aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

arte

pharmacia cultural


A arquiteta Sandra Pierzchalski, autora da reforma da Pharmacia Cultural Fundação Stickel, em frente aos trabalhos dos alunos de Vera Martins.
A exposição inaugural dos trabalhos dos alunos dos cursos gratuitos da Fundação Stickel será no dia 23 Março às 11:00h na R. Nova Cidade 193 – Vila Olímpia


Na foto parte da equipe que montou a exposição.


Os grafiteiros Drope e Digão, parceiros da Fundação Stickel, em frente à fachada da Pharmacia Cultural, grafitada por eles.

é isso, por fernando stickel [ 21:55 ]

boi faleceu


Faleceu no último dia 15 Dezembro aos 74 anos de idade o meu amigo José Carlos BOI Cezar Ferreira. Uma tristeza.


Em Março 2017 houve uma exposição das pinturas do Boi no estúdio do Artur Lescher, ele estava bem, lúcido e feliz. Logo depois foi internado e de lá para cá sua saúde decaiu rapidamente.


Artista de mão cheia, Boi foi um pintor único, não deixou jamais seu estilo próprio, forte, personalíssimo ser influenciado por qualquer modismo ou tendência.


Boi foi parceiro da Fundação Stickel, realizamos uma exposição de suas pinturas em 2006 e fizemos seu livro “Um Boi abstrato” com texto de Gabriel Borba em 2011.

é isso, por fernando stickel [ 7:13 ]

fumaça da brahma

Nos final dos anos 60 a Brahma tinha uma fábrica no bairro do Paraiso, perto da Catedral Ortodoxa.
Havia uma chaminé que expelia fumaça branca 24 horas/dia, e eu fascinado por aquela imagem, planejava filmá-la, ao estilo Andy Warhol, plano fixo, pelo menos uns 20 minutos de fumaça…
Nunca realizei o projeto, o prédio foi demolido na década de 90. Hoje me arrependo por não ter acreditado, ido à luta e feito o filme…

é isso, por fernando stickel [ 19:33 ]

dois clássicos


Dois clássicos.
Na arquitetura um conjunto de quatro sobrados geminados, projeto de Vilanova Artigas na Rua Sampaio Vidal em São Paulo.
No design, Mercedes-Benz 280SL “Pagoda”, projeto de Paul Bracq.

é isso, por fernando stickel [ 16:16 ]

bienal sem identificação das obras


Sandra Pierzchalki ao lado de pintura de Antonio Malta Campos, a autoria do trabalho à direita é desconhecida.

Exposições coletivas de artes plásticas sem identificação individual das obras, de forma legível e de fácil acesso, são um desrespeito ao espectador, em qualquer lugar do mundo, seja qual for a justificativa e seja qual for a circunstancia, sejam salões, bienais, galerias particulares ou qualquer outra coisa, e não é de hoje que faço esta observação.

Tivemos o privilégio de ser convidados à “preview” da 33ª Bienal de São Paulo, evento muito bem organizado seguido de um excelente jantar. Passeamos pela Bienal e chegamos ao segundo piso, área de curadoria de Sofia Borges, artista que respeito e admiro muito. Sofia criou um labirinto digno de Twin Peaks de David Lynch, maravilhoso, cheio de veludos e recheado de obras de seus artistas convidados, todas as obras sem identificação.

Tudo bem, um dinossauro como eu, a poucos dias de completar 70 anos de idade, poderá identificar um Tunga ali ou um Antonio Malta Campos acolá, mas, faça-me o favor, exigir de qualquer espectador, de 17 a 70 anos, consulte o seu mapinha para saber qual o artista que está dependurado à sua frente já é pedir demais. Qual a justificativa?

No espaço maravilhoso de curadoria de Waltercio Caldas no 3º andar, o pobre do espectador terá de adivinhar em qual das esquinas ocultas estará o mapa da mina (que existe!) indicando a autoria das obras dos convidados do curador. Assim não dá, assim não é correto, assim não há possibilidade de se usufruir com prazer da arte contemporânea.

Alguém me desminta se for capaz!!!

é isso, por fernando stickel [ 9:58 ]

cassio 30 desenhos


Um pouco antes de sua exposição individual de pinturas em Março de 1980 na Galeria Luisa Strina em São Paulo, Cassio Michalany acordou em um belo sábado ensolarado de Janeiro, pegou sua Caloi 10 branca e foi pedalando até a USP, onde nadou na piscina do COSEAS.

