aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003


Fotos do final dos anos 70 encontradas pela Iris Di Ciommo, mãe da minha filha Fernanda, em primeiro plano na foto.
Na mesa, Mario Fiore de barba, Luiz Paulo Baravelli e Dudi Maia Rosa com cachimbo!

é isso, por fernando stickel [ 10:25 ]


Nos anos 30 – 40 meu avô Ernesto Diederichsen tinha glebas de terra na Zona Sul de São Paulo, bairro de Rio Bonito.
O Sítio das Figueiras ficava às margens da represa Billings e abrigava a casa de veraneio da família, inserida em meio a gigantescas figueiras, daí o nome do sítio. A estrutura de lazer da casa incluía quadras de esporte e um enorme escorregador, alguns barcos também ficavam disponíveis para brincadeiras aquáticas.

A cerca de 400 metros da casa ficava a Colônia de Férias dos funcionários do grupo empresarial Diederichsen, que incluía indústrias têxteis, comércio de café, hotel e outras atividades. Meu avô era um visionário, e muitos anos antes de ser obrigatório por lei, ele já realizava trabalhos sociais beneficiando seus empregados, como creche, ambulatório, escola primária, cinema, biblioteca, etc… A Colônia de Férias era ampla, com acomodações para para os funcionários, salões de eventos, cozinha, restaurante, etc…

Na minha memória dos anos 50-60 a viagem da nossa casa até o sítio era bem longa, a entrada ficava a cerca de 30 quilômetros do centro de São Paulo a uma hora e tanto de viagem de carro.
Após passar pelo autódromo de Interlagos chegava-se à cidade Dutra, aí muitas vezes parava-se em uma padaria onde eram feitas as compras finais, mais um quilômetro de asfalto e entrava-se à esquerda em estrada de terra, mais um quilômetro e chegava-se ao portão de entrada do sítio, que abria para uma retilínea estrada em subida suave, cercada de casuarinas, à direita ficava o Sitio das Jabuticabeiras.

Ao final desta suave ladeira havia, à direita a entrada do Sítio das Jabuticabeiras, e também o terreno que muitos anos mais tarde seria doado pelos meus pais às Aldeias SOS.

Muitos anos mais tarde, o Sítio das Figueiras se transformou no SESC Interlagos.

é isso, por fernando stickel [ 13:24 ]

Há muitos anos que a Sandra minha mulher e eu fazemos uma parceria arquitetura/fotografia.
A documentação fotográfica e a divulgação dos trabalhos dela de arquitetura e decoração são feitas em grande parte por mim, ela prepara os ambientes e eu fotografo. Simples assim.
Aqui o resultado da decoração do jantar de Natal realizado ontem.

é isso, por fernando stickel [ 12:12 ]

sutia.jpg
“Justiceiro mesmo é o sutiã, que oprime os grandes, levanta os caídos, protege e disfarça os pequenos e atua, sem distinção política, na esquerda e na direita.”

é isso, por fernando stickel [ 16:00 ]

Xico Stockinger (1919-2009), sua mãe Ethel, sua irmã Ivy e seu pai “Seu” Chico de paletó e gravata. A foto foi tomada no Umuarama.

O escultor austríaco naturalizado brasileiro Xico Stockinger era filho do “Seu” Chico, que administrou na segunda metade dos anos 30 a abertura da Fazenda Toriba do meu avô Ernesto Diederichsen em Campos do Jordão.

“Seu” Chico, no relato de minha mãe Martha, era extremamente habilidoso, abriu estradas, plantou árvores, e inclusive a ensinou a cavalgar! A irmã de Xico, Ivy, era aventureira e ficava em pé em cima dos cavalos! “Seu” Chico morava naquela época em uma pequena casa de madeira perto da horta, e lá havia um quadro com uma onça pintada!

Dona Ethel, inglesa, esposa do “Seu” Chico era a gerente do Umuarama, pensão e Colônia de Férias da Universidade Presbiteriana Mackenzie, onde a família Diederichsen se hospedou em sua primeira visita à Campos do Jordão.


