aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

viagem

lapinha

la
Sandra e eu ganhamos em um sorteio, juntamente com os amigos Vera e Mario, uma semana no Lapinha SPA.

Perto da cidade histórica da Lapa, no Paraná, a Lapinha existe há mais de quarenta anos, é um local de saúde, contemplação, atividade física, desintoxicação, alimentação orgânica, e, se você quiser, serve também para perder uns quilinhos… A natureza deslumbrante, ar puro e temperaturas baixas completam o cenário.

A disciplina é germânica, as caminhadas se iniciam às 6:20h o café da manhã das 8:00 às 9:00, fruta às 15:30 e jantar às 18:00.

Para quem quiser, a sala da televisão funciona das 19:00 até o fim da novela, mas são raras as pessoas que aguentam acordadas até as 22:00h. Dentro do edifício principal e dos quartos há WiFi, simples e eficiente, sem senhas.

Após o café da manhã inúmeras atividades estão disponíveis, massagens, hidroginástica, piscina, sauna, fitness, alongamento, pilates, palestras, visita à horta e a cozinha, aula de culinária, etc…

Ao chegar você passa por uma consulta médica, seu peso e suas medidas corporais são anotados, e na saída o ritual se repete, com o diagnóstico da sua evolução no período, tudo muito bem feito e científico.

é isso, por fernando stickel [ 10:09 ]

lapinha

lapinha
Vamos dar um pulinho ali na Lapinha e já voltamos!

é isso, por fernando stickel [ 6:51 ]

hotel montblanc

montblanc
Consta que o Hotel Montblanc em Campos do Jordão fechou em 2004. Hoje apresenta visivel deterioração, parece um castelo assombrado…
Se bem me lembro, alguns destes mega-hotéis foram construidos na expectativa da liberação do jogo, que veio na esteira dos escandalos dos bingos, e com recursos de origem duvidosa…

é isso, por fernando stickel [ 17:47 ]

o prazer da estrada

estrada
O prazer da estrada, no Rallye Internacional 1000 Milhas Históricas Brasileiras.

é isso, por fernando stickel [ 18:40 ]

1000 milhas históricas brasileiras

carrera 2,7
O grande herói da participação na 3ª edição do rallye internacional 1000 Milhas Históricas Brasileiras, foi o Porsche 911 Carrera 2,7 1975.
Promovido pelo MG Club, o rallye é regulamentado pela Fédération Internationale des Véhicules Anciens – FIVA.
Eu pilotei razoávelmente bem, meu navegador Miguel me auxiliou no mesmo diapasão, e o ponto alto da equipe foi a prova de regularidade na pista Velo Città, onde conquistamos o 4º lugar.
No resultado geral ficamos em 29º lugar, em 49 participantes.
Ao final de 5 dias de provas, de 18/6 a 23/6, percorremos 1883km. O carro comportou-se impecávelmente, seu único problema foi no regulador de voltagem, o que acabou por nos deixar com a bateria fraca e sem motor de arranque no penúltimo dia, algo fácilmente contornável empurrando-se o carro para pegar no tranco.

velocitta

campos do jordão
Este foi o cenário da largada final do rallye hoje cedo em Campos do Jordão.

é isso, por fernando stickel [ 20:14 ]

pitangueiras

morro maluf
No canto da Praia de Pitangueiras no Guarujá, onde se inicia o morro do Maluf, tem uma mureta, ao longo da rua que sobe ao topo do morro.
Durante muitos e muitos anos, dos meus vinte e poucos aos meus vinte e muitos anos, sentei nesta mureta após longas caminhadas, da Ponta dos Astúrias e ao longo de Pitangueiras.
Sentar e olhar o mar, só isso, durante um bom tempo. Boas memórias.

é isso, por fernando stickel [ 18:54 ]

cadillac em lindóia

caddy
Em Águas de Lindóia, no maior evento de carros clássicos do Brasil, o 18º Encontro Paulista de Carros Antigos.
Clique aqui para os resultados da premiação.

lindoia
O evento é lindíssimo, a exposição dos carros clássicos nas margens do lago, sobre o gramado é algo imperdível!

é isso, por fernando stickel [ 19:43 ]

sandra pierzchalski diplomou-se!

sandra foundation school peq
Sandra Pierzchalski recebeu hoje em Oxford, Inglaterra, o diploma do curso “Foundation School” promovido pelo IDIS e CAF.
A conselheira da Fundação Stickel voltará recheada de informações valiosas, tenho certeza, pois o mesmo aconteceu comigo no ano de 2011, quando participei do mesmo curso na cidade de Bertinoro, na itália.

ten
Aulas, pessoas interessantíssimas, livros, apostilas, visitas a instituições, uma montanha de informações valiosas!

é isso, por fernando stickel [ 15:51 ]

sandra no foundation school

said6
Sandra Pierzchalski, conselheira da Fundação Stickel participa do Foundation School em Oxford.

