aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

viagem

fim de semana no campo


Fim de semana no campo, com amigos. Precisa dizer mais alguma coisa?

é isso, por fernando stickel [ 10:15 ]

erico stickel & bmw


Em 1973 meu pai Erico Stickel comprou uma BMW 2002 automática, preta, zero km, idêntica a esta da foto que vi recentemente em uma exposição de carros clássicos no Parque da Luz, centro de São Paulo.
Antes mesmo que eu pudesse experimentar a máquina, meu pai viajou a Campos do Jordão sozinho, à noite (tratava-se da “estrada velha”…). Dormiu no volante, e saiu da estrada, capotando. Corria o mês de Maio de 1973.
Seu salvador, João Amorim de Souza Filho Filho, descreve assim o resgate:

“Me lembro, eu dirigia valentemente, um Ford Corcel Coupe (2 portas), acompanhado de uma namorada para passar o fim de semana em Campos, quando atrás de mim, mais valente na condução, vinha uma BMW Coupe, conduzida por um cavalheiro solitário.
 
Após uma boa pressão acabei cedendo passagem, em um trecho sinuoso da estrada entre Monteiro Lobato e Campos, mas contudo tentado acompanha-lo de perto.
 
De repente, simultaneamente observei que o automóvel da minha frente tinha desaparecido, com uma vaga lembrança de ter percebido uma luz forte vinda da mata vizinha, proveniente de um barranco abaixo da estrada.
 
Parei de imediato, fazendo um retorno na estrada, dirigindo no sentido contrário para observar o que tinha acontecido, quanto percebi que se tratava do mesmo veiculo que me tinha ultrapassado, o qual se encontrava com as rodas para cima e com o seu motorista assustado dentro dele.
 
Neste caso era seu pai, o qual socorri, desligando o motor e os faróis, recolhendo os seus pertences pessoais e o ajudando a subir o barranco para então leva-lo a sua residência em Campos.
 
Já no meu carro, ele falava muito pouco e estava muito assustado, e assim chegamos em Campos mais ou menos uma hora depois do ocorrido, deixando-o em casa.”

Por sorte nada mais grave aconteceu com meu pai além do susto, alguns arranhões e contusões e um banho de gasolina…
O carro, bem… deu perda total.
Interessante coincidência é que os pais do João tiveram como padrinhos de casamento, no Rio de janeiro, os meus avós, Lili e Ernesto Diederichsen.
Esta história envolve sorte e cavalheirismo, sem as quais meu pai (falecido em 2004) talvez não vivesse até os 84 anos de idade… Obrigado João!!

é isso, por fernando stickel [ 18:10 ]

classic car celebration


Alfa Romeo Giulia Sprint Speciale 1964
O evento Classic Car Celebration no Hotel Fazenda Dona Carolina em Bragança Paulista se realizou no fim de semana de 6 a 9 de Novembro, reunindo importantes coleções de carros clássicos de todo o Brasil, em particular de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul.


Buick 1929


No papo com os amigos!


Sandra, eu e a nossa linda Mercedes-Benz 280 SL 1970!


A Corvette e os patos!

é isso, por fernando stickel [ 9:18 ]

restaurante floresta


Perto de Trancoso na Bahia, dentro de uma fazenda de 400 hectares próxima ao Rio da Barra e imerso em uma floresta de seringueiras, fica o Restaurante Floresta.


Sandra com Tomás e Silvia, nossos anfitriões no Outeiro das Brisas.


Tomás com Fernando Droghett, o Jacaré, responsável pelo charmosíssimo e delicioso restaurante!

é isso, por fernando stickel [ 12:41 ]

outeiro das brisas


Chegamos em Trancoso para jantar, recepcionados pelo lindo Quadrado!


Na manhã seguinte no delicioso bangalô do Tomás e da Silvia no Outeiro das Brisas.


Praia deserta, sol, paz.


Marzão besta! A cada minuto esta cena muda. Não me canso de olhar, e lembro de Hiroshi Sugimoto.

030, 3/22/05, 5:20 PM, 16G, 4382×5484 (490+756), 88%, Hujar 91604, 1/120 s, R72.7, G57.1, B79.7


Hiroshi Sugimoto Caribbean Sea, Jamaica, 1980

é isso, por fernando stickel [ 9:52 ]

bahia!

