aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Posts tagueados ‘vila olímpia’

vila olímpia se transforma

vl1
A Vila Olímpia continua a se modificar em ritmo frenético.
A Fundação Stickel está localizada na R. Nova Cidade, na sobreloja em cima da farmácia. Somos vizinhos deste novo edifício comercial em construção.
Em 2003 no terreno onde sobe este prédio havia um sobrado com lojas ao nível da rua, auto-escola, borracheiro, mini-mercado, papelaria, tudo pequeno, servindo aos moradores do bairro.

vl5
Na esquina da R. Quatá havia um daqueles enormes bares.

vl2
Com a verticalização os personagens curiosos vão sumindo, como o borracheiro que vivia com um charuto na boca, e jogava dominó à tarde na borracharia.

vl3
A fase dos bares point de encontro de motociclistas e danceterias que infernizou o bairro no início do Séc XXI também já ficou para trás… Agora os reis do pedaço são os restaurantes a quilo, atendendo no almoço a centenas de estudantes do Insper e Anhembi-Morumbi.

vl4
Este galpão era meu vizinho de muro, abrigava uma produtora de filmes publicitários. Coisas estranhas entravam e saiam de lá… A produtora saiu, uma discoteca infernal se instalou, e o mercado imobiliário ocupou… a memória da cidade se acabou…

vl6
O Google Maps traz uma imagem da R. Nova Cidade com o sobradão ainda de pé, mas já com algumas lojas fechadas atrás do tapume azul.

é isso, por fernando stickel [ 17:56 ]

nova vila olímpia

vila olimpia
Talvez uma nova maneira de fotografar a Vila Olímpia…

é isso, por fernando stickel [ 17:35 ]

consulta com iatã cannabrava

iatas

Estive ontem no Madalena Centro de Estudos da Imagem, cujo folheto informativo esclarece:

“Uma experiência educativa através do pensar, vivenciar e olhar imagens. Um espaço para a formação e reflexão sobre o campo da fotografia, a discussão e desenvolvimento de ideias.”

Me encontrei com o fotógrafo Iatã Cannabrava para uma “leitura de portfolio”. É a segunda vez na minha carreira de artista plástico/fotógrafo que submeto meu trabalho à opinião de um expert. A primeira vez se deu quando eu morava em New York e conheci a curadora Alanna Heiss, mas esta história contarei em outra oportunidade.

A fotografia evoluiu muito e eu andava sem contato com a comunidade da fotografia, trabalhando sozinho, e acabei sentindo necessidade de uma atualização.

Levei para a entrevista as fotos originais do meu livro “Vila Olímpia”, o próprio livro e vários arquivos em pen-drive, inclusive as imagens da exposição “Fare Mondi”. A conversa foi ótima e acabou se estendendo, os assuntos se sucederam, pareciam não ter fim, minha sede de sabedoria só ficou maior…

é isso, por fernando stickel [ 9:07 ]

miséria

miseria
A miséria humana e os malditos fios da Eletropaulo… na R. Nova Cidade, Vila Olímpia.

é isso, por fernando stickel [ 14:29 ]

arte na vila olímpia

verde2
Na Vila Olímpia.

é isso, por fernando stickel [ 8:57 ]

os otários pagam

acidente
Recentemente um acidente ocorreu na Praça Doutor Júlio Conceição Neves, na esquina da Av. Helio Pellegrino com Av. Faria Lima, onde também tem início a R. Nova Cidade, na Vila Olímpia.

Não foi o primeiro acidente nesta esquina e certamente não será o último. Se os imbecis quiserem se matar bêbados nas madrugadas, não tenho nada contra, contanto que não destruam vidas além das próprias nem patrimônio alheio.

julio
Ocorre que a Prefeitura de São Paulo evidentemente não tem muito interesse em manter a pequena praça livre de sujeira, entulho e o poste quebrado pelo motorista maluco.
Evidentemente este mesmo motorista não será convidado a ressarcir os cofres públicos pelo prejuízo causado à cidade, que, como sempre, será pago por todos nós, os otários contribuintes da enorme carga de impostos municipais, estaduais e federais.