Voltou para sua casa-estúdio na R. Lourenço de Almeida na Vila Nova Conceição, pegou sua Brasilia verde e foi almoçar perto do Hospital São Paulo na Vila Mariana, onde traçou um bife a cavalo com dois ovos.

Voltou para casa, descansou um pouco, e foi até o Edgar Discos na R. Dep. Lacerda Franco em Pinheiros onde comprou um dos mais importantes discos de Stevie Wonder, “Songs in The Key of Life” o da capa vermelha, como uma rosa.

Voltou para casa, abriu as portas verdes do estúdio, pegou uma série de papéis pré cortados no tamanho 16 x 20cm, esponjas, e os potes de tinta acrílica que utilizou na execução das pinturas de sua exposição, colocou o Stevie Wonder para tocar, serviu-se de um uísque e começou a produzir desenhos.

Uma fortíssima chuva de verão desabou, e Cassio simplesmente a ignorou, intoxicado pelo calor de verão, focado no profundo prazer de fazer algo maravilhoso, intenso, o prazer de fazer ARTE!

A chuva parou, os desenhos estavam ali, no chão, exuberantes, prontos, relaxados. Cassio descontraiu-se, respirou fundo e foi até a Lanchonete da Pracinha, na Pça. Pereira Coutinho, comeu um sanduiche, deitou no banco da praça, olhou para o céu azul profundo, deu um tempo, voltou para casa e foi dormir satisfeito.

No dia seguinte logo cedo, domingo, observou os desenhos e adicionou com lápis e régua pequenos traços retos de grafite, que terminaram magistralmente a série de 30 DESENHOS.

é isso, por fernando stickel [ 13:17 ]

cine de pappalardo

é isso, por fernando stickel [ 15:23 ]

dia muito especial

Hoje, véspera do aniversário de 464 anos da cidade de São Paulo foi um dia muito, muito especial. Comemorei, enchi o coração de alegria, abri o peito, arregalei os olhos, lavei a alma, jantei no excelente Nino Cucina com minha mulher, tomei um bom vinho, enfim, comemorei muito!!! Voltei a acreditar no Brasil!


O dia começou com a inauguração às 10:00h do projeto “Entorno de nós”, painel de 13 metros de comprimento, idealizado e dirigido pelo artista plástico e educador social Danilo Blanco. Obra colaborativa produzida com azulejos impressos digitalmente que reproduzem peças artesanais de marchetaria, criadas por alunos das escolas estaduais Prof. Dr. Geraldo Campos Moreira; Profª. Laurinda Vieira Pinto; Rodrigues Alves e João Kopke, em cursos promovidos pela Fundação Stickel.
Realizado pela Fundação Stickel na estação Palmeiras – Barra Funda da CPTM, o painel foi instalado por aprendizes e professores do Senai São Paulo.


Em seguida às 14:00h iniciamos com a arquiteta Sandra Pierzchalski os trabalhos da reforma do novo espaço da Fundação Stickel, que se chamará “Pharmacia Cultural Fundação Stickel” Quando concluido, utilizaremos este novo espaço para exposições de arte, palestras, encontros, projeções, etc… proporcionando à Fundação condições de ampliar a exposição dos trabalhos de seus alunos.

é isso, por fernando stickel [ 8:43 ]

entorno de nós


O projeto “Entorno de nós”, idealizado e dirigido pelo artista plástico e educador social Danilo Blanco é um painel de 13 metros de comprimento, obra colaborativa produzida com 700 azulejos impressos digitalmente a partir de peças criadas por alunos de escolas estaduais Prof. Dr. Geraldo Campos Moreira; Profa. Laurinda Vieira Pinto; Rodrigues Alves e João Kopke nos cursos de marchetaria do Prof. Danilo Blanco, promovidos pela Fundação Stickel.

Realização da Fundação Stickel na estação Barra Funda da CPTM, a instalação foi realizada por aprendizes e professores da Escola Senai Orlando Laviero Ferraiuolo, com apoio da CPTM

A inauguração será no dia 24 Janeiro às 10:00h. Estão todos convidados!


O painel ficou pronto ontem!


Sem o tapume!!

