aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Minhas memórias de Ferrari são muito antigas e muito vívidas!

Na memória mais antiga eu deveria ter uns 4 anos de idade e viajava com meus pais de carro pela Itália ou Suíça, a estrada em meio a uma floresta, de repente em uma clareira aparece aquela maravilha vermelha estacionada em frente a um pequeno bar ou restaurante, quiçá uma Ferrari 340 Mexico… Imagem indelével.

Interlagos


Com 16 ou17 anos de idade eu era tarado por motocicletas e automóveis, assíduo leitor da revista Quatro Rodas e frequentava a pista de Interlagos nas Mil Milhas, 500 Km, etc…
Morava na Rua dos Franceses na Bela Vista, o bairro abrigava, além de uma enorme colônia italiana, várias oficinas mecânicas. Perto da minha casa morava, na Rua dos Ingleses, o Domingos Papaleo (1937-2015), que corria de Ferrari, provavelmente uma 500 Testa Rossa vermelha de 1956.
Do meu quarto eu ouvia cheio de prazer e excitação as aceleradas da Ferrari nos testes que ele fazia no imenso quarteirão formado pela R. dos Franceses, Joaquim Eugênio de Lima, Alm. Marques Leão e R. Cons. Carrão. Certo dia tomei coragem, fui até a casa dele, toquei a campainha e pedi pra ele me levar a dar uma volta, e não é que o italiano me mandou entrar na macchina e lá fomos nós dar a volta no quarteirão, com aquele som maravilhoso preenchendo todos os meus sentidos!!! Jamais esquecerei!!!

Mais recentemente, já vivendo na Vila Olímpia, algumas experiências com Ferraris, mas de outro tipo… Novos ricos mais afoitos, se exibem nos fins de semana ou feriados aqui na Vila Olímpia / Vila Nova Conceição.
Aceleram e fazem bastante barulho nas avenidas Helio Pelegrino e Nova Faria Lima. São várias, vermelhas, pretas, amarelas, brancas.

Ora, o cara que tem grana para comprar uma Ferrari, vai ficar brincando aqui na cidade, nas ruas esburacadas, cheias de lombada e radar? Se exibindo em torno do quarteirão? Atormentando os vizinhos com o lindo ronco da macchina?
E olhe que sou um amante das máquinas e motores, em particular da Ferrari…

Elegância e discrição andam em falta por aqui..

Meu irmão Neco ilustrou a paixão:

é isso, por fernando stickel [ 20:39 ]


Eu e meu pai Erico, em momento descontraido na R. dos Franceses nos anos 90. Ao fundo escultura de Marcello Mascherini (1906-1983)

é isso, por fernando stickel [ 14:39 ]


Acabamos de assistir uma premiada e maravilhosa série dinamarquesa no Netflix: Ride Upon the Storm, ou Os Caminhos do Senhor. O título original é Herrens veje.

Lars Mikkelsen é Johannes, pastor em uma família de longa linhagem religiosa. Tudo gira em torno de sua mulher Elisabeth e seus dois filhos August e Christian.

A série é falada em dinamarquês, lingua incompreensivel para mim, porém identifico muitas palavras em alemão…


Na série “House of Cards” Mikkelsen protagoniza Viktor Petrov, presidente da Rússia.

é isso, por fernando stickel [ 9:38 ]


Carl Gustav Jung explica:

Minha querida amiga Sylvia Ficher, colega de classe da FAUUSP, mora hoje em dia em Brasília.
Há poucos dias, a partir de um post que fiz sobre a Escola Brasil:, começamos a conversar sobre a Revista Arte em São Paulo, editada por Luis Paulo Baravelli nos anos 1980. A conversa evoluiu e ela lembrou que comprou nos anos 70, muito antes de saber que iria morar em Brasilia, uma peça do Baravelli da exposição de Baravelli, Fajardo, Nasser e Resende no MAC São Paulo e MAM Rio de Janeiro em 1970.

Ficha técnica da peça:
Título: Restos de Brasília
Data: 1967/70
Técnica: Acrílico, latão cerâmica, madeira pintada
Dimensões: 45 x 28 x 12 cm.


