aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Posts tagueados ‘arquitetura’

sampaio vidal

Minha ex, Iris Di Ciommo, encontrou em seus guardados os ante-projetos e alguns detalhamentos da obra de reforma da casa que compramos no final dos anos 70 na Rua Sampaio Vidal 564, desenhados por nós em papel manteiga.

O projeto original do conjunto de quatro sobrados geminados é do arquiteto João Batista Vilanova Artigas.

É curioso que eu já conhecia esta casa no tempo de estudante da FAUUSP, pois iniciei minha vida profissional desenhando plantas de prefeitura para o arquiteto Alfred Talaat, que lá tinha seu escritório. Na edícula nos fundos do terreno era o estúdio do Augusto Livio Malzoni.

O projeto executivo da reforma foi executado pelo “Cambeu”, nosso colega de classe Henrique Cambiaghi, pois o escritório dele tinha mais condições para a tarefa.

A construção ficou ao cargo do Henrique Falzoni.

Além da obra, plantamos árvores na calçada e no pátio frontal da casa, utilizado como garagem. Nosso colega Plinio de Toledo Piza fez o projeto de paisagismo do jardim nos fundos da casa.

Eu tomei algumas liberdades com o projeto original do mestre Artigas, a mais benéfica foi a inclusão de um terraço no primeiro piso, acessado por portas na sala de jantar e na cozinha, e com uma escada em espiral descendo ao jardim.
Criei também na porta principal da casa uma escada curva, estilo “bolo de noiva” pintada de vermelho, que também ficou muito boa


Projeto de paisagismo de Plinio de Toledo Piza.


O conjunto dos quatro sobrados, o número 564 está marcado em vermelho.

é isso, por fernando stickel [ 17:43 ]

yasuhiro aida


O arquiteto Yasuhiro Aida foi durante muitos anos o braço direito do nosso chefe do escritório, o arquiteto Salvador Candia, no Edifício Vicente Filizola na R. da Consolação 65, centro de São Paulo.

Aida foi sempre uma presença calma, composta, economico de palavras e gestos, trabalhando incansavelmente em sua prancheta por vezes esboçava um sorriso enigmático.
Aprendi muito com ele, que dedicava poucos e preciosos minutos a me resgatar de minha ignorancia de jovem arquiteto recém-formado.
Saudades dos anos 70, analógicos e poéticos…


Além de tudo, Aida era um excelente desenhista, as perspectivas dos projetos do escritório, muito elegantes, eram feitas por ele.

Este desenho encontrei entre os guardados de minha família, ante-projeto para uma residência no Morumby, encomendado pelos meus pais Erico e Martha Stickel. O terreno era perto da Capela do Morumbi, do outro lado da avenida, mas o projeto não progrediu.

é isso, por fernando stickel [ 22:16 ]

colaboração


Colaboração marido-mulher.
Arquitetura de interiores – Sandra Pierzchalski
Foto fine art – Fernando Stickel
Foto do ambiente – Fernando Stickel

é isso, por fernando stickel [ 18:45 ]

almoço no salvador


Almoço nos anos 70 na casa do arquiteto Salvador Candia na R. Inglaterra em São Paulo. As pessoas presentes nesta mesa eram parte de um grande grupo de amigos do qual meus pais faziam parte. Possivelmente havia neste dia uma segunda mesa com Minuta, Rubens, Luisinho, Terezinha e outros amigos como Gerard Loeb (1928-2020), Irene e Jacob Ruchti (1917-1974) ou Laura e Miguel Forte (1915-2002) e os Aflalo.

Nesta época eu trabalhava como arquiteto recém formado no escritório do Salvador e entre outras tarefas fui incumbido de detalhar o gaveteiro do closet do dono da casa. A casa foi reformada e era bastante convencional, a mesa ao ar livre ficava em baixo de uma pérgola. O grande diferencial e charme da casa era a ampla biblioteca/estúdio, que tinha o teto em formato de pirâmide, com iluminação zenital.

