aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Posts tagueados ‘artes plásticas’

faleceu nelson leirner


Foto Eduardo Knapp/Folhapress
Faleceu aos 88 anos de idade o grande artista Nelson Leirner.

Conheci o Nelson mil anos atrás, minha irmã Ana Maria trabalhou com ele no final dos anos 70, em uma época em que ele fazia brindes interessantes, com bolas de gude por exemplo…Tive contato mais próximo com ele em 1987, quando fui curador do espaço “Natureza Morta Limitada”, na exposição “A Trama do Gosto, um outro olhar sobre o cotidiano”, que ocupou o prédio da Fundação Bienal de São Paulo no Ibirapuera.
Grande figura, simpático, tranquilo, bom papo… Que vá em paz…

Selecionei para a exposição duas obras do Nelson, uma delas o icônico “Porco”de 1966, coleção da Pinacoteca de São Paulo, que fez grande sucesso!


Interessante que nesta foto aparece ao fundo uma pequena aquarela “Natureza Morta”de minha autoria…


Este foi o outro trabalho do Nelson selecionado, que eu restaurei pessoalmente para poder estar na exposição, mandei refazer a caixa de acrílico que estava quebrada, e comprei as frutas plásticas faltantes…

é isso, por fernando stickel [ 9:21 ]

faleceu rachel de almeida magalhães


Foto de Arnaldo Pappalardo, 1981
Faleceu minha amiga Rachel de Almeida Magalhães, um aneurisma na aorta a separou de nós. Ela foi mulher de dois grandes amigos, Nirlando Beirão, com quem teve a filha Julia e Carlos Fajardo, com quem teve a Eugenia. Estivemos muito próximos nos anos 80, fazendo arte, participando de salões, depois a vida nos afastou… Boa viagem Rachel!


Recentemente a Rachel ainda comentou no Facebook o falecimento de outro amigo, Frederico Nasser…

é isso, por fernando stickel [ 16:05 ]

cruz-diez


Carlos Cruz-Diez (1923-2019) no Centro Cultural Porto Seguro, que está programado para encerrar suas atividades ao final de Fevereiro 2020.

é isso, por fernando stickel [ 17:31 ]

muralistas no palacio


No Palacio De Bellas Artes, no centro da Cidade do Mexico, fica este mural gigantesco de 4,46 x 11,46m de autoria do muralista José Clemente Orozco (1883-1949) intitulado “Katharsis o La eterna lucha de la Humanidad por un mundo mejor”


O último imperador asteca Cuauhtémoc sendo torturado pelo conquistador Hernán Cortés para dizer onde escondia o ouro. Painel de David Alfaro Siqueiros (1896-1974) de 1950-1951.


Diego Rivera (1886-1957) “El hombre en el cruce de caminos o El hombre controlador del universo” 1934 Afresco sobre bastidor metálico transportável, 4,85 x 11,45m


Sandra no imenso e luxuoso hall de entrada em maravilhoso estilo Art-Deco do Palacio de Bellas Artes.
Na sobre-loja se vê o painel de Rufino Tamayo (1899-1991) intitulado “Mexico de hoy” de 1953, 5,10 x 11,28m

é isso, por fernando stickel [ 19:06 ]

cassio michalany na millan


Cassio Michalany muda de galeria e abre linda exposição na Galeria Millan


Sandra Pierzchalski, Cassio Michalany, Felipe Cohen e Andre Millan


Socorro de Andrade Lima e Cassio

é isso, por fernando stickel [ 8:37 ]

babinski na fundação stickel


No próximo sábado 7 Setembro 2019, o grande mestre Maciej Babinski mostra aos 88 anos de idade vigor e criatividade únicos, na exposição “Retratos Eriçados”, de vibrantes aquarelas inéditas e pinturas de grandes dimensões, na Espaço Fundação Stickel, das 11 às 15h R. Nova Cidade 195 – Vila Olímpia
Veja aqui informações adicionais.