E eu dou o seguinte título a esta experiência de sincronicidade: Memories of the Future

A Sylvia completa a história contando que a peça chama-se “Restos de Brasília” porque o Baravelli havia mandado uma peça para uma exposição em Brasília dentro de uma caixa feita no maior capricho para protege-la. E devolveram o trabalho todo entuchado de qualquer jeito na caixa… Foi com esses restos – cacos de azulejos, placa de acrílico quebrada e mais um lajotas – que ele montou a nova peça.

O próprio Baravelli completa a história em e-mail para mim:
Super confere a história da Silvia (abraço pra ela!), mas tem mais tempero político. Este trabalho mandei para um salão de arte em Brasília (em 1969, acho) e ainda antes da exposição a turma do CCC (Comando de Caça aos Comunistas) entrou no depósito e quebrou tudo o que eles não gostavam, a minha peça inclusive. A peça original chamava “Voando pelo Brasil”, sem nenhuma contestação política nem nada.
Os organizadores não tiveram outro jeito a não ser encaixotar e devolver.
Lembro que na tal exposição (acho que se chamava algo como 1o. Salão de Brasília) também havia trabalhos do Gerchmann, do Nitsche, do Vergara e do Tozzi, que também foram destruídos.

é isso, por fernando stickel [ 9:55 ]


Mais um achado nos arquivos…
Meu amigo Jay Chiat me avisou por telefone em 1989 que viria a São Paulo em Abril de 1990, eu disse a ele:
– Sure Jay! We’ll make a party for you!
E aí veio a tragédia do Plano Collor…
E aí o Jay confirmou a viagem!
E aí eu me vi na obrigação de honrar o meu compromisso, já que era impossível não prestigiar um homem que havia aberto todas as portas para mim quando morei em New York.
Me virei para encontrar os endereços/telefones dos mais prestigiados publicitários de São Paulo, alguns dos quais eu conhecia pessoalmente, fiz os convites citando claramente que era uma festa em homenagem ao Jay, me virei para arrumar o dinheiro necessário, e fizemos a festa na R. Ribeirão Claro!!!
Para minha surpresa fui solenemente esnobado pelos tais prestigiados publicitários paulistanos, que simplesmente não apareceram, eita turminha mal-educada!
As anotações a caneta nos recortes de jornal são do meu pai Erico.

é isso, por fernando stickel [ 18:25 ]


Meus pais Erico e Martha Stickel doaram para as Aldeias Infantis SOS Brasil nos anos 70 uma gleba de terras denominada “Sitio das Corujas”, nas imediações do SESC Interlagos. Os casais Peter e Scholy Mangels, Karin e Eckard Essle e Marta e Hans Von Heydebreck participaram conjuntamente com meus pais da criação da Aldeia.
Nesta área, com projeto arquitetônico do meu irmão Roberto (Neco) foi construída a Aldeia Infantil SOS Rio Bonito, inaugurada em 8 Dezembro 1980. Na foto, os meus pais estão no canto direito. No centro, de roupa branca o criador das Aldeias, Hermann Gmeiner (1919-1986).

As Aldeias trabalham da seguinte forma:
Crianças, adolescentes e jovens, que por algum motivo foram separados de suas famílias, têm, aqui, um espaço de proteção em um ambiente familiar. Cada núcleo é composto por até nove crianças, irmãos biológicos ou não, de diferentes idades e de ambos os sexos. A Mãe Social (cuidadora residente) é responsável pelo cuidado e projeto de vida de cada criança e jovem, com foco em sua autonomia e reintegração a sua família de origem ou substituta.

Missão
Apoiamos crianças e famílias, ajudamos a construir seu próprio futuro e participamos no desenvolvimento de suas comunidades.

Missão Estratégica
Apoiar crianças, adolescentes e jovens que se encontram em vulnerabilidade, impulsionando seu desenvolvimento e autonomia em um ambiente familiar e  comunitário protetor.
 
Visão
Cada criança pertence a uma família e cresce com amor, respeito e segurança.


A SOS Kinderdorf International, sediada em Innsbruck, foi fundada em 1949 na Áustria por Hermann Gmeiner (1919-1986). É a federação de todas as Aldeias infantis SOS no mundo. A Organização está presente atualmente em 135 países, com 73.000 acolhidos e 5.000 mães sociais.