E assim o pobre país tropical, representado por uma pequena praça na cidade mais rica da América do Sul vai tropeçando em suas mazelas, sem força para sobrepujar séculos de descaso pela coisa pública. E os munícipes vão tropeçando na sujeira e no entulho, sonhando com o dia em que o motorista bêbado volte ao local do acidente com carrinho de mão, pá, vassoura e faça ele mesmo o conserto do estrago.

é isso, por fernando stickel [ 13:39 ]

vila olímpia

quatá
Até pouco tempo atrás esta loja fechada na R. Quatá, quase esquina com R. Nova Cidade, na Vila Olímpia, era uma oficina de usinagem, com torno, fresa, etc… Eu passava em frente e dava uma espiada nas máquinas, às vezes batia um papinho com o proprietário.
Pouco a pouco todos os estabelecimentos deste tipo estão sumindo do bairro, aparecem no lugar restaurantes a quilo, e outros, ou então os imóveis são vendidos em bloco para a especulação imobiliária.
O bairro muda muito, muito rápido.

é isso, por fernando stickel [ 13:14 ]

brasileiro odeia árvore

ar
Mais um capítulo da tragédia “BRASILEIRO ODEIA ÁRVORE”

A notícia é de ontem no Estadão: Prefeitura autoriza corte recorde de árvores para construção de condomínio de luxo.

1787 árvores irão para o lixo no Panamby (há promessas da construtora Bueno Netto de replantio, etc…)

É uma notícia grave em uma cidade sem verde como São Paulo. É notícia atual, mas não é novidade. A minha experiência de quase trinta anos circulando pelo bairro da Vila Olímpia mostra que o principal responsável pela destruição de árvores na cidade é a própria Prefeitura de São Paulo. Talvez em segundo lugar venham os motoristas…

Aqui no blog já tratei do assunto várias vezes, veja na série que intitulei “Brasileiro odeia árvore”
A cidade é vítima do corte indiscriminado, e eu como cidadão também sou vítima. Vejam só:

nova-cidade11
Até Outubro 2007 a R. Nova Cidade na Vila Olímpia contava com duas magníficas árvores no quarteirão entre a R. Quatá e a R. Casa do Ator, saudáveis e frondosas. Uma delas foi estúpidamente assassinada, pelo motivo mais fútil que se possa imaginar. A história do assassinato está aqui.

ar1

nova

No último dia 26 Abril a R. Nova Cidade se apresentava assim, com uma única árvore no quarteirão, imagem obtida no Google.

ar21
No mesmo dia, mais uma vez um caminhão da Prefeitura de São Paulo e sua equipe se dedicaram a podar a árvore, na minha ingenuidade achei que era apenas uma poda meio radical…
Qual nada, tratava-se apenas de mais um ASSASSINATO.
A Prefeitura aproveitou o feriado de 1 Maio e laboriosamente eliminou a árvore rente à calçada, como que a dizer aos cidadãos anestesiados: “Aqui nunca houve uma árvore saudável e frondosa.”
Pra disfarçar, plantaram uma árvorezinha miúda, com assinatura e tudo, eis o nome do criminoso: Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente, com a palavra o Secretário Ricardo Teixeira.

ar4

ar5
Pronto, Secretário!!! Parabéns!!!!!
Mais uma rua árida, menos uma casa para os passarinhos, menos uma sombra para os pobres paulistanos, mais alguns graus na temperatura e na poluição da cidade, mas em compensação a academia de jiu-jitsu ganhou mais uma vaga de estacionamento…

é isso, por fernando stickel [ 18:12 ]

jimmy hendrix & ruella

jimmy-ruella
Almoço de domingo em Paris, ou quase…
O restaurante Ruella da Vila Olímpia tem mesinhas o ar livre deliciosas! Pet friendly!
O Jimmy adora almoçar fora com Papai e Mamãe, até parece que quem tomou vinho foi ele!

é isso, por fernando stickel [ 15:19 ]

fare mondi

moemas-rothko

Em 20 Maio 2006 inaugurei na Pinacoteca do Estado de São Paulo exposição de fotos “Vila Olímpia”.
Diógenes Moura, curador de fotografia, e a equipe da Pinacoteca trabalharam impecávelmente na preparação e montagem, até convite impresso foi enviado pelo correio. A exposição foi um sucesso, assim como o lançamento simultâneo do livro “Vila Olímpia” editado pela Terceiro Nome.

