aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

viagem

auschwitz


O filme A Zona de Interesse dirigido por Jonathan Glazer e nossa visita a Auschwitz.

Em 2016, atendendo ao desejo da Sandra de conhecer o país natal de seu pai Stefan Pierzchalski (1931-1951), nascido em Katovice, viajamos para a Polônia, desembarcando em Krakov.

A Polônia é um país maravilhoso, lindo, fascinante. Quis o destino que o campo de concentração de Auschwitz fosse construído ali, bem perto de Krakow, e resolvemos visitar o campo em uma linda manhã de sol, calor e céu azul.

Encontramos grupos de turistas com roupas leves e coloridas, tudo limpo e manicurado. Tínhamos uma grande expectativa de como tudo isso nos impactaria, mas lá chegando não sentimos em nenhum momento algum clima de opressão ou desconforto pelo horror que ali ocorreu.

As áreas museográficas exibem em vitrines as roupas, os sapatos, os restos daqueles milhões de assassinados com rigor germânico. Fiquei particularmente impressionado com a exposição de vários documentos atestando o método alemão, tudo minuciosamente documentado e relatado, tratava-se de uma operação levada adiante com rigor científico.

Talvez o local mais soturno seja a escultura do memorial, em pedra bruta escura, com uma placa com estes dizeres:

Este lugar é sempre um grito de desespero e um aviso para a humanidade.?Aqui os nazistas assassinaram cerca de um milhão e meio de homens, mulheres e crianças.?A maioria eram judeus de diferentes países europeus.
Auschwitz-Birkenau?1940-1945

O excelente filme adicionou ao meu entendimento a chave que faltava para compreender como foi possível a ocorrência do holocausto. Uma mentira repetida um bilhão de vezes, ao longo de muitos anos, com método e rigor científico, e maciços investimentos em marketing e propaganda, aliados à ambição individual de poder dentro da rígida cadeia hierárquica do exército. Disciplina rígida e competência. E assim todos aceitaram a mentira e a tornaram um objetivo válido de vida.

Fica evidente, observando o personagem principal Rudolf Höss, comandante do campo de extermínio, a famosa frase da filósofa Hannah Arendt sobre a banalidade do mal. Ele agiu segundo o que acreditava ser o seu dever, cumprindo ordens superiores e movido pelo desejo de ascender em sua carreira profissional, na mais perfeita lógica burocrática. Cumpria ordens sem questioná-las, com o maior zelo e eficiência, sem refletir sobre o Bem ou o Mal que pudessem causar. Ele e sua família viviam ali, vizinhos do MAL como se nada fosse.

Fiquei particularmente impressionado pelos vários documentos atestando o método alemão, tudo minuciosamente documentado e relatado!

Talvez o local mais soturno seja a escultura do memorial, em pedra bruta escura.

Este lugar é sempre um grito de desespero e um aviso para a humanidade.
Aqui os nazistas assassinaram cerca de um milhão e meio de homens, mulheres e crianças.
A maioria eram judeus de diferentes países europeus.

Auschwitz-Birkenau
1940-1945

é isso, por fernando stickel [ 8:53 ]

barracuda hotel


O hotel faz parte da rede Small Luxury Hotels of the World


Cenário lindo!


Sandra na entrada do hotel

O conceito The Barracuda foi criado em 2005, quando um grupo de amigos suecos se conheceram surfando em Itacaré, BA, se apaixonaram pela beleza e a cultura da produção do cacau do lugar, às manifestações culturais de raízes afrodescendentes – na culinária, na capoeira, nas artes e na música . A eles se juntaram a paulistana Juliana Ghiotto e o seu marido itacarense Daniel Lima.

Um dos participantes do grupo é o italiano Alessandro ­Catenacci, que se mudou jovem para a Suécia, e lá criou sua empresa, o Nobis Hospitality Group, gerindo hotéis, restaurantes e clubes. Interessante que já nos hospedamos em um hotel deste grupo, o Skeppsholmen em Estocolmo, maravilhoso!

O grupo comprou um terreno paradisíaco de aproximadamente 26 hectares praticamente no centro de Itacaré, entre a Praia das Conchas e a Praia do Resende, de frente para o mar.

O Barracuda Hotel & Villas foi planejado pelo arquiteto Eduardo Leite, residente em São Paulo. Eduardo esteve envolvido neste projeto desde o início e foi quem desenvolveu o masterplan do terreno para o grupo.

