aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Posts tagueados ‘fernando_stickel’

votem bem!

lucille1
Não custa lembrar… O voto é a melhor ferramenta para destruir safado oportunista e bandido. #votebem

é isso, por fernando stickel [ 11:00 ]

paixão pelas máquinas

traktor
A paixão pelas máquinas vem de longe!!

é isso, por fernando stickel [ 11:21 ]

weinstube & fare mondi

clubt
Na hora do almoço o Club Transatlântico fica bem cheio, o restaurante Weinstube é simpático e muito gostoso, com excelente custo/benefício.

De quebra visita-se a minha exposição de fotografias FARE MONDI, em cartaz até o dia 28 Junho no Club Transatlântico, R. José Guerra 130 Chacara Santo Antonio – São Paulo.

é isso, por fernando stickel [ 15:24 ]

fare mondi é hoje!!

club
Chegou finalmente o dia! É hoje às sete da noite a abertura da minha exposição de fotografias:

FARE MONDI

Vernissage 4 Junho às 19:00h

Club Transatlântico
R. José Guerra 130 – Santo Amaro
Tel 11 2133-8606
Exposição 4 a 28 Junho 2013
De 2ª a 6ª das 9:00 às 22:00h
Sábados das 11:30 às 14:30 e das 18:30 às 22:00h

é isso, por fernando stickel [ 11:49 ]

fare mondi – falta pouquíssimo!

fare
Hoje o Marco e eu fizemos revisão final nas 35 imagens da exposição FARE MONDI, colar etiquetas de identificação, conferir dimensões, limpar algumas marcas de dedos, etc…
Depois embalar tudo e aguardar a montagem na segunda-feira. Na terça inauguramos a exposição:

FARE MONDI

Vernissage terça-feira 4 Junho 2013 às 19:00h
Club Transatlântico
R. José Guerra 130 – Santo Amaro São Paulo
Tel 11 2133-8606
Exposição 4 a 28 Junho 2013

é isso, por fernando stickel [ 13:12 ]

fare mondi no club transatlântico

fare2
Fernando Stickel convida para a abertura de sua exposição de fotografias

FARE MONDI

Vernissage terça-feira 4 Junho 2013 às 19:00h

Club Transatlântico
R. José Guerra 130 – Santo Amaro São Paulo
Tel 11 2133-8606

Exposição 4 a 28 Junho 2013
De 2ª a 6ª das 9:00 às 22:00h
Sábados das 11:30 às 14:30 e das 18:30 às 22:00h

é isso, por fernando stickel [ 14:39 ]

fare mondi

car cimitery2
Fernando Stickel convida para a abertura de sua exposição de fotografias

FARE MONDI

Vernissage com coquetel na terça-feira

4 Junho às 19:00h

Club Transatlântico
R. José Guerra 130 – Santo Amaro
Tel 11 2133-8606
Exposição 4 a 28 Junho 2013
De 2ª a 6ª das 9:00 às 22:00h
Sábados das 11:30 às 14:30 e das 18:30 às 22:00h

“Nesta série inédita de 30 fotografias digitais (ou seriam colagens, pinturas?…) investigo a relação entre imagens, justapondo duas ou mais e potencializando-as na criação de uma nova. O resultado pode sugerir o clima de um sonho ou ambientes que extrapolam a tensão entre os componentes iniciais.

O trabalho surgiu do título da Bienal de Veneza de 2009, “Fare Mondi”, ou seja, fazer mundos – criar novos mundos, série que iniciei ainda em 2009, logo após visitar a Bienal.

Matéria prima das montagens, as fotos são de locais como São Paulo e o deserto do Atacama, transitam de Nova York a Bebedouro, de Veneza ao Rio de Janeiro, de Londres a Jundiaí… de Santos à Vila Olímpia.

Na utilização do Photoshop para fazer as montagens incorporei algumas áreas de cor, e também alguns acidentes de percurso, técnica aliás adquirida na Escola Brasil: dos anos 70, o que acabou por conferir a certas imagens um caráter pictórico, em outras a utilização da ferramenta de edição é mínima, objetivando apenas a simples justaposição.