Era uma época pré-Facebook.

Hoje muitas instituições abandonam os convites impressos em favor dos virtuais, consequência lógica do crescimento da web, sistema prático, simples e barato, que acaba por eliminar, porém, o “prazer analógico” de manusear uma peça gráfica de qualidade.

Em plena explosão das redes sociais, realizarei nova exposição das minhas fotos, trata-se da série inédita “Fare Mondi”. A vernissage será no dia 4 Junho próximo no Club Transatlântico. Não haverá convite impresso, e farei óbviamente uso de todos os meios eletrônicos disponíveis na divulgação da exposição. Já criei evento “Fare Mondi” no Facebook.

Pretendo reformar este blog e o meu site, e também criar uma conta no Twitter.

é isso, por fernando stickel [ 9:16 ]

caos…

caos2
Não adianta fugir do caos visual em São Paulo. Para onde se olha, qualquer lugar, é o caos… e o caos pode ser interessante!

LuizZerbini_MAM_3
Pelo jeito a “estética do caos” está presente também nesta pintura de Luiz Zerbini, que abre exposição hoje no MAM Rio de Janeiro.

é isso, por fernando stickel [ 15:11 ]

entrada limpa, o resto…


Esta casa (ou escritório) na R. Nova Cidade, Vila Olímpia, recebe uma circulação de pedestre que mantém uma pequena faixa do piso “limpa”.
Todo o resto da garagem está tomado de sujeira, e a casa está aos pedaços.
Todo o tipo de interpretação do fato é possível.

é isso, por fernando stickel [ 19:17 ]

café & cacao


Minha amiga Gisela Domschke montou o Café & Cacao na R. Vahia de Abreu 714, na Vila Olímpia.
Fui lá conhecer e ganhei um café, preparado com expertise por Francisco Sacconi, e de quebra a Gisela fez questão que eu provasse o fantástico Apfelstrudel, excelente!
Servem também almoço, risotos, saladas, quiches.

(dá pra entender melhor a lentidão da evolução no post aí de baixo, né?…)

é isso, por fernando stickel [ 18:06 ]

vila olímpia e diógenes moura

vol
Lancei meu livro de fotografias “Vila Olímpia” em 20 Maio 2006, simultâneamente à inauguração da exposição de mesmo nome, com curadoria de Diógenes Moura, na Pinacoteca do Estado de São Paulo.
O livro, editado pela Editora Terceiro Nome, contou com o texto de Diógenes, a seguir:

Ruas como telas
Diógenes Moura
Curador de Fotografia
Pinacoteca do Estado de São Paulo

Numa imagem assinalada por uma geometria simples, um recorte negro interrompe o olhar para quase criar um terceiro plano na medida em que uma esfera de vidro propõe ao espectador descobrir: que tubo azulado é aquele que ali está? O que se passa por trás desse primeiro plano? Quais as referências dessa quase-abstração? O que se esconde num anúncio cujo ponto de fuga é quase um segredo? A resposta está, ou estava, num bairro paulistano sem muita personalidade chamado Vila Olímpia. Está na série que o fotógrafo e artista plástico Fernando Stickel vem descobrindo nas ruas e recantos daquele mesmo bairro desde 2003. Estava porque a cidade, seu corpo, seus músculos, adormece com uma cor e no dia seguinte sua vida cotidiana já lhe trocou as roupas, as dores, os sons, o gozo, os dias, as noites, as palavras. A fotografia não estará mais ali. O recorte, o recanto, o tombo daquela “outra” imagem, será parte do passado.