Xico Stockinger em seu atelier em 2001.

é isso, por fernando stickel [ 13:47 ]

Meu livro “Clássicos” está à venda por R$250,00!
Basta comentar neste post ou enviar um e-mail para fernando@stickel.com.br para combinarmos pagamento e entrega.

Fotografias e textos de Fernando Stickel
300 exemplares numerados e assinados
108 páginas
Impressão IPSIS
Design gráfico de Ekaterina Kholmogorova e Bia Matuck
Produção gráfica de Jairo da Rocha
Editora Madalena

é isso, por fernando stickel [ 9:09 ]


Esta dupla de Jack Russell alegra a nossa vida e nossa casa há muitos anos! Jimmy e Bolt são parte jntegrante da família, só faltam falar!

é isso, por fernando stickel [ 20:07 ]


No meu estúdio da R. Ribeirão Claro na Vila Olímpia nos anos 80, com uma tela de José Carlos BOI Cezar Ferreira.
Obrigado pela foto Helena Brício!

é isso, por fernando stickel [ 7:40 ]


Em 1954 com seis anos de idade, lembro de sair cedo de casa para o quintal de nossa casa na R. dos Franceses e encontrá-lo coberto de folhas de alumínio triangulares, brilhando ao sol e molhadas do orvalho.
Nas comemorações do Quarto Centenário de São Paulo, a Força Aérea Brasileira com seus aviões fez a Chuva de Prata sobre a cidade!


Lembro também da “Voluta Ascendente” escultura de Oscar Niemeyer no Parque do Ibirapuera. Meu pai comentou comigo na época que a Voluta não tinha condições técnicas de ficar de pé, o projeto seria falho. De fato, o troço caiu e não levantou mais…

é isso, por fernando stickel [ 11:59 ]

Hoje, 1 de Dezembro é o DIA DE DOAR! Seja generoso, doe a quem mais precisa, faça a diferença!

é isso, por fernando stickel [ 9:14 ]


Mais uma vez com imenso prazer em Interlagos, templo do automobilismo paulistano, no Rallye de Regularidade promovido pelo Alfa Romeo Clube do Brasil, pilotando a Mercedes-Benz 280 SL 1970!


Na ocasião foi projetado documentário sobre a trajetória do mago dos motores, o Orfeu da mecânica Crispim, que acaba de completar 80 anos de idade!


Um dos motores mais bonitos da história, Alfa Romeo V6


Segundo lugar no Rallye de Regularidade, sem navegador e sem cronômetro, mantendo o mesmo tempo de volta apenas na sensibilidade!!


As fotos da Mercedes na pista são do Sandro Silveira.


Feliz com o resultado!


12 voltas com tempo dentro da margem de um segundo!

é isso, por fernando stickel [ 13:23 ]

OS VÁRIOS TIPOS DE ARTE


Lucas, artista pintando a óleo sobre tela no Ibirapuera, Novembro 2020.

– Arte simples, natural, direta e verdadeira, tipo lápis no papel, tinta na tela, martelo e talhadeira na pedra, buril na chapa de cobre ou até um canivete em um pedaço de madeira. Muitas vezes confundida com artesanato…

– Arte que eu faço.

– Arte que eu sei como fazer igual, ou melhor.

– Arte que eu sei o que o cara pensou quando fez.

– Arte em que é claro que o cara é preguiçoso, folgado, metido, oportunista e picareta.

– Arte que você sabe que é muito melhor que a sua, e que você não vai jamais chegar nem perto, e que de tão sublime e maravilhosa só resta admirála e invejá-la (no bom sentido, é claro…)

– Arte comum, que não encanta nem desencanta, apenas ocupa espaço, é a grande maioria.

– E tem a arte incompreensível, feia, ruim, feita muitas vezes com o objetivo de enganar o observador, é aquele tipo de arte que você simplesmente ignora e passa reto.