Fernando Stickel
Abril 2013″

é isso, por fernando stickel [ 14:19 ]

fare mondi

faremondi4
SAVE THE DATE: 4 JUNHO 2013

Fernando Stickel convida para exposição de suas fotos

FARE MONDI

Vernissage com coquetel na terça-feira 4 Junho às 19:00h
Club Transatlântico  http://www.clubtransatlantico.com.br
R. José Guerra 130 – Santo Amaro
Tel 11 2133-8606

Exposição 4 a 28 Junho 2013
De 2ª a 6ª das 9:00 às 22:00h
Sábados das 11:30 às 14:30 e das 18:30 às 22:00h

Trinta e quatro imagens prontas, revisadas, dentro de um pen-drive a caminho da RCS Arte Digital para serem impressas.
Em seguida receberão uma moldura de alumínio preto, e seguirão para a montagem da exposição “FARE MONDI” no Club Transatlântico.
Um evento foi criado no Facebook.
Abri uma conta no Twitter para divulgar a exposição.
Revisei todas as ferramentas eletrônicas disponíveis para divulgação: Blog, Linkedin, Youtube, Instagram.
Enviarei e-mails, em data mais próxima da vernissage.

Na verdade o que quero é que meus amigos venham ver o novo trabalho, que eu estou achando muito interessante!!
Espero todos lá, para brindarmos junto!!

é isso, por fernando stickel [ 12:17 ]

fare mondi na applaus

applaus2
Exposição de fotografias “Fare Mondi” na revista Applaus, editada pelo Club Transatlântico.

é isso, por fernando stickel [ 19:13 ]

seis anos casados!!

6-anos
… e seis anos se passaram desde que, em um delicioso almoço de domingo, Sandra e eu celebramos nosso casamento em 12 Novembro 2006!!!
… e continuamos a celebrar em uma dúzia de anos juntos, cheios de amor, trabalho, prazer, crescimento, filhos, neto, Jimmy, viagens, arquiteturas, artes, esportes, terceiro setor, etc… etc… etc…

é isso, por fernando stickel [ 8:25 ]

livro vera martins

livro-vera
Fazer um livro é uma das coisas mais gostosas que conheço.
Já fiz vários, tanto de minha autoria quanto para terceiros. Com maior ou menor grau de participação, a excitação e o prazer de ver a coisa pronta é sempre igual.

O livro sobre o trabalho da artista plástica Vera Martins “Pintura por Desconstrução” é o projeto editorial mais ambicioso da Fundação Stickel até agora, iniciou-se como um simples registro do “Projeto Contrapartida”, foi evoluindo, incorporou vários textos, fotos, recebeu a colaboração de várias pessoas, sofreu inúmeras revisões do design gráfico, e ao final de longo processo de maturação acertamos parceria com a editora Terceiro Nome, o que acabou por fornecer ao livro um “acabamento editorial” que só uma editora ativa no mercado sabe proporcionar.

Com 108 páginas, bilíngue (português-inglês) foi impresso a 4 cores em 1500 exemplares.
Coordenação geral: Fernando Stickel / Fundação Stickel
Textos: Agnaldo Farias, Carlos Perrone, Jochen Dietrich, Vera Martins
Concepção e projeto gráfico: Iris Di Ciommo
Revisão: Cecilia Ramos
Versão para inglês: Patrick David Hall
Fotos das obras: Rômulo Fialdini
Fotos na alemanha: Jochen Dietrich
Editora Terceiro Nome: Mary Lou Paris

Escrevi a introdução do livro:

Alquimia Contemporânea

Ao conhecer Vera Martins você percebe que ela não se revela por inteiro, mas se constrói aos poucos. É necessário um tempo para se chegar à inteireza da artista.

Para melhor compreender a artista e sua obra, a Fundação Stickel colaborou com o Projeto Contrapartida de Vera, e agora oferece, nesta publicação, as ferramentas necessárias para se entender sua trajetória.