Ao contrário da “destruição” visual imposta pelos grafites – com sua ira de torcida de futebol organizada -, onde qualquer superfície limpa é afeto para ser imediatamente poluída (costuma-se falar que é a arte dos sem vozes), as imagens de Stickel praticamente nos remete a uma cidade perfeita. Límpida, o que São Paulo não consegue ser; harmonizada em suas cores, muito menos; deliciosa de olhar em seu devaneio geométrico, tampouco. Stickel criou uma série em muitos momentos com uma apuradíssima fatura pictórica, o que leva sua fotografia para a ponta de um bisturi que perscruta os devaneios da própria cidade. São imagens do que seria ideal, produzidas em fases que se completam dentro da simplicidade de detalhes comuns, imperceptíveis a olho nu: um corte de luz solar por trás de um tonel cria um drama onde se pode escutar barulho em volta; uma lanterna interrompendo novamente o negro de um muro qualquer se transforma num minuto de silêncio japonês; uma pin-up fragmentada entre luz e sombra, com seu corpo americanizado, é capaz de interromper o passo, para ser notada: aquela mulher transforma-se em transeunte, pulsa, vive com seus poros de plástico.
A cidade de Stickel tem seu mapa geográfico situado entre imagem e palavra, raciocínio e construção. Um filme, uma sessão particular: penumbra, urbis e tempo, que, em sua explosão luminosa, ultrapassa a expectativa do dia-a-dia e imprime São Paulo como metáfora e memória.

olhar-que-vê
O livro tem também um texto escrito por mim, a seguir:

olhar que vê
Fernando Stickel

Diz a lenda que Ezra Pound, próximo de seus últimos dias e após ter permanecido em absoluto silêncio durante anos, ao ser procurado para uma entrevista e permanecer mais uma vez em profundo mutismo, concordou, após muita insistência do entrevistador em proferir uma única palavra, que considerasse significativa como mensagem:
CURIOSITY

Sempre gostei de fotografar e o faço desde cedo: comecei na adolescência, com uma câmera 6 x 6, que ganhei do meu avô Arthur; em seguida passei a usar uma Pentax Spotmatic 35 mm e depois várias outras ao longo dos anos. Quando conheci o trabalho de Diane Arbus e de Lee Friedlander (só para citar dois mestres), no início dos anos 1970, tive uma certeza: aí tem coisa!

Desenho, pinto, faço colagens, fotografo e escrevo desde pequeno, e meu principal instrumento de trabalho é o olhar – o olhar que foi sendo treinado para descobrir coisas bonitas, excitantes, nos lugares mais banais e à primeira vista desinteressantes; o olhar curioso, que de tanto observar, e observar cada vez com mais paixão e critério, me permitiu desenvolver uma ferramenta poderosa: o olhar que vê, fundamental para descobrir o que não se mostra à primeira vista e sem o qual não existe expressão artística.

Adicione-se a esse “olhar que vê” a minha obsessão em caminhar pela Vila Olímpia, bairro onde moro e trabalho há vinte anos. Quando me mudei para lá, esse bairro de São Paulo, delimitado pelas avenidas Santo Amaro, dos Bandeirantes, Marginal Pinheiros e Juscelino Kubitschek, sofria freqüentemente com as enchentes provocadas pelos córregos Uberaba e Uberabinha, hoje canalizados, e passava por um processo de transformação intenso, no qual suas velhas chácaras davam lugar a prédios sofisticados e a faculdades, e as pequenas indústrias e oficinas que ocupavam sua parte mais baixa se transformavam em mega casas de shows e eventos. A transformação rápida e intensa deu lugar a tudo, da modernidade à decadência, da imundície à sofisticação.

No início de 2003, com uma câmera digital Sony DSC-F717, iniciei um trabalho constante, pesquisando inúmeras maneiras de fotografar e diversos temas. A versatilidade da câmera, a lente “zoom-zeiss” e a possibilidade de ver o resultado instantaneamente transformaram esse período meio caótico, de aprendizado, em uma riquíssima introdução do meu “olhar que vê” no universo da fotografia digital.

Pouco depois, no início de 2004, comecei a caminhar pela Vila Olímpia com a câmera na mão, com a intenção de fotografar os edifícios comerciais recém-construídos na parte “nobre” do bairro, mas acabei mergulhando justamente nas áreas mais antigas e degradadas, nos detalhes, ruas, calçadas, muros, tapumes, casas, portões, beirais e janelas, e os resultados me deixaram excitado e gratificado, pois meu olhar havia encontrado um foco extremamente claro e fértil.