é isso, por fernando stickel [ 8:11 ]

churchill


Faz tempo que não comento filmes aqui… Não por falta de bons filmes, mas… talvez preguiça…
Desta vez porém preciso falar de O DESTINO DE UMA NAÇÃO (Darkest Hour)
Com Gary Oldman magistral no papel de Winston Churchill, dirigido por Joe Wright.

Churchill tinha no início do filme 66 anos de idade, e ataques de mau humor e rabugice. Sua mulher Clemmie lhe dá uma bronca por isso, argumentando que em breve ele será um dos homens mais poderosos do Reino Unido, e que não poderia dar vazão a estas características impertinentes.

Achei interessante porque eu, aos 69 anos passei há poucos dias exatamente pela mesma bronca, entendi ao vivo e a cores as razões que levaram minha mulher a tanto…
Com razão ou não para explodir, temos que controlar nosso temperamento, para benefício de quem nos cerca.

Mas isso é apenas um comentário paralelo, o filme é maravilhoso! E a performance de Gary Oldman digna de um Oscar, ou mais!! E faz um par perfeito com Dunkirk, também maravilhoso!

é isso, por fernando stickel [ 16:57 ]

“classic cars”


Nas últimas 4 ou 5 semanas sofri de recorrentes dores nas costas, acompanhadas de profundo mau humor… foram crises em cima de crises, fui ao médico, fisioterapeuta, fiz ressonância magnética, etc… etc…

Fui obrigado pelas circunstancias a zerar minha rotina matinal de exercícios, natação, etc… que foi substituída por repouso (argh!!!) e caminhadas de 30 metros no máximo…

O lado bom de tudo isso é que me concentrei na única coisa que é possível fazer nesta situação, sentar na cadeira Aeron, com bom suporte lombar, por 3 ou 4 horas diárias em frente ao computador e trabalhar no meu próximo projeto. O nome ainda não está definido, mas por enquanto vamos chama-lo de “CLASSIC CARS”.

Trata-se de um livro e de uma exposição de fotos sobre a minha paixão e experiência com carros clássicos, rallyes dos quais participei, restauros que fiz, amigos e parceiros que conquistei nesta jornada, e outras cositas mas…

O resultado deste trabalho (até agora…) após exame de mais de 70.000 imagens de minha lavra, desde 2003, são 230 imagens de carros clássicos, nas mais variadas situações, e 120 imagens das pessoas envolvidas neste fascinante assunto, ou seja, 350 imagens selecionadas a dedo…

Estimo que gastei neste esforço concentrado cerca de 120 horas de trabalho, e no mínimo mais do dobro disso desde que comecei a trabalhar nestas imagens, sem falar, é claro, do tempo envolvido na tomada das imagens, rallyes, passeios, visitas a coleções, encontros de amantes dos clássicos, acompanhamento do restauro de Mercedes-Benz e Porsche, viagens à Europa, Uruguai e Argentina, etc… etc…

Meu amigo, o fotógrafo Valdir Cruz teve importante participação neste processo, pois foi seguindo sua orientação para edição deste trabalho que pude chegar na seleção atual, finalizada hoje 27/12/2017. O próximo passo, que será dado em 2018 será imprimir estas 350 imagens e partir para nova edição.

é isso, por fernando stickel [ 17:55 ]

neco stickel expõe no mcb


Meu irmão Neco Stickel vai expor seus lindos desenhos no Museu da Casa Brasileira. Sábado, 25 Novembro às 14:00h

é isso, por fernando stickel [ 15:58 ]

tinta loka street book


Fundação Stickel convida para a noite de autógrafos no lançamento do livro” Tinta Loka – Street Book” de Bonga Mac e Tamires Santana pela LiteraRUA Editora.

A7MA Galeria – R. Harmonia 95B – Vila Madalena tel 2361-7876

Sábado, 18 Novembro 2017 das 17:00 às 21:00h

Participação dos DJ’s Clevinho, MF e Pow!

é isso, por fernando stickel [ 14:21 ]

marcel duchamp’s studio


Em 1985 morei em New York na rua 18 West, quase esquina com a 5ª avenida.
Eu sabia que Marcel Duchamp tinha morado ali perto na rua 11, e na página 127 do meu livro “aqui tem coisa” tem um desenho meu alusivo a este assunto.