Amanhã Sandra e eu vamos dar um pulinho ali na Bahia, seremos hóspedes dos nossos amigos Tomás e Silvia no Outeiro das Brisas!
Será o primeiro vôo desde o início da pandemia, vamos com todos os cuidados!

é isso, por fernando stickel [ 10:04 ]

fernando em alassio


No verão europeu de 1986 eu viajava de trem de Nice para Veneza, onde eu pretendia visitar a Biennale.
No meio do caminho parei em Alassio, pequeno lugarejo na província de Savona. Lá, por indicação da Claudia Gnemmi, minha namorada na época fui à pousada “Petit Chalet” de seus tios, das famílias Gnemmi e Raymondi Colombo.
Fui super bem recebido, os “zios” Pietro, Renata e Gemma me ofereceram Campari e um bello spaghetti!
Na sequência da viagem, parei em Genova e liguei do orelhão para minha mãe, que me deu uma notícia chocante. Leia a história aqui.

é isso, por fernando stickel [ 14:18 ]

capotar no mar

Como capotei (e desvirei) um veleiro no canal de São Sebastião.

Saí em um Hobie-Cat da praia do Curral na Ilhabela, SP cerca de 16:00h, velejando sozinho e vestindo apenas uma sunga.
O dia estava semi-nublado com sol intermitente e vento moderado, e fui avançando para o centro do canal onde o vento é mais forte.
De fato o vento aumentou, estava muito gostoso velejar… no meio de uma orçada uma rajada mais forte fez o barco capotar, o mastro apontado para o fundo do mar, a pior maneira de capotar.

Aí comecei a fazer a manobra conhecida para desvirar um Hobie Cat, que é fixar um cabo em um dos flutuadores, subir no flutuador oposto e puxar, fazendo uma alavanca usando o peso do corpo. Na teoria é perfeito, só que o vento havia aumentado muito, o sol sumiu por completo e eu comecei a ficar com frio.

Uma, duas, três, dez tentativas e nada. Meus músculos começaram a não reagir mais, eu tremia muito, a forte correnteza me levava rapidamente na direção de um enorme petroleiro ancorado no meio do canal, o medo me fez continuar nas tentativas de desvirar o veleiro.

Finalmente, quase exausto consegui desvirar o barco, já quase em cima do petroleiro, que imenso e preto me ameaçava na tarde que escurecia. Consegui escapar do monstro, fiz o bordo e tentei voltar para a Praia do Curral. A estas alturas a correnteza fortíssima já havia me levado pelo menos uns dez km em direção ao Norte da Ilha, e mesmo velejando a todo pano, ainda assim eu ia para trás, perdendo terreno, cada vez mais distante da praia do Curral.

Tomei a decisão, embiquei em direção à terra firme e parei na Praia do Pinto, com as últimas forças baixei a vela e puxei o barco para fora do alcance das ondas.
Enregelado e tremendo muito subi os degraus para a casa do meu tio Ernesto George Diederichsen e voltei à civilização, no dia seguinte voltei para buscar o Hobie Cat.

hobie
Sobrou da experiência a importante lição: NUNCA DESAFIE O MAR!!!!! Não saia sem roupa adequada e equipamento de segurança, o tempo pode virar, você é um nada na natureza…
Divirta-se com responsabilidade, o medo que passei nesta aventura me serve de alerta até hoje.

é isso, por fernando stickel [ 16:47 ]

aniversário no club gascon

A pandemia do coronavírus e a quarentena, menos rígida por minha decisão, ainda produz elementos reativadores de memória!
Examinei nos últimos meses milhares de documentos antigos, fotos, livros, revistas, etc… Organizei, descartei, e agora, ao final deste processo encontrei o menú do jantar de comemoração do meu aniversário de 62 anos no dia 9 Outubro 2010 em Londres!

O ano de 2009 foi cheio de emoções, eu estava cursando o MBA FIA e recebemos vários convites irrecusáveis! Nestes eventos conhecemos muitas pessoas sensacionais!
Em Maio, o rallye de carros clássicos Chiantigiana Classica, convite do Credit Suisse.
Em Junho, visita à Biennale di Venezia, convite de Wulf Mathias e Deutshe Bank.
Em Setembro Fórmula 1 em Monza, convite de Giovanni Barbara.
E no ano seguinte, 2010 em Maio fomos à Bolívia e ao Salar de Uyuni, onde conhecemos as suíças Christina e Marianne.

