdios cinematográficos que tentou reproduzir no Brasil o modelo de produção Hollywoodiano.

Protagonista de cinco clássicos do estúdio, Eliane Lage tornou-se um ícone do cinema brasileiro.

Filha de pai brasileiro e mãe britânica, Eliane Margaret Elizabeth Lage nasceu em Paris, em 16 de julho de 1928, mas veio para o Brasil com apenas seis meses de idade. Ainda muito jovem, começou a fazer trabalhos sociais na Favela Dona Marta. Posteriormente, foi estudar na Inglaterra, e de lá foi para à Grécia, onde foi voluntária em um campo de concentração de crianças gregas durante a guerra civil que assolou o país.

De volta ao Brasil, foi descoberta pelo cineasta inglês Tom Payne, que havia sido contratado pela Vera Cruz. Ele a convidou para um teste, e a atriz foi escolhida como protagonista de Caiçara (1950), um dos mais importantes filmes da história do cinema brasileiro.


Eliane Lage hoje, aos 94 anos.


Estas fotos da casa do Guarujá me foram enviadas pelo filho do casal, Tomas Jorge Lage Payne.

é isso, por fernando stickel [ 8:00 ]

better call saul

Cerca de dez anos atrás comecei a ver anúncios da Netflix, não entendia muito bem o que era aquilo, o tempo foi passando e uma ou outra pessoa começou a mencionar a maravilha de assistir a inúmeros filmes e séries por um preço ridiculamente baixo, na televisão.

Finalmente fiz assinatura e me defrontei com a necessidade de instalar a interface entre computador e televisão, no meu caso tratava-se do Apple TV. Comprei o aparelho e no dia da instalação, um domingo, pedi ajuda para o meu filho Arthur.

Instalamos e ligamos, apareceram vários pequenos ícones cada um representando uma série ou um filme. Um ícone amarelo me chamou atenção com o título curioso Breaking Bad. Falei para o Artur: Vamos experimentar esse!

Naquele domingo à tarde Arthur e eu assistimos de cara três episódios de Breaking Bad, fiquei totalmente fascinado!


Bryan Cranston, Mr. White and Aaron Paul, Jesse Pinkman.


Bob Odenkirk aka Jimmy McGill aka Saul Goodman

é isso, por fernando stickel [ 8:20 ]

taxi driver


Covidei… Muito cansaço, muito sono e o corpo doído… Graças às 4 doses da vacina os sintomas são só esses, meu pulmão está limpo e o nariz desentupido, apetite normal. Largado no sofá o dia inteiro, sem vontade de fazer nada, cochilando. Assisti alguns jogos do torneio de Wimbledon e ontem à noite assisti Taxi Driver, filme de Martin Scorcese de 1976.

A primeira coisa que me impactou no filme foi a trilha sonora, perfeita! Eu conheci New York um pouco depois dos anos 70 retratados no filme, quando morei lá em 1984/1985, mas a cidade é a mesma, e a música me levou de volta para lá!

O autor da trilha é Bernard Herrmann (1911-1975) que faleceu de ataque cardíaco poucos dias após concluir o trabalho.

O filme se sustenta perfeitamente do alto de seus 46 anos de idade, é maravilhoso! Robert de Niro impecável, é tudo perfeito, e a trilha sonora é mais um personagem, tão importante quanto todos os outros!

é isso, por fernando stickel [ 9:11 ]

arthur trabalhando!


Meu filho Arthur conseguiu o visto de trabalho em Vancouver no Canadá, depois de um longo e dificil processo, sua participação em uma equipe de animação acaba de ser divulgada!
A animação executada pelo estúdio Titmouse. Inc chama-se “I Heart Arlo”, está no Netflix, e ele trabalhou nos episódios “In the Blue With You”; “Jeromio, Jeromio” e “Swamp Itch”.
Muito orgulho!

é isso, por fernando stickel [ 19:09 ]

apocalypse now

Assisti novamente ao filme Apocalypse Now – Final Cut (1979) de Francis Ford Coppola. São três horas e meia de duração, uma monumentalidade!

O interessante é que 42 anos depois o filme continua excelente e se sustentando muito bem, eficiente na denúncia dos horrores da Guerra do Vietnam (1955-1975).

A novela de Joseph Conrad, Heart of Darkness de 1899 que inspirou o filme, passa-se no Congo Belga, foi adaptado no filme para o Vietnam, e, segundo minha interpretação serve bem ao Brasil de hoje.

Resumindo: Em um país tropical existe um maluco que precisa ser neutralizado, e alguém é incumbido da missão.

Bolsonaro precisa ser neutralizado, e a Terceira Via, por mim simbolizada no Eduardo Leite, será incumbida pela sociedade brasileira para neutralizar o maluco.