A concepção do empreendimento é brilhante, pois com arquitetura e construção primorosas, as residências particulares são utilizadas pelos proprietários suecos, que também, se assim desejarem, as alugam. Como centro de serviços e administração fica o hotel, tudo imerso na mata atlântica preservada, com segurança, sustentabilidade e muita beleza.

Em junho de 2021, o Grupo The Barracuda criou seu braço social, o Instituto Yandê Itacaré, voltado para o desenvolvimento sustentável, difundindo conhecimentos, capacitação e apoio a potenciais empreendedores sociais, para que estes fortaleçam sua autonomia, gerem sustentabilidade, agreguem valor e inovação aos seus projetos e negócios sociais, sob a presidência de Juliana Ghiotto.


Quarto 14


Sandra na casa 14

é isso, por fernando stickel [ 8:51 ]

casa flor

Na nossa experiência de viajantes, Sandra e eu raríssimas vezes chegamos a um hotel ou pousada e encontramos tudo perfeito.
Na Casa FLor em La Barra, Punta Del Este foi assim, desde o primeiro minuto! Recepção simpática, agradável, tudo bonito, logo nos foi oferecida uma taça de vinho, em seguida o quarto, pequeno mas perfeito, banheiro idem, charmosíssimo, em uma escala em que você parece estar na tua própria casa.

Há sempre uma boa música no ar, em volume muito baixo, que não compete com o barulho do vento e dos pássaros. A equipe é educada, gentil, nota 10, Alfonso, Juan, Bruno e Bruna e o café da manhã é o melhor que já experimentamos. É a simplicidade na medida certa, decoração sofisticada exatamente na medida da simplicidade do quarto com vista para o mar, a dois quarteirões dele. Não é sempre que experimentamos felicidade total fora de casa, esta foi uma delas!

é isso, por fernando stickel [ 9:03 ]

maragogi, alagoas


Tomar sorvete no meio do mar!

Fomos à Pousada Anttunina em Maragogi, AL. Você pode chegar pelos aeroportos de Maceió ou Recife, a distância é quase igual.


Pousada Anttunina


Natureza exuberante

é isso, por fernando stickel [ 18:13 ]

autoclasica


Gustavo Rodrigues, Julio Penteado, João Rodrigues, eu e Emanuel Zveibil

Minha primeira visita à Autoclasica foi em 2015. Oito anos depois volto à Autoclasica em Buenos Aires, onde sempre se encontram vários amigos antigomobilistas!


Roberto Suga, Claudio Romi e Emanuel Zveibil


Emanuel, João, William, Juán, Gustavo e eu


Alfa Romeo 8C


Lancia Lambda 1927

é isso, por fernando stickel [ 8:47 ]

aero commander


Meu primo Paulo Diederichsen Villares e seu pai Luiz Dumont Villares, ao lado do Aero Commander. Paulo está usando uma bengala porque havia sofrido um acidente de planador, com sequelas na coluna vertebral.

aero.jpg

Neste bimotor Aero Commander a pistão, prefixo PT-BDU, apelidade de BIDU, fiz minha primeira viagem aos E.U.A. em Janeiro 1962, com 13 anos de idade.
O avião precisava fazer manutenção dos motores, operação que naquela época só era possível em Miami – USA, então meu tio Luiz Dumont Villares, proprietário do pássaro convidou meu pai Erico e eu para irmos junto com o avião até Miami.
Embarcamos 6 pessoas, lotação máxima, meu tio, o piloto Celso, meu pai, eu e mais dois primos.
Primeira parada para reabastecimento em Brasilia, depois em algum lugar das Guianas. Dormimos em Barranquilla na Colombia, num hotel saído de um filme de James Bond, a noite mais quente e úmida de que tenho lembrança.

Na sequência Caracas capital da Venezuela, onde dormimos no Hotel Tamanaco. De lá fomos para a Costa Rica, sobrevoamos vulcões ativos, vi os corais e as águas maravilhosas do Caribe, logo depois Managua na Nicarágua e depois longo vôo até a Cidade do México, onde dormimos no moderníssimo Hotel Alameda, lembro bem do quarto, com um caixilho que tomava a parede inteira, do chão ao teto e cortinas elétricas, no dia seguinte conheci as pirâmides.

