aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003


Nos anos 70 haviam dois grandes sábios no planeta, em primeiro lugar Mr. Natural, e colado nele, Fat Freddy. Os criadores destas adoráveis criaturas, Robert Crumb e Gilbert Sheldon estão entre os grandes gênios da humanidade, nos dando aquilo que mais está em falta nestes tempos de crise: HUMOR!!! puro e simples.

é isso, por fernando stickel [ 12:18 ]


A crise do coronavírus já infectou milhões ao redor do mundo, matou milhares e colocou milhões em quarentena, como a Sandra e eu que já estamos há uma semana fechados dentro de casa…
O desenho é de R. Crumb, o STAY HOME é meu…

é isso, por fernando stickel [ 18:22 ]


Acorda Bolsonaro!!!

Eu estava sonhando e no meu delirio tive a visão de que Jair Bolsonaro teria uma oportunidade de ouro para conduzir o Brasil no combate à crise do coronavírus, com todas as glórias possíveis e imagináveis, e grandes chances de se reeleger em 2022. Bastaria cortar profundamente na própria carne, pessoal e institucionalmente falando, com estas medidas:

1. Parar com esta mania ridícula de ser o clone do Trump e fazer discurso irresponsável e obtuso em rede nacional, condenado pelo Brasil inteiro, e passar a prestigiar o seu Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, que está fazendo um excelente trabalho. Acreditar na ciência e abandonar o achismo.

2. Botar uma focinheira nos filhos, proibi-los de abrir a boca e parar de criar crises e encrencas dia sim dia também.

3. Levantar a bandeira da eliminação dos privilégios da classe política, a começar pelo fundo eleitoral de 2 bilhões. Penduricalhos, salários em cascata, gratificações, jatinhos, tudo que faz o Brasil ter o estado mais pesado do mundo!

4. Liberar e incentivar todas as investigações sobre o seu filho Flavio e o esquema da rachadinha, que beneficia sabe Deus quem e o que (ele sabe)

5. Incentivar a Lava Jato e o combate à corrupção.

Vai doer? Vai. Mas ele terá uma chance como Homem e Estadista. Se fizer tudo direitinho faltam dois anos e nove meses, é bastante tempo, caso contrário, se insistir em um discurso que desagrada a maioria dos brasileiros, está se arriscando a tomar um impeachment pela proa.

PUF!!! Acordei do meu sonho… que pena, não vai rolar, Bolsonaro é um ser limítrofe, tosco, raivoso, encrenqueiro, limitado, não consegue enxergar além do próprio nariz, privilegia a discórdia e não valoriza a harmonia e o consenso. Não vai aproveitar a oportunidade que o destino colocou em suas mãos de ser um ESTADISTA, infelizmente.

Votei nele para presidente como única maneira de tirar do poder o cancer do PT, mas sinto que ele não está respeitando o meu voto e de outros milhões de brasileiros que fizeram o mesmo.

é isso, por fernando stickel [ 18:49 ]


DOE E APOIE A SAÚDE PÚBLICA AGORA! Veja os detalhes e doe aqui
Superar a pandemia depende de um compromisso de toda sociedade!
Criado por um grupo de lideranças da sociedade civil comprometida com o investimento social, o FUNDO tem dois objetivos principais: mobilizar a comunidade filantrópica/sociedade brasileira a doar para o fortalecimento do sistema público de Saúde do Brasil e criar um canal rápido, fácil e confiável para fazer com que os recursos financeiros cheguem a hospitais públicos e instituições de ciência e tecnologia que estão na linha de frente do combate ao Coronavírus.

Grupo Instituidor: IDIS, BSocial, Movimento Bem Maior

Parceiros Institucionais: Gife (Grupo de Institutos, Fundações e Empresas), Movimento por uma Cultura de Doação, PLKC Advogados e Synergos

Parceiros Operacionais: SITAWI e Umbigo do Mundo

Apoiadores: Movimento por uma Cultura de Doação

Conselho Gestor: Representantes das três organizações do Grupo Instituidor

Conselho Técnico e Científico: Dr. Marcos Kisil, Dr. José Antonio de Lima e Dr. José Luiz Setúbal

Organizações que receberão os recursos do FUNDO:

Fundação Oswaldo Cruz – FIOCRUZ
Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo
Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP – HCFMUSP
Fundação Faculdade de Medicina (FFM)
Comunitas

é isso, por fernando stickel [ 21:14 ]

Trabalhos de Evandro Carlos Jardim, técnicas e épocas diferentes, em comum a excelência através das décadas!