Marlon Brando interpreta o Cel. Kurz, o maluco a ser neutralizado.


Martin Sheen interpreta o Cap. Willard, que recebe a missão de neutralizar o maluco.


O maluco.


Em breve a sociedade brasileira entregará a este homem a missão de neutralizar o maluco.

é isso, por fernando stickel [ 12:35 ]

meu pai


Não, não e não! Não percam tempo precioso com este filme, não recomendo!
Chato, triste, nada acontece, se for para ganhar um Oscar é para o filme mais chato da década!
OK, é bem feito, bonito, os atores são excelentes, mas você acaba de assistir frustrado, triste, desapontado. Poderia ter funcionado como um documentário, como entretenimento jamais, principalmente porque todos sabem o trágico alcance da doença de Alzheimer.

é isso, por fernando stickel [ 23:34 ]

o caso collini


Querem assistir um filme excelente? O caso Collini, no Netflix.
Com Elyas M’Barek e Alexandra Maria Lara, dirigidos por Marco Kreuzpaintner, é baseado em uma história real, advogado, tribunal, juiz… muito interessante!

é isso, por fernando stickel [ 12:20 ]

isolated cinema


O Göteborg Film Festival na Suécia se inicia no próximo dia 30/1.
Uma das características que me fascinou foi a possibilidade de ser selecionado para ficar uma semana fechado em uma ilha, participando do festival “on line”, com acesso à projeção de todos os filmes!

Enviei minha inscrição por e-mail:

Dear Sirs at the Göteborg Film Festival,

My name is Fernando Stickel, I am Brazilian, 72 years old, three grown up children and four grandchildren. I’m married and live in São Paulo, Brazil, with my wife Sandra and two puppies, Jimmy and Bolt. I’m in good health and I’m a good swimmer.
I graduated as an architect at FAUUSP and got an MBA from FIA-CEATS. I am a visual artist and photographer. For the last 16 years I run a non-profit institution in São Paulo.
The artist’s work is lonely, I know it well and I am used to loneliness, even though it is not currently part of my daily life.
I think a lot about writing a book, or a movie script, I have already written three books, released in 1999, 2006 and 2020.
I maintain a blog called “aqui tem coisa” that will complete 18 years of uninterrupted activity next 31 January. Here: www.stickel.com.br
My wife and I are addicted to movies and series, we even bought a bigger and better TV on the first month of the Covid 19 pandemic, it is a daily and happy habit for us.
I am fascinated by the sea, ships, explorations and lighthouses, I am an occasional sailor and as a teenager I fished a lot with my grandfather Arthur in Guarujá, SP, in particular around Ilha da Moela.
I would be very happy to return to Sweden and spend a week in Pater Noster, in the company of a red lighthouse, the sea, sky, birds, paper, pencils, my camera (if possible), many films and solitude. Ah! I also enjoy cooking.
Finally I was very happy to see that Bacurau will be shown at the festival, it is one of the best films I have ever seen, it makes me very proud to have it at the Festival!

Questions:

1. Can I take my camera?
2. Will there be a space for exercise and stretching?
3. Will I be required to watch a certain number of films?
4. Will there be the possibility of including alcoholic beverages such as wine in purchases?
5. You will provide an alarm clock, as I will not be able to take my cell phone, which is currently my alarm clock …
6. It would be very helpful to have a Swedish-English dictionary. I am fluent in English and I do quite well in German.

Congratulations on the beautiful idea, thank you for the opportunity!

A pessoa que irá para a ilha foi selecionada (não sou eu…infelizmente…) entre 12.000 aplicantes de 45 países. Trata-se de Lisa Enroth de Skövde, Sweden, enfermeira de emergências e entusiasta de cinema.


Foto: Ola Kjelbye

é isso, por fernando stickel [ 18:49 ]

arthur em vancouver


Arthur, nos seus recém concluidos 26 anos de idade, morando em Vancouver no Canadá.


Ele completou o curso de especialização em animação na Vancouver Film School, e o diploma dele finalmente chegou!

é isso, por fernando stickel [ 10:00 ]

l’isola delle rose


Começando o ano de 2021 com um filme italiano maravilhoso no Netflix “L’incredibile storia dell’Isola delle Rose”


Diretor e atores desconhecidos (para mim), baseado em uma história real, é uma comédia das boas!

é isso, por fernando stickel [ 11:56 ]

queen’s gambit


Excelente mini-série no Netflix, The Queen’s Gambit.


A atriz Anya Taylor-Joy no papel da jovem enxadrista Beth Harmon simplesmente arrasa!

é isso, por fernando stickel [ 10:06 ]

faleceu sean connery


Sir Sean Connery subiu aos 90 anos, vai deixar muitas saudades!


James Bond e o Aston Martin DB5, combinação insuperável!


