aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

arte

matisse, notre-dame

Henri Matisse
Notre-Dame, fin d’après-midi, 1902
óleo sobre papel montado em tela, 72.5 x 54.5 cm

é isso, por fernando stickel [ 23:47 ]

presente de bodas

Este é um dos desenhos mais antigos que me lembro ter feito, devia ter 16 ou 17 anos.
Dei de presente para os meus pais nas bodas de prata, em 1976.

é isso, por fernando stickel [ 17:35 ]

manoel de barros

De Manoel de Barros, no livro O Encantador de Palavras, 1996.

1. MATÉRIA DE POESIA
Todas as coisas cujos valores podem ser
disputados no cuspe à distância
servem para poesla
O homem que possui um pente
e uma árvore
serve para poesla
Terreno de 10×20, sujo de mato – os que
nele gorjeiam: detritos semoventes, latas
servem para poesla
Urn chevrolé gosmento
Coleção de besouros abstêmios
O bule de Braque sem boca
são bons para poesia
As coisas que não levam a nada
tem grande importância
Cada coisa ordinária é um elemento de estima
Cada coisa sem préstimo
tem seu lugar
na poesia ou na geral
O que se encontra em ninho de joão-ferreira:
caco de vidro, garampos,
retratos de formatura,
servem demais para poesia
As coisas que não pretendem, como
por exemplo: pedras que cheiram
água, homens
que atravessam períodos de árvore,
se prestam para poesia
Tudo aquilo que nos leva a coisa nenhuma
e que você não pode vender no mercado
como, por exemplo, o coração verde
dos pássaros,
serve para poesia
As coisas que os líquenes comem
– sapatos, adjetivos-
têm muita importância para os pulmões
da poesia
Tudo aquilo que a nossa
civilização rejeita, pisa e mija em cima,
serve para poesia
Os loucos de água e estandarte
servem demais
O traste é ótimo
O pobre-diabo é colosso
Tudo que explique o alicate cremoso
e o lodo das estrelas
serve demais da conta
Pessoas desimportantes
dão pra poesia
qualquer pessoa ou escada
Tudo que explique
a lagartixa de esteira
E a laminação de sabiás
é muito importante para a poesia
O que é bom para o lixo é bom para a poesia
Importante sobremaneira é a palavra repositório;
a palavra repositório eu conheço bem:
tem muitas repercussões
como um algibe entupido de silêncio
sabe a destroços
As coisas jogadas fora
têm grande importância
-como um homem jogado fora
Aliás é também objeto de poesia
saber qual o período médio
que um homem jogado fora
pode permanecer na terra sem nascerem
em sua boca as raízes da escória
As coisas sem importância são bens de poesia
Pois é assim que um chevrolé gosmento chega
ao poema, e as andorinhas de junho

é isso, por fernando stickel [ 1:10 ]

não resisti, lindo demais!

Não resisti, tá lindo demais!

é isso, por fernando stickel [ 18:53 ]

verdadeiro desenho cego

O verdadeiro DESENHO CEGO, do meu aluno Plinio Pereira, carvão sobre papel sulfite.

é isso, por fernando stickel [ 18:41 ]

sil curiati e os popôs

Sil Curiati entendeu bem do que eu tratava e me envia estes popôs, de sua autoria (o desenho, bem entendido… )

é isso, por fernando stickel [ 19:02 ]

vilanova artigas

Estudei no prédio da FAUUSP na Cidade Universitária, projeto do arquiteto João Batista Vilanova Artigas.
No dia do vestibular, inauguração da nova faculdade de arquitetura, ele circulava entre as mesas, zeloso de sua obra e reprimia quem ousava usar um estilete sobre a fórmica virgem.
Não gosto do projeto da FAU, entre outras razões porque era gelado no inverno e um forno no verão.
Na Rua Sampaio Vidal existe este conjunto de quatro sobrados geminados, genial projeto dele, térreo mais dois andares. Na casa com hera na fachada iniciei minha vida profissional desenhando plantas de prefeitura para o arquiteto Alfred Talaat. Nos fundos era o estúdio do Augusto Livio Malzoni.
Anos depois, já casado com a Iris, comprei a casa em ruinas, reformei-a e fiz meu estúdio nos fundos. Hoje lá mora minha ex e minha filha. As árvores da frente plantei 23 anos atrás. A casa amarela da direita foi reformada e completamente desfigurada pelo atual proprietário, filho da Marília Gabriela, que criou um muro absurdo, encheu de alarmes, etc…
E assim a cidade vai mudando, sempre para pior…

é isso, por fernando stickel [ 15:39 ]

livro palíndromos

sator
Acabo de voltar do lançamento do livro do meu amigo Guto Lacaz, cujo muso inspirador foi o José Carlos BOI Cezar Ferreira.
O livro trata de palíndromos, e eu acrescento um que até é conhecido, mas o genial é que funciona em todos os sentidos: SATOR AREPO TENET OPERA ROTAS.
A tradução é mais ou menos a seguinte: O operador do arado mantém a rota do trabalho.
Depois, tomando um choppinho e conversando com o Boi, descobrimos uma relação engraçada, ambos temos estúdios em esquinas, ele em cima de um estofador, eu em cima da farmácia.

é isso, por fernando stickel [ 0:04 ]

durval discos

Um filme maravilhoso: Durval Discos, não deixem de ver!
Principalmente as pessoas, que como eu, conheceram o Edgar Discos em Pinheiros.

é isso, por fernando stickel [ 19:00 ]

caderno

Caderno de anotações e desenhos.

é isso, por fernando stickel [ 9:58 ]

filme frida

Fui ver o filme Frida, achei bem feito, a história excelente, cores incríveis, as casas do casal com ponte no meio, etc…
Tudo muito bom, não fosse a sensação de que algo está fora de lugar, e acho que é pelo fato do filme ser americano. Este filme tinha que ser mexicano, espanhol, talvez até alemão, para funcionar 100%.
Falta um que de densidade.

é isso, por fernando stickel [ 23:29 ]

detalhe de um trabalho

Detalhe de um trabalho.

é isso, por fernando stickel [ 8:42 ]

meu primeiro óleo


Pintei meu primeiro óleo sobre tela no estúdio do Dudi, por volta de 1980.
Perguntei a ele: Como faço? E ele simplesmente colocou a tela no cavalete, na minha frente, tintas, pincéis, terebentina, óleo de linhaça, e falou:

É só pintar!

E assim foi, o resultado aí está!

é isso, por fernando stickel [ 12:01 ]

harriet chalmers adams

Fotos de Harriet Chalmers Adams, na revista The National Geographic Magazine de Setembro1920. Este exemplar da revista, em perfeito estado, é da Livraria Sereia, do José Luiz Garaldi.

é isso, por fernando stickel [ 17:39 ]

desenho

Dei este desenho de minha autoria, de 1972, para os meus pais. Está pendurado na casa deles desde aquela época.

é isso, por fernando stickel [ 17:18 ]

vinagre que eu mesmo fiz

As coisas do meu estúdio. Vinagre que eu mesmo fiz e nunca tive coragem de experimentar.

é isso, por fernando stickel [ 20:45 ]

desenho recente

Desenho recente.

é isso, por fernando stickel [ 17:34 ]

processo de trabalho

O processo de trabalho.

é isso, por fernando stickel [ 23:32 ]