aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

arte

cintra 959

Em 1988 o designer Anisio Campos e eu promovemos no meu estúdio na R. Ribeirão Claro, Vila Olímpia, a 1ª Oficina de Design de Automóvel. Vivíamos um Brasil fechado às importações, os carros importados eram raridades e os projetos de transformação e adaptação em carros nacionais um mercado em expansão.

Neste cenário, Anisio e eu, amigos de longa data, estruturamos o curso, batalhamos patrocínios e selecionando 14 rapazes, que aprenderam em seis semanas, desde a história do design automobilístico até fazer uma maquete (mock-up) dos projetos de final de curso. Passamos pelas técnicas construtivas, dimensionamento, ergonomia, motores, aerodinâmica, desenho de observação, arte, etc… Obtivemos apoio da Pirelli e FIESP.

O resultado foi excelente e refizemos o curso em Brasília em 1990 e em Fortaleza no Ceará em 1992.

André Cintra, um dos alunos, realizou o projeto do seu CINTRA 959 (Fusca-Porsche), leia abaixo o Artigo de Alessandro Reis sobre sua conquista:

Na segunda metade da década de 1980, a Ferrari F40 e o Porsche 959 eram presença constante em pôsteres nos quartos de crianças e adolescentes apaixonados por carros.

Dentre eles estava André Cintra, um estudante paulista de 15 anos, que em 1988 teve a ideia de colocar o visual arrojado do Porsche em um Fusca. Quatro anos depois, nascia o Fusca “CINTRA 959”, que foi manchete de revistas especializadas da época. Os três exemplares, todos produzidos artesanalmente no início dos anos 1990, estavam sumidos nos últimos anos e foram resgatados no ano passado. Hoje pertencem a um colecionador anônimo de Santa Catarina e são bastante valiosos.

Quem conta a história é o caçador de carros antigos Rodrigo Ziliani, o Bilinha, que resgatou os Fuscas no ano passado e os repassou a esse colecionador. Cada carro, conta ele, foi achado em local diferente de São Paulo. Todos em estado de abandono.
Morador de Tupi Paulista (SP), Bilinha reformou o primeiro CINTRA 959 fabricado e diz já ter recebido por ele oferta de R$ 300 mil – que faria do exemplar pioneiro um dos Fuscas mais caros do Brasil.

Segundo Bilinha, o CINTRA 959 Cintra número 1 estava “semidestruído” na Penha, bairro da Zona Leste da capital paulista, quando o comprou por R$ 100 mil.
“Os outros dois carros estavam em condições ainda piores e também serão restaurados”, relata.

Além disso, Rodrigo irá construir outros três CINTRA 959 em parceria com seu criador. Hoje com 48 anos, André Cintra revela que tem até hoje os moldes originais para produzir as peças de fibra de vidro.
Arquiteto, Cintra só voltou a se conectar com suas “crias” em 2020, quando soube do resgate dos veículos.
“Por volta de 2006 ou 2007, vendi os carros que tinham ficado com minha família: o primeiro, que era meu; e o terceiro que era do meu pai. A partir de então, perdemos a pista deles. Até que, no ano passado, soube que o exemplar número dois tinha sido resgatado de um ferro-velho na região de Tupi.”
Daí veio a a amizade com Ziliani e a ideia de dobrar a produção original do CINTRA 959. Os três novos veículos serão para uso pessoal, pontua.
“A descoberta dos carros originais me instigou a fazer de novo. A intenção não é montar uma fábrica nem colocar os carros para vender. Porém, quem sabe?”
André conta que o primeiro carro da nova safra acabou de ser concluído e é de corrida, pois só pode ser usado em circuitos fechados.
“Já levamos para acelerar no Autódromo de Interlagos”, diz o arquiteto.
A fabricação dos carros número cinco e seis já começou em um galpão de Tupi Paulista com as participações de Bilinha e Plínio Cintra – primo de André que cedeu o chassi para a produção do Fusca Cintra número 4, o de competição – equipado com motor AP 1.6 injetado de 130 cv.
Agora, a intenção é relembrar e retomar o projeto da juventude.
“O Bilinha reacendeu a chama. Já apareceram muitos interessados em adquirir os moldes, mas decidi que, se for para fazer mais carros, tenho de participar”.

