aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Posts tagueados ‘drink’

dia maravilhoso

Dia maravilhoso, principalmente porque sei que vou ganhar a Mega Sena acumulada, estou sentindo!
Fui almoçar com a Ledusha no Astor, nos rachamos de tomar chopp e conversar, depois demos uma passada pelo Instituto Tomie Ohtake, onde tomamos café com o Cassio Michalany e pudemos ver um interessantíssimo (e curto) filme em projeção contínua 16 mm do Marijke van Warmerdan, chamado Le retour du chapeau (a única coisa boa lá no Instituto).
Em seguida fomos ao estúdio do Cassio onde tomamos alguns uísques do cavalo branco, jogamos conversa fora e demos boas risadas. Deixei a Ledusha em casa e fui comprar flores para o meu Amor, pois hoje é nosso aniversário de 26 meses de namoro.
Meu Amor, que trabalhou o dia inteirinho, me recebeu com uma maravilhosa caixa de Partagas Petit Coronas Especiales lacrada, que tive o prazer de arrombar e sentir o delicioso aroma dos puros.
Agora é só esperar o resultado da loteria e iniciar os preparativos da viagem a Londres, via New York de Concorde, que vai sair de linha…

é isso, por fernando stickel [ 21:04 ]

são paulo acorda

No meio da bruma São Paulo acorda, e nada melhor para começar a semana do que esta pérola:

ACORRENTADOS de Paulo Mendes Campos, do livro “O Anjo Bêbado”, Editora Sabiá – Rio de Janeiro, 1969.

Quem coleciona selos para o filho do amigo; quem acorda de madrugada e estremece no desgosto de si mesmo ao lembrar que há muitos anos feriu a quem amava; quem chora no cinema ao ver o reencontro de pai e filho; quem segura sem temor uma lagartixa e lhe faz com os dedos uma carícia; quem se detém no caminho para ver melhor a flor silvestre; quem se ri das próprias rugas; quem decide aplicar-se ao estudo de uma língua morta depois de um fracasso sentimental; quem procura na cidade os traços da cidade que passou; quem se deixa tocar pelo símbolo da porta fechada; quem costura roupa para os lázaros; quem envia bonecas às filhas dos lázaros; quem diz a uma visita pouco familiar: Meu pai só gostava desta cadeira; quem manda livros aos presidiários; quem se comove ao ver passar de cabeça branca aquele ou aquela, mestre ou mestra, que foi a fera do colégio; quem escolhe na venda verdura fresca para o canário; quem se lembra todos os dias do amigo morto; quem jamais negligencia os ritos da amizade; quem guarda, se lhe deram de presente, o isqueiro que não mais funciona; quem, não tendo o hábito de beber, liga o telefone internacional no segundo uísque a fim de conversar com amigo ou amiga; quem coleciona pedras, garrafas e galhos ressequidos; quem passa mais de dez minutos a fazer mágicas para as crianças; quem guarda as cartas do noivado com uma fita; quem sabe construir uma boa fogueira; quem entra em delicado transe diante dos velhos troncos, dos musgos e dos liquens; quem procura decifrar no desenho da madeira o hieróglifo da existência; quem não se acanha de achar o pôr-do-sol uma perfeição; quem se desata em sorriso à visão de uma cascata; quem leva a sério os transatlânticos que passam; quem visita sozinho os lugares onde já foi feliz ou infeliz; quem de repente liberta os pássaros do viveiro; quem sente pena da pessoa amada e não sabe explicar o motivo; quem julga adivinhar o pensamento do cavalo; todos eles são presidiários da ternura e andarão por toda a parte acorrentados, atados aos pequenos amores da armadilha terrestre.

é isso, por fernando stickel [ 10:46 ]

primeiro post funcionou!


Fiquei tão excitado que meu primeiro post funcionou que fui tomar uma cerveja pra comemorar.
Merda! Geladeira vazia, então vou continuar no conhaque mesmo, e pra comer achei uma pizza congelada e vencida, microondas nela!

é isso, por fernando stickel [ 3:57 ]