Agora, através deste artigo, descubro o endereço exato do antigo estúdio de Duchamp na 80 East 11th Street #403, e também que o artista Serkan Ozkaya reproduziu no local a obra mais importante de Duchamp. Étant donnés: 1. la chute d’eau 2. le gaz d’éclairage (1946–1966).

é isso, por fernando stickel [ 17:21 ]

semana de arte


Missão cumprida! O stand 35 da Fundação Stickel está montado no Hotel Unique, dentro da Semana de Arte com as fotografias dos nossos alunos!!

A equipe da Fundação Stickel se esforçou para preparar, em curto espaço de tempo esta mostra, e está de parabéns!!! Tudo deu certo, a exposição inaugurou ontem, 17 Agosto 2017 para convidados, vendemos cerca de 20 fotos, foi ótimo!!!

Este evento marca o início de uma nova fase da Fundação, pois pela primeira vez em sua história estamos captando recursos através da venda de trabalhos de nossos alunos. Os valores arrecadados desta maneira reverterão 100% para novos cursos.


Foto Paulo Freitas
No jantar de comemoração do evento promovido por Carolina Holzer Zagottis, Luisa Strina nossa “madrinha” e eu.

é isso, por fernando stickel [ 9:54 ]

fundação stickel na semana de arte


Página da Fundação Stickel no Catálogo da Semana de Arte.

A Fundação Stickel exporá os trabalhos de seus alunos de fotografia no Hotel Unique – Av. Brigadeiro Luís Antônio, 4.700 em São Paulo.
18/08 (sexta-feira) e 19/08 (sábado): 12h – 20h
20/08 (domingo): 12h – 18h

A Fundação Stickel conta com o apoio da Capricho Molduras neste evento.

é isso, por fernando stickel [ 13:28 ]

semana de arte


A Fundação Stickel tem muito orgulho de participar desta mostra, expondo os trabalhos de seus alunos em uma vitrine de altíssima qualidade, no Hotel Unique – Av. Brigadeiro Luís Antônio, 4.700 em São Paulo, de 18/08 (sexta-feira) e 19/08 (sábado): 12h – 20h a 20/08 (domingo): 12h – 18h

O olhar desenvolvido em nossos alunos pelos fotógrafos e educadores Arnaldo Pappalardo e Lucas Cruz nos cursos gratuitos “Um olhar sobre a Brasilândia” e “Um olhar sobre a Cachoeirinha” promovidos em parceria com o “Programa Fábricas” da Secretaria de Estado da Cultura, vai com certeza surpreender os visitantes da “Semana de Arte”.

A Semana de Arte vai ocupar São Paulo entre os dias 14 e 20 de agosto de 2017 com uma série de espetáculos exclusivos de artes cênicas, música, dança, cinema e literatura espalhados por diversos espaços, passa por um ciclo de debates com convidados internacionais, tours arquitetônicos, e culmina na feira propriamente dita, que reunirá um seleto time de galerias do Brasil e do mundo. Programação aqui

A Fundação Stickel conta com o apoio da Capricho Molduras neste evento.


Foto de Danyela Medeiros dos Santos


Foto de Ricardo Papai Marin

é isso, por fernando stickel [ 18:02 ]

sonhei com wesley


Sonhei que estava no estúdio do pintor Wesley Duke Lee (1931-2010), conversava com ele, trocávamos idéias sobre a evolução de um trabalho que fazíamos em conjunto.
Era um desenho/pintura sobre um tecido menos encorpado que uma tela de pintura., cerca de 100 x 70 cm.
O estúdio ficava na R. Bela Cintra e era diferente de seu espaço na Av. João Dias em Santo Amaro, era menor, de proporção quadrada, com uma espécie de clarabóia no teto para a entrada de luz.
Era o final da manhã de um sábado e eu sabia que tinha de sair para almoçar com a Sandra.
Foi então que Wesley assinou o trabalho com uma dedicatória, escreveu:
Para Fernando Stickel… e aí fez uma série de volutas com o lápis… e assinou ao final.
Aí chegou uma pessoa, percebi que Wesley precisava tratar de assuntos, me despedi e saí.
Para minha surpresa minha Santana Quantum não estava na rua, fiquei pensando se o carro teria sido guinchado…

é isso, por fernando stickel [ 9:12 ]