Desde então, nos fins de semana, por volta das onze horas, de preferência com sol alto e céu azul, saio andando. Minhas caminhadas duram entre uma e duas horas; cada dia faço um roteiro diferente, e é interessante como, mesmo passando várias vezes por um mesmo lugar ou determinada rua, sempre acabo descobrindo algo novo. Ao voltar para casa descarrego as fotos no meu Macintosh, seleciono as melhores, trato-as minimamente no Photoshop, as arquivo. E, agora reúno uma seleção delas neste livro.

Uma particularidade interessante deste trabalho são as conversas que acabo tendo com algum morador mais curioso ou ressabiado, ou com as crianças, que são bem mais acessíveis e pedem para ser fotografadas, ou até, como aconteceu uma vez, com a moradora de uma casa humilde que eu fotografava e que veio me perguntar se eu a estava observando pensando em seqüestrá-la!

bruno3
Meu amigo Bruno Mortara também escreveu:

A fotografia de Fernando Stickel

“Qualidade, luz, cor, profundidade, que estão aí diante de nós, aí só estão porque despertam um eco em nosso corpo, porque este lhes faz acolhida.” (Maurice Merleau-Ponty em O olho e o espírito, 1960)

O plano do devir que nos atinge é repercutido no corpo e pelo corpo do artista. Seu corpo funciona como uma janela nervosa indo de um lado ao outro, de cima a baixo, girando a cabeça, inclinando-se. A intersecção do plano da vida com o plano do olhar é o resultado do trabalho do artista.

Fernando Stickel nos apresenta suas imagens: resultado da conjunção do trabalho do músculo do olho, da consciência, da inconsciência e da imaginação, que selecionam o que ver, e do trabalho do músculo do dedo indicador direito, que decide o momento certo a ser selecionado – em detrimento de todos os outros. É nessa escolha que seu ser se funde nas imagens captadas. As imagens revelam muito daquele que seleciona e compõe, brinca e pinta recriando seu próprio mundo. É por isso que ao ver suas fotos sentimos alegria e curiosidade. Sentimos o olhar-criança do artista adulto-que-pensa-a-vida.

As imagens sentidas-escolhidas por Fernando Stickel fazem lembrar aquilo que Merleau-Ponty disse sobre a percepção: a seleção de alguns fragmentos do fluxo de fenómenos que nos atingem é já parte da obra do artista, seu visar. Sua sensibilidade, através de seu visar, seleciona ver isso e não aquilo, a todo momento. Isso reduz o fluxo de sensações a recortes particularizados da realidade – o mundo do artista. Ao clicar um fragmento desse seu mundo, Fernando Stickel nos revela aspectos das coisas que já estavam lá e não seriam percebidos sem o visar do artista. Essa revelação, resultado do processo de criação, é o que o artista tem de mais precioso e nos mostra sua maneira única de penetrar nos mistérios daquilo que aparentemente está visível para todos mas só alguns são capazes de perceber.

Com atitude provocadora, o artista foge da visão clássica de mundo – como cosmo, ordem ou totalidade. A partir de seu corpo, mergulhado no mundo, Fernando Stickel garimpa nos fragmentos da realidade o fio condutor para expressar suas percepções, emoções e valores.

Bruno Mortara

é isso, por fernando stickel [ 23:08 ]

rua quatá

quata
Rua Quatá, Vila Olímpia

é isso, por fernando stickel [ 15:14 ]

rua das fiandeiras

garrafão
Na R. das Fiandeiras, Vila Olímpia.

é isso, por fernando stickel [ 10:38 ]

na vila olímpia

muro2
Na R. Nova Cidade, Vila Olímpia.

é isso, por fernando stickel [ 11:40 ]

r. ribeirão claro

ribc
Entre estas árvores da R. Ribeirão Claro, esquina da R. Fiandeiras na Vila Olímpia, ficava o portão do Nº 37, minha casa/estúdio durante quase 20 anos.
Hoje, atrás das mesmas árvores e do mesmo muro se encontra o novo prédio da Comunidade Shalom.

ribcl

é isso, por fernando stickel [ 9:22 ]