Vera trabalhou em várias frentes. Sua trajetória é interessantíssima e recentemente incluiu uma forma de “atletismo artístico”, o pleno uso do vigor físico na fatura artística… Vera, porém, não descuida de aspectos espirituais e místicos – pois, ao final das contas, onde está a alma da obra de arte? Essa talvez seja a pergunta principal que se coloca em seu trabalho.

Alquimistas (ainda os há hoje… ) e artistas plásticos trabalham de maneira similar, trancados em seus estúdios e laboratórios, destilando bem guardadas sabedorias, muitas vezes mantendo seu trabalho propositalmente escondido do mundo.

O curioso na Vera é que o resultado de seu trabalho caminha no sentido oposto ao dos alquimistas tradicionais, que agregavam em seu cadinho substâncias exóticas e preciosas, para delas depurar conhecimento, sabedoria e poder.

Vera, na solidão do estúdio, tomou um caminho avesso para obter a pedra filosofal.
Seu objetivo? Chegar ao elemento primordial da pintura, isolar e capturar sua alma, sua essência, despindo-se no processo de todas as substâncias, excessos e acessórios, físicos e mentais. Um caminho difícil e tortuoso, que se revela claro e luminoso ao final .

Quanto mais Vera Martins desconstrói sua obra, mais ela própria se constrói.

Fernando Stickel
Outubro de 2011

é isso, por fernando stickel [ 15:09 ]

novo exaustor

exanovo
A Saga do Exaustor Capítulo XIII

Hoje trocaram o exaustor, aquele que deu início ao problema há cerca de seis meses atrás na Sociedade Hípica Paulista.
Na aparência o novo exaustor é quase idêntico ao anterior, retiraram também uma imensa tubulação, vamos ver se resolve o problema do ruido…

Acompanhe todos os capítulos da novela clicando aqui.

é isso, por fernando stickel [ 9:59 ]

amor e paz

amor2
Em paz o cidadão jogado na calçada parece estar, seja pela bebida, pelo sono ou ambos, já com amor…
A cena é de ontem, na Al. dos Arapanés em Moema.

é isso, por fernando stickel [ 11:15 ]

ernesto bonato

rian
O Edifício Rian na Liberdade, centro de São Paulo, de leve inspiração “art-deco”, fica a um quarteirão do Forum João Mendes. Localizado na R. da Glória 279, sítio altamente improvável (segundo minha bússola…) para uma galeria de arte.
Fui atraido por este endereço porque lá abriu no último sábado na Galeria Mezanino a primeira exposição de pinturas de Ernesto Bonato, na minha opinião excelentes!
Conversei com o artista e descobri que ele é um dos fundadores do Atelier Piratininga, ond é professor, e que foi aluno do mestre gravurista Evandro Carlos Jardim.

rian2
Ao entrar no prédio, a sensação de um bunker militar russo da Guerra Fria…

rian3
A exposição.

é isso, por fernando stickel [ 13:41 ]

bruno bischofberger

bischofberger
Em Maio 2007 fui à Suíça.
Na cidade de Basel o compromisso foi a inauguração da exposição de Magy Imoberdorf na Fundação Brasilea, e conversas sobre projetos conjuntos com Onorio Mansutti, diretor da Fundação.
Em Zurique uma reunião na UBS Optimus Foundation, para avaliar possibilidades de apoio ao trabalho da Fundação Stickel.
Aproveitei para visitar a famosa galeria Bruno Bischofberger

magi-f1
Inauguração da exposição de Magy na Fundação Brasilea, da esq. para a direita, Magy, eu e Erica Banwart.

é isso, por fernando stickel [ 12:24 ]