No dia seguinte mais um longo vôo até Miami. Fiquei conhecendo o avião de cabo a rabo, até umas pequenas pilotadas me deixaram fazer.

Lembro-me do meu tio Luiz Dumont Villares (1899-1979) assim como está nesta foto.

Em Miami cada um dos passageiros foi para o seu lado, meu pai e eu fomos a New York.
Lembro-me bem do Rockefeller Center e do Radio City Music Hall. Certo dia meu pai foi fazer algo na cidade e me deixou sozinho no hotel, com todas as recomendações, lanches preparados, etc…
Não sei porque saí do quarto e a porta bateu atrás de mim, e como me explicar para entrar novamente, sem falar inglês…
Aos prantos, no elevador, fui salvo por um bailarino espanhol, que entendeu o meu portunhol…

é isso, por fernando stickel [ 8:04 ]

diederichsen, villares, stickel e dumont

Neste último fim de semana aconteceu no Hotel Toriba em Campos do Jordão o encontro das famílias Diederichsen, Villares, Stickel e Dumont.

O hotel, inaugurado em 1943 foi construído pelo meu avô Ernesto Diederichsen (1878-1949) juntamente com meu tio, Luiz Dumont Villares (1899-1979), que era sobrinho de Alberto Santos Dumont (1873-1932), o Pai da Aviação.

A Fundação Stickel teve sua origem em Campos do Jordão na época em que Ernesto Diederichsen iniciou a construção da casa da família, inaugurada em 1941, quando frequentando a cidade de ele e minha avó Lili encontraram crianças desvalidas vagando pelo bairro de Abernéssia e iniciaram um trabalho social de assistência a estas crianças. Este trabalho foi assumido pelos meus pais, Erico João Siriuba Stickel e Martha Diederichsen Stickel após o falecimento de meu avô em 1949, e logo depois em 1954 foi transformado na Fundação Beneficente Martha e Erico Stickel.

O encontro reuniu cerca de 70 pessoas, de todas as idades e foi muito alegre e rico em conhecimentos e histórias, eu contei a história da Fundação, e projetei o mais recente vídeo institucional. Como gosto muito de contar boas histórias e tenho várias delas no meu blog, Conheci novas pessoas e novas possibilidades de histórias a serem contadas!

As fotos da família Stickel e de todos os presentes foram feitas na sala de estar do Hotel, com suas paredes guarnecidas dos maravilhosos afrescos de Fulvio Pennacchi (1905-1992).


Árvore genealógica da família criada pela minha prima Rebeca.

é isso, por fernando stickel [ 17:09 ]

vale do capão


Vista do topo do Morro do Pai Inácio, cerca de 1.000m de altitude

Visitei na semana passada com a Sandra o Vale do Capão, pequeno lugarejo na Chapada Diamantina, BA, onde mora meu filho Antonio com sua mulher Rubia e meus netos Ian e Noah.

O acesso de São Paulo por avião é hoje possível com pouso em Lençóis, com escala no novo e maravilhoso aeroporto de Confins em Belo Horizonte.

Lençóis é uma cidade pequena, histórica e bonita, do ciclo de extração de diamantes, com casarões do Séc. XIX preservados, assim como o calçamento em paralelepípedos. Foi lá que alugamos o carro para a viagem de cerca de 2 horas até o Vale do Capão.

São cerca de 80 km, 50 de asfalto até Palmeiras e os restantes 30 de terra, até o distrito de Caeté Açú onde fica o Vale do Capão.

É longe, complicado, mas a natureza lindíssima da região é o grande prêmio, cachoeiras, maciços de rochas imponentes, água pura, trilhas e piscinas naturais. O acesso à famosa Cachoeira da Fumaça fica exatamente no Capão.

E aí você se pergunta, onde está a infraestrutura? Acessos péssimos com o tempo seco, na chuva uma tragédia, estradas estreitas obrigam caminhões a se degladiarem com os outros veículos, e os pedestres que se virem, pois calçadas e estacionamentos simplesmente não existem. Restaurantes insistem em oferecer pratos de extração européia, risotos e reduções de vinho, ridículo e ruim, conseguimos apenas encontrar um restaurante raiz, em Conceição dos Gatos, a Maria e o Ivo, excelente! Qualquer auxílio de saúde fica a dezenas de km…

Um bom trabalho de orientação e infraestrutura transformaria a região em um paraíso para o turismo, à semelhança de Bonito, MS

Lá em Brasília, dizem, existe um Ministério do Turismo. O que fazem? Devem sortear passagens para fiscalizar os hotéis no Rio de Janeiro ou Salvador. Fazer algo pelo turismo em locais como a Chapada Diamantina nem pensar, né mesmo? Dá muito trabalho…

É muito triste e frustrante a sensação de tempo perdido. O poderio de um país maravilhoso desperdiçado, quando um mínimo esforço poderia melhorar imensamente as condições para o turismo responsável.