é isso, por fernando stickel [ 9:23 ]


Em 1989 fiz o projeto de cenografia para um show de rock intitulado “Os órfãos de James Dean” que se realizou no Dama Xoc, casa de espetáculos que ficava na R. Butantã em Pinheiros.


Terminado o show, levei para o meu estúdio na R. Ribeirão Claro o enorme disco de madeira que havia sido construido, e fiz sobre ele uma nova pintura.


Cerca de um ano depois, em Maio 1990 sofri uma cirurgia de hérnia do disco, em pleno Plano Collor, e o cirurgião me entregou como lembrança os despojos (remains) da operação…


Mesmo com a imensa crise provocada pelo Plano Collor resolvi expor meu trabalho na Paulo Figueiredo Galeria de Arte, e homenageei minha intervenção chamando a exposição de HERNIA DISCO.
Apresentei 12 pinturas de grandes dimensões, o disco era a maior, com 4,4 metros… O pequeno frasco com os despojos ficava em um pedestal ao lado da pintura, e provocou muita repulsa…


O disco em sua casa atual.


Convidado a participar do Salão de Artes Mario Pennock em Itajubá, MG, levei o Disco!

é isso, por fernando stickel [ 14:54 ]

Em Julho 2008:

IMS incorpora Acervo Iconográfico Martha e Erico Stickel

O Instituto Moreira Salles acaba de agregar a seus conteúdos uma coleção de importância fundamental na arte e na memória brasileiras: o Acervo Iconográfico Martha e Erico Stickel, resultado de acuradas aquisições realizadas pelo casal ao longo de mais de 40 anos. Formado por cerca de 1500 peças, entre desenhos, aquarelas, mapas, gravuras, óleos e álbuns iconográficos, quase que exclusivamente no suporte papel, o material cobre um período que vai de meados do século XVI até o final do século xix.

Entre os autores das obras há nomes como Christoff Artischowsky, Jean-Baptiste Bourguignon d’Anville, Manoel Araújo Porto-Alegre, Evan Baillie Jr., Johannes Blaeu, J. Bury, Henry Chamberlain, Eugène Cicéri, Izaak Commelin, Vincenzo Maria Coronelli, Frank Edward Cox, Jean-Baptiste Debret, Iluchar Desmons, Hercule Florence, Frans Post (Gaspar Barleaus), Henrique Goldschmidt, Friedrich Hagedorn, Eduard Hildebrand, Hendrik Hondius, Petrus Kerius, Johannes van Keulen, Georg Marggraf, William Gore Ouseley, Jean Leon Pallière, Carlos Roberto de Planitz, Johann Moritz Rugendas, Leon Jean-Baptiste Sabatier, Johann Jakob Steinmann, Thomas Marie Hippolyte Taunay, Karl Wilhelm von Theremin, Victor Frond e Carl Friedrich Phillip von Martius.

As técnicas utilizadas em seus trabalhos são as mais diversas, desde o desenho a grafite ou nanquim até a gravura — tanto em metal (ponta-seca, etching ou água-forte, água-tinta ou lavis) quanto em madeira (xilogravuras) e pedra (litogravuras) —, passando por óleo, aquarela e guache, entre outras. Um dos pontos altos do conjunto é formado por 78 obras de Von Martius (grafite sobre papel, basicamente), com registros da paisagem brasileira. Juntamente com Johann Baptist Spix, ele foi o mais importante naturalista que circulou pelo país entre 1817 e 1820, autor da clássica Flora brasiliensis e tido como o iniciador da botânica brasileira em sua fase científica.

Outro destaque é um álbum de Araújo Porto-Alegre, com desenhos, poemas e textos do autor. Tecnicamente, a coleção constitui uma “brasiliana”. O termo se refere a imagens produzidas num período definido — do “Descobrimento” até o fim do século XIX, com a intenção de tornar reconhecível a gente e a paisagem brasileiras. No acervo do iMS, o material se soma a itens como o Highcliffe album, com centenas de imagens do Brasil produzidas pelo artista inglês Charles Landseer, em que se incluem trabalhos de Henry Chamberlain, Jean-Baptiste Debret e William Burchell. E, ainda, às raríssimas 24 aguadas de Paul Harro-Harring, além de peças avulsas.

