aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Posts tagueados ‘martha stickel’

bernardo diederichsen


Meu tio Bernardo Diederichsen (1904-1928) faleceu aos 24 anos de idade, ao sofrer choque elétrico.
Recém formado Engenheiro Eletrotécnico na EHT Zürich na Suíça, ele estava em seu primeiro emprego no Banco do Brasil em São Paulo.
Vestia uma camisa branca e trabalhava em um rádio, com uma chave de fenda no bolso da camisa, inclinou-se sobre o rádio e a chave de fenda encostou em uma fonte de alta voltagem, fulminando-o instantaneamente.
Em seu bolso da calça carregava seu primeiro salário.
Minha mãe Martha tinha apenas um ano de idade, e lembra de conviver toda sua infância com sua mãe Maria Elisa Diederichsen (Lili) de luto.
Eu me lembro de ter visto a camisa branca, com uma marca de queimado provocada pelo choque…


Testemunho dos costumes da época, o cartão de agradecimento às manifestações de luto muito formal e muito pesado gráficamente falando…

é isso, por fernando stickel [ 13:36 ]

adeias infantis sos


Meus pais Erico e Martha Stickel doaram para as Aldeias Infantis SOS Brasil nos anos 70 uma gleba de terras denominada “Sitio das Corujas”, nas imediações do SESC Interlagos. Os casais Peter e Scholy Mangels, Karin e Eckard Essle e Marta e Hans Von Heydebreck participaram conjuntamente com meus pais da criação da Aldeia.
Nesta área, com projeto arquitetônico do meu irmão Roberto (Neco) foi construída a Aldeia Infantil SOS Rio Bonito, inaugurada em 8 Dezembro 1980. Na foto, os meus pais estão no canto direito. No centro, de roupa branca o criador das Aldeias, Hermann Gmeiner (1919-1986).

As Aldeias trabalham da seguinte forma:
Crianças, adolescentes e jovens, que por algum motivo foram separados de suas famílias, têm, aqui, um espaço de proteção em um ambiente familiar. Cada núcleo é composto por até nove crianças, irmãos biológicos ou não, de diferentes idades e de ambos os sexos. A Mãe Social (cuidadora residente) é responsável pelo cuidado e projeto de vida de cada criança e jovem, com foco em sua autonomia e reintegração a sua família de origem ou substituta.

Missão
Apoiamos crianças e famílias, ajudamos a construir seu próprio futuro e participamos no desenvolvimento de suas comunidades.

Missão Estratégica
Apoiar crianças, adolescentes e jovens que se encontram em vulnerabilidade, impulsionando seu desenvolvimento e autonomia em um ambiente familiar e  comunitário protetor.
 
Visão
Cada criança pertence a uma família e cresce com amor, respeito e segurança.


A SOS Kinderdorf International, sediada em Innsbruck, foi fundada em 1949 na Áustria por Hermann Gmeiner (1919-1986). É a federação de todas as Aldeias infantis SOS no mundo. A Organização está presente atualmente em 135 países, com 73.000 acolhidos e 5.000 mães sociais.

é isso, por fernando stickel [ 9:23 ]

acervo iconográfico

Em Julho 2008:

IMS incorpora Acervo Iconográfico Martha e Erico Stickel

O Instituto Moreira Salles acaba de agregar a seus conteúdos uma coleção de importância fundamental na arte e na memória brasileiras: o Acervo Iconográfico Martha e Erico Stickel, resultado de acuradas aquisições realizadas pelo casal ao longo de mais de 40 anos. Formado por cerca de 1500 peças, entre desenhos, aquarelas, mapas, gravuras, óleos e álbuns iconográficos, quase que exclusivamente no suporte papel, o material cobre um período que vai de meados do século XVI até o final do século xix.

Entre os autores das obras há nomes como Christoff Artischowsky, Jean-Baptiste Bourguignon d’Anville, Manoel Araújo Porto-Alegre, Evan Baillie Jr., Johannes Blaeu, J. Bury, Henry Chamberlain, Eugène Cicéri, Izaak Commelin, Vincenzo Maria Coronelli, Frank Edward Cox, Jean-Baptiste Debret, Iluchar Desmons, Hercule Florence, Frans Post (Gaspar Barleaus), Henrique Goldschmidt, Friedrich Hagedorn, Eduard Hildebrand, Hendrik Hondius, Petrus Kerius, Johannes van Keulen, Georg Marggraf, William Gore Ouseley, Jean Leon Pallière, Carlos Roberto de Planitz, Johann Moritz Rugendas, Leon Jean-Baptiste Sabatier, Johann Jakob Steinmann, Thomas Marie Hippolyte Taunay, Karl Wilhelm von Theremin, Victor Frond e Carl Friedrich Phillip von Martius.

