aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Posts tagueados ‘arquitetura’

edifício modular


Planta original do Edifício Modular lançado pela Forma Espaço Construções no início dos anos 70, com projeto do arquiteto Abrahão Sanovicz, com 124m2 privativos e 178m2 de área total.

é isso, por fernando stickel [ 14:49 ]

arquitetos joalheiros

Lá nos idos de 1989 a joalheira Miriam Mamber teve a ideia de convidar um grupo de arquitetos para fazer e expor joias, eu fui um dos convidados.
Adorei o convite e me lancei com entusiasmo à empreitada, utilizando seixos, conchas, cacos de cerâmica e vidro que encontrei e colecionei durante anos nas praias onde andei, principalmente a Praia do Curral em Ilhabela.
Por indicação contratei um ourives que desenvolveu os engastes de prata que receberam os materiais coletados.
A exposição na galeria da Al. Gabriel Monteiro da Silva teve o nome de ARQUITETOS JOALHEIROS.
Obrigado à minha mulher Sandra Pierzchalski pela produção das fotos!

Lembrei desta exposição ao tropeçar em uma mensagem antiga do meu falecido amigo hugo Curti, me enviando esta foto PB.


Polaroid antiga com a preparação das peças.

é isso, por fernando stickel [ 7:13 ]

fauusp 50 anos


Voltando à nossa casa!

As comemorações dos 50 anos de formados da minha turma (1969-1973) da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAUUSP se iniciam hoje com uma exposição dos trabalhos da turma, no Edifício Vilanova Artigas.

Os colegas confirmados para as comemorações na lista abaixo:

01 Abel Santos Vargas
02 Alcino Izzo Jr.
03 Alice Prado de Carvalho
04 Annalisa Fazzioli Tavares
05 Antonio Carlos Amaral Tavares
06 Antonio Carlos da Silva
07 Antonio Carlos Rossini
08 Bruno Roberto Padovano
09 Carlos Alberto Gabarra
10 Carlos Massato Kiyomoto
11 Carlos R. Zibel Costa
12 Carlos Satoshi Okamura
13 Cecília Ricci Bianco
14 Cecília Cerroti
15 Cibele Regina Conciglio Mauro
16 Ciro Saito
17 Claudio Soares Braga Furtado
18 Claudio Mauro Machado
19 Deodato de Mello Freire Júnior
20 Diana Malzoni
21 Eduardo Ribeiro Rocha
22 Eloise Tavares Amado
23 Eneida Carvalho Ferraz Cruz
24 Fernando Stickel
25 Flávio Alberto Fonseca
26 Gilberto Orcioli Salvador
27 Helena Mieko Kuma
28 Henrique Cambiaghi Filho
29 Hercules Merigo
30 Iris Di Ciommo
31 Isaac Popoutchi
32 José Francisco Sá Antonio
33 June Alice Chaves Izzo
34 Kátia Moherdaui Vespucci
35 Khaled Ghoubar
36 Kunie Higaki
37 Laura Cardellini
38 Lila Massako Nishida
39 Lourdes Maria Calheiros
40 Marcelo Botter Martinez
41 Marcia Maria Benevento
42 Marcos Aspahan
43 Maria Alice Pereira Nunes
44 Maria Cristina Almeida Antunes
45 Maria Cristina da Silva Leme
46 Maria de Fátima Azevedo
47 Maria de Fátima G. de Figueiredo
48 Maria Izabel Perini Muniz
49 Marlene Milan
50 Marta Dora Grostein
51 Miguel Thomé
52 Murilo Novaes Silveira
53 Nancy Reis Schneider
54 Norberto Chamma
55 Olair Falcirolli de Camilo
56 Rafael Perrone
57 Plinio Toledo Piza
58 Regina Antunes Pivari
59 Ricardo Marques de Azevedo
60 Roberto Meizi Agune
61 Roberto Miguel Collaço
62 Roselia Mikie Ikeda
63 Rubens José Mattos Cunha Lima
64 Sania Cristina Dias Batista
65 Sergio Ficher
66 Sidney Meleiros Rodrigues
67 Venus Sahihi Pezeshk
68 Vera Helena Reis Martins
69 Wilhelm Rosa

70 Esposa do Collaço
71 Marido da Lila
72 Esposa do Khaled
73 Esposa do Hercules
74 Esposa do Zé Sá

75 Fotógrafa
76 Fotógrafo

77 Buffet

A exposição no Salão Caramelo.

Eu preparei para a exposição uma pintura digital, no centro da foto.