Como retribuição a este grupo muito especial de estrangeiros, Sandra e eu oferecemos aos amigos que se dispuseram a se deslocar um jantar de comemoração do meu aniversário em Londres, no dia 9 Outubro 2010, no Club Gascon em Londres.

O restaurante francês foi indicado por uma amiga, tinha espaço suficiente para uma mesa grande para 12 pessoas, e um espaço anexo para os drinks iniciais, tudo muito formal…

Acabou sendo uma farra, pois misturamos pessoas de várias tribos, infelizmente nossos anfitriões em Monza, Emma e Giovanni Barbara não puderam estar.

Da esq. para a direita, Jay, Ariane, Christina, Sandra, Medi, Alexis, Babak, Nina, eu e Marianne. A foto foi tirada pela Mema, mulher do Jay.

Mema e Babak.


A mesa.


A preparação do nosso jantar foi minuciosa, Sandra fez questão de levar para os nossos convidados uma lembrança bem brasileira, então preparamos juntamente com o Estudio Manus uma caixinha de surpresas!
Aqui o texto incluido na caixinha:

Inside every box there is a story. Inside a box lives a world of possibilities. A box is a window, a door, it’s the beginning of a journey to a place called imagination.
In this box you are receiving a little bit of Brazil, as a token remembrance from our meeting. A box to take your imagination wandering about Brazil, a mystic and colourful country, intriguing and full of contradictions and possibilities…
Indian Whistle: To attract birds.
Beeswax Candle: Used in syncretic religions (Candomblé/ Spiritualism/Catholicism)
Figa: Amulet, signifying good luck.
Yemanjá: Divinity connected to the power of rivers and seas.
St. Anthony: Saint considered a match-maker.
St. George: Holy Warrior, associated with the football club Corinthians Paulista.
Amulets: Charms meaning protection.
Gypsy Deck: For guessing fate.
Dictionary: A torn page, to feel in a glimpse the beauty of the Portuguese language.
Fita do Bonfim: Catholicism arose in Salvador de Bahia in the early XVIII Century. Originally a silk prop used on an important religious image, to the exact extent of 47 cm representing the length of the arm of Jesus Christ, was adopted by the religions of African origins in Brazil as a bracelet in different colors, each color referring to a deity of these religions.
Pinus wood packaging: Wood abundant in southern Brazil.
Rubber latex closure: The raw material of natural rubber, extracted from the sap of the rubber tree, native to the Amazon.
Marble: A marble is still a marble, anywhere in the world…

Sandra Pierzchalski & Fernando Stickel
London, October 9 2010

é isso, por fernando stickel [ 16:28 ]

faleceu luiz paoliello


No domingo dia 19 Julho visitamos nossos amigos Tina e Luiz Pires Paoliello, em sua casa no Condomínio Alpes de Campos do Jordão, onde desfrutam de fabulosa vista da Pedra do Baú.


A conexão do Luiz e da Tina com este tipo de paisagem e clima data de longa data, pois durante muito tempo eles tiveram uma casa em Monte Verde.


Luiz estava ótimo, nos mostrou a deliciosa casa, passeamos com a Tina pelo jardim, momentos muito tranquilos e prazeirosos.
Luiz comentou que seu cancer de pulmão, que ele vinha controlando há muito tempo havia dado uma piorada, e que ele iniciaria nova sessão de quimioterapia nos próximos dias.


Nosso último contato via Whatsapp, no domingo 26/7.
Hoje de manhã recebi a notícia de seu falecimento em Campos do Jordão. RIP Luiz, você vai fazer muita falta!


Com muito bom humor e alegria de viver, é assim que vou lembrar de você Luiz.

é isso, por fernando stickel [ 7:53 ]

ibaté

Voltei ao Ibaté depois de muuuuuitos anos, queria mostrar a linda casa para a Sandra. Quem nos recebeu com extrema simpatia foi a minha prima Stella, que fez o tour completo!


Meu tio Luiz Dumont Villares construiu sua casa nos anos 50 em Campos do jordão de uma maneira curiosa, em um platô de cerca de um alqueire de área, no topo de um morro ele iniciou a casa construindo em primeiro lugar uma piscina, com um escorregador de alumínio!
O programa das férias de Julho era ir até lå e mergulhar na piscina totalmente gelada!
Mais tarde surgiu a casa, inaugurada em 1957.

