aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

família

hélice

A HISTÓRIA DA HÉLICE

Meu primo Paulo Villares tinha no porão da casa dos meus tios Luiz e Leonor na rua Áustria uma oficina completa com torno, furadeira, bancada, inúmeros armários e gavetas abarrotados de fios, transistores, peças diversas, coisas interessantíssimas! Estou falando de uma época em que eu tinha 12 ou 13 anos de idade e ele estava com cerca de 21 anos.

Na oficina haviam ainda rádios, aeromodelos, peças de avião, motores de aeromodelos, hélices, etc… Sempre que minha família ia até a casa dos meus tios para uma festa, um almoço, eu dava um jeito de ir lá na oficina dar uma sapeada. O acesso era complicado, mas depois de observar o Paulo entrar aprendi o segredo…

Certo dia eu estava lá fuçando na oficina e encontrei uma hélice de avião, de madeira, com uma das pontas quebradas e me encantei com ela!
A hélice havia chegado às mãos do Paulo porque ele era aficcionado por aviação, tinha brevê, pilotava planador, meu tio Luiz tinha um avião, ou seja, ele estava por dentro do assunto aviação, assim, quando um casal de chilenos que fazia a volta ao mundo em um pequeno avião sofreu um acidente ao pousar e São Paulo e a hélice quebrou, o Paulo estava por ali e acabou recebendo a hélice de presente, havia até uma dedicatória escrita a caneta na própria hélice

Um belo dia, não me lembro em quais circunstancias, o Paulo me presenteou com a hélice, e eu fiquei em êxtase com aquele objeto maravilhoso!

Desde então a hélice me acompanhou por todos os locais onde morei, até de uma exposição de arte ela participou! Até que chegou a hora de nos separarmos, quando dei a hélice de presente para o casal de amigos Vera Domschke e Mario Sacconi, que estavam construindo uma casa na praia. A casa ficou pronta, linda, a conhecemos neste fim de semana, a nova morada da hélice!

é isso, por fernando stickel [ 8:38 ]

eterno peso

Desde que me conheço por gente eu controlo o meu PESO.

De alguns anos para cá um pneu se inseriu silenciosa e insidiosamente no meu figurino, fato esse que ocorreu sem mudança no peso, pois mantenho de 92 a 93 quilos, na média há pelo menos duas décadas.

Ocorre que com o envelhecimento você inevitavelmente perde massa magra, e portanto aumentei a proporção de gordura em relação ao peso total, daí o aparecimento do pneu.

Já fui ao nutricionista alguns anos atrás, aprendi tudo que é preciso aprender, fiz uma dieta, anotei e fotografei tudo o que comia, desisti, e continuo fazendo exercícios regularmente mas não na mesma intensidade de anos atrás, o que também contribuiu para o aparecimento do pneu.

Depois de muito pensar decidi que é hora, aos 75, de tomar uma atitude definitiva e me livrar do pneu, de maneira natural, e para isso resolvi observar o que faz a Sandra, minha mulher, que come praticamente as mesmas coisas que eu e mantém seu peso e seu belo corpo há décadas. Qual a diferença?

Os hábitos que coincidem:
– Horários regulares das refeições saudáveis, café da manhã, almoço e jantar
– Horários regulares de dormir e acordar
– Exercícios diários
– Check-ups anuais

Onde ela faz diferente:
– Gosta muito mais de salgados do que de doces
– Bebe pouquíssimo, talvez 5 ou 10% da quantidade que eu bebo.
– Come pouquíssima besteira, como chocolates, sorvetes, etc… talvez menos de 5% do que eu
– Faz lanche da tarde regularmente
– Não come mais nada após o jantar.

Observações feitas resolvi fazer um teste, e replicar o comportamento da Sandra durante uma semana. Sem álcool, sem doces e sem nada depois do jantar, só água.
Apenas uma exceção, que é o jantar da quarta-feira, que fazemos tradicionalmente no restaurante japonês, e aí eu me permito um ou dois sakes. Algo similar farei no sábado ou domingo.

Iniciei o teste na sexta-feira 12/01/2024, com o peso de 92,5kg. Hoje, 19/1 estou pesando 92,1kg, ou seja com esta estratégia simples, praticamente indolor, perdi 400 gramas.