As técnicas utilizadas em seus trabalhos são as mais diversas, desde o desenho a grafite ou nanquim até a gravura — tanto em metal (ponta-seca, etching ou água-forte, água-tinta ou lavis) quanto em madeira (xilogravuras) e pedra (litogravuras) —, passando por óleo, aquarela e guache, entre outras. Um dos pontos altos do conjunto é formado por 78 obras de Von Martius (grafite sobre papel, basicamente), com registros da paisagem brasileira. Juntamente com Johann Baptist Spix, ele foi o mais importante naturalista que circulou pelo país entre 1817 e 1820, autor da clássica Flora brasiliensis e tido como o iniciador da botânica brasileira em sua fase científica.

Outro destaque é um álbum de Araújo Porto-Alegre, com desenhos, poemas e textos do autor. Tecnicamente, a coleção constitui uma “brasiliana”. O termo se refere a imagens produzidas num período definido — do “Descobrimento” até o fim do século XIX, com a intenção de tornar reconhecível a gente e a paisagem brasileiras. No acervo do iMS, o material se soma a itens como o Highcliffe album, com centenas de imagens do Brasil produzidas pelo artista inglês Charles Landseer, em que se incluem trabalhos de Henry Chamberlain, Jean-Baptiste Debret e William Burchell. E, ainda, às raríssimas 24 aguadas de Paul Harro-Harring, além de peças avulsas.

Como resultado, o IMS passa a guardar e preservar o maior acervo de memória visual brasileira do gênero na esfera privada, com cerca de 2 mil peças iconográficas e mais de 20 mil fotografias que registram a natureza, as cidades e a gente brasileira no século xix. Talvez nenhuma outra entidade pública, com a provável exceção da Biblioteca Nacional, possa ostentar um repertório dessa importância e natureza. A formação desse inestimável patrimônio coloca o Instituto num novo e mais relevante patamar entre as instituições culturais do país, o que lhe abre novos horizontes também no exterior.

é isso, por fernando stickel [ 16:08 ]

sociedade beneficente alemã

sba
Este é o “Stickel Heim”, pavilhão que meus pais doaram à Sociedade Beneficente Alemã SBA no Sesquicentenário da Imigração Alemã 1824-1974.
O projeto arquitetônico ficou a cargo do arquiteto Salvador Candia, em cujo escritório eu trabalhava na época. Sob a orientação do arquiteto Yasuhiro Aida, braço direito do Salvador, trabalhei bastante neste projeto.
São 12 quartos, sala de estar, copa e terraço para uso dos idosos que a SBA abriga.


Os dizeres da placa comemorativa, afixada no prédio:

Em homenagem à memória de nossos pais
Ernesto Diederichsen
Maria Elisa A. Diederichsen
Arthur Stickel
Erna H. Stickel
No ano comemorativo do Sesquicentenário da Imigração Alemã no Brasil, construimos esta casa.
Martha Diederichsen Stickel
Erico João Siriuba Stickel


Meu pai, Erico Stickel, na inauguração.


Eu, meu pai Erico, iris Di Ciommo, minha mãe Martha e o arquiteto Salvador Candia.

é isso, por fernando stickel [ 20:06 ]

lili e a gripe espanhola


Lili, minha mãe Martha e meu tio Ernesto, anos 30, na casa da R. dos Franceses.

Minha avó Lili – Maria Elisa Arens Diederichsen (1883-1973), foi uma sobrevivente da gripe espanhola de 1918.

Ela se curou da gripe, mas teve como sequela uma lesão no pulmão que muitos anos mais tarde se transformaria em enfisema, doença que acabou sendo a causa de sua morte aos 90 anos de idade.

Ela tinha 35 anos de idade quando foi infectada em São Paulo pelo H1N1, a pandemia infectou 500 milhões de pessoas, cerca de um quarto da população mundial na época, e vitimou entre 50 e 100 milhões de pessoas no planeta, as vítimas preponderantemente adultos jovens.