As eternas colegas Marta Grostein e Marlene Milan.


A turma toda.

é isso, por fernando stickel [ 8:43 ]

concessões e parques públicos

Estive com minha mulher no Parque Nacional do Iguaçu, no Paraná, visitando as cataratas, e frequentamos juntos o Parque do Ibirapuera em São Paulo.

Ambos são hoje administrados pela Urbia Gestão de Parques (Grupo Construcap) em São Paulo e Urbia Cataratas no Paraná. O Ibirapuera é o mais importante parque urbano de São Paulo, e o Parque Nacional do Iguaçu é uma área natural protegida na região da fronteira entre Brasil e Argentina, contando desde 1999 com gestão concessionada dos serviços de visitação turística.

Os valores e os prazos envolvidos nas concessões são gigantescos e de difícil compreensão para o cidadão comum, que no entanto é perfeitamente capaz de avaliar, como usuário, benefícios e deficiências das concessões.

Analisar o Ibirapuera sob gestão municipal não seria difícil, pois frequento o parque desde que me conheço por gente. Inclusive me lembro de sua inauguração, quando levado por meus pais nas comemorações do IV Centenário da Cidade de São Paulo, em 1954. Me formei arquiteto e sou muito curioso sobre a cidade, então observar equipamentos quebrados, banheiros imundos e sujeira por todo lado faz parte da minha rotina diária, e marcaram décadas de gestão pública do Parque do Ibirapuera.

Tudo isso começou a mudar a partir de outubro 2021, quando se iniciou a concessão da Urbia. Limpeza e manutenção de prédios e jardins, organização dos ambulantes, reforma de espaços decaídos para instalação de lanchonetes e restaurantes, recuperação de pisos e gramados, estacionamento organizado e pago. Mas há problemas. Caminhos tradicionais fora do asfalto estão sendo fechados, instalação de cerquinhas totalmente desnecessárias, tentando delimitar o acesso a determinadas áreas. Outro ponto polêmico são os shows de música, privatizando grandes áreas e despejando volumes sonoros inadequados. Caberá à sociedade, em particular os usuários organizados, pleitear os ajustes necessários.

O Parque Nacional do Iguaçu com área de 185.000 hectares foi criado no governo Getúlio Vargas em 1939. A concessão se iniciou no ano passado, após a outorga de R$375 milhões o consórcio entre Grupo Construcap e o Grupo Cataratas vai investir mais de R$600 milhões na ampliação e modernização do Parque. O parque recebeu o título de Patrimônio Mundial Natural concedido pela Unesco em 1986, e as Cataratas do Iguaçu receberam o título de uma das sete Maravilhas Mundiais da Natureza em 2011. É administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e desde 1999 conta com gestão concessionada dos serviços de visitação turística.

Lá encontramos acessos perfeitos, asfalto cuidado, controle rigoroso na velocidade dos veículos (50km/h) limpeza perfeita, caminhos bem conservados, e equipamentos como banheiros públicos e lanchonetes funcionando e limpos, as passarelas de acesso às cataratas estão em bom estado, O que poderá a nova concessão adicionar a este cenário? Sentimos falta de bicicletas, portanto ciclovias e aluguel de bicicletas, à semelhança do Ibirapuera, seria uma adição muito bem-vinda. Educação ambiental, novas trilhas, gestão de resíduos, e a manutenção rigorosa da preservação da natureza serão com certeza parte da evolução do parque.

A conclusão a que chegamos é que as concessões são necessárias, o poder público na enorme maioria dos casos NÃO tem competência para a gestão, e qualquer desvio na gestão da concessionária deverá ser apontada pelo cidadão, individualmente, ou melhor, através de associações do tipo “Amigos do Parque”.

é isso, por fernando stickel [ 8:56 ]

centro de são paulo

Trabalhei no escritório do arquiteto Salvador Candia de 1972 a 1974. O escritório se situava no Edifício Vicente Filizola, à R. Xavier de Toledo 65, bem em frente à Biblioteca Municipal na Praça Dom José Gaspar, centro de São Paulo

No térreo do edifício existia naquela época uma loja das Balanças Filizola.