Na mesa estavam:

1. Salvador Candia (1924-1991) o dono da casa. Moravam com ele na casa os irmãos Filomena (Minuta) e Rubens, também falecidos.
2. Martha Diederichsen Stickel, minha mãe.
3. Joanninha da Cunha Bueno Marques (1924-2018) amiga íntima de minha mãe, e mãe do Renato e do fotógrafo Joaquim da Cunha Bueno Marques (1950-2004)
4. Erico João Siriuba Stickel (1920-2004) meu pai.
5. Helenita Ratto Villares (1931-2013), primeira mulher do meu primo Luiz Diederichsen Villares (1930-2020)
6. Antonio Soares de Gouvêa, marido da Joaninha
7. Roberto Schnorrenberg (1929-1983) – Maestro e pai do Raimundo, que herdou a casa do Salvador.
8. João Carlos Vogt, marido da
9. Marília Vogt, pais da Gilda Vogt, esposa do Dudi Maia Rosa
10. Norberto Nicola (1931-2007) – Tapeceiro


Em outro almoço no Salvador, meus pais Martha e Erico felizes da vida!

é isso, por fernando stickel [ 19:07 ]

sandra & fernando

Há muitos anos que a Sandra minha mulher e eu fazemos uma parceria arquitetura/fotografia.
A documentação fotográfica e a divulgação dos trabalhos dela de arquitetura e decoração são feitas em grande parte por mim, ela prepara os ambientes e eu fotografo. Simples assim.
Aqui o resultado da decoração do jantar de Natal realizado ontem.

é isso, por fernando stickel [ 12:12 ]

chuva de prata


Em 1954 com seis anos de idade, lembro de sair cedo de casa para o quintal de nossa casa na R. dos Franceses e encontrá-lo coberto de folhas de alumínio triangulares, brilhando ao sol e molhadas do orvalho.
Nas comemorações do Quarto Centenário de São Paulo, a Força Aérea Brasileira com seus aviões fez a Chuva de Prata sobre a cidade!


Lembro também da “Voluta Ascendente” escultura de Oscar Niemeyer no Parque do Ibirapuera. Meu pai comentou comigo na época que a Voluta não tinha condições técnicas de ficar de pé, o projeto seria falho. De fato, o troço caiu e não levantou mais…

é isso, por fernando stickel [ 11:59 ]

stefan pierzchalski


Fosse vivo meu sogro Stefan Pierzchalski, que não tive o prazer de conhecer, completaria hoje 89 anos de idade.
Nascido em Katovice na Polônia em 1 Novembro 1931, veio ao Brasil e aqui casou-se com Dionice Bandeira Pierzchalski em 23 Setembro 1957.
Faleceu tragicamente em Abril de 1981 aos 49 anos de idade, em sua residência em São Paulo. Nesta ocasião minha mulher Sandra Pierzchalski tinha apenas 22 anos de idade e estudava arquitetura no Mackenzie.


De pé, Stefan e seu pai Antoni Pierzchalski.
Sentados, Dionice, Sandra, a mãe de Antoni, Hedwiga, e a esposa de Antoni, Stefania. No colo de Stefania, a irmã da Sandra, Adriana.


Stefan e Dionice na casa da família, decorada com móveis da Branco e Preto.


Família Pierzchalski, Adriana à esquerda e Sandra à direita.

é isso, por fernando stickel [ 12:40 ]

guerra às gambiarras


Sim. Eu tenho um caso pessoal com as gambiarras, eu as odeio!!!!
Na minha vida de arquiteto e “construtor-reformador”, fiz dezenas de reformas nos mais diferentes imóveis, residenciais e comerciais e sempre me defrontei com a praga das gambiarras, instalações provisórias, mal feitas, precárias, que acabam permanecendo no tempo, enfeiando o ambiente onde estão e provocando inúmeros problemas.

Fui pesquisar:

“Gambiarra” (substantivo feminino) é uma palavra com vários significados, os mais predominante são “extensão de luz”; “acessório de iluminação” (Novo Dicionário Aurélio, 1975); e, no Brasil, “improvisação” (que terá correspondência no termo “desenrascanço”, utilizado em Portugal)
Entre outros significados, destacam-se “ramificação de luzes” (Ferreira, 1999), “ligação fraudulenta; gato” (Houaiss, 2001), “relação extraconjugal” (Navarro, 2004).
O termo “gambiarra” costuma ser usado também como adjetivo, significando “precário”, “feio”, “tosco”, “mal acabado”.