Dois anos mais tarde nasceu a caçula da família, minha mãe Martha em 1920. Lili teve uma vida excelente, suas sequelas não diminuíram em nada seu vigor e alegria de viver. Dois anos ates de falecer o enfisema se manifestou, e ela passou a ter sintomas de falta de ar.


Lili no navio, com meu pai Erico, eu e minha irmã Sylvia, anos 50


Lili com minha irmã Sylvia na Suíça, anos 50


Lili com 87 anos, na festa do meu noivado com Maria Alice Kalil, 1970


A ciência tem dados das epidemias e pandemias, as curvas e as precauções são as mesmas…

é isso, por fernando stickel [ 9:23 ]

projeto no arrozal


No início dos anos 70 eu estudava na FAUUSP, e meu primo Luiz Diederichsen Villares conversou comigo para fazer o projeto de uma casa na Praia do Arrozal em Ilhabela, SP

Propus para o arquiteto Marcos Acayaba, formado 4 anos na nossa frente, a execução do projeto em conjunto, que foi feito no escritório dele e concluido em 1973, ano em que me formei. A construção se deu em 1974 e 75.

A casa ficou muito bonita e funcional, com o corpo dos quartos separado do corpo social por um amplo terraço coberto. Utilizamos vigas enormes de madeira composta. Foi meu primeiro projeto construído!


Minha mãe Martha na obra.

é isso, por fernando stickel [ 23:34 ]

faleceu luisinho villares


Luiz Diederichsen Villares (Luisinho), meu primo-irmão e padrinho faleceu hoje aos 90 anos de idade em São Paulo. A foto do Luisinho, como todos o conheciam, é de minha autoria no aniversário de 89 anos da minha mãe Martha, 4 anos atrás,
Ele foi sempre um exemplo para mim como colecionador de extremo bom gosto, como responsável pelo design da marca Villares, pelas suas casas sempre lindas e arrumadas, com sua coleção de arte exposta com maestria, pela sua conexão visceral com a música clássica. Ele incentivou desde cedo a minha própria coleção de arte, me presenteando com uma magnífica tela de Maria Leontina e uma gravura de Serge Poliakoff.
Foi presidente da Fundação Bienal de São Paulo de 1980 a 1983, realizando as XVI e XVII Bienais de São Paulo.
Além das artes visuais Luisinho amava a música, e a conhecia como ninguém, quando eu tinha cerca de 15 ou 16 anos de idade nós cantávamos juntos no Conjunto Coral de Câmara de São Paulo, um período de convivência próxima e gostosa.
Uma informação interessantíssima sobre o Luisinho surgiu nas palavras de Lia Diskin, da Associação Palas Athena proferidas no velório.
Luisinho e seu amigo Marcos Ring iniciaram como voluntários nos anos 70 a construção da creche/escola Instituto Pandavas no Bairro dos Souzas em Monteiro Lobato, SP O curioso é que nem mesmo a família do falecido conhecia sua vertente filantrópica… Ele fazia o bem, e não contava pra ninguém…foi durante 20 anos voluntário do Centro de Valorização da Vida-CVV
Luisinho tinha sempre o melhor aperto de mão da praça, firme, forte, sólido, acompanhado do mais simpático sorriso… Deixa a viuva Raquel, os filhos Marcelo Claudia e Eduardo e netos.
Vá em paz Luisinho, faça uma linda viagem, com acompanhamento de Beethoven, Mozart, Olivier Messiaen, Berlioz e tantos outros compositores e músicos que você amava…

é isso, por fernando stickel [ 17:03 ]

antonio diederichsen


Um amigo me enviou esta foto de uma placa em homenagem ao meu tio avô Antonio Diederichsen (1875-1955), irmão do meu avô Ernesto Diederichsen, e empreendedor em Ribeirão Preto, SP.
Ele construiu o Edifício Diederichsen em 1936, onde foi originalmente inaugurada a famosa Choperia Pinguim. O edifício é tombado, legítimo representante do estilo Art-Deco.

Na placa está escrito:
Edifício Diederichsen
A Antonio Diederichsen
Grande benemérito desta cidade e propulsionador do seu progresso, homenagem do povo de Ribeirão Preto
20-12-1936


A Choperia Pinguim mudou-se para a esquina oposta ao Edifício Diederichsen.