Entre 20 e 24 de maio, a Charities Aid Foundation – CAF Global Alliance, da qual o Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social – IDIS faz parte, promove mais uma edição do Foundation School, que ocorrerá na Universidade de Oxford, Inglaterra. O curso intensivo, criado pelo IDIS e pelas representações da CAF do Reino Unido e da Rússia, é voltado para filantropos experientes ou iniciantes, executivos de fundações e institutos e consultores de famílias doadoras.

Durante cinco dias, os participantes terão a oportunidade de discutir temas fundamentais para o investimento social, como a filantropia estratégica e a profissionalização das instituições, além de visitarem iniciativas sociais da região de Oxford.

Márcia Woods, uma das organizadoras do Foundation School, destaca outra importante fonte de aprendizado para os participantes: eles mesmos. “O formato facilita a troca de experiências, e o curso é muito baseado nas vivências deles”, afirma.

A convivência intensa, além de promover muitas trocas, cria vínculos: “Estabelecer o contato é um dos objetivos, e os participantes saem daqui com uma rede de contatos construída”, comenta Márcia. Ela lembra que esse é um fator fundamental para países emergentes, nos quais a filantropia ainda é nova e os investidores sociais mal se reconhecem como um grupo.

Na sua primeira edição, em 2008, o Foundation School foi realizado simultaneamente no Brasil e na Rússia. A partir de 2009, passou a ser feito num só país. Em 2013, a sede do curso vai ser a Saïd Business School, da Universidade de Oxford. Entre os palestrantes estão Jo Ensor, diretora de filantropia da CAF, Christopher Harris, consultor sênior para o Foundation Center e a Bernard van Leer Foundation, e Jenny Hodgson, diretora do Global Fund for Comunity Foundations.

tchurma
Sandra e os colegas.

é isso, por fernando stickel [ 15:58 ]

museu do automóvel em tiradentes

museu3
No último fim de semana fui a Tiradentes MG a convite do “Lomba Tours” visitar com um grupo de amigos o “Museu do Automóvel da Estrada Real”

Os organizadores do passeio foram o próprio Paulo Lomba e José Rodrigo Otavio, quem nos recebeu com todas as honras no Museu foi seu idealizador, Rodrigo Cerqueira Moura.

é isso, por fernando stickel [ 17:45 ]

erico stickel & bmw

bmw5
Em 1973 meu pai Erico Stickel comprou uma BMW 2002 automática, preta, zero km, idêntica a esta da foto que vi recentemente em uma exposição de carros clássicos no Parque da Luz, centro de São Paulo.
Antes mesmo que eu pudesse experimentar a máquina, meu pai viajou a Campos do Jordão sozinho, à noite (tratava-se da “estrada velha”…). Dormiu no volante, e saiu da estrada, capotando. Corria o mês de Maio de 1973.
Seu salvador, João Amorim de Souza Filho Filho, descreve assim o resgate:

“Me lembro, eu dirigia valentemente, um Ford Corcel Coupe (2 portas), acompanhado de uma namorada para passar o fim de semana em Campos, quando atrás de mim, mais valente na condução vinha uma BMW Coupe, conduzida por um cavalheiro solitário.
 
Após uma boa pressão acabei cedendo passagem, em um trecho sinuoso da estrada entre Monteiro Lobato e Campos, mas contudo tentado acompanha-lo de perto.
 
De repente, simultaneamente observei que o automóvel da minha frente tinha desaparecido, com uma vaga lembrança de ter percebido uma luz forte vinda da mata vizinha, proveniente de um barranco abaixo da estrada.
 
Parei de imediato, fazendo um retorno na estrada, dirigindo no sentido contrario para observar o que tinha acontecido, quanto percebi que se tratava do mesmo veiculo que me tinha ultrapassado, o qual se encontrava com as rodas para cima e com o seu motorista assustado dentro dele.
 
Neste caso era seu pai, o qual socorri, desligando o motor e os faróis, recolhendo os seus pertences pessoais e o ajudando a subir o barranco para então leva-lo a sua residência em Campos.
 
Já no meu carro, ele falava muito pouco e estava muito assustado, e assim chegamos em Campos mais ou menos uma hora depois do ocorrido, deixando-o em casa.”

Por sorte nada mais grave aconteceu com meu pai além do susto e alguns arranhões e contusões.
O carro, bem… deu perda total.
Interessante coincidência é que os pais do João tiveram como padrinhos de casamento, no Rio de janeiro, os meus avós, Lili e Ernesto Diederichsen.
Esta história envolve sorte e cavalheirismo, sem as quais meu pai (falecido em 2004) talvez não vivesse até os 84 anos de idade… Obrigado João!!