Desenho, carvão sobre papel, 1960. Este desenho foi um presente do meu falecido amigo Frederico Jayme Nasser, muitos anos atrás…


Gravura, 1974


Pintura, 1985

é isso, por fernando stickel [ 20:22 ]


A finissage da exposição do mestre gravador Evandro Carlos Jardim, “Sobre a trama do tempo” no atelier de Jac Aronis (A Casa dos Passarinhos), ocorreu no sábado 7/3/2020.


A anfitriã Jac Aronis com Paulo Fridman.


Um time de feras!! Evandro Carlos Jardim, Lygia Eluf, Jac Aronis, Claudio Mubarac, curador da mostra e Marco Buti.


As gravuras de Evandro.


O atelier de Jac Aronis

é isso, por fernando stickel [ 9:33 ]

Com a quarentena do coronavirus temos que encontrar assunto, eu fui abrir umas gavetas e encontrei algumas fotos…


Meu avô Arthur Stickel (1890-1967) jovem.


Lembranças da minha infancia no Guarujá, meu avô na volta da pescaria.


Minha bisavó Elizabeth Catharina Metz Stickel.

é isso, por fernando stickel [ 11:26 ]

klaus-dieter-wolff
À esquerda Klaus-Dieter Wolff, à direita Roberto Schnorrenberg.
De 1964 a 1969 cantei no naipe dos tenores de um grupo coral amador chamado Conjunto Coral de Câmara de São Paulo, regido por Klaus-Dieter Wolff (1926-1974) dedicado a repertórios medievais, renascentistas, de música contemporânea e de autores brasileiros.

Eu morava com meus pais na R. dos Franceses na Bela Vista e ia a pé aos ensaios no Colégio Visconde de Porto Seguro na Praça Roosevelt, duas vezes por semana, à noite.
O grupo se apresentava em teatros, igrejas, na TV, na Semana Santa viajávamos sempre para Santos e lá nos apresentávamos em uma igreja, ocasionalmente haviam apresentações conjuntas com o Madrigal Ars Viva de Santos e o Collegium Musicum de São Paulo, sob regência de Roberto Schnorrenberg (1929-1983)
A maior glória foi uma destas apresentações conjuntas no Teatro Municipal de São Paulo, com a casa cheia, em 7/12/1968 com o Vespro della Beata Vergine de Claudio Monteverdi.

coral2
A emoção de se apresentar com orquestra sinfônica completa, quase cem vozes e casa cheia é indescritível.
Depois das apresentações o grupo terminava invariavelmente em uma pizzaria, com todos cantando e sendo aplaudidos pelos outros comensais. Meu primo Luiz Diederichsen Villares (Luisinho) foi quem me convidou a participar do coral, sua mulher Helenita também participava.


Apresentação em Santos em 1964, Luisinho Villares e eu indicados nas setas.

Em 1964 a composição do coral era a seguinte:
Antonieta Moreira Leite
Eneide Gebara
Esther Lenhard
Helena Arato
Helenita Villares
Inês Peralva Costa
Isa Lea Marques
Jacyra P. de Carvalho
Joselina de Féo
Liselotte Schachtitz
Maria Aparecida Jorge
Maria A. Antunes da Costa
Maria Lucia Machado
Marisa de Oliveira Fonterrada
Myriam Chebel Labaki
Rosmarie Appy
Alfredo Alves
Arnaldo da Eira
Fernando D. Stickel
Humberto Egypto de Cerqueira
Jean Pierre Appy
José Maximo Ribeiro Sanches
Laudo Olavo Dalri
Luiz D. Villares
Michel Rabinovitch
Munir Bussamra
Ronald Rocabert Faccio
Sergio Benedetti
Victoriano Prieto Puentes

é isso, por fernando stickel [ 9:52 ]


Cenote Dos Ojos localizado ao norte de Tulum é um dos locais mágicos que conhecemos no México, não existe água mais limpa em todo o universo!

Toda a Península de Yucatán tem um solo vulcânico permeável, o que criou um sistema de cavernas inundadas subterrâneas.

A água da chuva é filtrada por esta camada rochosa, daí sua pureza. Mergulhando pode-se enxergar centenas de metros, é fascinante!

é isso, por fernando stickel [ 16:46 ]


Meu amigo Cassio Michalany completa hoje 71 anos de idade! Parabéns Cassio!!!
Ao lado dele Sandra Pierzchalski, na foto que tirei no final do ano passado na Galeria Milan.

é isso, por fernando stickel [ 18:11 ]


Hotel Esencia em Tulum, Mexico. Coisa linda!!!!


Design gráfico sofisticadíssimo!


Arquitetura e design de interiores impecáveis! Em todos os ambientes!