Neste período a minha vida diária se passava nos arredores da Biblioteca, Galeria Metrópole, Galeria 7 de Abril, Largo da Memória, R. Marconi, Barão de Itapetininga, Mappin, Av. São Luís, Viaduto do Chá, etc…

No almoço normalmente eu comia um sanduiche, e quando o tempo estava bom, engraxava os sapatos à sombra das árvores da Praça, com direito a uma soneca…

A cidade era mais civilizada, mais arrumada, haviam lojas boas e livrarias, como a Livraria Kosmos no sub-solo do Galeria Metrópole, projeto do Salvador Candia e Giancarlo Gasperini. Um dos hotéis e restaurante mais sofisticado da cidade, o Ca’d’Oro, ficava logo ali na R. Basilio da Gama, onde também ficava o restaurante árabe Almanara. Na Av. São Luís as lojas das principais companhias aéreas disputavam as melhores instalações.

Tudo o que sei de arquitetura aprendi naquela época, desde desenhar planta de prefeitura (a coisa mais chata do mundo) até participar de projetos interessantes, como a Torre do Unibanco (apelidada Idi Amin por ser imensa e negra…) na esquina da Rebouças com Marginal, um pavilhão para asilo de velhos na sociedade Beneficente Alemã e a fachada em ladrilhos do edifício Barão de Iguatemi em frente ao Shopping Iguatemi.

O painel da Tomie Ohtake na lateral do Edifício Santa Monica, de 1984, veio muitos anos mais tarde, é uma das poucas obras de arte na escala urbana bem resolvidas.

No saguão de entrada do Edifício Filizola existe esta foto de 1958, mostrando a fachada do prédio, cujo projeto é do arquiteto Adolf Franz Heep em parceria com Jacques Pilon, de 1951. Reparem nos brises na fachada, ainda existentes, depois foram retirados (na foto acima), não sei por que. Na mesma foto, mais à frente, o edifício do jornal O Estado de São Paulo, também projeto de Heep, primeira obra em que foram utilizados os brises em 1948.

é isso, por fernando stickel [ 18:01 ]

eduardo longo


Lá nos idos de 1974 Eduardo Longo e eu morávamos no mesmo prédio de três andares na R. Tucumã, um belo dia ele me convidou a conhecer a construção da da Casa Bola na R. Amauri e acabei ajudando na construção, durante alguns dias.

Durante meio século de amizade acompanhei inúmeras fases da Casa Bola, e acabamos fazendo também alguns projetos juntos, como o curso “Viver o Espaço com Eduardo Longo” provido pela Fundação Stickel em parceria com o Espaço Cultural Tendal da Lapa em 2014.

Em contrapartida ao curso, a Fundação editou o livro “Sobre Bolas e outros projetos”, com texto de Fernando Serapião.

É um prazer acompanhar a mente brilhante que aos 80 anos de idade não para de desenvolver sabedorias arquitetônicas!


Um gigantesco espaço com uso múltiplo, estacionamento, estúdio de fotografia, e mais o que você quiser!


O arquiteto em sua “praia”…


A praia…


O posto de observação predileto, em frente à Av. Brig. Faria Lima.

é isso, por fernando stickel [ 9:24 ]

salvador candia, arquiteto

Meu texto de apresentação do livro:

“A Fundação Stickel tem grande prazer de atender mais uma vez ao chamamento público do CAU/SP – Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo, e assim elaborar juntamente com o autor Eduardo Ferroni e a Editora Monolito, a publicação do livro “Salvador Candia, arquiteto”.

A colaboração da Fundação tem um significado especial, pois seu instituidor, meu pai, Erico João Siriuba Stickel, era muito amigo do Salvador e seus irmãos, Rubens e Filomena (Minuta), com quem também convivi.

Jovem estudante de arquitetura tive o privilégio de trabalhar no escritório do Salvador, inicialmente como estagiário, e na sequência, já formado, como arquiteto.

A experiência foi muito rica, pois o contato com o mestre era próximo, e o aprendizado facilitado pelo braço direito do Salvador, o arquiteto Yasuhiro Aida, que preenchia com gosto as lacunas.

Participei de projetos residenciais e comerciais e recebi com muito gosto a missão de desenhar a fachada do Edifício Barão de Iguatemi, que, modéstia à parte, ficou linda!

Nascido em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Salvador era na verdade um italiano enraizado em São Paulo, detentor de cultura enciclopédica e um guarda-roupa europeu. De gostos sofisticados, aprendi com ele, no universo mundano, a apreciar bons charutos.

No período em que trabalhei, o escritório localizava-se no Edifício Filizola, projeto de Franz Heep, em frente à Praça Dom José Gaspar, em cujos arredores vivia-se a a rotina diária e onde se localizavam a Biblioteca Mario de Andrade e a Galeria Metrópole, projeto do Salvador em parceria com Giancarlo Gasperini, recém concluído na época.