Vista da Pousada do Capão


No restaurante Maria e Ivo, em Conceição dos Gatos, a autêntica comida baiana!


Na subida do Morro do Pai Inácio

é isso, por fernando stickel [ 9:19 ]

gleba na tríplice fronteira


Celso, eu e Alberto, perto da tríplice fronteira.

Comprei uma gleba rural décadas atrás, constava como sendo no município de Tremembé. Voltei lá este domingo com o topógrafo Celso e o corretor Alberto, pois estamos nos preparando para vender a área.
O topógrafo descobriu, pelo trabalho de georeferenciamento que na verdade a área se encontra na tríplice fronteira dos municípios de Monteiro Lobato, Tremembé e Pindamonhangaba!!
Trata-se de mata atlântica intocada, a 1.500m de altitude, com vistas maravilhosas para o Vale do Paraíba e para o Sul de Minas e a Pedra do Baú, repleta de nascentes, com acesso perfeito e luz na porta. O trabalho burocrático de subdivisão dos lotes está adiantado!
A cidade de referência mais perto da área é Santo Antonio do Pinhal, distante cerca de 15 km. Campos do Jordão fica a cerca de 35 km, e o Pico Agudo, com sua plataforma de decolagem de asa delta fica a 19 km.


A área é facilmente identificável no Google Maps, a referência é Mirante 45.

é isso, por fernando stickel [ 16:57 ]

jaguar e-type


Eileen e Mario com seu Jaguar

A primeira vez que pilotei um Jaguar foi em Novembro 2007, quando estreei minha participação em rallyes com minha mulher Sandra como navegadora, no 59º Rallye MG Club do Brasil, em Campos do Jordão. Nosso carro um Porsche 911 Carrera 1975, comprado alguns meses antes.

Nosso amigo Mario Cezar de Andrade participou do rallye com seu Jaguar E-Type S1 1966 conversível amarelo, com sua mulher Eileen de navegadora.

Em um intervalo do rallye fomos dar um passeio com o Jaguar e o Porsche e visitar a nossa casa, próxima ao Hotel Toriba, e o Mario me ofereceu: Quer experimentar?

É claro que eu queria pilotar aquele objeto de desejo… Pilotei o Jag por alguns quilômetros, e na hora de voltar Mario falou que podia fazer a volta na própria pista, o alto torque dá conta: É só acelerar… e de fato o giro se completou facilmente.

Memórias indeléveis!


As duas máquinas em Campos do Jordão…


Sandra, Eileen e Mario, curtindo os Beatles!

Á noite, no hotel, um programa perfeitamente complementar, um show da excelente banda Beatles Cover “Abbey Road”…

é isso, por fernando stickel [ 18:19 ]

eliane lage e tom payne

eliane_lage
Minha amiga Vi Leardi lembrou um outro aspecto do Guarujá da minha infância e adolescência, a charmosa casa do Tom Payne, que ficava a meio caminho na estrada de terra, entre a Praia do Tombo e a Praia do Guaiuba.
Meus pais frequentavam bastante o antiquário que havia junto com a casa, compraram várias peças, me lembro bem dele, um verdadeiro “galã” e de uma mulher interessante, que devia ser a esposa, a atriz Eliane Lage.

“Eliane Lage é uma imagem que tremula no imaginário de gerações”, afirma Ana Carolina Maciel, que co-dirigiu com o cineasta Caco Souza o documentário Eliane, em 2002. Leia mais aqui.

Apesar da curta carreira cinematográfica, Eliane Lage foi uma das maiores estrelas da Companhia Cinematográfica Vera Cruz, o lendário complexo de estúdios cinematográficos que tentou reproduzir no Brasil o modelo de produção Hollywoodiano.

Protagonista de cinco clássicos do estúdio, Eliane Lage tornou-se um ícone do cinema brasileiro.