André Cintra relata que os primeiros esboços do Fusca 959 nasceram em 1988, durante o curso 1ª Oficina de Design de Automóveis. Os professores foram os designers Fernando Stickel e Anisio Campos – desenhista de clássicos nacionais como Puma GT e Kadron Tropi, considerado o primeiro buggy brasileiro.
Em meados daquele ano, os alunos foram desafiados por Campos a criar algo baseado no Volkswagen Fusca.
“Já em casa, sentei na minha prancheta. Meio sem ideias, parei e comecei a olhar um pôster do Porsche 959 que eu havia pendurado no quarto. Comecei, então, a tentar misturar os dois carros e fiquei rabiscando durante horas”, relembra Cintra.
Segundo ele, dos “três ou quatro” projetos que levou para o dia da apresentação, o que mais interessou seu mestre foi o do 959.
“O Anísio na época adorou a ideia pela praticidade da transformação e por se tratar de um Porsche, cujo fundador Ferdinand criou o Fusca”.
No ano seguinte, André Cintra aprendeu ainda mais com seu mentor, do qual se tornou amigo, ao participar de uma espécie de estágio. Em 1991, finalmente começou a tirar do papel o projeto do Fusca Porsche.
A construção do CINTRA 959 ficaria concluída um ano depois, com direito a festa de inauguração no mesmo local onde participara do curso com Anisio Campos, que morreu em 2019, aos 86 anos.


Folheto de divulgação do curso, criado pelo Anisio e por mim.

Cintra recorda que projeto exigiu criatividade; “Um exemplo disso eram os faróis dianteiros; pensamos em utilizar os originais, mas quando conseguimos verificar a numeração da peça e o valor percebemos que teríamos mesmo de fazer alguns milagres usando a criatividade. Cada farol do 959 na época custava praticamente o que havíamos pago pelo Fusca utilizado como base do projeto”.

No dia 13 Junho 2021 o Cintra reapareceu em Interlagos!

é isso, por fernando stickel [ 10:31 ]

bolsa de estudo

Lá nos anos 80, artista plástico ambicioso, eu queria muito ir morar em New York, uma das soluções seria uma bolsa de estudos em arte, tentei a CAPES – FULBRIGHT para me aperfeiçoar em Artes nos E.U.A, fiquei em segundo lugar, não consegui. Mesmo assim fui morar em New York, lá apliquei para um período na Alemanha, também não funcionou, assim como a bolsa da Guggenheim Foundation.

Todo o processo de aplicação para aa bolsas era bem complexo, era necessário juntar um monte de documentos, cartas de recomendação, etc… Na verdade este processo era por si só bem educativo, te obrigava a organizar currículo, documentos, etc…,

No caso da School of Visual Arts, reuni cartas de recomendação do Salvador Candia, Wesley Duke Lee, Carlos Alberto Fajardo, Frederico Jayme Nasser, Antonio Jacinto Matias e Luis Paulo Baravelli.

é isso, por fernando stickel [ 17:51 ]

faleceu frank stella

Screenshot

Faleceu Frank Stella, grande referência de artista/pintor no início da minha carreira nos anos 70. RIP

é isso, por fernando stickel [ 17:35 ]

danilo blanco


Danilo Blanco, eu, minha mãe Martha e Sandra Pierzchalski

Abertura da exposição de Danilo Blanco, CADEIRAS, JANELAS E RAIOS DE SOL com curadoria de Rubens Fernandes Júnior, no Espaço Fundação Stickel.


Em primeiro plano o curador Rubens e sua esposa Paula.


