aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

viagem

amigos em new york


Quando morei em New York em 1984-1985, fiz amizade com muitas pessoas, algumas já conhecidas do Brasil e muitas outras cuja amizade floresceu por lá e nas viagens que fiz.
Minha vida foi interessantíssima neste período, em grande parte por conta destas amizades, obrigado a todos(as):

Helena Hungria
Benjamin Patterson
Bia Cunha
Eliane Gamal
Beatriz Schiller
Claudio Elisabetsky
Susan Goodman
Santuza Andrade
Lorie Peters
Riaya Abou Ela
Debbie Seaman
Julie Mullin
Amy Mullin
Anna Carolina Destefano
Francine Ramu
David Herman
Helena Bricio
Lisa Colella
Martin Penrose
Viola Penrose
Vera Valle
Barbara Lippert
Tina Alcantara Machado
Rhonda Friedman
Monica Kowarick
Cristiana George
Lucia Guimarães
Maria Ignez Whitaker

Alguns já não estão mais entre nós…

Elisa Niccolini, falecida em 2018
Jay Chiat (1931-2002)
Keith Bright (1932-2018)
Robert Miles (Bob) Runyan (1925-2001)
Bob Dion
Vera Baldacci (1958-2016)

Infelizmente esqueci o nome de muitas outras pessoas. Sobrou apenas a memória visual, obrigado também!


Os amigos brasileiros em New York no apartamento da Santuza, se bem me lembro na East 57 Street.
Elisa Niccolini, falecida precocemente em 2019 foi minha “banqueira”no First Womens Bank, eu, Santuza Andrade e Wesley Duke Lee (1931-2010), sentada no chão Tina Alcantara Machado.

é isso, por fernando stickel [ 18:10 ]

brasília


Em 1967, com a carteira de motorista recém obtida, Alice Kalil, minha namorada, eu e um casal de amigos, a Isa e o Paulo, viajamos para Brasília, DF, no Opel Commodore A coupe prata, com capota de curvin preta que meu pai me emprestou.
Foi a primeira vez que dormi com a Alice num quarto de hotel, só nós dois. O por-do-sol que entrava direto pela janela, era a coisa mais potente e incrível de que me lembro.
Achei Brasília o máximo.

é isso, por fernando stickel [ 10:40 ]

cenote dos ojos


Cenote Dos Ojos localizado ao norte de Tulum é um dos locais mágicos que conhecemos no México, não existe água mais limpa em todo o universo!

Toda a Península de Yucatán tem um solo vulcânico permeável, o que criou um sistema de cavernas inundadas subterrâneas.

A água da chuva é filtrada por esta camada rochosa, daí sua pureza. Mergulhando pode-se enxergar centenas de metros, é fascinante!

é isso, por fernando stickel [ 16:46 ]

hotel esencia


Hotel Esencia em Tulum, Mexico. Coisa linda!!!!


Design gráfico sofisticadíssimo!


Arquitetura e design de interiores impecáveis! Em todos os ambientes!

é isso, por fernando stickel [ 19:06 ]

projeto no arrozal


No início dos anos 70 eu estudava na FAUUSP, e meu primo Luiz Diederichsen Villares conversou comigo para fazer o projeto de uma casa na Praia do Arrozal em Ilhabela, SP

Propus para o arquiteto Marcos Acayaba, formado 4 anos na nossa frente, a execução do projeto em conjunto, que foi feito no escritório dele e concluido em 1973, ano em que me formei. A construção se deu em 1974 e 75.

A casa ficou muito bonita e funcional, com o corpo dos quartos separado do corpo social por um amplo terraço coberto. Utilizamos vigas enormes de madeira composta. Foi meu primeiro projeto construído!


Minha mãe Martha na obra.

é isso, por fernando stickel [ 23:34 ]

ruinas de tulum


Um dos locais mais lindos que visitamos no Mexico, as ruinas mayas na zona arqueológica de Tulum, na Península do Yucatan.


O mar do Caribe.


As ruinas se espalham por uma área muito grande, era uma cidade muito poderosa.

é isso, por fernando stickel [ 9:02 ]

art-deco no palácio


No interior do Palacio De Bellas Artes, no centro da Cidade do Mexico, finalizado em 1934, maravilhosa arquitetura Art-Deco!

é isso, por fernando stickel [ 9:06 ]

encrencado aos 13 anos


A minha educação sexual foi praticamente inexistente, meu pai jogou na minha mão aos 13 anos de idade um calhamaço chamado “A nossa vida sexual” de um tal Dr. Fritz Kahn. A parte interessante do livro é que ele trazia algumas “gravuras” dos órgãos sexuais masculino (que eu já conhecia) e do feminino, o grande desconhecido!