Recentemente me voluntariei para fazer parte do Conselho Consultivo de apoio ao trabalho da síndica Juliana e do sub-síndico Giuliano no Condomínio Modular Delta, onde moro. Concluímos há pouco tempo com sucesso algumas obras importantes, como a nova entrada de eletricidade, a pintura dos prédios e o jardim, e agora chegou a hora de eliminar as gambiarras na garagem, que representam, além de tudo, um risco de segurança.


Este novo trabalho será feito pelo João orientado por mim, vou acompanhá-lo pessoalmente, e será necessário para aumentar a segurança do prédio, e também como preparação de novas e importantes reformas estruturais.


Sandra minha mulher conheceu o João “faz-tudo” mil anos atrás, ele já trabalhou para nós em inúmeras obras, e, de fato, entende profundamente de eletricidade e será capaz de destrinchar décadas de instalações que se sobrepõe umas às outras, eliminando as inativas e inúteis e colocando em ordem as instalações necessárias ao bom andamento do prédio.


A mistura é completa, cabos de eletricidade com telefone, câmeras de segurança com o acionamento dos portões, todos enroscados em canos de água fria e quente, gás, esgoto, águas pluviais, etc…


Arquiteta Sandra Pierzchalski e o João “Faz tudo”


Em três dias de trabalho já eliminamos centenas de kg de canos e conduites, centenas de metros de cabos dos mais variados tipos e várias caixas de passagem, suportes, etc…

é isso, por fernando stickel [ 16:27 ]

faleceu giancarlo gasperini


Faleceu o arquiteto Giancarlo Gasperini (1926-2020)
É assim que me lembro dele. RIP Gasperini.

é isso, por fernando stickel [ 9:13 ]

sociedade beneficente alemã

sba
Este é o “Stickel Heim”, pavilhão que meus pais doaram à Sociedade Beneficente Alemã SBA no Sesquicentenário da Imigração Alemã 1824-1974.
O projeto arquitetônico ficou a cargo do arquiteto Salvador Candia, em cujo escritório eu trabalhava na época. Sob a orientação do arquiteto Yasuhiro Aida, braço direito do Salvador, trabalhei bastante neste projeto.
São 12 quartos, sala de estar, copa e terraço para uso dos idosos que a SBA abriga.


Os dizeres da placa comemorativa, afixada no prédio:

Em homenagem à memória de nossos pais
Ernesto Diederichsen
Maria Elisa A. Diederichsen
Arthur Stickel
Erna H. Stickel
No ano comemorativo do Sesquicentenário da Imigração Alemã no Brasil, construimos esta casa.
Martha Diederichsen Stickel
Erico João Siriuba Stickel


Meu pai, Erico Stickel, na inauguração.


Eu, meu pai Erico, iris Di Ciommo, minha mãe Martha e o arquiteto Salvador Candia.

é isso, por fernando stickel [ 20:06 ]

jardim modular delta


Novos jardins no Condomínio Modular Delta!


Projeto e execução da paisagista Flavia Tiraboschi.


Na sequência da pintura dos prédios o paisagismo foi a cereja no bolo!

é isso, por fernando stickel [ 19:13 ]

fotos no modular delta


O Condomínio Modular Delta na Av. Lavandisca em São Paulo terminou a reforma das fachadas, pintura de muros e áreas comuns.


Eu faço parte do Conselho Consultivo de apoio ao trabalho da síndica Juliana e do sub-síndico Giuliano.
Sandra e eu ajudamos na reforma, ela com o projeto de decoração dos halls de entrada e eu coloquei agora a cereja no bolo, doando 4 fotos minhas para os dois halls sociais, duas no Prédio Azul, e duas no Prédio Verde.