Igor Damianof, Lucas Cruz e Marco Antonio Ribeiro

O conjunto de cadeiras expostas surgiu de uma ideia de Danilo ao observar artesãos que circulam pelas ruas e praças do centro de São Paulo. Com o objetivo de valorizar o trabalho desses artistas anônimos, ele encomendou a construção das peças, a partir de um simples briefing: “faça uma cadeira” mostrando com a mão o tamanho de cerca de 10 cm, “que tenha quatro pernas, assento e encosto”.
Individualmente, cada uma das peças se apresenta de maneira distinta, mostrando o potencial criativo despertado pelo pedido do artista, que não interferiu no processo e nem limitou os artesãos. As cadeirinhas foram construídas com formas, traços e materiais diferentes, transformando este simples objeto do cotidiano em arte.
Assim, Danilo idealizou mais uma ação colaborativa, como já fez em outras parcerias com a Fundação Stickel na construção dos murais públicos oriundos das nossas oficinas de marchetaria, instalados nos terminais Palmeiras – Barra Funda e Vila Nova Cachoeirinha. A marchetaria, por sinal, é a principal linguagem do artista e ele traz, paralelamente e de forma complementar às cadeiras, novos trabalhos com seus desenhos geométricos e abstratos, além das peças de um dominó gigante.

é isso, por fernando stickel [ 17:20 ]

virginia borelli

Esta grande pintura minha, Sem Título, acrílica sobre tela, 1,05 x 3,22m, expus na Galeria Paulo Figueiredo em Novembro 1990, e lá foi comprada pela Virginia Borelli.

Descobri na Internet que ela está em uma loja em Campinas.

Acho interessantíssimas estas descobertas fortuitas do destino dos meus trabalhos!

A pintura não está exposta da melhor maneira, é verdade, mas sobreviveu e dá caráter à loja. Valeu!

é isso, por fernando stickel [ 12:14 ]

poster contest

Quem já não foi ao cinema e ficou observando os cartazes dos filmes em exibição, ou daqueles que entrarão em cartaz? De repente até decidindo assistir algo por conta do poder de persuasão deste tradicionalíssimo meio de comunicação.

O cartaz tem esse poder de captar a nossa atenção, despertar nossa curiosidade, seja pela mensagem, seja pela beleza gráfica, muitos deles verdadeiras obras de arte.

Cartazes tem sido utilizados em todo o planeta para divulgar mensagens de forma visual e impactante. em todas as áreas imagináveis, publicidade, arte, política, religião, esportes, saúde, educação, etc…

Atenta ao potencial do cartaz, tanto como arte quanto como poderosa ferramenta de comunicação, a Fundação Stickel promoveu em 2023 o concurso POSTER CONTEST – ARTE TRANSFORMA, com curadoria de Carlos Perrone, pensando em trazer um novo olhar ao tradicional concurso de cartazes.

O POSTER CONTEST marca, não apenas, a nossa entrada no universo do design gráfico, como também o início das comemorações do aniversário de 70 anos da Fundação Stickel.

Você é nosso convidado para o evento de abertura, venha descobrir os 30 projetos gráficos selecionados por um júri de 7 especialistas da área, entre os 100 projetos submetidos, incluindo o Prêmio Aquisição e os seis destaques.

Exposição Poster Contest – Arte Transforma
Abertura – sábado, 17 de fevereiro, das 11h às 16h
Espaço Fundação Stickel
Rua Nova Cidade 195 – Vila Olímpia
Catálogo disponível

Membros do júri:
Carlos Perrone; Iris Di Ciommo; José Renato Maia; José Roberto DÉlboux; Marcelo Pallotta;, Sandra Pierzchalski; Tadeu Costa


Visão da exposição

é isso, por fernando stickel [ 7:57 ]

faleceu carl andre

Faleceu Carl Andre aos 88 anos de idade. Desde o dia em que descobri sua obra lá nos anos 70, fiquei fascinado e curioso.
Como suas obras podiam ser tão poderosas e simples ao mesmo tempo? Muitas delas se erguendo apenas 1 cm. acima do chão…
A mesma pergunta se aplicava às obras de Walter De Maria e Donald Judd, dois minimalistas como ele, por exemplo, mas estes tinham mais atrativos visuais, Carl Andre era minimalista raiz, e mais surpreendente!