A técnica é indolor, sim, contanto que você mantenha 100% do foco no objetivo, que é perder o pneu, e ganhar agilidade, usar calças que estão apertadas, etc…

Para colocar números no objetivo, vou pensar em perder cerca de 200 gramas por semana durante 20 semanas, ou seja, chegar a 88kg em 1 julho 2024. Haverão intercorrências, viagens, e várias otras cositas mas, mas no geral acho que é um bom plano, o sucesso da primeira semana me deixa animado!

é isso, por fernando stickel [ 8:26 ]

familie bernhard diederichsen

Família do meu bisavô Bernhard Diederichsen, nascido em Kiel na Alemanha em 1830 e falecido em 1908.
2) Bernhard Diederichsen
3) Anna da Rocha Leão – esposa de Bernhard
9) Ernesto Diederichsen, meu avô (1877-1949) – gêmeo de Ernestina, casou-se com Maria Elisa Arens
7) Ernestina – gêmea de Ernesto
1) Anna – casou-se com Emil Wysling
4) Bertha – casou-se com Stanislas Pachur
5) Maria Luiza (Maricota) – casou-se com Eduardo Rietz
6) Eduardo Rietz (genro)
8) Antonio Diederichsen (1875-1955) – proprietário do Banco Construtor, em Ribeirão Preto.

é isso, por fernando stickel [ 8:56 ]

aero commander


Meu primo Paulo Diederichsen Villares e seu pai Luiz Dumont Villares, ao lado do Aero Commander. Paulo está usando uma bengala porque havia sofrido um acidente de planador, com sequelas na coluna vertebral.

aero.jpg

Neste bimotor Aero Commander a pistão, prefixo PT-BDU, apelidade de BIDU, fiz minha primeira viagem aos E.U.A. em Janeiro 1962, com 13 anos de idade.
O avião precisava fazer manutenção dos motores, operação que naquela época só era possível em Miami – USA, então meu tio Luiz Dumont Villares, proprietário do pássaro convidou meu pai Erico e eu para irmos junto com o avião até Miami.
Embarcamos 6 pessoas, lotação máxima, meu tio, o piloto Celso, meu pai, eu e mais dois primos.
Primeira parada para reabastecimento em Brasilia, depois em algum lugar das Guianas. Dormimos em Barranquilla na Colombia, num hotel saído de um filme de James Bond, a noite mais quente e úmida de que tenho lembrança.

Na sequência Caracas capital da Venezuela, onde dormimos no Hotel Tamanaco. De lá fomos para a Costa Rica, sobrevoamos vulcões ativos, vi os corais e as águas maravilhosas do Caribe, logo depois Managua na Nicarágua e depois longo vôo até a Cidade do México, onde dormimos no moderníssimo Hotel Alameda, lembro bem do quarto, com um caixilho que tomava a parede inteira, do chão ao teto e cortinas elétricas, no dia seguinte conheci as pirâmides.

No dia seguinte mais um longo vôo até Miami. Fiquei conhecendo o avião de cabo a rabo, até umas pequenas pilotadas me deixaram fazer.

Lembro-me do meu tio Luiz Dumont Villares (1899-1979) assim como está nesta foto.

Em Miami cada um dos passageiros foi para o seu lado, meu pai e eu fomos a New York.
Lembro-me bem do Rockefeller Center e do Radio City Music Hall. Certo dia meu pai foi fazer algo na cidade e me deixou sozinho no hotel, com todas as recomendações, lanches preparados, etc…
Não sei porque saí do quarto e a porta bateu atrás de mim, e como me explicar para entrar novamente, sem falar inglês…
Aos prantos, no elevador, fui salvo por um bailarino espanhol, que entendeu o meu portunhol…

é isso, por fernando stickel [ 8:04 ]

diederichsen, villares, stickel e dumont

Neste último fim de semana aconteceu no Hotel Toriba em Campos do Jordão o encontro das famílias Diederichsen, Villares, Stickel e Dumont.

O hotel, inaugurado em 1943 foi construído pelo meu avô Ernesto Diederichsen (1878-1949) juntamente com meu tio, Luiz Dumont Villares (1899-1979), que era sobrinho de Alberto Santos Dumont (1873-1932), o Pai da Aviação.