Shaken, not stirred. RIP Mr. Connery.

é isso, por fernando stickel [ 18:41 ]

maravilhosa borgen


A série dinamarquesa Borgen no Netflix é uma lição de democracia, política, papel da imprensa e muitas outras cositas más em um país altamente civilizado. O personagem principal, a política moderada Birgitte Nyborg é interpretada magistralmente pela atriz Sidse Babett Knudsen.

Vale a pena, principalmente para nós brasileiros, que estamos testemunhando da parte do nosso estelionatário eleitoral Bolsonaro e sua quadrilha brutais agressões diárias ao processo democrático, onde toda a máquina estatal se encontra de costas para a população brasileira, mirando única e exclusivamente na perpetuação de seus privilégios. (e na reeleição…)

Logo no início da pandemia sonhei que o governo Bolsonaro poderia ter sido diferente, infelizmente foi só um sonho mesmo.

é isso, por fernando stickel [ 22:59 ]

arthur animado!


Meu filho Arthur acaba de completar o curso de Animação Clássica (Classical Animation) na Vancouver Film School VFS, um dos cursos do Advanced Production Programs da escola de cinema.
Como bom pai coruja posso afirmar, sem chance de errar, que o trabalho do Arthur é o melhor da Classe CA 104, quem estiver precisando de um animador pode e deve procurá-lo!
Instagram e-mail a.s.stickel@gmail.com Linkedin
Veja a animação “Knock Out” aqui.
Veja o Demo Reel aqui.
Veja o portfolio aqui.


A formatura se deu com uma reunião via Zoom, e uma projeção no YouTube, sinal dos tempos de pandemia, que pegou o Canadá bem fortemente.

A turma tinha inicialmente 25 alunos, e terminou com 17.


No meio do caminho o Arthur começou a namorar com sua colega Quinn, americana da Califórnia, agora estão morando juntos.


O curso foi forte, exigiu muito dos alunos, e ainda tiveram que lidar com a pandemia, no final deu tudo certo!


Arthur e Quinn.


A tchurma.


O ano foi puxadíssimo, mesmo assim conseguiram passear um pouco…

Apresentação dos trabalhos de todos os alunos. A classe se chama CA 104.

é isso, por fernando stickel [ 18:30 ]

submarinos


Um encontro com minha prima Stella no fim de semana em Campos do Jordão, com direito a conversas randômicas pelos temas da família e das memórias acabou me levando a contactar o Tio Roberto Guimarães, em Fort Lauderdale – USA, que muito simpaticamente atualizou e completou as informações deste post.

Nas comemorações da Semana da Marinha de 1962, o submarino Humaitá S-14, comandado pelo Capitão-de-Fragata Noísio Penna de Oliveira recebeu visitantes para um passeio na Baía de Santos.

Meu pai Erico e eu com 14 anos de idade fomos convidados para o passeio por um contraparente nosso, Roberto de Queiroz Guimarães, que na época era ajudante de ordens do Capitão-de-Mar-e-Guerra Átila Franco Ache, comandante da Flotilha de Submarinos.

O navio zarpou de Santos, eu simplesmente pirei com a experiência! A enorme quantidade de mostradores, canos, alavancas, o vento que a admissão dos motores diesel provocava dentro do submarino, poder visitar todas as áreas, ver os torpedos, camas, banheiros, cozinha, tudo apertadíssimo!

Depois de nos afastarmos do litoral e já em alto mar os motores a diesel foram desligados, as comportas fechadas e iniciada a submersão com os motores elétricos, eu pude olhar pelo periscópio, foi uma experiência inesquecível!

O Humaitá (S-14) nasceu como o submarino USS Muskallunge (SS-262), lançado ao mar em 7 de abril de 1942 e atuou durante a Segunda Guerra. Foi incorporado à flotilha de submarinos do Brasil em 18 de janeiro de 1957. Em sua chegada ao Brasil suspendeu ferros levando a bordo o Presidente da Republica Juscelino Kubitschek de Oliveira, e o então Ministro da Marinha, Almirante-de-Esquadra Antônio Alves Câmara Júnior.

Muitos anos depois assisti ao filme U-571, sobre batalha de submarinos na Segunda Guerra.
O filme mostra bem o clima dos anos quarenta e o inferno que era a vida em um submarino.
Meu pai me contou muitas histórias de submarinos na guerra, relatadas por um parente, Jürgen Kiep, que foi comandante de submarino na Alemanha, e sobreviveu à guerra!


Este submarino esculpido em madeira é um dos brinquedos mais antigos e queridos que tenho.
Meu pai comprou várias destas miniaturas de navios, que eram feitas por marinheiros de navios de guerra.

é isso, por fernando stickel [ 11:06 ]