Como resultado, o IMS passa a guardar e preservar o maior acervo de memória visual brasileira do gênero na esfera privada, com cerca de 2 mil peças iconográficas e mais de 20 mil fotografias que registram a natureza, as cidades e a gente brasileira no século xix. Talvez nenhuma outra entidade pública, com a provável exceção da Biblioteca Nacional, possa ostentar um repertório dessa importância e natureza. A formação desse inestimável patrimônio coloca o Instituto num novo e mais relevante patamar entre as instituições culturais do país, o que lhe abre novos horizontes também no exterior.

é isso, por fernando stickel [ 16:08 ]

Em 2003 fiz uma lista dos Artistas que admiro, com as respectivas datas de nascimento, e cujos livros estão na minha biblioteca.
Fazer arte é um enorme prazer, preenche tua alma, teu coração, e é tão excitante quanto a conquista de um grande amor com a pureza, elegância e potência de um carro de corrida.


Henri Matisse 1869
Marcel Duchamp 1897
Alexander Calder 1898
Joseph Cornell 1903
Joseph Beuys 1921
HC Westermann 1922
Cy Twombly 1928
Wesley Duke Lee 1931
Nam June Paik 1932
Javacheff Christo 1935
Ed Ruscha 1937
Panamarenko 1940
Jonathan Borofsky 1943
Waltercio Caldas 1946
Fernando Stickel 1948
Sophie Calle 1953

é isso, por fernando stickel [ 8:31 ]


Quando morei em New York em 1984-1985, fiz amizade com muitas pessoas, algumas já conhecidas do Brasil e muitas outras cuja amizade floresceu por lá e nas viagens que fiz.
Minha vida foi interessantíssima neste período, em grande parte por conta destas amizades, obrigado a todos(as):

Helena Hungria
Benjamin Patterson
Bia Cunha
Eliane Gamal
Beatriz Schiller
Claudio Elisabetsky
Susan Goodman
Santuza Andrade
Lorie Peters
Riaya Abou Ela
Debbie Seaman
Julie Mullin
Amy Mullin
Anna Carolina Destefano
Francine Ramu
David Herman
Helena Bricio
Lisa Colella
Martin Penrose
Viola Penrose
Vera Valle
Barbara Lippert
Tina Alcantara Machado
Rhonda Friedman
Monica Kowarick
Cristiana George
Lucia Guimarães
Maria Ignez Whitaker

Alguns já não estão mais entre nós…

Elisa Niccolini, falecida em 2018
Jay Chiat (1931-2002)
Keith Bright (1932-2018)
Robert Miles (Bob) Runyan (1925-2001)
Bob Dion
Vera Baldacci (1958-2016)

Infelizmente esqueci o nome de muitas outras pessoas. Sobrou apenas a memória visual, obrigado também!


Os amigos brasileiros em New York no apartamento da Santuza, se bem me lembro na East 57 Street.
Elisa Niccolini, falecida precocemente em 2019 foi minha “banqueira”no First Womens Bank, eu, Santuza Andrade e Wesley Duke Lee (1931-2010), sentada no chão Tina Alcantara Machado.

é isso, por fernando stickel [ 18:10 ]


Nos anos 80 fiz algumas ilustrações para a revista Playboy, esta foi sobre a CIA, Ronald Reagan e Muamar Kadafi.

é isso, por fernando stickel [ 17:46 ]


Preservar a memória de um país, de uma cidade, de um profissional, contar as histórias das pessoas, dos artistas, dos momentos importantes e apenas rotineiros, eu sempre tive isso em mente, e fui separando através da vida os registros e documentos que pudessem um dia contar essa história.
Reuni nestes dias de quarentena um amplo material de referência da minha carreira, que venho guardando há muitos anos, abordando design gráfico, ilustração, poesia, artes plásticas e fotografia. Pretendo doar estes arquivos ao Instituto de Estudos Brasileiros da USP – IEB. Meus pais já fizeram o mesmo em 2002, doando cerca de 4.000 livros.
No meu caso o acervo é de livros, anotações, desenhos originais, fotos, cadernos, blocos de desenho e portfolios.
Uma comissão interna do IEB analisará a oferta, caso aprovada a doação é concretizada.