A Fundação Stickel teve sua origem em Campos do Jordão na época em que Ernesto Diederichsen iniciou a construção da casa da família, inaugurada em 1941, quando frequentando a cidade de ele e minha avó Lili encontraram crianças desvalidas vagando pelo bairro de Abernéssia e iniciaram um trabalho social de assistência a estas crianças. Este trabalho foi assumido pelos meus pais, Erico João Siriuba Stickel e Martha Diederichsen Stickel após o falecimento de meu avô em 1949, e logo depois em 1954 foi transformado na Fundação Beneficente Martha e Erico Stickel.

O encontro reuniu cerca de 70 pessoas, de todas as idades e foi muito alegre e rico em conhecimentos e histórias, eu contei a história da Fundação, e projetei o mais recente vídeo institucional. Como gosto muito de contar boas histórias e tenho várias delas no meu blog, Conheci novas pessoas e novas possibilidades de histórias a serem contadas!

As fotos da família Stickel e de todos os presentes foram feitas na sala de estar do Hotel, com suas paredes guarnecidas dos maravilhosos afrescos de Fulvio Pennacchi (1905-1992).


Árvore genealógica da família criada pela minha prima Rebeca.

é isso, por fernando stickel [ 17:09 ]

ex-libris ejss

Lá nos anos 70 criei um Ex-libris  para o meu pai, identificando-o pelas iniciais de seu nome completo, Erico João Siriuba Stickel – EJSS

Imprimi em papel Vergé creme, uma novidade na época, e dei a ele de presente. Ele o utilizou, marcando seus livros até falecer em 2004.


Cartão postal comemorando o lançamento do navio

Me inspirei em um cartão postal que ganhei do meu pai retratando o transatlântico Cap Arcona da companhia Hamburg Süd, lançado em maio 1927. Ele gostava muito de navios, e minha mãe Martha viajou no Cap Arcona em 1934, aos 7 anos de idade, de Santos para Hamburgo.

Anos depois uma versão do ex-libris foi criada para ser usada em relevo. Se bem me lembro, todos os livros doados à Instituto de Estudos Brasileiros da USP – IEB em 2002 foram marcados com este relevo.

é isso, por fernando stickel [ 16:34 ]

rotavirus

Sandra e eu comentamos recentemente o quanto gostamos de comer, em qualquer situação. E como este prazeiroso hábito resiste a qualquer instabilidade. Pois então. Perdi o apetite, indicativo de algo grave.

Sem álcool, sem café, sem doce, sem gordura, sem apetite e sem prazer. Assim foram meus últimos cinco dias, nos quais perdi 1,5 kg.

É um novo tipo de dieta? Não. É doença mesmo.

Responsável pela façanha atende pelo nome de Rotavírus e a doença é a gastroenterite. Lembro de uma pneumonia que tive há mais de 40 anos atrás que me derrubou de maneira similar.

Falta de energia, febre, inchaço abdominal, diarréia, inépcia mental, falta de apetite são algumas das coisas que ocorreram nestes dias. As horas passam e você parece envolto em uma névoa abafada e opaca de falta de vontade de fazer qualquer coisa.

O sofá do apartamento não me aguenta mais…

Desci no térreo do meu prédio para tomar um sol e os poucos passos necessários para a ação me pesaram. É assim, não há o que fazer, é comer maçã sem casca e aguardar a melhora.

ATUALIZAÇÃO: Ontem, domingo 6/8/23 acordei melhor, com mais vontade de fazer coisas, comi melhor, passeei com os cachorros à tarde, sem cansaço, e até uma pizza (sem muzarela) comemos! Ou seja, no quinto dia da encrenca SAREI!!!

é isso, por fernando stickel [ 12:02 ]

arthur stickel e clube pinheiros

Meu pai Erico João Siriuba Stickel (1920-2004) e meu avô Arthur Stickel (1890-1967) nas quadras de tênis do Sport Club Germania em 1933.

Meu avô foi presidente do Sport Club Germania de 1933 a 1942, em sua gestão foi construído o conjunto de piscinas, inaugurado em outubro de 1933.