é isso, por fernando stickel [ 19:06 ]


No início dos anos 70 eu estudava na FAUUSP, e meu primo Luiz Diederichsen Villares conversou comigo para fazer o projeto de uma casa na Praia do Arrozal em Ilhabela, SP

Propus para o arquiteto Marcos Acayaba, formado 4 anos na nossa frente, a execução do projeto em conjunto, que foi feito no escritório dele e concluido em 1973, ano em que me formei. A construção se deu em 1974 e 75.

A casa ficou muito bonita e funcional, com o corpo dos quartos separado do corpo social por um amplo terraço coberto. Utilizamos vigas enormes de madeira composta. Foi meu primeiro projeto construído!


Minha mãe Martha na obra.

é isso, por fernando stickel [ 23:34 ]


A vida é assim… Mr. Natural nos ensina… Vamos ao cemitério, enterramos nossos amigos e parentes, e a vida segue…


E o gênio Robert Crumb: resume tudo em seus desenhos gloriosos!

é isso, por fernando stickel [ 12:26 ]


Luiz Diederichsen Villares (Luisinho), meu primo-irmão e padrinho faleceu hoje aos 90 anos de idade em São Paulo. A foto do Luisinho, como todos o conheciam, é de minha autoria no aniversário de 89 anos da minha mãe Martha, 4 anos atrás,
Ele foi sempre um exemplo para mim como colecionador de extremo bom gosto, como responsável pelo design da marca Villares, pelas suas casas sempre lindas e arrumadas, com sua coleção de arte exposta com maestria, pela sua conexão visceral com a música clássica. Ele incentivou desde cedo a minha própria coleção de arte, me presenteando com uma magnífica tela de Maria Leontina e uma gravura de Serge Poliakoff.
Foi presidente da Fundação Bienal de São Paulo de 1980 a 1983, realizando as XVI e XVII Bienais de São Paulo.
Além das artes visuais Luisinho amava a música, e a conhecia como ninguém, quando eu tinha cerca de 15 ou 16 anos de idade nós cantávamos juntos no Conjunto Coral de Câmara de São Paulo, um período de convivência próxima e gostosa.
Uma informação interessantíssima sobre o Luisinho surgiu nas palavras de Lia Diskin, da Associação Palas Athena proferidas no velório.
Luisinho e seu amigo Marcos Ring iniciaram como voluntários nos anos 70 a construção da creche/escola Instituto Pandavas no Bairro dos Souzas em Monteiro Lobato, SP O curioso é que nem mesmo a família do falecido conhecia sua vertente filantrópica… Ele fazia o bem, e não contava pra ninguém…foi durante 20 anos voluntário do Centro de Valorização da Vida-CVV
Luisinho tinha sempre o melhor aperto de mão da praça, firme, forte, sólido, acompanhado do mais simpático sorriso… Deixa a viuva Raquel, os filhos Marcelo Claudia e Eduardo e netos.
Vá em paz Luisinho, faça uma linda viagem, com acompanhamento de Beethoven, Mozart, Olivier Messiaen, Berlioz e tantos outros compositores e músicos que você amava…

é isso, por fernando stickel [ 17:03 ]


Um dos locais mais lindos que visitamos no Mexico, as ruinas mayas na zona arqueológica de Tulum, na Península do Yucatan.


O mar do Caribe.


As ruinas se espalham por uma área muito grande, era uma cidade muito poderosa.

é isso, por fernando stickel [ 9:02 ]


Um amigo me enviou esta foto de uma placa em homenagem ao meu tio avô Antonio Diederichsen (1875-1955), irmão do meu avô Ernesto Diederichsen, e empreendedor em Ribeirão Preto, SP.
Ele construiu o Edifício Diederichsen em 1936, onde foi originalmente inaugurada a famosa Choperia Pinguim. O edifício é tombado, legítimo representante do estilo Art-Deco.

Na placa está escrito:
Edifício Diederichsen
A Antonio Diederichsen
Grande benemérito desta cidade e propulsionador do seu progresso, homenagem do povo de Ribeirão Preto
20-12-1936


A Choperia Pinguim mudou-se para a esquina oposta ao Edifício Diederichsen.


Antonio Diederichsen nasceu em 01 de agosto de 1875, em São Paulo, filho de Bernhard Diederichsen e Ana Carolina Diederichsen. Iniciou os seus estudos básicos no Colégio Brasileiro-Alemão e os concluiu na Alemanha.

Retornando ao Brasil trabalhou com o pai, fabricante de vinho e chá, mas após uma praga nos vinhedos retornou à Alemanha para cursar Agronomia. Formado, veio trabalhar na Fazenda Santa Adelaide, de propriedade de seu tio Arthur Diederichsen.