4th Steel Square
2008
Aço (1 x 200 x 200 cm)
16 unidades, cada (1 x 50 x 50 cm)

é isso, por fernando stickel [ 18:30 ]

tintim 95 anos


Tintim e Milu © Hergé-Moulinsart 2018

Nada como iniciar o ano de 2024 celebrando, com alguns dias de antecedência, o aniversário de 95 anos de Tintim!

Reproduzo o post do blog Arte, aqui e agora da minha amiga Sheila Leirner:

Começo 2024 com Tintim, que hoje está um jovem velhinho com o qual nós, não tão velhinhos, mas verdadeiros baby boomers , podemos nos identificar. Tintim é Hergé, seu criador, claro! O positivo e modelar herói loiro de topete da nossa infância e juventude, repórter no qual nos projetávamos, e seu cachorro Milu – com mais de 250 milhões de álbuns vendidos no mundo, traduzidos em 110 línguas e dialetos – mesmo quando não podemos dizer que fomos ou somos verdadeiros “tintinófilos”. Isso, embora o personagem tenha sido criado em 1929 e constitua apenas a parte mais visível de uma obra com outras figuras e uma grande invenção, a famosa “linha clara”: o estilo de desenho que utiliza um só traço negro em torno das imagens e que influenciou até mesmo a Pop art.

Além da centena de personagens – entre as quais estão o Professor Girassol, Dupond e Dupont, Bianca Castafiore, Nestor, Rastapopoulos, Dr. Müller -, quem pode esquecer da residência do Capitão Haddock, calcada no castelo de Cheverny? E por falar nesse marinheiro, os curadores da grande exposição no Grand Palais em Paris dedicada a Hergé, em 2016, foram felizes na criação da sua página Twitter (hoje “X”) com um “gerador de insultos”. Assim, se as pessoas tivessem uma veia um pouco masoquista e quisessem ser injuriados(as) em francês de “Bachi-bouzouk!”, “Bugre falso ao molho tártaro”, “Espécie de cabra mal penteada”, “Coloquíntida com gordura de porco-espinho” ou “Ectoplasma de rodinhas”, bastava seguir o vociferador e dialogar com ele. Eu fui insultada de “Sombra oricterope”!

Muito se fala da “questão colonialista” nas histórias de Tintim. Coisa de woke não pode faltar. Mas entre os 600 livros que lhe foram consagrados, Albert Algoud, autor do volume integral dos xingamentos do Capitão (Ed. Casterman, 2014), que lançou também o Dicionário amoroso de Tintim (Ed.Plon), esclareceu um aspecto menos conhecido. O da batalha entre célinianos e tintinófilos, sobre a paternidade dos palavrões. Teria Hergé se inspirado em Louis-Ferdinand Céline para criá-los? Ora, parece que o barbudo Haddock de bom coração – fumador de cachimbo e colérico, também nascido do célebre Pencroff, personagem de Júlio Verne em “A Ilha Misteriosa” – sim, ele proferia horrores inspirados pela pluma (antissemita) do escritor e médico francês. Que honra e… decepção.

Um grande artista contemporâneo
A origem do pseudônimo do criador de Tintim deve-se às iniciais invertidas “RG” (de Georges Rémi), cuja pronúncia é “Hergé”. Hergé (1907-1983) foi um desenhista que esgotou todas as suas possibilidades de criação, inspirando-se inclusive em outros cartunistas, países, regimes, civilizações antigas e primitivas. No processo criativo do mestre, fica evidente a influência que tiveram sobre ele diferentes formas de arte como o cinema, a fotografia e também as ilustrações de Benjamin Rabier (autor da famosa “vaca que ri” do Polenguinho francês).

Fora da obra do gênio, quanto ao indivíduo, ainda resta a sombra de um grande mistério. Ele foi de fato um grande artista contemporâneo, uma das figuras mais conhecidas do planeta, porém também uma das mais elusivas. Por esta razão talvez, não apreciei a cronologia invertida naquela exposição retrospectiva no Grand Palais, há oito anos.