Filha de pai brasileiro e mãe britânica, Eliane Margaret Elizabeth Lage nasceu em Paris, em 16 de julho de 1928, mas veio para o Brasil com apenas seis meses de idade. Ainda muito jovem, começou a fazer trabalhos sociais na Favela Dona Marta. Posteriormente, foi estudar na Inglaterra, e de lá foi para à Grécia, onde foi voluntária em um campo de concentração de crianças gregas durante a guerra civil que assolou o país.

De volta ao Brasil, foi descoberta pelo cineasta inglês Tom Payne, que havia sido contratado pela Vera Cruz. Ele a convidou para um teste, e a atriz foi escolhida como protagonista de Caiçara (1950), um dos mais importantes filmes da história do cinema brasileiro.


Eliane Lage hoje, aos 94 anos.


Estas fotos da casa do Guarujá me foram enviadas pelo filho do casal, Tomas Jorge Lage Payne.

é isso, por fernando stickel [ 8:00 ]

joão tratores


No meio do passeio de integrantes do Clube Paulista de Tratores nos arredores de São Carlos, paramos no sítio do João Tratores, onde ele tem uma oficina dedicada ao restauro de tratores. O Landini recém restaurado é um trator italiano de um cilindro, cabeça quente.


Trator Ford BR diesel.


Deutz e Massey-Ferguson


Deutz Luftgekühlt, refrigerado a ar.

é isso, por fernando stickel [ 9:14 ]

tratores!


Na minha adolescência em Campos do Jordão, eu e meus primos encontramos dentro de um velho barracão de madeira às margens da estrada principal de acesso à fazenda, um trator Case dos anos 40, parecido com esse, de rodinhas juntas. Conseguimos fazer o trator com motor a gasolina funcionar e nos dedicamos a alguns passeios aventurosos com a máquina, que lançava labaredas e estouros pelo escapamento, pois estava fora de ponto…


Meio século depois volto a me envolver com tratores, desta vez realizando um passeio com um grupo de oito tratores nos arredores da cidade de São Carlos, SP, com um Massey-Ferguson gentilmente cedido pelo João Tratores.


A aventura foi organizada pelo criador do Clube Paulista de Tratores – CPT, o meu amigo José Antonio Penteado Vignoli, colecionador não apenas de automóveis clássicos, como também de tratores clássicos!
Participou também do passeio Eduardo Santos da Costa Mello.


Aprendi a pilotar e fiz a parte inicial do passeio neste Massey-Ferguson dos anos 70.


João em sua oficina, em frente ao seu trator polonês URSUS (cabeça quente) de 1959, uma máquina fascinante, bruta, barulhenta, poderosa!

é isso, por fernando stickel [ 8:24 ]

clube paulista de tratores


O passeio de 8 tratores, com o João puxando o grupo nos levou por estradas vicinais da região de São Carlos, atravessando fazendas e lindos cenários.


Com poucas paradas, o grupo percorreu cerca de 40 km durante o sábado.


A turma do Clube Paulista de Tratores, eu me sentindo muito honrado pelo convite do Vignoli, em primeiro plano.


O grupo no generoso almoço!


Nossas anfitriãs, Cristina, esposa do João e sua filha Mariane, prepararam delicioso almoço no fogão de lenha! Obrigado pelo simpaticíssimo acolhimento!

é isso, por fernando stickel [ 8:19 ]

casamento em ubatuba


Casamento em Ubatuba.

é isso, por fernando stickel [ 9:20 ]

ilha de malta

Visitamos a Ilha de Malta, hospedados na capital Valeta.


Cidade linda, toda de pedra, cheia de detalhes.


Luiz, Bia, Jay, Mema, Sandra e eu.


La dolce vita…


Dia de passeios no “London Cab”elétrico do hotel.

é isso, por fernando stickel [ 11:27 ]

aniversário com arte

No dia do meu aniversário, fomos visitar a Galleria Nazionale D’Arte Moderna, vizinha da Villa Borghese em Roma.


Com nossos anfitriões, Mema e Jay.


Cy Twombly, 1962


Em plena comemoração!

é isso, por fernando stickel [ 11:04 ]

roma!

Mais uma vez chegando na casa dos nossos anfitriões Mema e Jay em Roma!

Mema e Sandra

E a tarde cai…

é isso, por fernando stickel [ 18:13 ]