é isso, por fernando stickel [ 14:43 ]

mercedes em campos


A Mercedes-Benz 280 SL em Campos do Jordão, na Av. Benjamin Hunnicutt, entrada de Umuarama, está em seu habitat natural no clima alpino. Capota abaixada, sol forte, céu azul, frio estimulante e natureza exuberante! Some-se a isso a companhia da minha mulher Sandra e o cenário é simplesmente perfeito.


Na Vista do Baú.


No Ibaté.


Sim, pela primeira vez em muitos anos e milhares de quilômetros percorridos, a Pagoda nos deixou na mão no meio da estrada…

é isso, por fernando stickel [ 13:49 ]

sitio siriuba


Nestas trilhas do Sitio Siriuba em Campos do Jordão passei minha infância e adolescência, e já adulto cuidei durante longo período de sua manutenção. Tive enorme prazer de reencontrá-las não apenas perfeitas, mas com os interessantes acréscimos que seu novo proprietário Aref Farkouh criou.


A capela na pedreira.


Obra de Eduardo Srur.


A vista da Pedra do Baú, perene!


A linda vista do Hotel Toriba, imerso na Serra da Cantareira!


Ivone, que foi nossa caseira durante cerca de 20 anos, continua trabalhando para o Aref.

é isso, por fernando stickel [ 9:41 ]

hotel toriba


Hotel Toriba! Quantos dias, horas, meses, anos passados aí, principalmente na infância e adolescência. quantas memórias de Campos do Jordão!!!


Nossa chegada ao hotel apresentava este cenário!


Felizes no terraço do chalé, mais uma saída de São Paulo durante a pandemia e quarentena


O chalé abriga três suites com total privacidade.


O quarto muito bem decorado e aconchegante!


Terraço delicioso!


Com as restrições da pandemia, almoçar no terraço é um programa e tanto!


Aref Farkouh, o proprietário e responsável pela maravilhosa revitalização do hotel!

é isso, por fernando stickel [ 13:41 ]

submarinos


Um encontro com minha prima Stella no fim de semana em Campos do Jordão, com direito a conversas randômicas pelos temas da família e das memórias acabou me levando a contactar o Tio Roberto Guimarães, em Fort Lauderdale – USA, que muito simpaticamente atualizou e completou as informações deste post.

Nas comemorações da Semana da Marinha de 1962, o submarino Humaitá S-14, comandado pelo Capitão-de-Fragata Noísio Penna de Oliveira recebeu visitantes para um passeio na Baía de Santos.

Meu pai Erico e eu com 14 anos de idade fomos convidados para o passeio por um contraparente nosso, Roberto de Queiroz Guimarães, que na época era ajudante de ordens do Capitão-de-Mar-e-Guerra Átila Franco Ache, comandante da Flotilha de Submarinos.

O navio zarpou de Santos, eu simplesmente pirei com a experiência! A enorme quantidade de mostradores, canos, alavancas, o vento que a admissão dos motores diesel provocava dentro do submarino, poder visitar todas as áreas, ver os torpedos, camas, banheiros, cozinha, tudo apertadíssimo!

Depois de nos afastarmos do litoral e já em alto mar os motores a diesel foram desligados, as comportas fechadas e iniciada a submersão com os motores elétricos, eu pude olhar pelo periscópio, foi uma experiência inesquecível!

O Humaitá (S-14) nasceu como o submarino USS Muskallunge (SS-262), lançado ao mar em 7 de abril de 1942 e atuou durante a Segunda Guerra. Foi incorporado à flotilha de submarinos do Brasil em 18 de janeiro de 1957. Em sua chegada ao Brasil suspendeu ferros levando a bordo o Presidente da Republica Juscelino Kubitschek de Oliveira, e o então Ministro da Marinha, Almirante-de-Esquadra Antônio Alves Câmara Júnior.

Muitos anos depois assisti ao filme U-571, sobre batalha de submarinos na Segunda Guerra.
O filme mostra bem o clima dos anos quarenta e o inferno que era a vida em um submarino.
Meu pai me contou muitas histórias de submarinos na guerra, relatadas por um parente, Jürgen Kiep, que foi comandante de submarino na Alemanha, e sobreviveu à guerra!


Este submarino esculpido em madeira é um dos brinquedos mais antigos e queridos que tenho.
Meu pai comprou várias destas miniaturas de navios, que eram feitas por marinheiros de navios de guerra.