é isso, por fernando stickel [ 15:24 ]

levy e a bmw


A minha turma na FAUUSP entrou na faculdade em 1969 e se formou em 1973. Logo que entramos conheci o Alberto Seixas Levy, que estava um ano na nossa frente. Ele tinha uma maravilhosa Moto BMW R69S.
Um belo dia eu simplesmente pedi a ele para dar uma volta na moto, ele me entregou a chave e disse pode ir…
Quase fiquei louco, aquilo era o sonho de qualquer tarado por motos como eu.
Saí da FAU e peguei a avenida principal em direção à saída da Cidade Universitária, me acostumando com a máquina, que era grande potente e pesada.
Este era o modelo mais potente da BMW, acelerava muito bem, mas eu mal havia tocado ainda nos freios… Cheguei na rotatória da avenida principal, na sequencia uma descida e uma nova rotatória, entusiasmado eu só queria acelerar, quando entrei na curva o peso da moto se fez sentir e eu quase não termino a curva, escapando de ralar a roda na guia por milímetros…
Respirei fundo com o coração quase saindo pela boca, me recompus e voltei tranquilamente para entregar a moto ao dono, agradecendo aos céus que nada havia acontecido!


Na sequência o Alberto apareceu com uma Kawasaki 350 de dois cilindros e dois tempos, e eu naturalmente pedi para dar uma volta, dessa vez peguei a Marginal, e como já conhecia a fama da moto se ser potentíssima, girando a 8.000 rpm, eu manerei logo do início, e não tomei susto!
Recentemente criou-se um grupo de WhatsApp da nossa turma da FAU, e foi através deste grupo que eu fiquei sabendo do falecimento recente do Alberto, vítima do coronavirus… nós não eramos próximos, na verdade perdi contato ainda na faculdade, mas bem ou mal ele é a primeira pessoa de um grupo próximo vítima do coronavirus. Que você fique bem Alberto, talvez no teu paraiso você encontre maravilhosas máquinas dos anos setenta…

é isso, por fernando stickel [ 18:15 ]

hotel esencia


Hotel Esencia em Tulum, Mexico. Coisa linda!!!!


Design gráfico sofisticadíssimo!


Arquitetura e design de interiores impecáveis! Em todos os ambientes!

é isso, por fernando stickel [ 19:06 ]

projeto no arrozal


No início dos anos 70 eu estudava na FAUUSP, e meu primo Luiz Diederichsen Villares conversou comigo para fazer o projeto de uma casa na Praia do Arrozal em Ilhabela, SP

Propus para o arquiteto Marcos Acayaba, formado 4 anos na nossa frente, a execução do projeto em conjunto, que foi feito no escritório dele e concluido em 1973, ano em que me formei. A construção se deu em 1974 e 75.

A casa ficou muito bonita e funcional, com o corpo dos quartos separado do corpo social por um amplo terraço coberto. Utilizamos vigas enormes de madeira composta. Foi meu primeiro projeto construído!


Minha mãe Martha na obra.

é isso, por fernando stickel [ 23:34 ]

antonio diederichsen


Um amigo me enviou esta foto de uma placa em homenagem ao meu tio avô Antonio Diederichsen (1875-1955), irmão do meu avô Ernesto Diederichsen, e empreendedor em Ribeirão Preto, SP.
Ele construiu o Edifício Diederichsen em 1936, onde foi originalmente inaugurada a famosa Choperia Pinguim. O edifício é tombado, legítimo representante do estilo Art-Deco.

Na placa está escrito:
Edifício Diederichsen
A Antonio Diederichsen
Grande benemérito desta cidade e propulsionador do seu progresso, homenagem do povo de Ribeirão Preto
20-12-1936


A Choperia Pinguim mudou-se para a esquina oposta ao Edifício Diederichsen.


Antonio Diederichsen nasceu em 01 de agosto de 1875, em São Paulo, filho de Bernhard Diederichsen e Ana Carolina Diederichsen. Iniciou os seus estudos básicos no Colégio Brasileiro-Alemão e os concluiu na Alemanha.

Retornando ao Brasil trabalhou com o pai, fabricante de vinho e chá, mas após uma praga nos vinhedos retornou à Alemanha para cursar Agronomia. Formado, veio trabalhar na Fazenda Santa Adelaide, de propriedade de seu tio Arthur Diederichsen.

Na ocasião, foi anunciada a falência do Banco Construtor e Auxiliar de Santos, que possuía, em Ribeirão Preto, uma oficina mecânica, uma fundição e uma serraria.

Diederichsen interessou-se por esse espólio e propôs sociedade a João Hibbeln, que era o seu depositário. A empresa foi constituída e começou na esquina das ruas José Bonifácio com São Sebastião, com a razão social de “Diederichsen & Hibbeln”.