A educação sexual informal da minha geração todos conhecem, os amigos e os catecismos do Carlos Zéfiro!


Encrencado como qualquer adolescente, coberto de eczemas, e já com pelos crescendo nas palmas das minhas mãos, meus pais acharam por bem que eu deveria ter ajuda profissional, e com 14 ou 15 anos de idade meu pai me levou ao Rio de Janeiro, para ser atendido pelo papa da psicologia, um tal de Mira Y Lopez.

No consultório da sumidade, um escuro apartamento em Copacabana, após as formalidades iniciais meu pai se afastou, o doutor fechou as portas com vitrais de seu estudio e eu fiquei frente a frente com o monstro.
Lembro que ele perguntava insistentemente quem eram os meus ídolos, e eu dizia que não os tinha, mas ele teimava:
– Mas você não gosta de futebol?
Eu dizia NÃO, e ele insistia:
– Mas você não gostaria de ter um autógrafo do seu jogador de futebol preferido?
– Eu pacientemente explicava ao doutor que não tinha o menor interesse por futebol.
Ou seja, a consulta foi um fiasco total.


O lucro da visita ao doutor são as deliciosas lembranças que ficaram daqueles dois ou três dias no Rio de Janeiro, sozinho com meu pai, a viagem de avião, o Aeroporto Santos Dumont, a hospedagem no Hotel Miramar, no Posto 6, os almoços em restaurantes à beira da praia, do vento e o cheiro do mar.

é isso, por fernando stickel [ 9:05 ]

biblioteca unam


Juan O’Gorman (1905-1982) pintor e arquiteto mexicano, realizou em 1950 os murais que cobrem o edifício da biblioteca central da Universidad Nacional Autónoma de México-UNAM, na Cidade Universitária da Cidade do Mexico.

é isso, por fernando stickel [ 9:38 ]

leon trotsky


Jardim interno da casa de Leon Trotsky que vivia nababescamente na Cidade do México. Sua casa ocupava um quarteirão inteiro, cercada por um exército de seguranças em guaritas.
Longe da União Soviética, palco das maiores atrocidades, Trotsky e sua eterna amante Frida Kahlo e Diego Rivera viviam a glamourização do comunismo.

é isso, por fernando stickel [ 9:09 ]

o’gorman


O projeto de Juan O’Gorman para sua própria casa, vizinha das casas-estúdio de Diego Rivera e Frida Kahlo.

é isso, por fernando stickel [ 9:09 ]

o’gorman, frida kahlo, diego rivera


Casa-Estudio de Frida Kahlo e Diego Rivera na Cidade do Mexico, projeto de Juan O’Gorman, anos 30.


Sandra e eu no terraço da casa-estúdio de Diego Rivera.

é isso, por fernando stickel [ 9:23 ]

chablé yucatan


Em nossa viagem ao Mexico estivemos em um hotel maravilhoso e premiado a meia hora de Merida, o Chablé Yucatan Instalado em uma antiga fazenda restaurada, é um primor de arquitetura, paisagismo, serviços.

Ocorre que dentro da enorme área do hotel existe ainda o restaurante mais lindo do mundo, o Ixi’im, premiado em 2018 pelo Prix Versailles 2018 – The world Architecture and Design Award, arquitetos Central de Proyectos SCP e Paulina Morán.

Tivemos o privilégio de jantar lá em uma noite de lua cheia, e, de fato, o restaurante é maravilhoso! Instalado em uma antiga casa de máquinas, usa como elemento central a coleção de 3.500 garrafas de tequila, apresentadas em sofisticadas estantes iluminadas.

é isso, por fernando stickel [ 9:09 ]

ek’ balam


Nosso primeiro contato com as ruínas no Mexico foi em Ek Balam, na peninsula do Yucatan, centro do império Maya entre os anos 700 e 900.
As cabaninhas de sapé são apenas para proteger áreas mais sensiveis das ruinas


Os mayas tinham pedras e água à vontade… Todo o subsolo da península do Yucatan é formado por lagos de água doce.


Esta é a única piramide onde ainda se pode subir, todas as outras já estão protegidas do público.


A beleza destas construções gigantescas no meio da floresta tropical é indescritível!


Sandra e nosso guia Jorge.

é isso, por fernando stickel [ 9:14 ]

muralistas no palacio


No Palacio De Bellas Artes, no centro da Cidade do Mexico, fica este mural gigantesco de 4,46 x 11,46m de autoria do muralista José Clemente Orozco (1883-1949) intitulado “Katharsis o La eterna lucha de la Humanidad por un mundo mejor”


O último imperador asteca Cuauhtémoc sendo torturado pelo conquistador Hernán Cortés para dizer onde escondia o ouro. Painel de David Alfaro Siqueiros (1896-1974) de 1950-1951.