– E finalmente tem a arte executada em “equipes”, com múltiplos curadores, que se servem de longos e incompreensíveis textos intelectualóides… essa então é de doer! Muito fácil de detectar, se a ficha técnica do trabalho tiver mais que quatro linhas é desse tipo com certeza…


[terra>tijolo=forno]+farinha*pão – obra colaborativa (14 pessoas na equipe) no Ibirapuera, comissionada na 10ª Mostra 3M de Arte, Novembro 2020.

Quase que eu ia me esquecendo, tem mais um tipo! Arte que usa video! De preferência fora de foco, com no mínimo uma hora de duração…

Como tudo o que descrevi acima tem naturalmente exceções, vou usar o exemplo do vídeo para dizer que existem sim artistas que usam o vídeo com maestria, Nam June Paik e Bill Viola, mas eles são minoria, a esmagadora maioria dos artistas que usam vídeo em suas obras não sabem o que estão fazendo, e esperam que os espectadores não façam perguntas.

é isso, por fernando stickel [ 16:29 ]


Fundação Stickel com projeto aprovado na Lei Rouanet! Plano Anual para 2021!

é isso, por fernando stickel [ 9:29 ]


Alfa Romeo Giulia Sprint Speciale 1964
O evento Classic Car Celebration no Hotel Fazenda Dona Carolina em Bragança Paulista se realizou no fim de semana de 6 a 9 de Novembro, reunindo importantes coleções de carros clássicos de todo o Brasil, em particular de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul.


Buick 1929


No papo com os amigos!


Sandra, eu e a nossa linda Mercedes-Benz 280 SL 1970!


A Corvette e os patos!

é isso, por fernando stickel [ 9:18 ]

Vou lançar meu terceiro livro, desta vez serão fotos e relatos sobre o apaixonante universo dos carros clássicos, produzido pela Editora Madalena, de Iatã Cannabrava.

Depois de mais de 30 anos em atividade como artista plástico, Fernando Stickel se viu entregue a uma paixão de infância quando completou 60 anos: os motores. O ano era 2008 e a escolha foi um Porsche Carrera 1975. O primeiro carro antigo veio na sequência da descoberta da fotografia como ferramenta de trabalho, alguns anos antes, quando comprou sua primeira digital e passou a registrar tudo ao seu redor. As duas paixões se encontraram então e Fernando começou a fotografar tudo que envolvia o tema: coleções de carros clássicos, rallyes, oficinas, pilotos, mecânicos, passeios, restauros e concursos, viajando o país, por lugares como São Paulo, Campos do Jordão (SP), Tiradentes (MG), Vale dos Vinhedos (RS), e no exterior, em Buenos Aires, na Argentina, Deserto do Atacama, no Chile, Punta del Este, no Uruguai e Toscana, na Itália. Agora ele lança o livro “Clássicos”, que reúne relatos pessoais e uma seleção de imagens tiradas entre 2007 e 2020, feita com o editor Iatã Cannabrava.

“É um livro para os amantes de carros clássicos, mas não só para eles! É um projeto que fala com todos que gostam de boas histórias, lindas fotografias, belas viagens e lugares mágicos em que tudo se transforma, como oficinas e ferros-velhos”, diz o autor.

Quando criança Fernando era aficionado por qualquer coisa que andasse, do carrinho de rolimã à bicicleta ou qualquer máquina e motor. Em um trecho no livro, ele conta: “Em uma das minhas memórias mais antigas, de 1952, eu devo ter uns 4 anos de idade e viajo com meus pais de carro pela Suíça. Lembro de uma estrada no meio da floresta, quando chegamos a uma clareira com um pequeno bar ou restaurante e uma Ferrari vermelha parada na porta”.