é isso, por fernando stickel [ 11:06 ]

nyc 85 na suzanna sassoun

fs New York 1
Foto Beatriz Schiller, New York, 1985.

Morando em New York em 1985 em um loft eu tinha espaço para produzir arte de grandes dimensões.
Já havia feito lá pinturas sobre tela de 4 metros de comprimento, e resolvi mudar o suporte, comprei um rolo de papel preto, destes que se usa em estúdios fotográficos, e pedi para minha amiga Lisa posar.

G3ô

Nesta sessão de Novembro de 1985 fiz várias pinturas grandes (na verdade são desenhos feitos com pincel e tinta). Um mês depois encerrei minha estadia em NYC e voltei ao Brasil, carregando um gigantesco rolo de trabalhos em papel, que foram emoldurados e expostos em 27 Abril 1986 na exposição “NYC 1985” na Galeria Suzana Sassoun em São Paulo.

?~}


O convite da exposição.


Minha amiga Gilda Mattar me fotografou.


Meu amigo Baravelli escreveu um texto.

é isso, por fernando stickel [ 8:54 ]

ubatuba


Este é o cenário maravilhoso que encontramos ao chegar em Ubatuba, na primeira saída de São Paulo após o início da quarentena!


As primas Fernanda e Sandra.


Paz e beleza!


Hóspedes da prima da Sandra Fernanda e seu marido Fernando em Ubatuba!


Natureza fascinante!

é isso, por fernando stickel [ 23:05 ]

babinski – uma exposição


Babinski – História de uma exposição

Na inauguração do Espaço Fundação Stickel, a Pharmacia Cultural, na R. Nova Cidade 193, em 23 Março 2019, Bassy Machado, Sandra Pierzchalski, Rosangela Dorazio, Sandra Lourenço e Michele Behar.

Logo depois da inauguração mostrei aquarelas e gravuras de Maciej Babinski da minha coleção para Rosangela Dorazio, que ficou agradavelmente surpresa ao reencontrar o Babinski, pois sua tia Sandra Sousa Lemos havia sido duma das primeiras pessoas a fazer uma exposição do artista em Araguari, MG em 1977, e se interessou em reatar contato com Babinski, iniciando contato com ele.

Fruto destas conversas, na sequência, o filho do artista, Daniel Babinski me contactou dizendo haver produzido um documentário em vídeo inédito sobre seu pai. Tudo isto seria de extremo interesse para a Fundação Stickel, que estava na época negociando a colaboração do curador Agnaldo Farias, desenhava-se assim o início de um trabalho conjunto, com a possibilidade de fazer uma exposição, e para tanto convidei o Agnaldo a visitar Babinski em Várzea Alegre CE, o que fizemos em Julho 2019.
Chegamos na madrugada do dia 9 Julho, após o pouso em Juazeiro do Norte fomos diligentemente conduzidos pelo Tonheiro, taxista que atende o casal Babinski, até Várzea Alegre, onde Lidia e Babinski nos esperavam, gentilíssimos, cerca de 3 horas da manhã!


Logo na manhã de 9 Julho primeira manhã na casa de Babinski, longas conversas com Agnaldo Farias.


Babinski em seu “Museu”. A tela da esquerda selecionamos para a exposição.


O estúdio do artista.


No dia 10 Julho em uma longa reunião de trabalho, Agnaldo e eu selecionamos as 66 aquarelas e 2 pinturas para a exposição.


O curador e o artista.


Ao final do dia, Lidia e Babinski embalam cuidadosamente as aquarelas que traríamos para São Paulo no vôo daquela noite.


De volta a São Paulo Agnaldo começou a escrever o texto do catálogo, e eu chamei Lucas Cruz, professor de fotografia da Fundação Stickel para fotografar as aquarelas. Na sequência foram feitas molduras na Capricho Molduras e contratamos Luciana Facchini para o design gráfico do catálogo. Uma parceria se estabeleceu com Marcelo Guarnieri para a comercialização da exposição, e eu desenvolvi o Projeto Expográfico.


Lidia, Maciej e Daniel Babinski.
Finalmente acertamos com o Daniel a projeção do seu documentário juntamente com a vernissage da exposição e conversa dos curadores com Babinski, também durante a vernissage.


A vernissage no dia 7 Setembro 2019

é isso, por fernando stickel [ 9:18 ]