é isso, por fernando stickel [ 18:10 ]

amigos em new york

nyc

Quando morei em New York em 1984-1985, fiz amizade com muitas pessoas, algumas já conhecidas do Brasil e muitas outras cuja amizade floresceu por lá e nas viagens que fiz.
Minha vida foi interessantíssima neste período, em grande parte por conta de vocês, obrigado a todos(as):

Helena Hungria
Benjamin Patterson
Bia Cunha
Eliane Gamal
Beatriz Schiller
Claudio Elisabetsky
Susan Goodman
Lorie Peters
Keith Bright
Vera Baldacci
Riaya Abou Ela
Debbie Seaman
Julie Mullin
Amy Mullin
Anna Carolina Destefano
Francine Ramu
David Herman
Helena Bricio
Lisa Colella
Martin Penrose
Viola Penrose
Vera Valle
Elisa Niccolini
Barbara Lippert
Tina Alcantara Machado
Rhonda Friedman
Monica Kowarick
Cristiana George
Lucia Guimarães
Maria Ignez Whitaker

Alguns já não estão mais entre nós…

Jay Chiat
Bob Runyan
Bob Dion

Infelizmente esqueci o nome de muitas outras pessoas. Sobrou apenas a memória visual, obrigado também!

é isso, por fernando stickel [ 19:51 ]

jimmy, pagoda & campos do jordão

pagoda renasce
Fizemos no domingo, no meio do carnaval um passeio “bate-e-volta” a Campos do Jordão, com a Mercedes-Benz 280 SL 1970.

A Pagoda completou durante a viagem 5.000 km desde que seu motor foi totalmente refeito.
O carro está muito bom em todos os aspectos, confiável, seguro, e o objetivo agora é a correção de pequenas imperfeições, como por exemplo ajuste fino na regulagem do motor e no alinhamento da direção.
Somente ao final de todas as correções mecânicas pretendo dar uma repassada geral na pintura, que necessita de pequenos retoques, e nos cromados.

Jimmy Hendrix se adaptou muito bem ao carro, e ficou muito atento ao reabastecimento no posto de gasolina.

é isso, por fernando stickel [ 9:02 ]

benjamin patterson


Em Setembro de 1984 cheguei a New York para lá ficar durante um ano, e fui hóspede por dois meses na casa da minha amiga Helena Hungria, na época casada com o Fluxus-artist Benjamin Patterson.
O apartamento deles era em Washington Heights, perto da George Washington Bridge, West 165 Street.

(não sei se fui um bom hóspede, mas eles foram excelentes anfitriões…)

Para chegar ao MoMA, na 53 Steeet, por exemplo, eu demorava cerca de uma hora no subway.
Benjie, como a Helena carinhosamente o chamava, cozinhava muitas vezes para nós, e eu o supria dos “brazilian cigars” Alonso Menendez, made in Bahia, que nós degustávamos após o jantar.


Encontrei na internet esta foto recente do Ben, em uma exposição no Nassauischer Kunstverein Wiesbaden.

é isso, por fernando stickel [ 9:35 ]

loft – west 18 st. nyc

18
11 West 18 St. # 5W – New York NY 10011

Morei neste endereço durante os últimos 9 meses da minha estadia “sabática” em New York, de Setembro 1984 a Dezembro 1985.
No quinto andar sem elevador era um verdadeiro “loft”, com aprox. 7m x 20m, cerca de 140 m2 de área livre.
As únicas paredes sólidas de alvenaria eram de um banheiro bem equipado, recém construido.Todas as outras divisões eram leves, tabiques de madeira ou mesmo cortinas.
Havia um quarto grande nos fundos, banheiro que incorporava minúscula área de serviço com lavadora de roupas, cozinha aberta para a sala, duas áreas trancadas onde Bob, o proprietário do imóvel deixou todas as suas coisas pessoais, e o meu quarto menor, na frente.
Utilizei a grande área livre como estúdio, pintei, desenhei, lá também esticávamos varais para secar as roupas, e demos festas memoráveis!
Dividi este loft com uma amiga, Eliane Gamal, na época correspondente do jornal Estado de São Paulo, nos demos super bem, nunca brigamos e ninguém acreditou que tinhamos sido apenas “roomates”.
Naquela época o aluguel era de U$900/mês, dividido por dois dava U$450 para cada um, super razoável considerando a localização excelente. Hoje acho que não sairia por menos de U$5.000/mês.

O Bob era diretor de teatro, e alugou o loft enquanto sua companhia fazia um “tour” através do país. Eu tinha a responsabilidade de, além de pagar o aluguel, encaminhar sua correspondência. Bob me deixou uma lista de endereços e as correspondentes datas, assim como uma balança, uma pasta cheia de selos e uma tabela do correio para calcular as tarifas. Civilizado, né?

Minha foto na porta do prédio foi a Sandra que tirou em 1 Março 2006.

18w
Vista da sala e da cozinha.


A fachada do prédio, via Google Maps. A entrada está escondida atrás da árvore.

é isso, por fernando stickel [ 16:41 ]

inhotim

inhotim
Inhotim, simplesmente imperdível!

é isso, por fernando stickel [ 12:48 ]

inhotim

Vamos dar um pulinho ali no Inhotim, té já!

é isso, por fernando stickel [ 7:32 ]

passeio de pagodas

Passeio de Pagodas no sábado pela Estrada dos Romeiros…

é isso, por fernando stickel [ 15:44 ]