Começava por mostrar um sofisticado homem de cultura, para terminar com a infância dele em Bruxelas, sua cidade natal, a admiração pelo escotismo e as imagens do primeiro amor Milu, apelido da namorada. Esse “percurso ao contrário” perturbava, e muito. Opunha-se à ambição e à luta formidável de um artista sobre o qual uma das únicas coisas que sabemos de seu íntimo é que, inversamente, desejou sair da “cinza e medíocre juventude” e ganhar o vasto mundo.

Até a próxima que agora é hoje, primeiro dia do ano e, como diria Hergé, “as maiores aventuras são as interiores”! Mas como diria também o Capitão em “O Caranguejo das pinças de ouro” (e, no momento mundial presente, você pode interpretar como quiser) “VINGANÇA! VINGANÇA! VINGANÇA! VINGANÇA! Canalhas!… Emplastros!… Pés-descalços!… Trogloditas!… Caramelos-Tchuk-tchuk!”

Feliz Ano Novo, queridos amigos e leitores!


Tintim e Capitão Haddock © Hergé-Moulinsart 2018

é isso, por fernando stickel [ 9:38 ]

james turrell no uruguai

Na primeira vez que tive contato com a obra de James Turrell, lá nos anos 80, eu quase caí de costas pela potência do trabalho.

Não lembro se era um museu ou uma galeria, orientado por um funcionário você entrava em um grande espaço silencioso e aguardava um tempo para seus olhos se acostumarem com a escuridão. Pouco a pouco, à medida que a sua visão ia se adaptando à sombra, surgia muito fraca uma área de cor, e você magneticamente atraído por ela ia se aproximando, até que uma espécie de janela de cerca de 1 x 2 metros se revelava, preenchida com cor, melhor dizendo, preenchida com luz. Uma coisa muito estranha, fascinante, pois você não conseguia detectar a origem daquela luz, daquela massa de luz e cor que parece uma névoa colorida. Muito bonito, muito forte.

A partir daí me interessei pelo artista e conheci detalhes de sua obra, em especial o seu monumental projeto Roden Crater no Arizona.

Em Punta Del Este no Uruguai visitamos recentemente uma instalação do artista anexa à Posada Ayana, em José Ignacio. Chama-se Skyspace Ta Khut e foi construída por iniciativa dos donos da pousada, o casal austríaco Edda e Robert Kofler.

O espaço recebe visitantes para duas sessões ao dia, uma ao anoitecer, e outra ao alvorecer, mediante agendamento e pagamento de U$50,00. Marcamos nossa visita para as 19:15h e quem recebeu o grupo foi o próprio idealizador.


Robert Kofler explica o conceito e a história do espaço.

O grupo entra no grande espaço circular, ceca de 7 metros de diâmetro e 5 de altura, onde 20 pessoas podem se sentar confortavelmente em um banco que circunda todo o ambiente, ou, como o próprio Mr. Kofler sugere, se deitar no chão, em cima de pelegos, olhando para a abertura circular no teto.


O início e o fim da sessão.

A sessão começa, a luz no interior do espaço vai mudando, uma trilha sonora composta especialmente para o espaço preenche o ambiente, e o céu, visto através de uma abertura circular segue seu curso rumo à noite. Passam nuvens, mudam as cores, passa um pássaro… E você maravilhado com tudo aquilo vai mergulhando em um sereno transe feito de cores, sons, natureza, arte, tecnologia, sofisticação…


A entrada do espaço.


A vista da rua.


Na entrada do Skyspace, plantas e fotos da construção.

é isso, por fernando stickel [ 7:33 ]

faleceu carlinhos lyra

Faleceu Carlinhos Lyra (Carlos Eduardo Lyra Barbosa, 1933), mais um excelente músico que nos deixa… A bossa nova não existe mais, e o vácuo deixado pelo Carlinhos e todos os outros gênios que já morreram não será preenchido, infelizmente.
A MPB hoje é burra, insensível, sem imaginação, uma eterna repetição de maus clichês.