Durante a Segunda Guerra Mundial o clube sofreu sanções com a entrada do Brasil no combate, tendo seu alvará de funcionamento cassado, devido a vários membros de sua diretoria não serem brasileiros natos.

Arthur Stickel se afastou da diretoria do clube, assim como outros diretores, e Henrique Villaboim foi designado interventor do clube.

Em 16 março 1942 Henrique e um grupo de de diretores e associados mudaram o nome do clube para Esporte Clube Pinheiros. Em 18 abril 1942 realizou-se a primeira reunião do Conselho Deliberativo, ratificando a mudança do nome do Germania para Esporte Clube Pinheiros. Meu avô teve grande atuação neste período conturbado em que vários alemães foram perseguidos, tendo logrado êxito na mudança de nome do clube.


Hoje visitei o clube com minha mãe Martha de 96 anos e meu irmão Neco. Revisitamos algumas das placas comemorativas que citam o meu avô.


Nos anos 60 os homens vestiam inevitavelmente terno, muitas vezes com colete. É assim que lembro do meu avô em São Paulo, sempre de terno com um alfinete de pérola na gravata, nesta foto ao lado do meu pai.


Algumas das placas comemorativas no clube.

é isso, por fernando stickel [ 18:41 ]

vale do capão


Vista do topo do Morro do Pai Inácio, cerca de 1.000m de altitude

Visitei na semana passada com a Sandra o Vale do Capão, pequeno lugarejo na Chapada Diamantina, BA, onde mora meu filho Antonio com sua mulher Rubia e meus netos Ian e Noah.

O acesso de São Paulo por avião é hoje possível com pouso em Lençóis, com escala no novo e maravilhoso aeroporto de Confins em Belo Horizonte.

Lençóis é uma cidade pequena, histórica e bonita, do ciclo de extração de diamantes, com casarões do Séc. XIX preservados, assim como o calçamento em paralelepípedos. Foi lá que alugamos o carro para a viagem de cerca de 2 horas até o Vale do Capão.

São cerca de 80 km, 50 de asfalto até Palmeiras e os restantes 30 de terra, até o distrito de Caeté Açú onde fica o Vale do Capão.

É longe, complicado, mas a natureza lindíssima da região é o grande prêmio, cachoeiras, maciços de rochas imponentes, água pura, trilhas e piscinas naturais. O acesso à famosa Cachoeira da Fumaça fica exatamente no Capão.

E aí você se pergunta, onde está a infraestrutura? Acessos péssimos com o tempo seco, na chuva uma tragédia, estradas estreitas obrigam caminhões a se degladiarem com os outros veículos, e os pedestres que se virem, pois calçadas e estacionamentos simplesmente não existem. Restaurantes insistem em oferecer pratos de extração européia, risotos e reduções de vinho, ridículo e ruim, conseguimos apenas encontrar um restaurante raiz, em Conceição dos Gatos, a Maria e o Ivo, excelente! Qualquer auxílio de saúde fica a dezenas de km…

Um bom trabalho de orientação e infraestrutura transformaria a região em um paraíso para o turismo, à semelhança de Bonito, MS

Lá em Brasília, dizem, existe um Ministério do Turismo. O que fazem? Devem sortear passagens para fiscalizar os hotéis no Rio de Janeiro ou Salvador. Fazer algo pelo turismo em locais como a Chapada Diamantina nem pensar, né mesmo? Dá muito trabalho…

É muito triste e frustrante a sensação de tempo perdido. O poderio de um país maravilhoso desperdiçado, quando um mínimo esforço poderia melhorar imensamente as condições para o turismo responsável.


Vista da Pousada do Capão


No restaurante Maria e Ivo, em Conceição dos Gatos, a autêntica comida baiana!


Na subida do Morro do Pai Inácio

é isso, por fernando stickel [ 9:19 ]

fernando e lelé


Em 1977 Norberto (Lelé) Chamma e eu resolvemos criar um escritório de comunicação visual, ao qual eu dei o nome de Und (e em alemão). Chamamos meu primo Joaquim da Cunha Bueno Marques para fazer uma foto de divulgação, que utilizamos em um cartão postal.