Na ocasião, foi anunciada a falência do Banco Construtor e Auxiliar de Santos, que possuía, em Ribeirão Preto, uma oficina mecânica, uma fundição e uma serraria.

Diederichsen interessou-se por esse espólio e propôs sociedade a João Hibbeln, que era o seu depositário. A empresa foi constituída e começou na esquina das ruas José Bonifácio com São Sebastião, com a razão social de “Diederichsen & Hibbeln”.

O negócio se desenvolveu a contento, pois abriram a seção de ferragens e, em virtude do desenvolvimento da serraria, a firma mudou-se para a Vila Tibério. O horário era das 6,00 até às 21,00 horas. Em 1916, com o advento da 1a. Grande Guerra, a sociedade se dissolveu e entendeu Diederichsem de dar participação para os seus auxiliares diretos Manoel Pena, Germano Reinel da Silva e Guido Gambini.

O progresso e a cidade exigiram a expansão dos negócios e, assim foi construído o edifício do Antigo Banco Construtor, na esquina das ruas Saldanha Marinho e Américo Brasiliense. Antigo Banco Construtor era o nome de fantasia e se consagrou como a maior casa de materiais de construção da região. Sua diversidade de produtos era enorme. Ia do básico ao acabamento. Toda a região acorria para adquirir esses materiais. Diederichsen igualmente dotou a cidade de um moderno edifício construído no estilo Art-Deco, compreendendo o trecho da rua Alvares Cabral, com 150 metros de fachada e 3.750 m2 de área construída, entre a rua Gal. Osório e a São Sebastião, com locais para escritórios, apartamento, Hotel, restaurante, lojas e cafés.

Parte da construção ocupou a antiga residência do chefe político do PRP, Cel. Quinzinho da Cunha Junqueira. Ainda objetivando dotar a cidade de melhoramentos, em 1947, Diederichsen resolveu construir o edifício onde se instalou o Hotel Umuarama, inaugurado em 20 de janeiro de 1951. Ainda como desenvolvimento de suas atividades mercantis, Diederichsen, em 1922, passou a representar a empresa Byington & Cia., concessionária Chevrolet. Em 1934, a empresa Diederichsen & Cia. passou a vender os veículos da Ford e, 30 anos depois, com o nome de Cia. Comércio Antonio Diederichsen passou a ser concessionária Volkswagem. Já no ínício da década de 1950, agravou a diabetes de Diederichsen, que acabou falecendo no dia 30 de setembro de 1955.

Antonio Diederichsen nunca casou e não tinha herdeiros, deixou sua fortuna para a Santa Casa. Minha mãe se lembra bem do tio, que vinha a são Paulo ao menos uma vez por ano, muito gentil e simpático era querido por todos.

é isso, por fernando stickel [ 3:46 ]


Foto Eduardo Knapp/Folhapress
Faleceu aos 88 anos de idade o grande artista Nelson Leirner.

Conheci o Nelson mil anos atrás, minha irmã Ana Maria trabalhou com ele no final dos anos 70, em uma época em que ele fazia brindes interessantes, com bolas de gude por exemplo…Tive contato mais próximo com ele em 1987, quando fui curador do espaço “Natureza Morta Limitada”, na exposição “A Trama do Gosto, um outro olhar sobre o cotidiano”, que ocupou o prédio da Fundação Bienal de São Paulo no Ibirapuera.
Grande figura, simpático, tranquilo, bom papo… Que vá em paz…

Selecionei para a exposição duas obras do Nelson, uma delas o icônico “Porco”de 1966, coleção da Pinacoteca de São Paulo, que fez grande sucesso!


Interessante que nesta foto aparece ao fundo uma pequena aquarela “Natureza Morta”de minha autoria…


Este foi o outro trabalho do Nelson selecionado, que eu restaurei pessoalmente para poder estar na exposição, mandei refazer a caixa de acrílico que estava quebrada, e comprei as frutas plásticas faltantes…

é isso, por fernando stickel [ 9:21 ]


Foto de Arnaldo Pappalardo, 1981
Faleceu minha amiga Rachel de Almeida Magalhães, um aneurisma na aorta a separou de nós. Ela foi mulher de dois grandes amigos, Nirlando Beirão, com quem teve a filha Julia e Carlos Fajardo, com quem teve a Eugenia. Estivemos muito próximos nos anos 80, fazendo arte, participando de salões, depois a vida nos afastou… Boa viagem Rachel!


Recentemente a Rachel ainda comentou no Facebook o falecimento de outro amigo, Frederico Nasser…

é isso, por fernando stickel [ 16:05 ]