aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Posts tagueados ‘biennale di venezia’

aniversário no club gascon

A pandemia do coronavírus e a quarentena, menos rígida por minha decisão, ainda produz elementos reativadores de memória!
Examinei nos últimos meses milhares de documentos antigos, fotos, livros, revistas, etc… Organizei, descartei, e agora, ao final deste processo encontrei o menú do jantar de comemoração do meu aniversário de 62 anos no dia 9 Outubro 2010 em Londres!

O ano de 2009 foi cheio de emoções, eu estava cursando o MBA FIA e recebemos vários convites irrecusáveis! Nestes eventos conhecemos muitas pessoas sensacionais!
Em Maio, o rallye de carros clássicos Chiantigiana Classica, convite do Credit Suisse.
Em Junho, visita à Biennale di Venezia, convite de Wulf Mathias e Deutshe Bank.
Em Setembro Fórmula 1 em Monza, convite de Giovanni Barbara.
E no ano seguinte, 2010 em Maio fomos à Bolívia e ao Salar de Uyuni, onde conhecemos as suíças Christina e Marianne.

Como retribuição a este grupo muito especial de estrangeiros, Sandra e eu oferecemos aos amigos que se dispuseram a se deslocar um jantar de comemoração do meu aniversário em Londres, no dia 9 Outubro 2010, no Club Gascon em Londres.

O restaurante francês foi indicado por uma amiga, tinha espaço suficiente para uma mesa grande para 12 pessoas, e um espaço anexo para os drinks iniciais, tudo muito formal…

Acabou sendo uma farra, pois misturamos pessoas de várias tribos, infelizmente nossos anfitriões em Monza, Emma e Giovanni Barbara não puderam estar.

Da esq. para a direita, Jay, Ariane, Christina, Sandra, Medi, Alexis, Babak, Nina, eu e Marianne. A foto foi tirada pela Mema, mulher do Jay.

Mema e Babak.


A mesa.


A preparação do nosso jantar foi minuciosa, Sandra fez questão de levar para os nossos convidados uma lembrança bem brasileira, então preparamos juntamente com o Estudio Manus uma caixinha de surpresas!
Aqui o texto incluido na caixinha:

Inside every box there is a story. Inside a box lives a world of possibilities. A box is a window, a door, it’s the beginning of a journey to a place called imagination.
In this box you are receiving a little bit of Brazil, as a token remembrance from our meeting. A box to take your imagination wandering about Brazil, a mystic and colourful country, intriguing and full of contradictions and possibilities…
Indian Whistle: To attract birds.
Beeswax Candle: Used in syncretic religions (Candomblé/ Spiritualism/Catholicism)
Figa: Amulet, signifying good luck.
Yemanjá: Divinity connected to the power of rivers and seas.
St. Anthony: Saint considered a match-maker.
St. George: Holy Warrior, associated with the football club Corinthians Paulista.
Amulets: Charms meaning protection.
Gypsy Deck: For guessing fate.
Dictionary: A torn page, to feel in a glimpse the beauty of the Portuguese language.
Fita do Bonfim: Catholicism arose in Salvador de Bahia in the early XVIII Century. Originally a silk prop used on an important religious image, to the exact extent of 47 cm representing the length of the arm of Jesus Christ, was adopted by the religions of African origins in Brazil as a bracelet in different colors, each color referring to a deity of these religions.
Pinus wood packaging: Wood abundant in southern Brazil.
Rubber latex closure: The raw material of natural rubber, extracted from the sap of the rubber tree, native to the Amazon.
Marble: A marble is still a marble, anywhere in the world…

Sandra Pierzchalski & Fernando Stickel
London, October 9 2010

é isso, por fernando stickel [ 16:28 ]

bienal de veneza

kunst
Não existem coincidências. São as sincronicidades que nos surpreendem.
Carl Gustav Jung, criador do conceito em 1929, referia-se à sincronicidade também como “coincidência significativa”.
Só agora me dei conta que a Bienal de Veneza abre a sua 55ª edição com o tema “Il Palazzo Enciclopedico” simultâneamente à abertura no dia 4/6 da minha exposição “FARE MONDI” cujo tema surrupiei da 53ª edição, em 2009.
O que quer dizer isso? Provavelmente nada, mas para mim é, no mínimo, curioso.