Diego Rivera (1886-1957) “El hombre en el cruce de caminos o El hombre controlador del universo” 1934 Afresco sobre bastidor metálico transportável, 4,85 x 11,45m


Sandra no imenso e luxuoso hall de entrada em maravilhoso estilo Art-Deco do Palacio de Bellas Artes.
Na sobre-loja se vê o painel de Rufino Tamayo (1899-1991) intitulado “Mexico de hoy” de 1953, 5,10 x 11,28m

é isso, por fernando stickel [ 19:06 ]

torres de satelite de barragán


A primeira coisa que precisa ser dita sobre as Torres de Satélite, localizadas na parte norte da Cidade do México é que são muito lindas e poderosas, apenas estando ali, ao seu pé, é possível avaliar seu enorme tamanho, presença e personalidade.

Uma das primeiras esculturas urbanas do país de grandes dimensões, teve seu planejamento iniciado em 1957 quando o arquiteto Luis Barragán (1902-1988) foi convidado pela empresa que desenvolveu o loteamento Cidade Satélite para projetar o símbolo da urbanização. Ele por sua vez convidou o escultor Mathías Goeritz e o pintor Chucho Reyes Ferreira para colaborar no desenvolvimento do projeto.

O projeto foi originalmente planejado para sete torres, com a mais alta atingindo uma altura de 200 metros, mas uma redução no orçamento obrigou o projeto a ser reduzido para cinco torres, com a mais alta medindo 52 metros de altura, e as mais baixas 30 metros.

Goeritz originalmente queria que as torres fossem pintadas em diferentes tons de laranja, mas mudou de idéia mais tarde devido à pressão de construtores e investidores. Finalmente, decidiu-se que as torres seriam pintadas em vermelho, azul e amarelo, as cores primárias subtrativas, com a adição de branco.

Assim, nos primeiros dias de março de 1958, as Torres Satélite foram inauguradas como símbolo do recém-nascido e moderno Ciudad Satélite.


Interessante que as torres não tem cobertura, são simples cascas de concreto abertas em cima…


Não tive coragem de subir nesta escada…


À tarde, a visão das Torres com a bruma/poluição não é a melhor… Esta também é a visão “de trás”, o melhor impacto se obtém vindo pelo outro sentido.

é isso, por fernando stickel [ 10:50 ]

barragán e a luz


Na Casa Luis Barragan na Cidade do Mexico, preservada como um museu, o arquiteto Luis Barragán (1902-1988) viveu de 1948 até sua morte. Lá o arquiteto adotou uma característica interessantíssima nos interiores, a ausência de luminárias nos tetos. Ele utiliza apenas abajures e luminárias presas a pequenos toquinhos de madeira, chumbados em locais estratégicos.
Na foto o escritório de Barragán com uma tela de Josef Albers (1888 – 1976), seu contemporâneo.


O toquinho de madeira chumbado na parede.


Em primeiro plano escultura de Henry Moore, que Barragan recebeu como parte do The Pritzker Architecture Prize, com o qual foi laureado em 1980, e a tela de Josef Albers da série “Homage au Carré” dos anos 60.


Em seu escritório, ao lado de sua poltrona de leitura temos também a luminária presa na própria estante. Barragan mantinha reproduções de obras do seu interesse, como o nu de Edward Weston, uma pintura de Modigliani e um vaso grego.


Quarto de dormir de Barragan. Nosso guia Alberto Guzmán, também arquiteto, o conheceu e esteve próximo em seus últimos dias, relatando um homem extremamente católico e muito solitário. Em cima da cama o toquinho de madeira suporta a luminária.

é isso, por fernando stickel [ 18:44 ]

arquivos frida kahlo


Arquivos de Frida Kahlo em sua casa-estudio que se transformou em um museu.
Frida, seu marido Diego Rivera e seu amante Leon Trotsky eram todos comunistas de carteirinha, o engraçado neste contexto é o tamanho do cifrão na pasta 18 da artista comunista…
Todos eles viviam muito bem, em casas e estudios muito grandes, com jardins, etc…


Jardim interno da casa-estúdio de Frida Kahlo na Cidade do Mexico.

Guillermo Kahlo, Frida Kahlo, c.1926. Silver gelatin print, 6 ¾ x 4 ¾ in. (17.2 x 12.2 cm). Frida Kahlo & Diego Rivera Archives. Bank of Mexico, Fiduciary in the Diego Rivera and Frida Kahlo Museum Trust


Items from the Museo Frida Kahlo. Photograph by Javier Hinojosa. Diego Rivera and Frida Kahlo Archives, Banco de México, Fiduciary of the Trust of the Diego Rivera and Frida Kahlo Museums. Museo Frida Kahlo.

é isso, por fernando stickel [ 16:56 ]