Conheci o Carlinhos e a Kate Lyra lá nos anos 70-80 apresentados pelo meu amigo Walter Appel, chegamos a conviver e fui convidado pela Kate para fazer as fotos de cena do curta-metragem em 35mm, “O Círculo” de 1979, direção e roteiro de Kate Lyra. O curta foi destaque no Festival de Gramado, a trilha sonora era do Carlinhos, executada por Luis Eça, produção do Enzo Barone e fotografia Jorge Solaris. Lembro que as fotos que fiz com minha Asahi Pentax ficaram muito interessantes, mas infelizmente se perderam…

é isso, por fernando stickel [ 7:31 ]

maria villares – flor e pedra

Abertura da exposição de pinturas “Maria Villares – Flor e Pedra” com minha curadoria, no sábado 11 novembro 2023 no Espaço Fundação Stickel.


Visão geral da vernissage


Maria Villares, Chris e Diana Potter


Ivo Mesquita, Maria Alice Milliet e Helena Carvalhosa


Martha Stickel, Sandra Pierzchalski, Maria Villares e eu.


Ricardo Prado Santos, João Roberto Rodrigues, eu, Bassy Machado, Luiz Fernando Rocco


Gilda Mattar, Alexandre Dórea Ribeiro, Alex Cerveny, Sandra Pierzchalski, Nathalie e Lucas Lenci


Maria Villares e sua filha Kita, Ana Darce e Jacqueline Aronis

é isso, por fernando stickel [ 8:56 ]

maria villares na fundação


A fachada do Espaço Fundação Stickel recebe tratamento especial.

No próximo sábado 11 novembro das 10 às 16h abriremos no Espaço Fundação Stickel, na R. Nova Cidade 195 – Vila Olímpia, a exposição de pinturas “Maria Villares – Flor e Pedra” com minha curadoria.

Minha carreira de curador de arte não existiu até hoje como tal, nunca dei maior destaque a este mister, mas, assim como nunca deixei de ser arquiteto, designer gráfico, artista plástico ou fotógrafo, o ofício da curadoria sempre esteve presente na minha vida artística desde os anos 70, tanto nas minhas exposições, nas exposições dos amigos e, a partir do início do meu trabalho com a Fundação Stickel em 2004, em todas as dezenas de exposições que fizemos.

Em algumas exposições me permiti assinar a curadoria, como “A Trama do Gosto”, na Bienal de São Paulo em 1987, onde apresentei um espaço intitulado “Natureza Morta Limitada”; na exposição “Retratos Eriçados” de Maciej Babinski em parceria com Agnaldo Farias no Espaço Fundação Stickel em 2019, e agora assino a curadoria da exposição “Maria Villares – Flor e Pedra”, para a qual escrevi o texto a seguir.

MARIA VILLARES Flor e Pedra

Flor e pedra. Claro e escuro. Quente e frio. Pele e osso. Vermelho e azul.

A obra de Maria Villares é extensa e longeva. Seu universo pictórico é labiríntico e habitado por seres sem rosto. Mas eles estão ali, silenciosos, observando, e comandando o espetáculo.

Conhecer suas pinturas é como passear por dentro de uma caverna, com uma lanterna na mão, descobrindo imagens fascinantes que brotam da escuridão, uma hora usando uma lupa, outra hora se aproveitando de um raio de sol bandido intrometido na escuridão. Pode-se também pensar em utilizar um periscópio, ele te revelará mais algumas imagens surpreendentes…. Mas, o que está fazendo esta flor aqui???!!! Assim é a pintura de Maria Villares.

Maria não busca os holofotes, mas a solidez da disciplina, coerência e permanência. Seu trabalho atravessa os anos sem interrupção, uma coisa fluindo para outra coisa, por vezes inclinada à gravura, por vezes à cerâmica, mas mantendo sempre o norte do desenho. Sim, o desenho comanda seu destino e sua arte, esta verdade permanente transparece nesta série de pinturas executadas ao longo de mais de duas décadas.

As pinturas de Maria não se revelam por completo, elas são discretamente generosas ao fornecer pequenas pistas ao arqueólogo de plantão que queira mergulhar em espaços desconhecidos à procura de flores ou outras iguarias no Jardim das Delícias de sua obra. Tal qual os peixes luminosos do abismo, flores crescem em locais proibidos…
Fernando Stickel
Outubro 2023


Maria Villares e seu armarinho de referências.


