aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

máquinas

carros

carros1.jpg
Aprendi a dirigir aos 13 ou 14 anos, com o meu pai em uma Rural Wyllis em Campos do Jordão e com a minha mãe em um Opel Rekord 1960 na praia do Guarujá.
Meu avô Arthur Stickel também deixava eu guiar seu Dodge na Praia do Guarujá e um dia, tão excitado com a aventura atolei o carro no areião…
Nesta fase adolescente meu pai permitia que eu guiasse em Campos do Jordão nas férias de Julho, dentro dos limites da fazenda da família, o que significava intermináveis idas e vindas em uma pequena estrada de terra de cerca de 2 km.
Eu dirigia tudo o que me caisse nas mãos, principalmente uma camionete Ford 1951 cinza, caindo aos pedaços, um trator vermelho Case dos anos 40, de rodinhas juntas na frente, e o carro da minha avó Lili, um Ford Tudor V8 1955 branco.
À noite, eu e meu primo Bernardo sempre encontrávamos um jeito de roubar os carros, e aí saíamos para fora da fazenda, eu guiando o Tudor e ele no Plymouth Belvedere 1959 do pai dele. Eram corridas entre Abernéssia e Capivari, sempre em alta velocidade, a mais de 100km/h. As avenidas eram desertas e geladas e eu lembro das luzes dos postes passando rápidamente contra o céu estrelado.
Só não aconteceu um acidente nestas saídas noturnas porque a divina providência houve por bem nos poupar.

é isso, por fernando stickel [ 9:18 ]

porsche e mercedes

of.jpg
Os brinquedos agora fazem companhia um ao outro na oficina do Gigante.
O Porsche 911 Carrera 1975 aguarda grandes transformações, pintura de toda a parte inferior, caixas de roda e habitáculo do motor, enquanto motor, câmbio, suspensão e freios são reformados.
A Mercedes-Benz 280SL 1970 “Pagoda” passa por revisão de rotina, regulagem de válvulas, ignição, limpeza do tanque de gasolina, filtros, bicos de injeção, etc…

é isso, por fernando stickel [ 10:54 ]

porsche 911 carrera

rabo.jpg
Continuam os trabalhos de restauro no Porsche 911 Carrera 1975. Desmontaram-se todos os “baixeiros”, suspensão, freios, barras de torção, e retiramos a asa da versão turbo.
Gosto mais da tampa traseira lisa, sem asa.

é isso, por fernando stickel [ 10:03 ]

mercedes-benz

merc1.jpg
Ontem já noitinha peguei o meu presente, Mercedes-Benz 280SL 1970 “Pagoda”, enchi o tanque e o meu sexto sentido me dirigiu imediatamente para o meu mecânico.
Lá chegando examinamos o carro, verificamos as excelentes condições, etc…
Na hora de sair, a marcha-ré não engatou de jeito nenhum. Levanta o carro, examina, bucha gasta, ou seja, a alegria durou pouco.
Também, quem manda se dar de presente um carro velho…

é isso, por fernando stickel [ 12:06 ]

câmbio

cambio.jpg
O “strip-tease” chegou à caixa de câmbio e diferencial do Porsche 911 Carrera 1975. Por aqui tudo ótimo, a não ser o previsível desgaste dos anéis de sincronização.
Ufa!

é isso, por fernando stickel [ 8:46 ]

pagoda

merc.jpg
Criança não pode ficar sem brinquedo, né memo?
Então, como o meu brinquedo quebrou e vai demorar para consertar, resolvi antecipar o meu presente de sessenta anos (completo no próximo 6 de Outubro) e me presenteei com um novo brinquedo:
Mercedes Benz 280SL 1970 “Pagoda”

é isso, por fernando stickel [ 22:38 ]

virabrequim partido


Voltando do Rallye São João promovido pelo MG Club, partiu-se o virabrequim ao meio. E o motor seis cilindros opostos, 2,7 litros do Porsche 911 Carrera 1975 continuou a funcionar! Veja o relato aqui.
Consegui chegar em casa e levar o carro à oficina no dia seguinte!
Inacreditável!