Antonio Diederichsen nasceu em 01 de agosto de 1875, em São Paulo, filho de Bernhard Diederichsen e Ana Carolina Diederichsen. Iniciou os seus estudos básicos no Colégio Brasileiro-Alemão e os concluiu na Alemanha.

Retornando ao Brasil trabalhou com o pai, fabricante de vinho e chá, mas após uma praga nos vinhedos retornou à Alemanha para cursar Agronomia. Formado, veio trabalhar na Fazenda Santa Adelaide, de propriedade de seu tio Arthur Diederichsen.

Na ocasião, foi anunciada a falência do Banco Construtor e Auxiliar de Santos, que possuía, em Ribeirão Preto, uma oficina mecânica, uma fundição e uma serraria.

Diederichsen interessou-se por esse espólio e propôs sociedade a João Hibbeln, que era o seu depositário. A empresa foi constituída e começou na esquina das ruas José Bonifácio com São Sebastião, com a razão social de “Diederichsen & Hibbeln”.

O negócio se desenvolveu a contento, pois abriram a seção de ferragens e, em virtude do desenvolvimento da serraria, a firma mudou-se para a Vila Tibério. O horário era das 6,00 até às 21,00 horas. Em 1916, com o advento da 1a. Grande Guerra, a sociedade se dissolveu e entendeu Diederichsem de dar participação para os seus auxiliares diretos Manoel Pena, Germano Reinel da Silva e Guido Gambini.

O progresso e a cidade exigiram a expansão dos negócios e, assim foi construído o edifício do Antigo Banco Construtor, na esquina das ruas Saldanha Marinho e Américo Brasiliense. Antigo Banco Construtor era o nome de fantasia e se consagrou como a maior casa de materiais de construção da região. Sua diversidade de produtos era enorme. Ia do básico ao acabamento. Toda a região acorria para adquirir esses materiais. Diederichsen igualmente dotou a cidade de um moderno edifício construído no estilo Art-Deco, compreendendo o trecho da rua Alvares Cabral, com 150 metros de fachada e 3.750 m2 de área construída, entre a rua Gal. Osório e a São Sebastião, com locais para escritórios, apartamento, Hotel, restaurante, lojas e cafés.

Parte da construção ocupou a antiga residência do chefe político do PRP, Cel. Quinzinho da Cunha Junqueira. Ainda objetivando dotar a cidade de melhoramentos, em 1947, Diederichsen resolveu construir o edifício onde se instalou o Hotel Umuarama, inaugurado em 20 de janeiro de 1951. Ainda como desenvolvimento de suas atividades mercantis, Diederichsen, em 1922, passou a representar a empresa Byington & Cia., concessionária Chevrolet. Em 1934, a empresa Diederichsen & Cia. passou a vender os veículos da Ford e, 30 anos depois, com o nome de Cia. Comércio Antonio Diederichsen passou a ser concessionária Volkswagem. Já no ínício da década de 1950, agravou a diabetes de Diederichsen, que acabou falecendo no dia 30 de setembro de 1955.

Antonio Diederichsen nunca casou e não tinha herdeiros, deixou sua fortuna para a Santa Casa. Minha mãe se lembra bem do tio, que vinha a são Paulo ao menos uma vez por ano, muito gentil e simpático era querido por todos.

é isso, por fernando stickel [ 3:46 ]

aniversário martha


Minha mãe Martha Diederichsen Stickel completa hoje, 21 Fevereiro 2020, 93 anos de idade!!! Parabéns Mamãe!!! Suas fiéis escudeiras Tide e Ivani a ladeiam na foto.
A Fundação Stickel também comemora o aniversário de sua instituidora, que com seu marido e meu pai Erico João Siriuba Stickel a criaram em 1954.


Que Mamãe continue a navegar acompanhada dos quatro filhos, Fernando, Sylvia, Ana Maria e Roberto, quatro netos, Fernanda, Antonio, Joana e Arthur e cinco bisnetos, Samuel, Rodrigo, Ian, Noah e Pedro.


Anos 60, Martha com 30 e poucos anos…


Familia quase completa no Natal 2019.

é isso, por fernando stickel [ 9:57 ]

babinski na fundação stickel


Mema Rio Branco, Sandra Pierzchalski e Martha Stickel na exposição de Maciej Babinski “Retratos Eriçados” no Espaço Fundação Stickel, a Pharmacia Cultural, com curadoria de Agnaldo Farias e Fernando Stickel.