jimmy csi

jimmy-csi
Que tipo de memória visual tem um cão? Será possível “ler” a memória de um cão, ou de qualquer outro animal?
Hoje de manhã, passeando com Jimmy Hendrix no Viveiro Manequinho Lopes totalmente deserto, em um domingo cinza, frio, sem ninguém por perto, fiquei pensando nisso, e a questão assumiu a forma de uma fantasia, um conto, uma história fantástica. Várias versões são possíveis:
Ficção científica
Eu sou abduzido por alienígenas, e a única testemunha é o Jimmy. Simultâneamente pilotos de aviões em procedimento de pouso no Aeroporto de Congonhas detectam forte anomalia magnética, suas bússolas ficam loucas por alguns segundos, o fato é reportado.
Um cientista na USP pesquisa a retenção de imagens em animais. Jimmy é encontrado vagando sozinho, seu dono desaparecido. As histórias se cruzam…
CSI
Eu sou assassinado silenciosamente com uma pancada na cabeça por um louco que se esconde no meio do mato, mais uma vez a única testemunha é o Jimmy. O cadáver não oferece nenhuma pista aos investigadores do crime. Simultâneamente a polícia de algum lugarejo distante no Canadá investiga um acidente mortal com um urso pardo, onde as únicas testemunhas são o urso e o cão da vítima. Um zoólogo/veterinário que vem investigando a memória de animais se associa a um pesquisador em bio-engenharia para tentar “ver” o que o cão da vítima viu. Novamente as histórias se cruzam…
A história se transformará em um filme, dirigido naturalmente por David Lynch. A câmera passeará ao nível do chão, investigando em “Close-up” os olhos, ouvidos e narinas da testemunha, entrando a seguir em seu cérebro e suas sinapses…

é isso, por fernando stickel [ 10:59 ]

sessenta e quatro!!!

fs641
Hoje, 6 de Outubro, completo sessenta e quatro anos de idade, o número de hexagramas no I-Ching, um número até bonito para comemorar!
Sandra & Jimmy alegraram o meu dia, assim como inúmeros telefonemas, mensagens, Facebook, e-mails, etc… Foi muito bom e estou muito feliz!
Obrigado a todos!!

By the way, comemorando seus 50 anos, um clássico dos Beatles…

When I’m 64
Songwriters: Paul Mccartney; John Lennon

When I get older, losing my hair, many years from now
Will you still be sending me a valentine, birthday greetings, bottle of wine?
If I’d been out ‘til quarter to three, would you lock the door?
Will you still need me, will you still feed me when I’m sixty-four?

You’ll be older too
Ah, and if you say the word, I could stay with you

I could be handy, mending a fuse when your lights have gone
You can knit a sweater by the fireside, Sunday mornings, go for a ride
Doing the garden, digging the weeds, who could ask for more?
Will you still need me, will you still feed me when I’m sixty-four?

Every summer we can rent a cottage
In the Isle of Wight if it’s not to, dear
We shall scrimp and save
Ah, grandchildren on your knee, Vera, Chuck and Dave

Send me a postcard, drop me a line stating point of view
Indicate precisely what you mean to say, yours sincerely wasting away
Give me your answer, fill in a form, mine forever more
Will you still need me, will you still feed me when I’m sixty-four?

é isso, por fernando stickel [ 23:26 ]

apartamento na r. rocha

rocha1
Em 1966, poucos meses antes de completar 18 anos, comecei a namorar a Alice, e nós não tinhamos, como todos os jovens daquela época, um lugar nosso, para curtir.
Na casa dos pais impossível namorar, os tempos eram outros… o recurso eram as viagens ou o carro, nas famosas “corridas de submarino”.
Depois de algum tempo cansamos de namorar na rua e decidimos alugar um apartamento só nosso, e foi o que fizemos. Encontramos uma kitinete na Rua Rocha, bairro da Bela Vista (Bixiga), o prédio devia ter umas oito por andar…
Pintei a porta de entrada de vermelho, como em Londres, e o carpete de Sisal era cinza claro. Compramos cama, mesa, cadeiras, fogãozinho, tudo funcionava e passávamos deliciosos fins-de-semana brincando de casinha, cozinhando macarrão. Eu levei materiais de desenho e ficava produzindo minhas artes, a Alice dedicava-se à leitura.
Apenas alguns amigos íntimos sabiam da existência do nosso “ninho” e algumas vezes emprestávamos o apartamento para os mais necessitados…
Casamos em 1971, e nos primeiros meses após o casamento moramos na casa dos meus sogros, com a convivência aprendi a gostar muito deles, e mesmo aprendi um pouco de árabe, pois eles só conversavam entre si nesta fascinante língua!

é isso, por fernando stickel [ 18:14 ]