A convivência diária no escritório, com toda a equipe, cimentou meu aprendizado da arquitetura, o pouco que sei foi lá que aprendi. Obrigado Salvador!”


Sandra Pierzchalski, do Conselho Curador da Fundação Stickel, discursa no lançamento do livro na sede do CAU/SP em São Paulo.

Nascido em Campo Grande, no Mato Grosso, Salvador Candia mudou-se com a família para São Paulo em 1933, onde formou-se arquiteto no Mackenzie em 1948.
Na faculdade, articulou – juntamente com Carlos Millan e Jorge Wilheim – a criação da revista Pilotis. Em 1947, faz uma viagem aos Estados Unidos, onde conhece, entre outros, Bernard Rudofsky e Philip Johnson, e entra em contado com a obra de Mies van der Rohe.
Em 1948, integra o grupo de ativistas culturais que funda o Museu de Arte Moderna de São Paulo, participando, posteriormente, da organização das Bienais de Arte organizadas pelo Museu. Após colaborar nos escritórios de Rino Levi, Oswaldo Bratke e Vilanova Artigas, inicia sua trajetória vencendo concurso da Estação Ferroviária de Pampulha, com parceria com Plinio Croce e Roberto Aflalo.
Entre as décadas de 1950 e 1980 Candia realizou uma série de edifícios de escritórios e apartamentos em São Paulo, sendo considerado o mais mieseano dos arquitetos brasileiros. Em sua produção, destacam-se o edifício João Ramalho (1954) – também com Croce e Aflalo, premiado na 4a Bienal de São Paulo –, o conjunto Ana Rosa (1957), o edifício Metropolitano (1960), com Gian Carlo Gasperini, o edifício Villares (1961), os edifícios Santa Cândida e Santa Francisca (1963), o edifício Joelma (1968) e Nações Unibanco (1964). Foi professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Mackenzie, dirigindo a instituição entre 1967 e 1969.

é isso, por fernando stickel [ 12:26 ]

salvador candia arquiteto

A Fundação Stickel atendeu ao edital do CAU/SP, em parceria com a Editora Monolito, na execução do projeto contrapartida do livro “SALVADOR CANDIA, ARQUITETO” de Eduardo Ferroni.

O lançamento do livro será dia 16 de agosto das 18h30 às 21h30 na sede do CAU/SP, Rua Quinze de Novembro 194.

Na ocasião, haverá uma conversa entre Eduardo Ferroni (autor) e Fernando Serapião (editor).

O projeto contrapartida incluiu também duas edições do curso online e gratuito “O Tripé da Arquitetura Moderna em São Paulo”, ministrado por Fernando Serapião, abordando a arquitetura produzida a partir dos anos 1940 na cidade, se debruçando sobre a obra de Franz Heep, Paulo Mendes da Rocha e Salvador Candia, com participações de Guilherme Wisnik, Marcelo Barbosa e Eduardo Ferroni.


Na sede do CAU/SP, Sandra Pierzchalski do Conselho Curador da Fundação Stickel fala aos presentes.

é isso, por fernando stickel [ 14:45 ]

a sauna


A sauna do Grande Hotel Araxá é um fenômeno arquitetônico!!

é isso, por fernando stickel [ 9:38 ]

de espaços e exposições

De espaços e exposições.

Minha casa na Rua Ribeirão Claro 37, Vila Olímpia – São Paulo fez parte da minha vida, como unha e carne, por 21 anos.

Recém chegado a São Paulo em 1985, após um período morando em New York, procurava um espaço para alugar quando por indicação de amigos conheci o estúdio do Sergio Fingerman, que estava de mudança para a Vila Madalena. Entrei em contato com o proprietário para alugá-lo, mas ele queria apenas vendê-lo, e acabei comprando o imóvel.
?Lá morei, trabalhei, namorei, cozinhei, casei, sobrevivi a enchentes, plantei árvores, cuidei de cachorros e escrevi um livro. Lá nasceu meu filho Arthur, fiz os cursos “Desenho com Fernando Stickel” e 1ª Oficina de Design de Automóvel”, fiz festas, preparei exposições, fiz 21 reformas, negociei, transformei, hospedei amigos, pintei o imóvel de inúmeras cores, conheci vizinhos, bem e mal humorados, e finalmente cedi gratuitamente o espaço por dois anos, para que a Fundação Stickel lá construísse, com projeto de Sandra Pierzchalski, o “Espaço Fundação Stickel” e realizasse 9 exposições de arte, estreando com a exposição “Arte e Ilusão” de Luiz Paulo Baravelli em outubro 2005.