Dudi Maia Rosa, Lidia e Maciej Babinski.


Helena Carvalhosa e Maciej Babinski.


Feres Khoury, Sandra Pierzchalski, Jimmy e Bolt.


A exposição já estava fechando às 16:00h quando chegou o grande Tomoshigue Kusuno!

é isso, por fernando stickel [ 18:09 ]

fernando 71


Delícia de almoço de aniversário de 71 anos na L’antica Bottega di Sergio Arno com Sandra, Jimmy e Bolt, minha filha Fernanda com o Pedro no colo e minha mãe Martha!

é isso, por fernando stickel [ 12:32 ]

salvador candia no morumby


Encontrei entre os guardados de minha família este ante-projeto do arquiteto Salvador Candia para uma residência no Morumby, encomendado pelos meus pais Erico e Martha Stickel.
Me lembro vagamente dos meus pais conversando sobre isso, mas o projeto não avançou. O terreno era perto da Capela do Morumbi, do outro lado da avenida.

é isso, por fernando stickel [ 9:04 ]

martha 92 anos!


Minha mãe Martha completa 92 anos de idade!!!!

é isso, por fernando stickel [ 20:43 ]

martha e ian


Minha mãe Martha troca uma idéia com o bisneto Ian…

é isso, por fernando stickel [ 17:52 ]

faleceu joanninha da cunha bueno


Faleceu aos 93 anos minha tia Joanna Maria da Cunha Bueno (1924-2018)
Amiga íntima e eterna de minha mãe Martha, foi presença boa e constante na minha vida desde sempre.
Faça uma linda viagem, Joanninha.

é isso, por fernando stickel [ 0:18 ]

lili e filhos, 1934


Minha avó Maria Elisa (Lili) Arens Diederichsen (1883-1973), com meu tio Ernesto George Diederichsen, que completará 96 anos de idade no próximo dia 6 de Agosto, e minha mãe Martha Diederichsen Stickel, 90 anos de idade…
Esta foto tirada na casa da R. dos Franceses deve ser de cerca de 1934.

é isso, por fernando stickel [ 9:27 ]

atestado de regularidade

regularidade
Atestado de Regularidade e Aprovação de Contas – Ministério Público do Estado de São Paulo – Curadoria das Fundações – Airton Graziolli – Promotor de Justiça Cível

Obter este certificado significa que desde 1997, quando meu pai Erico me empossou como o responsável pela Fundação Stickel, que está tudo em ordem na minha gestão.

Na verdade está tudo em ordem desde 1954, quando a Fundação foi instituida por meus pais Erico e Martha.

Não é mole manter uma instituição do Terceiro Setor neste padrão. No Brasil de hoje, aliás, não é mole manter qualquer tipo de negócio.

Ano após ano é uma satisfação receber este atestado, principalmente porque quem o assina é o Dr. Airton Graziolli, profissional extremamente competente, reconhecido por toda a comunidade do Terceiro Setor paulista.

é isso, por fernando stickel [ 14:11 ]

martha e seus irmãos

martha e irmãos
No dia de seu aniversário de 89 anos, 21 Fevereiro 2016, fiz questão de de fotografar minha mãe Martha Diederichsen Stickel com a turma dos mais “experientes”… Ela os trata carinhosamente de ‘segundos irmãos’, pois eles são na verdade seus sobrinhos, filhos de sua irmã Leonor Diederichsen Villares (1906-2006), que era 20 anos mais velha, daí que a diferença de idade era mínima, e terem crescido quase como irmãos.

Da esq. para a direita, Paulo, Maria, Joaninha, Martha, Elisa e Luisinho. Joaninha é na verdade prima, mas acumula a função de melhor amiga…

O único irmão vivo de minha mãe, Ernesto George Diederichsen, está com 94 anos, boa saúde e vive em Florianópolis, infelizmente não pode estar na comemoração.

martha e filhos
Agora a foto com filhos, netos e bisneto.
Da esq. para a direita, no sofá: Meu neto Samuel no meu colo, Ana Maria, Martha, Sylvia e Roberto.
Sentados no chão, Joana, Antonio e Arthur.
Faltaram a minha filha Fernanda, que estava trabalhando, e os bisnetos recém nascidos Ian e Rodrigo.

é isso, por fernando stickel [ 16:58 ]