Montagem da exposição


O planejamento da expografia

é isso, por fernando stickel [ 7:15 ]

coleção toninho noronha

Meu amigo Toninho Noronha me envia foto de uma pintura minha em seu apartamento. Trata-se de um dos primeiros trabalhos que vendi, óleo sobre tela. É muito bom revê-lo quase 40 anos depois…

Em 1983 iniciei o registro das minhas obras em um grande livro de folhas em branco, um calhamaço analógico onde coloco um número de referência para cada obra, sua ficha técnica e, na medida do possível, seu histórico. Descubro que quem vendeu a obra foi a Galeria Paulo Klabin, que representou alguns trabalhos meus naquela época…

A pintura de 1982 está registrada no livro, mas sem foto. Procurei, fucei nos meus arquivos e finalmente encontrei uma linda foto!

é isso, por fernando stickel [ 8:19 ]

cidade invertida

A Fundação Stickel é especialista em levar arte e cultura gratuitamente a populações sem acesso a estes bens, fundamentas à cidadania. Fazemos isso através de cursos na periferia de São Paulo, exposições de arte, lançamento e doações de livros, etc…

As visitas educativas às nossas exposições são ferramenta fundamental neste processo, acabamos de utilizá-la em nosso Espaço Fundação Stickel, na Vila Olímpia, com a visita guiada à exposição “A Cidade Diante dos Meus Olhos”.

Utilizando vans, e uma boa integração entre as equipes responsáveis, trazemos alunos de nossas escolas parceiras na periferia de São Paulo, para realizar atividades com a equipe da Cidade Invertida, coordenada por Ricardo Hantzschel. 

Seu símbolo de referência é um trailer adaptado para operar, principalmente, como câmera obscura e laboratório fotográfico. Todos os alunos realizam fotos analógicas com câmeras “pin-hoje”, o processo é lúdico e extremamente interessante e didático.

As escolas beneficiadas são:
– Crescer Sempre de Paraisópolis.
– Escola Estadual Condessa Filomena Matarazzo de Ermelino Matarazzo, na Zona Leste.
– Escola Estadual Comendador Mário Reys em Itaquera.
– Associação Alessandro Zarzur – FAZ no Real Parque, Zona Sul

A Fundação Stickel está sempre em busca de novos parceiros que acreditem na nossa missão, e possam colaborar na manutenção de nossas atividades.

é isso, por fernando stickel [ 9:54 ]

leonardo da vinci


E. E. Comendador Mário Reys

A Fundação Stickel promoveu a visita educativa de alunos de suas instituições parceiras à exposição “Os Mundos de Leonardo da Vinci” no Shopping Morumbi, organizada em parceria com a Visual Farm, que trouxe à vida as ideias geniais do mestre renascentista em um espetáculo de projeções incríveis!

O acesso à arte também faz parte da nossa missão e, com esta atividade, queremos facilitar o contato entre os nossos públicos e os equipamentos culturais disponíveis na cidade.

– Crescer Sempre de Paraisópolis
– Escola Estadual Condessa Filomena Matarazzo de Ermelino Matarazzo na Zona Leste
– Escola Estadual Comendador Mário Reys em Itaquera


E. E. Condessa Filomena Matarazzo


Crescer Sempre

é isso, por fernando stickel [ 11:40 ]

elis & tom


Elis Regina e Tom Jobim

“Elis & Tom – Só Tinha de Ser com Você”, direção de Roberto de Oliveira e Jom Tob Azulay, roteiro de Nelson Motta, é um filme documentário extraordinário.

Na Los Angeles de 1974, Antonio Carlos Jobim, a encarnação da Bossa Nova, e Elis Regina, então a cantora mais popular do Brasil, se reuniram para gravar aquele que se tornaria um dos álbuns mais icônicos da história da música brasileira.

Através de imagens raras e inéditas, “Elis & Tom” revela o conflito e a alegria deste momento, numa viagem única no tempo, revelando momentos íntimos do processo criativo, as personalidades extraordinárias destes artistas e as inevitáveis tensões do processo.