Chegado o momento de sair do imóvel e vendê-lo, iniciou-se longo e complexo processo, envolvendo a consolidação de vários terrenos e uma negociação onde ao final dois interessados disputavam o negócio, uma incorporadora interessada em construir um prédio, e a Comunidade Shalom, sinagoga progressista interessada em construir sua nova sede.

Um belo dia conversando com o jovem e simpático rabino Adrian Gottfried sobre a negociação, eu disse a ele:
– Adrian, vou vender minha casa pelo melhor preço, mas prefiro vender a vocês, pois este terreno está impregnado de muitas boas vibrações… E assim, foi, para minha alegria a melhor proposta veio da Shalom e fechamos o negócio.

Entreguei as chaves do imóvel em 31 dezembro 2006. Na desmontagem do espaço, tal qual um corpo doando órgãos, distribuí aos amigos e pessoas próximas, luminárias, plantas, caixilhos, telhas, grades, portas, louças e metais, etc… etc… O final de ciclo de um imóvel que cumpriu plenamente sua função, pública e privada. Algo que desaparece para dar lugar a algo novo. É o saudável ciclo da vida.

Vencedores do concurso de arquitetura promovido pela Shalom, o projeto de arquitetura da nova sinagoga foi de Marcelo Ferraz e Francisco Fanucci, da Brasil Arquitetura. Em 2011 fui convidado para a inauguração do novo prédio, tive muito prazer de participar da cerimônia, onde encontrei inclusive alguns amigos.

Agora, 17 anos depois, em um espaço mais uma vez projetado por Sandra Pierzchalski, a Fundação Stickel repete o convite ao mestre Baravelli, que apresentará seus trabalhos no novo Espaço Fundação Stickel, na Rua Nova Cidade 195 – Vila Olímpia, São Paulo.

é isso, por fernando stickel [ 8:10 ]

renato marques


Renatinha Mellão, a proprietária, e o arquiteto Renato Marques (1951-2011), colaboração perfeita no projeto da pousada Vila Naiá na Ponta do Corumbau, BA.


Projeto simples, adequado ao clima local, bonito, charmoso e integrado à natureza, o que mais precisa?


O arquiteto.


Este lindo bar é a última adição ao conjunto da pousada, totalmente integrado!


A piscina tem uma deliciosa sombra criada sob medida por uma cobertura de lona branca.


Trabalhando “in-loco”.


O arquiteto curtindo a obra pronta, Na Suite Vermelha da pousada.

é isso, por fernando stickel [ 9:27 ]

sampaio vidal

é isso, por fernando stickel [ 9:07 ]

sampaio vidal

Minha ex, Iris Di Ciommo, encontrou em seus guardados os ante-projetos e alguns detalhamentos da obra de reforma da casa que compramos no final dos anos 70 na Rua Sampaio Vidal 564, desenhados por nós em papel manteiga.

O projeto original do conjunto de quatro sobrados geminados é do arquiteto João Batista Vilanova Artigas.

É curioso que eu já conhecia esta casa no tempo de estudante da FAUUSP, pois iniciei minha vida profissional desenhando plantas de prefeitura para o arquiteto Alfred Talaat, que lá tinha seu escritório. Na edícula nos fundos do terreno era o estúdio do Augusto Livio Malzoni.

O projeto executivo da reforma foi executado pelo “Cambeu”, nosso colega de classe Henrique Cambiaghi, pois o escritório dele tinha mais condições para a tarefa.

A construção ficou ao cargo do Henrique Falzoni.

Além da obra, plantamos árvores na calçada e no pátio frontal da casa, utilizado como garagem. Nosso colega Plinio de Toledo Piza fez o projeto de paisagismo do jardim nos fundos da casa.

Eu tomei algumas liberdades com o projeto original do mestre Artigas, a mais benéfica foi a inclusão de um terraço no primeiro piso, acessado por portas na sala de jantar e na cozinha, e com uma escada em espiral descendo ao jardim.
Criei também na porta principal da casa uma escada curva, estilo “bolo de noiva” pintada de vermelho, que também ficou muito boa


Projeto de paisagismo de Plinio de Toledo Piza.


O conjunto dos quatro sobrados, o número 564 está marcado em vermelho.

é isso, por fernando stickel [ 17:43 ]

yasuhiro aida


O arquiteto Yasuhiro Aida foi durante muitos anos o braço direito do nosso chefe do escritório, o arquiteto Salvador Candia, no Edifício Vicente Filizola na R. da Consolação 65, centro de São Paulo.