é isso, por fernando stickel [ 7:41 ]

“strip-tease”

abriu.jpg
Começou o “strip-tease” do Porsche 911 Carrera 1975, vai tirando aqui, desmontando ali, abrindo, separando, revelando. Como sou curioso de carteirinha vou acompanhar e registrar tudo. No final faço um album.

é isso, por fernando stickel [ 8:08 ]

cadillac lasalle

cadillac.jpg
Cadillac LaSalle, no Rallye São João do MG Club.

é isso, por fernando stickel [ 13:16 ]

viagem de volta

porsche.jpg

Após o término do Rallye São João do MG Club, Sandra Pierzchalski, minha patroa e navegadora e eu saímos de Angra dos Reis no domingo 22 Junho às 8:30h.
Nossos amigos Mario e Luli sairam na minha frente com o Jaguar XK8 e eu seguindo-os no Porsche 911 Carrera 1975.
Média agradável de velocidade, 100/110km/h, as mulheres gostam, não reclamam. Estrada excelente, passamos por Parati, em seguida a subida da serra por São Luis do Paraitinga (asfalto ruim), trecho do planalto até a Via Dutra recém recapeado, excelente.
Na Carvalho Pinto e Ayrton Senna Mario acelerou e eu acompanhei, brincamos bastante utilizando o poderio das máquinas…
Quase chegando a São Paulo o barulho do Porsche mudou súbitamente, parecia algo raspando, diminui a marcha, procurei identificar o barulho diferente, pensei ser algo no câmbio ou diferencial. Com calma chegamos em casa, sem problemas.
Hoje cedo levei para a oficina, vamos abrir motor e câmbio, algo que estava programado para acontecer mais pra frente.

é isso, por fernando stickel [ 19:30 ]

meninos de talento

cesvi.jpg
Visitei ontem a CESVI BRASIL – Centro de Experimentação e Segurança Viária, em busca de possível parceira para o Programa Meninos de Talento que a Fundação Stickel está criando, com o apoio do MG Club.
Este projeto surgiu no MG Club, em uma conversa com o meu amigo e amante dos carros antigos Luis Cezar, e destina-se a capacitar jovens carentes no ofício de restauro de automóveis antigos.
O interesse por carros clássicos e históricos só aumenta, segundo a Federação Brasileira de Veículos Antigos, são importados atualmente cerca de 25 carros com mais de 30 anos por mês.
Existe portanto um enorme potencial neste mercado, com carência de mão de obra especializada, em todas as áreas, mecânica, funilaria, pintura, eletricidade, tapeçaria, etc…
A CESVI é uma empresa interessantíssima, de primeiro mundo e utilizando tecnologia de ponta. Fomos recebidos pelo seu diretor Eduardo Santos, a conversa foi ótima, em seguida ele visitará o nosso projeto Mulheres de Talento, que já completou dez meses de funcionamento e vai de vento em popa.

é isso, por fernando stickel [ 10:26 ]

effa motors

effa.jpg
“Made in China”

O mercado verá em breve este carro da EFFA Motors sendo vendido aqui por R$17.000, ou cerca de U$10.000.
Se o trânsito na cidade de São Paulo já está um terror hoje, imagine com estes chinesinhos entrando como vai ficar.