O negócio se desenvolveu a contento, pois abriram a seção de ferragens e, em virtude do desenvolvimento da serraria, a firma mudou-se para a Vila Tibério. O horário era das 6,00 até às 21,00 horas. Em 1916, com o advento da 1a. Grande Guerra, a sociedade se dissolveu e entendeu Diederichsem de dar participação para os seus auxiliares diretos Manoel Pena, Germano Reinel da Silva e Guido Gambini.

O progresso e a cidade exigiram a expansão dos negócios e, assim foi construído o edifício do Antigo Banco Construtor, na esquina das ruas Saldanha Marinho e Américo Brasiliense. Antigo Banco Construtor era o nome de fantasia e se consagrou como a maior casa de materiais de construção da região. Sua diversidade de produtos era enorme. Ia do básico ao acabamento. Toda a região acorria para adquirir esses materiais. Diederichsen igualmente dotou a cidade de um moderno edifício construído no estilo Art-Deco, compreendendo o trecho da rua Alvares Cabral, com 150 metros de fachada e 3.750 m2 de área construída, entre a rua Gal. Osório e a São Sebastião, com locais para escritórios, apartamento, Hotel, restaurante, lojas e cafés.

Parte da construção ocupou a antiga residência do chefe político do PRP, Cel. Quinzinho da Cunha Junqueira. Ainda objetivando dotar a cidade de melhoramentos, em 1947, Diederichsen resolveu construir o edifício onde se instalou o Hotel Umuarama, inaugurado em 20 de janeiro de 1951. Ainda como desenvolvimento de suas atividades mercantis, Diederichsen, em 1922, passou a representar a empresa Byington & Cia., concessionária Chevrolet. Em 1934, a empresa Diederichsen & Cia. passou a vender os veículos da Ford e, 30 anos depois, com o nome de Cia. Comércio Antonio Diederichsen passou a ser concessionária Volkswagem. Já no ínício da década de 1950, agravou a diabetes de Diederichsen, que acabou falecendo no dia 30 de setembro de 1955.

Antonio Diederichsen nunca casou e não tinha herdeiros, deixou sua fortuna para a Santa Casa. Minha mãe se lembra bem do tio, que vinha a são Paulo ao menos uma vez por ano, muito gentil e simpático era querido por todos.

Mais informações sobre a família aqui.

é isso, por fernando stickel [ 3:46 ]

art-deco no palácio


No interior do Palacio De Bellas Artes, no centro da Cidade do Mexico, finalizado em 1934, maravilhosa arquitetura Art-Deco!

é isso, por fernando stickel [ 9:06 ]

modular delta


Foto Nelson Kon
Os Edifícios Modular Delta I e II fazem parte de um conjunto de obras que o arquiteto Abrahão Sanovicz projetou para a construtora Formaespaço no início da década de 1970 – os Modulares. Os edifícios foram pensados para serem implantados em terrenos típicos na cidade de São Paulo, a partir do conceito de planta livre. Procurou-se racionalizar a construção pela escolha formal – duas lâminas paralelas entre si – e pela modulação estrutural, permitindo maior reaproveitamento da forma e a padronização das dimensões das diversas partes da estrutura.


Abrahão Velvu Sanovicz (1933-1999), arquiteto formado em 1958 na FAU USP, membro da “Escola Paulista”, geração de ouro da arquitetura paulista, projetou e construiu relevantes edifícios habitacionais, culturais, educacionais, de serviço e infraestruturais. Ainda jovem, foi aluno da Escola de Artesanato do Museu de Arte Moderna de São Paulo – MAM e estagiário do escritório do designer Marcello Nizzoli em Milão, legando trabalhos nas áreas de artes plásticas – em especial, desenho e gravura – e design de marcas e produtos.


O Modular Delta hoje, com a placa da construtora que está restaurando as fachadas. O bloco azul já está quase pronto e iniciam-se os trabalhos no bloco verde.


Foto Nelson Kon


Foto Nelson Kon


Foto Nelson Kon


O condomínio está em plena reforma, eu me voluntarizei para fazer parte do Conselho Consultivo e ajudar a síndica na reforma… Agora vai!!!!

é isso, por fernando stickel [ 21:15 ]