Aida foi sempre uma presença calma, composta, economico de palavras e gestos, trabalhando incansavelmente em sua prancheta por vezes esboçava um sorriso enigmático.
Aprendi muito com ele, que dedicava poucos e preciosos minutos a me resgatar de minha ignorancia de jovem arquiteto recém-formado.
Saudades dos anos 70, analógicos e poéticos… O centro da cidade era civilizado e agradável!


Além de tudo, Aida era um excelente desenhista, as perspectivas dos projetos do escritório, muito elegantes, eram feitas por ele.

Este desenho encontrei entre os guardados de minha família, ante-projeto para uma residência no Morumby, encomendado pelos meus pais Erico e Martha Stickel. O terreno era perto da Capela do Morumbi, do outro lado da avenida, mas o projeto não progrediu.

é isso, por fernando stickel [ 22:16 ]

colaboração


Colaboração marido-mulher.
Arquitetura de interiores – Sandra Pierzchalski
Foto fine art – Fernando Stickel
Foto do ambiente – Fernando Stickel

é isso, por fernando stickel [ 18:45 ]

almoço no salvador


Almoço nos anos 70 na casa do arquiteto Salvador Candia na R. Inglaterra em São Paulo. As pessoas presentes nesta mesa eram parte de um grande grupo de amigos do qual meus pais faziam parte. Possivelmente havia neste dia uma segunda mesa com Minuta e Rubens, irmãos do Salvador, Luisinho Villares, Terezinha Schnorremberg e outros amigos como Gerard Loeb (1928-2020), Irene e Jacob Ruchti (1917-1974) ou Laura e Miguel Forte (1915-2002) e os Aflalo.

Nesta época eu trabalhava como arquiteto recém formado no escritório do Salvador e entre outras tarefas fui incumbido de detalhar o gaveteiro do closet do dono da casa. A casa foi reformada e era bastante convencional, a mesa ao ar livre ficava em baixo de uma pérgola. O grande diferencial e charme da casa era a ampla biblioteca/estúdio, que tinha o teto em formato de pirâmide, com iluminação zenital.

Na mesa estavam:

1. Salvador Candia (1924-1991) o dono da casa. Moravam com ele na casa os irmãos Filomena (Minuta) e Rubens, também falecidos.
2. Martha Diederichsen Stickel, minha mãe.
3. Joanninha da Cunha Bueno Marques (1924-2018) amiga íntima de minha mãe, e mãe do Renato e do fotógrafo Joaquim da Cunha Bueno Marques (1950-2004)
4. Erico João Siriuba Stickel (1920-2004) meu pai.
5. Helenita Ratto Villares (1931-2013), primeira mulher do meu primo Luiz Diederichsen Villares (1930-2020)
6. Antonio Soares de Gouvêa, marido da Joaninha
7. Roberto Schnorrenberg (1929-1983) – Maestro e pai do Raimundo, que herdou a casa do Salvador.
8. João Carlos Vogt, marido da
9. Marília Vogt, pais da Gilda Vogt, esposa do Dudi Maia Rosa
10. Norberto Nicola (1931-2007) – Tapeceiro


Em outro almoço no Salvador, meus pais Martha e Erico felizes da vida!

é isso, por fernando stickel [ 19:07 ]

sandra & fernando

Há muitos anos que a Sandra minha mulher e eu fazemos uma parceria arquitetura/fotografia.
A documentação fotográfica e a divulgação dos trabalhos dela de arquitetura e decoração são feitas em grande parte por mim, ela prepara os ambientes e eu fotografo. Simples assim.
Aqui o resultado da decoração do jantar de Natal realizado ontem.

é isso, por fernando stickel [ 12:12 ]

chuva de prata


Em 1954 com seis anos de idade, lembro de sair cedo de casa para o quintal de nossa casa na R. dos Franceses e encontrá-lo coberto de folhas de alumínio triangulares, brilhando ao sol e molhadas do orvalho.
Nas comemorações do Quarto Centenário de São Paulo, a Força Aérea Brasileira com seus aviões fez a Chuva de Prata sobre a cidade!


Lembro também da “Voluta Ascendente” escultura de Oscar Niemeyer no Parque do Ibirapuera. Meu pai comentou comigo na época que a Voluta não tinha condições técnicas de ficar de pé, o projeto seria falho. De fato, o troço caiu e não levantou mais…


O projeto.

é isso, por fernando stickel [ 11:59 ]