é isso, por fernando stickel [ 18:04 ]


Morando e trabalhando na Vila Olímpia, tenho o hábito de fazer uma fezinha na Mega Sena na Loterica São Jorge na R. Nova Cidade, rotina de quem está há 35 anos no bairro, assim como ir à padaria, à farmácia, cortar o cabelo, ou sacar dinheiro no caixa automático.

Jogo sempre sete números, a aposta é mais cara, mas a probabilidade de ganhar é muito maior, e jogo quando o prêmio está acumulado, a excitação é maior…
Pensar no que fazer com o dinheiro se você ganhar é um exercício mental muito interessante. Até uma determinada faixa a sua vida não mudará, apenas adicionará um conforto aqui, a realização de um desejo ali. Daí pra frente a coisa fica mais complexa… mas de qualquer maneira de uma coisa tenho certeza absoluta, seja qual for o valor do prêmio, se algum dia eu ganhar, uma parcela será distribuida a quem precisa ou merece.

A única atendente que conheço pelo nome é a D. Terezinha, uma senhora japonesa de mais idade, talvez a dona do estabelecimento. Todas as outras conheço de vista, a que me atende no guichê preferencial tem mãos bonitas, com as unhas bem cuidadas.
Procuro sempre os horários em que a loterica está vazia, agora na quarentena está mais fácil…

é isso, por fernando stickel [ 0:07 ]


O primeiro estímulo que tive para publicar minhas poesias ocorreu em 1977.

Foi o anúncio em uma revista do Prêmio Remington de Prosa e Poesia, com premiação em dinheiro. A Comissão Julgadora: Flávio Moreira da Costa, Affonso Romano de Sant’Anna, Hélio Pólvora, Dirce Côrtes Riedel, Silviano Santiago e José J. Vieira.

Arregacei as mangas e fui à luta. Submeti minha obra “Prosa ou Poesia, conforme o caso” sob o pseudônimo de M. Pseudonym. Meu amigo Cassio Michalany me ajudou a fazer as capas, com um gabarito.

22 anos depois, em 1999 surgiu o meu livro de poesias “aqui tem coisa”, publicado pela DBA.

é isso, por fernando stickel [ 10:29 ]


Nas arrumações que ando fazendo por conta da quarentena encontrein este gouache de 1966, 22 x 30 cm, que achei muito bom! Eu tinha 18 anos!

é isso, por fernando stickel [ 15:22 ]

sba
Este é o “Stickel Heim”, pavilhão que meus pais doaram à Sociedade Beneficente Alemã SBA no Sesquicentenário da Imigração Alemã 1824-1974.
O projeto arquitetônico ficou a cargo do arquiteto Salvador Candia, em cujo escritório eu trabalhava na época. Sob a orientação do arquiteto Yasuhiro Aida, braço direito do Salvador, trabalhei bastante neste projeto.
São 12 quartos, sala de estar, copa e terraço para uso dos idosos que a SBA abriga.


Os dizeres da placa comemorativa, afixada no prédio:

Em homenagem à memória de nossos pais
Ernesto Diederichsen
Maria Elisa A. Diederichsen
Arthur Stickel
Erna H. Stickel
No ano comemorativo do Sesquicentenário da Imigração Alemã no Brasil, construimos esta casa.
Martha Diederichsen Stickel
Erico João Siriuba Stickel


Meu pai, Erico Stickel, na inauguração.


Eu, meu pai Erico, iris Di Ciommo, minha mãe Martha e o arquiteto Salvador Candia.

é isso, por fernando stickel [ 20:06 ]


Graças ao desgoverno de Jair Bolsonaro, o coronavírus avança feliz em sua curva ascendente no Brasil.
No mundo são hoje 5.400.000 infectados e 345.000 mortes.
No Brasil, 365.000 infectados e 23.000 mortes.
Assim não dá… #forabolsonaro

é isso, por fernando stickel [ 12:33 ]


Roman Polanski nos presenteia com um filme magistral! Em português O Oficial e o Espião.
Em 1894, o capitão francês Alfred Dreyfus é injustamente condenado por traição e sentenciado à prisão perpétua na ilha do Diabo.


Emile Zola escreveu a famosa carta aberta J’Accuse…! em 13 Janeiro 1898

é isso, por fernando stickel [ 8:57 ]