é isso, por fernando stickel [ 19:53 ]

motos

Na minha adolescência eu era absoluta e totalmente tarado por máquinas e velocidade.
No início era a bicicleta e os carrinhos de rolemã, andava quase sempre com o meu já falecido amigo Klaus Foditsch, depois guiar motos e carros, o que houvesse motor para acelerar e correr.
Aos dezesseis, de tanto insistir e encher os meus pais, acabei ganhando uma Leonette: (duas marchas, na mão)

leonette_001.jpg

e aos dezessete, uma Mondial, (quatro marchas, no pé) ambas de 50cc.

mondialino2.jpg

No início de 1967 tirei a carteira de motorista e meu pai me obrigou a vender a Mondial. Ele não sabia que eu havia comprado escondido, junto com o Klaus, uma motocicleta Royal Enfield 350 Bullet 1955.

royal.jpg

O Klaus e eu desmontamos a Royal Enfield inteirinha, queríamos deixá-la “zero km”, mandei cromar o tanque de gasolina e a reforma ficou por aí…
Anos depois vendi-a aos pedaços, mas estava prestes a comprar, em 1971 uma BMW R60 1969, a última das clássicas.

bmw.jpg

é isso, por fernando stickel [ 9:20 ]

mobileme

picture-2.jpg
Sim, eu preciso do novo iPhone 3G e do suporte Apple MobileMe.

é isso, por fernando stickel [ 21:40 ]

dodge fluid drive

dodge.jpg
Meu avô Arthur Stickel em frente ao barracão do seu barco na Praia do Guarujá, no canto da Ponta dos Astúrias.
O Dodge 1946 que aparece na foto eu herdei quando meu avô faleceu em 1967, e usava para ir à escola. Meus colegas tiravam o maior sarro dizendo que era um taxi…
Na verdade naquela época ainda existiam muitos carros americanos na praça, e o Dodge preto, 4 portas, imenso era excelente. Eu adorava o carro, tinha um sistema de câmbio semi-automático chamado “Fluid Drive”. Para namorar era perfeito, os enormes bancos inteiriços podiam fazer o papel de cama…. Viajei muito com ele para o Guarujá, na estrada era uma banheira deliciosa, chegava aos 160km/h!

é isso, por fernando stickel [ 12:05 ]

fascinante!!!!

mars.jpg
Fascinante!!!

é isso, por fernando stickel [ 21:10 ]

engesa, o início

rural73felix5.jpg
Eu aprendi a dirigir com 13 ou 14 anos de idade em uma Rural Willys com cambio “seco”, primeira marcha não sincronizada.
Meu pai me ensinou e deixava guiar dentro do sítio em Campos do Jordão, jamais nas estradas públicas.
Um belo dia em São Paulo, por volta de 1964 ele me levou a conhecer um outro tipo de Rural. Era uma 4×4 modificada, com motor Ford V8 que um amigo do meu primo Paulo Villares havia feito em sua garagem.
Chegamos em Interlagos e fomos andar na Rural, pilotada por seu criador, o Engº José Luiz Whitaker Ribeiro. A danada subia barrancos como um cabrito, adorei a experiência!
Em seguida o José Luiz fez uma pick-up Ford V8 com a transmissão 4×4 da Rural, e a partir destas experiências, pura “curtição” de aficcionado por mecânica, surgiu a Engesa.

é isso, por fernando stickel [ 8:57 ]

oficina de design

Em 1988 Anisio Campos e eu promovemos no meu estúdio na R. Ribeirão Claro, Vila Olímpia, a
1ª Oficina de Design de Automóvel.
Durante um ano Anisio e eu nos reunimos periódicamente, estruturando o curso e batalhando patrocínios, finalmente selecionamos 14 rapazes, que aprenderam em seis semanas, desde a história do design automobilístico até fazer a maquete (mock-up) dos projetos de final de curso.
Passamos pelas técnicas construtivas, dimensionamento, ergonomia, motores, aerodinâmica, desenho de observação, arte, etc… Obtivemos apoio da Pirelli e FIESP.
O resultado foi excelente, refizemos o curso em Brasília em 1990 e em Fortaleza, Ceará em 1992.

of1.jpg

of2.jpg
Da esq. para a direita, Anisio, eu e Tito Nakao, agachado, André Cintra.

of3.jpg
Festa de encerramento do curso.

é isso, por fernando stickel [ 12:23 ]