A foto foi tirada no apartamento em que eu morava na R. Tucumã, em frente ao Clube Pinheiros, curiosa a presença do telefone em cima da mesinha… Parte de uma tela de José Carlos BOI Cezar Ferreira atrás da mesinha.

é isso, por fernando stickel [ 15:08 ]

páscoa


Delicioso almoço de Páscoa na Hípica Paulista, da esq. para a direita, eu, minha mãe Martha, minha sogra Dionice, seu marido Erinaldo, minha filha Fernanda, sua mãe Iris, seu marido Richard e minha mulher Sandra. Os netos Pedro e Samuel estavam correndo e brincando na hora da foto.

Percebi que estou um pouco “forte”… Sandra também percebeu e decretou uma dieta linha dura a partir de hoje. Com razão…

é isso, por fernando stickel [ 13:41 ]

diederichsen em ribeirão preto

é isso, por fernando stickel [ 18:35 ]

propagandas argos


Nos anos 60, propagandas da Argos Industrial na Revista Visão.

é isso, por fernando stickel [ 16:54 ]

estevão kiss

Estevão Kiss, o primeiro à esquerda é avô da minha amiga Sonia Kiss, ao lado dele o meu avô Ernesto Diederichsen. O prédio ao fundo é a creche da Argos Industrial SA em Jundiaí SP.

A maior indústria de Jundiaí SP até por volta de 1930 era a tecelagem Argos Industrial, produtora de tecidos de algodão e lã, fundada em 1913 pelos imigrantes italianos Aleardo Borin e Luiz Trevisioli, com o nome de Sociedade Industrial Jundiaiense, mas cujo controle foi adquirido, logo depois, por Ernesto Diederichsen, que era o gerente no Brasil da multinacional teuto-santista Theodor Wille & Cia.

Localizada na Avenida Dr. Cavalcanti, a Argos Industrial foi administrada pelo engenheiro têxtil húngaro Estevão Kiss de 1930 a 1947. Contando com vendedores em todo Brasil, a Argos conquistou o mercado têxtil ano após ano. Produzia gabardines de primeira linha e o famoso verde-oliva para vestir o Exército.

O maior destaque da empresa era o avanço em benefícios sociais e respeito aos seus funcionários. Além da associação de empregados, a empresa mantinha uma cooperativa, loja, grupo escolar, creche, escola de fiação e tecelagem, curso pré-vocacional para os filhos dos funcionários, refeitório, cinema, parque infantil, capela e uma pequena biblioteca.

As obras da creche, a primeira do município, foram iniciadas em 1943, por iniciativa de Estevão Kiss, e concluídas no dia 17 de novembro de 1945. Inicialmente, atendia 40 crianças em período integral, que recebiam café da manhã, instruções primárias, moral, cívica e religiosa, assistência médica e dentária, e ainda brincavam sob a orientação das professoras.

Além de suas instalações, a creche contava com uma capela. Com pé direito de cerca de nove metros de altura, é dedicada a Stephanus (Santo Estevão). O altar possui mármore carrara com detalhes coloridos. Na parte superior das paredes, há afrescos datados de 1945 e restaurados em julho de 1959 por Amadeu Accioly, e o piso é do tipo hidráulico pintado artesanalmente.

No início da década de 80, a empresa sofreu crises internas e acabou falindo em 1984. Com a falência, a Argos fechou as portas e demitiu os funcionários, pondo fim num império industrial que marcou seus anos de glória. A creche também sofreu o abandono após a falência. O tempo passou e a Argos se transformou em ruínas.

No entanto, em 1989 a Administração Municipal, ainda na gestão do prefeito Walmor Barbosa Martins, comprou o prédio com verba destinada à educação. Nesse mesmo período, foi decretado o tombamento provisório do imóvel pelo Condephaat. Hoje, o local abriga o Complexo Argos, e a creche passou a ser gerida pela Prefeitura.


Maquete preparada pelo Centro Internacional de Estudos, Memórias e Pesquisas da Infância de Jundiaí SP.

é isso, por fernando stickel [ 13:05 ]

bodas de brilhante


Neste dia 6 janeiro 1947, meus pais Erico e Martha casaram-se 75 anos atrás… Se neu pai fosse vivo estaríamos comemorando as bodas de brilhante do casal!