é isso, por fernando stickel [ 8:53 ]

fare mondi

fare mondi original
Esta foi a primeira imagem “acabada” da série “FARE MONDI”. Criei este trabalho em 2009 inspirado na Biennale di Venezia, e em particular no trabalho do artista argentino Luis Felipe Noé e sua instalação “Red”.
Fiz várias pesquisas no caminho para chegar ao resultado final, algumas delas publiquei aqui.

é isso, por fernando stickel [ 9:24 ]

monza

monza
Portofino – Milano – Monza!!!!
Quando participamos em Maio da Chiantigiana Classica 2009, conhecemos um simpaticíssimo casal, Giovanni e Emma, que nos convidaram a assistir com eles ao GP de Formula 1 em Monza, naquilo que ele descreveu como “cristallo box”, uma sala VIP toda de vidro da onde se vê a pista, os box, etc…
Somando-se ao convite para a Biennale di Venezia em Junho, este é o terceiro convite irrecusável no ano, que nós, docemente constrangidos (vou perder três dias de aula do meu MBA), aceitamos.
Então té já!!!

é isso, por fernando stickel [ 8:27 ]

biennale di venezia

enig
Como não podia deixar de ser, a Biennale di Venezia também teve suas salas escuras com vídeos enigmáticos, então eu prefiro privilegiar o cenário…

é isso, por fernando stickel [ 13:41 ]

veneza

Só porque acaba de ser divulgada pela revista Veja a relação incestuosa de José Sarney com Edemar Cid Ferreira (algo que o planeta já sabia, há cinco anos, um dia antes da intervenção do Banco Central no Banco Santos, Sarney conseguiu retirar 2,2 milhões de reais que tinha investido no banco do amigo. Entre as centenas de aplicadores no banco de Cid Ferreira, Sarney foi o único que conseguiu salvar suas economias, escapando do bloqueio imposto pelo BC aos outros investidores) em contas secretas no exterior, em particular por ocasião de visita à Bienal de Veneza, vou colocar mais umas fotinhas de Veneza, tá bom?
Vocês conseguem imaginar Sarney circulando neste cenário com seu terno jaquetão?

piazza
Piazza San Marco, tem lugar mais lindo que esse?

burano21
Ilha de Burano, a torre da igreja é torta mesmo.

canale
Grand Canale e Ponte di Rialto.

peggy1
Sandra travestida de Peggy Guggenheim.

arsenale2
A entrada do Arsenale.

pistoletto
Instalação do artista italiano Michelangelo Pistoletto.

Veja mais fotos de Veneza e da Biennale aqui.

é isso, por fernando stickel [ 10:38 ]

veneza

ven
Durante a visita à Biennale di Venezia, navegando…

é isso, por fernando stickel [ 8:39 ]

arsenale

banco1
No Arsenale da Biennale di Venezia.

é isso, por fernando stickel [ 17:59 ]

peggy, sandra e calder

peggyg
Sandra e Alexander Calder em frente à Peggy Guggenheim Collection, ampliando nossa visita à Biennale di Venezia.

é isso, por fernando stickel [ 14:29 ]

john baldessari

john

Na Biennale di Venezia: I will not make anymore boring art.John Baldessari

é isso, por fernando stickel [ 10:27 ]

navio monstro

linea-c
Na nossa visita à Biennale di Venezia, cruzamos com este navio monstruoso, que além de ser feio, choca pelo tamanho. Ele fica totalmente fora de escala no cenário de Veneza, agredindo a cidade. Milhares de pessoas enfiadas dentro de uma gigantesca lata de sardinhas, coisa mais sem graça!

laennec
Eu tenho memórias maravilhosas de viagens marítimas nos anos cinquenta, em navios como Laennec e Louis Lumiere, com poucas centenas de passageiros, muita área livre e poucas atrações internas.
Eu sei, eu sei… estes tempos já passaram, não voltam mais, etc… mas a massificação do turismo hoje chega a níveis intoleráveis.