Raras vezes temos a oportunidade de acompanhar o processo criativo de um artista, neste caso a documentação é farta e extremamente bem produzida, envolvendo depoimentos e gravações de toda a equipe, com destaque para Cesar Camargo Mariano, produtor musical do álbum e também arranjador de algumas músicas, marido de Elis na época.

Em contato com o minimalismo de Tom (nas palavras de Beth Jobim, filha de Tom, que tinha 16 anos na época das gravações, o pai usava muito mais a borracha do que o lápis ao compor) Elis promove uma progressiva depuração de sua voz exuberante, atingindo controle e lirismo inigualáveis em um processo lindo de ser acompanhado.

Tecnicamente o longa é impecável, o som é perfeito, fotografia impecável, é um filme que prende a atenção e extremamente prazeiroso de assistir, com detalhes da época inimagináveis hoje, como os cigarros presentes em todas as gravações…

Na minha área das artes visuais, 99% do processo criativo se faz a sós, imagino que ao compor uma música o artista também esteja só, talvez com seu piano. Mas ao tocar sua composição uma enorme quantidade de outros profissionais entra em ação, e torna-se necessário controlar e obter o máximo desempenho de toda a equipe. O documentário mostra muito bem essa dinâmica.


Tom Jobim e Cesar Camargo Mariano

é isso, por fernando stickel [ 8:42 ]

caio fernando abreu

No meio do silêncio e do verde, a presença de Deus fica mais clara.
Essa luz ilumina os porões da mente, desfaz o mofo, espanta os fantasmas.
Com cuidado, chamo a isso de ‘felicidade’.
Ela pousa, muito leve, no telhado desta casa.

Obrigado

Caio Fernando Abreu
18/06/1989

Meu comentário: A natureza, o silêncio e a luz podem ser a mais pura tradução daquilo que eu entendo ser Deus. Feliz aquele que percebe.

é isso, por fernando stickel [ 10:23 ]

bomba atômica

O filme Oppenheimer é longo, pesado, difícil e muito bom. Poderia ter uma hora a menos? Talvez. Mas acho que vale a pena, é um daqueles filmes necessários. O personagem de Robert Oppenheimer está perfeito no ator irlandês Cillian Murphy, que eu já tinha amado na série Peaky Blinders.

Para mim que tenho interesse em ciência, e que já havia lido cerca de 10 anos atrás o livro “The making of the atomic bomb” escrito pelo ganhador do Pulitzer, Richard Rhodes, o filme foi um complemento perfeito!
São nada menos que 788 páginas fascinantes, a história do gênio humano e da física nuclear se confundem com a política do século XX, as perseguições nazistas aos judeus, a primeira e a segunda grande guerra, os prêmios Nobel.
Um esforço técnico/científico/político/logístico sem precedentes, algo que custou nos anos 40 dois bilhões de dólares ao governo dos E.U.A.
As questões morais colocadas, o esforço para terminar a guerra, a consciência pesada dos responsáveis pela criação da mais poderosa arma se confundem com o fascínio e o prazer intelectual da verificação prática de teorias altamente sofisticadas da desintegração atômica.
Sem dúvida um dos melhores livros que li. Tudo aquilo que aprendi nas aulas de física e química no colégio, mais um tanto que pude complementar na vida adulta voltaram à tona, simplesmente fascinante.
O autor deteve-se inclusive na vida pessoal dos protagonistas, nomes como Robert Oppenheimer, Enrico Fermi, Einstein, Nioels Bohr, Madame Curie, Heisenberg, Leo Szilard, Emilio Segrè, Egene Wigner, Edward Teller, e também na vida da comunidade de Los Alamos, onde centenas de cientistas, técnicos e suas famílias conviveram no período final da criação da bomba.
O horror de Hiroshima e Nagazaki não foi poupado, a descrição gráfica dos efeitos das bombas é de arrepiar, até hoje.
Raras vezes na vida consegui ler um livro deste tamanho e complexidade até o fim, valeu!!

é isso, por fernando stickel [ 8:56 ]