é isso, por fernando stickel [ 15:36 ]

casamento em ubatuba


Casamento em Ubatuba.

é isso, por fernando stickel [ 9:20 ]

alcoolismo

O alcoolismo é uma doença crônica e progressiva, cujos sintomas podem piorar ao longo do tempo.
Fiz uma pesquisa dos sintomas mais frequentes e constantes compilados de vários sites na internet, nacionais e estrangeiros:

-Perdem compromissos e ocasiões especiais, emprego ou ano letivo, formatura de um filho.
-Comportamento de risco, como dirigir embriagado ou entrar em um carro com o motorista embriagado.
-Comportamento abusivo, emocional, físico e verbal, muitos ficam agressivos.
-A bebida causa incidentes em casa, no trabalho ou nas relações sociais. Brigas com familiares ou amigos.
-Conseguem tolerar mais álcool agora do que no início, a dependência exige doses maiores.
-Tentam parar de beber por uma semana (ou mais) e não conseguem.
-Apresentam tremores, transpiração excessiva, dificuldade em dormir, e outros sintomas de abstinência quando passam muito tempo sem ingerir bebidas alcoólicas.
-Aumento do tempo empregado em conseguir, consumir ou recuperar-se dos efeitos do álcool.
-Abandono progressivo de outros prazeres ou interesses, isolamento social.
-Continuam a beber, mesmo que estejam perdendo coisas importantes: família, emprego, amigos.
-Negam ou encobrem o consumo exagerado de bebida.
-Bebem demasiadamente enquanto sozinhos e sem motivos aparentes.
-Tem necessidade de beber a qualquer momento, inclusive de manhã.
-Não conseguem passar um dia sem beber uma bebida alcoólica.
-Não são capazes de recordar o que aconteceu depois de começar a beber, black-out, confusão mental.
-Perdem a memória.
-Negligenciam sua higiene pessoal e aparência.

é isso, por fernando stickel [ 9:09 ]

faleceu tigrão


Faleceu Luiz Carlos Fagundes (5/4/1937- 13/6/2022), o Tigrão, aos 85 anos.


Tigrão em sua querida Angra dos Reis.

No domingo 21 Junho 1970 a Seleção Brasileira conquistou no Estádio Azteca, da Cidade do México o terceiro título da Copa do Mundo de Futebol, com uma vitória de 4 x 1 sobre a Itália.

O êxito ocorreu em plena ditadura militar (1964–1985), na gestão do Presidente e General de Exército Emílio Garrastazu Médici (1905–1985).

Eu tinha 21 anos de idade, cursava a FAUUSP e namorava há cerca de dois anos com a Alice. Assistimos ao jogo na casa do pai dela, José Kalil, na R. Martiniano de Carvalho no bairro do Paraíso.

Ao término do jogo o Tigrão, namorado da Dulce, irmã mais velha da Alice, me arrancou do exultante ambiente familiar, me enfiou em uma Ferrari vermelha conversível, colocou uma bandeira do Brasil nas minhas mãos e saímos em alta velocidade…

Descemos a R. Martiniano de Carvalho e logo encontramos uma multidão comemorando no meio da rua, naquela região haviam vários cortiços, eu nem percebi, mas minha bandeira tinha sido arrancada das minhas mãos por um daqueles felizes brasileiros. Tigrão freou imediatamente o carro, saltou e foi atrás do ladrão de bandeira, mergulhando no cortiço.

Eu fiquei sentado no carro, atônito, mal me dando conta do que havia acontecido, a turba se aproximou e cercou o carro, e eu sem saber o que fazer… Finalmente o Tigrão reapareceu com a bandeira na mão, e retomamos nosso passeio!

Ele era assim, intenso, imprevisível, brincalhão, e tínhamos em comum o gosto pelas máquinas, pelos carros velozes! Certa feita ele me deu uma carona para o Guarujá em um Renault “Rabo-Quente” preparado para corridas…


O Renault “Rabo-Quente” com o logotipo de sua oficina, a Torke. A oficina ficava na R. Jesuino Pascoal na Vila Buarque, ao lado da Santa Casa.

é isso, por fernando stickel [ 20:36 ]