é isso, por fernando stickel [ 12:31 ]

burano

burano5
Durante nossa visita à Biennale di Venezia visitamos a ilha de Burano.

é isso, por fernando stickel [ 9:53 ]

lygia pape

lygia
Elegância, concisão e força poética você encontra na instalação Ttéia de 2002, que garantiu à artista fluminense Lygia Pape (1927-2004) a Menção Especial do júri da 53ª Biennale di Venezia “Fare Mondi” (“Refazendo Mundos”, em tradução livre) em caráter póstumo.

é isso, por fernando stickel [ 9:06 ]

cildo e renata

cildo1
A instalação de Cildo Meirelles na Biennale di Venezia fica bem apenas no papel, (ou no vídeo). A foto acima achei no Flickr, sem autor.
Eu atravessei as seis salas interligadas e coloridas com cores fortes e não achei a mínima graça, um trabalho “flat” – “uninspired”, burocrático, (tem certas expressões em inglês que caem como uma luva para definir chatice), bem ao contrário de seu trabalho Red Shift: 1 Impregnation 1967–84 na foto abaixo, que me emocionou quando vi.

cildo2

renata2Marcos Augusto Gonçalves/Folha Imagem – Renata Lucas posa ao lado de sua obra: uma estrada feita abaixo do piso da Bienal.

O trabalho de Renata Lucas então não fica bem nem no papel. Se eu não houvesse lido sobre sua instalação antes da viagem, e procurado atentamente pelo trabalho não o teria encontrado. Apenas cerebral, de “plástico” não tem nada. Um furo na água, triste.

é isso, por fernando stickel [ 8:49 ]

peggy guggenheim

philip
Durante a visita à Biennale di Venezia, paramos para palestra do diretor da Peggy Guggenheim Collection, Dr. Philip Rylands para o nosso grupo.
Dona Peggy (1898-1979) teve uma história realmente fenomenal, e o pequeno museu em Veneza mantém até hoje o espírito da casa desta mecenas da arte moderna.
Em primeiro plano de costas nosso anfitrião Wulf Mathias.

peggy
Suas cinzas estão depositadas no jardim do museu, ao lado das cinzas dos seus “babies”, que foram seus inseparáveis cães.

é isso, por fernando stickel [ 18:45 ]

ariane grigoteit

ariane
Na entrada dos “Giardini” da Biennale di Venezia, a Dr. Ariane Grigoteit, nossa guia, foi durante anos a curadora da coleção do Deutsche Bank.

é isso, por fernando stickel [ 11:05 ]

fare mondi

delson
O nosso grupo visita no pavilhão do Brasil a exposição de Delson Uchôa, elogiadíssima.
Já o outro artista brasileiro, Luiz Braga, passou desapercebido.

O interessante nesta Biennale di Venezia cujo tema é “Fare Mondi – Making Worlds” não são os artistas em si, que em todas as mega-exposições como essa podem ser excelentes ou péssimos. (ou simplesmente irrelevantes)
Para mim o mais interessante é a maneira extremamente civilizada de distribuir os diversos pavilhões no cenário belíssimo dos Giardini e do Arsenale.
Quando você cansa de arte (e todo mundo cansa) basta sair fora, sentar em uma beirada de escada e ficar aproveitando a natureza e vendo as pessoas passarem.
É a sabedoria da mistura entre ARTE e VIDA.
Só arte é um porre, e só vida você já tem no seu dia-a-dia.

noe
Outro artista unanimamente elogiado pelo nosso grupo foi o argentino Luis Felipe Noé, com sua instalação “Red”.

é isso, por fernando stickel [ 10:09 ]

noite

gondola
Durante a visita à Biennale di Venezia, descobrimos que a noite de Veneza tem seus mistérios…

é isso, por fernando stickel [ 16:59 ]