Em 1967, tirou carteira de motorista e passou a ir para a escola com um dos carros da família. “Certo dia, pilotando pela avenida Pedroso de Morais o Alfa-Romeo JK FNM 2000, levando comigo meu irmão Roberto, então com 12 anos de idade, entrei forte demais à direita na praça Panamericana, que naquela época nada mais era que uma enorme área circular coberta de mato. Perdi o controle, rodei e a força centrífuga me arrancou da posição do motorista – o banco era inteiriço e não havia cinto de segurança – e me jogou sobre o meu irmão, que se lembra da direção do JK rodando para lá e para cá, comigo em cima dele, enquanto o carro, sozinho, rodava no asfalto até parar. Por sorte, não vinha ninguém atrás de nós. Nem na guia o carro bateu. Nós simplesmente voltamos aos nossos lugares e seguimos a viagem ao colégio”, lembra ele em outro relato.

Em 2004, Fernando assumiu a direção da Fundação Stickel, reativando as atividades iniciadas pelos seus pais em 1954. Desde então, a missão passou a ser a transformação de jovens e adultos por meio das artes visuais, despertando novos potenciais. Atuando na capital paulista, promove gratuitamente ações culturais diversas, como cursos de arte e fotografia (online desde a pandemia) exposições, edição e distribuição gratuita de livros, programas educativos e de pesquisa.

Marcado para o dia 7 de novembro, o lançamento acontecerá em um evento fechado chamado “Classic Car Celebration”, um concurso de elegância para carros clássicos em que 200 a 250 modelos estarão expostos e serão escolhidos por um júri, na presença de um pequeno grupo – devido às restrições da pandemia – no Hotel Fazenda Dona Carolina, em Bragança Paulista, no interior de São Paulo. A ideia é realizar a tarde de autógrafos nesta tarde e venda nacional pela internet.

Clássicos
Fotografias e textos de Fernando Stickel
Editora Madalena

Impressão: IPSIS
Design gráfico: Ekaterina Kholmogorova e Bia Matuck
Produção gráfica: Jairo da Rocha
Número de páginas: 108
Preço: R$250,00
Vendas: Deixe seu comentário neste post que entrarei em contato para combinar pagamento e entrega.
—-
Informações para a Imprensa
Juliana Gola | jugola@gmail.com | 11 99595-2341

é isso, por fernando stickel [ 9:29 ]


Perto de Trancoso na Bahia, dentro de uma fazenda de 400 hectares próxima ao Rio da Barra e imerso em uma floresta de seringueiras, fica o Restaurante Floresta.


Sandra com Tomás e Silvia, nossos anfitriões no Outeiro das Brisas.


Tomás com Fernando Droghett, o Jacaré, responsável pelo charmosíssimo e delicioso restaurante!

é isso, por fernando stickel [ 12:41 ]


Excelente mini-série no Netflix, The Queen’s Gambit.


A atriz Anya Taylor-Joy no papel da jovem enxadrista Beth Harmon simplesmente arrasa!

é isso, por fernando stickel [ 10:06 ]


Fosse vivo meu sogro Stefan Pierzchalski, que não tive o prazer de conhecer, completaria hoje 89 anos de idade.
Nascido em Katovice na Polonia em 1 Novembro 1931, veio ao Brasil e aqui casou-se com Dionice Bandeira Pierzchalski em 23 Setembro 1957.
Faleceu tragicamente em Abril de 1981 aos 49 anos de idade, em sua residência em São Paulo. Nesta ocasião minha mulher Sandra Pierzchalski tinha apenas 22 anos de idade e estudava arquitetura no Mackenzie.


De pé, Stefan e seu pai Antoni Pierzchalski.
Sentados, Dionice, Sandra, a mãe de Antoni, Hedwiga, e a esposa de Antoni, Stefania. No colo de Stefania, a irmã da Sandra, Adriana.


Stefan e Dionice na casa da família, decorada com móveis da Branco e Preto.


Família Pierzchalski, Adriana à esquerda e Sandra à direita.

é isso, por fernando stickel [ 12:40 ]