Babinski, sua mulher Lidia e Agnaldo Farias, na visita que Agnaldo e eu fizemos ao casal em sua casa em Várzea Alegra, CE em 9 e 10 de Julho 2019.

é isso, por fernando stickel [ 23:47 ]

expografia babinski


Durante minha carreira de arquiteto/artista plástico fiz informalmente inúmeros projetos de artes gráficas, curadoria e expografia, principalmente para amigos como Cassio Michalany e para mim mesmo, e mais recentemente para inúmeras exposições da Fundação Stickel.

No caso da exposição de Maciej Babinski “Retratos Eriçados” no Espaço Fundação Stickel, a Pharmacia Cultural, inaugurada em 7 Setembro 2019, o trabalho exigiu uma postura mais cuidadosa e formal, com levantamento preciso do espaço de exposição, desenhos detalhados, escolha de cor para pintura das paredes, etc…
O interessante neste caso foi a adequação perfeita do primeiro “insight” que tive sobre a montagem da exposição ainda no estúdio do artista em Várzea Alegre CE, na visita que Agnaldo Farias e eu fizemos ao artista, ao espaço real, o que foi confirmado pelo projeto definitivo.


A escolha da cor amarela para as paredes foi uma decorrência da visita ao Ceará, onde a paisagem é quente, assim como os “Retratos Eriçados”…


Finalmente a sinalização da exposição e sua divulgação.

é isso, por fernando stickel [ 20:51 ]

fama


Na Fábrica de Arte Marcos Amaro – FAMA em Itu, interior de São Paulo.

é isso, por fernando stickel [ 8:42 ]

pharmacia cultural


A arquiteta Sandra Pierzchalski, autora da reforma da Pharmacia Cultural Fundação Stickel, em frente aos trabalhos dos alunos de Vera Martins.
A exposição inaugural dos trabalhos dos alunos dos cursos gratuitos da Fundação Stickel será no dia 23 Março às 11:00h na R. Nova Cidade 193 – Vila Olímpia


Na foto parte da equipe que montou a exposição.


Os grafiteiros Drope e Digão, parceiros da Fundação Stickel, em frente à fachada da Pharmacia Cultural, grafitada por eles.

é isso, por fernando stickel [ 21:55 ]

faleceu o boi


Faleceu no último dia 15 Dezembro aos 74 anos de idade o meu amigo José Carlos BOI Cezar Ferreira. Uma tristeza.


Em Março 2017 houve uma exposição das pinturas do Boi no estúdio do Artur Lescher, ele estava bem, lúcido e feliz. Logo depois foi internado e de lá para cá sua saúde decaiu rapidamente.


Artista de mão cheia, Boi foi um pintor único, não deixou jamais seu estilo próprio, forte, personalíssimo ser influenciado por qualquer modismo ou tendência.


Boi foi parceiro da Fundação Stickel, realizamos uma exposição de suas pinturas em 2006 no Espaço Fundação Stickel e fizemos seu livro “Um Boi abstrato” com texto de Gabriel Borba em 2011.

é isso, por fernando stickel [ 7:13 ]

bienal sem identificação das obras


Sandra Pierzchalki ao lado de pintura de Antonio Malta Campos, a autoria do trabalho à direita é desconhecida.

Exposições coletivas de artes plásticas sem identificação individual das obras, de forma legível e de fácil acesso, são um desrespeito ao espectador, em qualquer lugar do mundo, seja qual for a justificativa e seja qual for a circunstancia, sejam salões, bienais, galerias particulares ou qualquer outra coisa, e não é de hoje que faço esta observação.

Tivemos o privilégio de ser convidados à “preview” da 33ª Bienal de São Paulo, evento muito bem organizado seguido de um excelente jantar. Passeamos pela Bienal e chegamos ao segundo piso, área de curadoria de Sofia Borges, artista que respeito e admiro muito. Sofia criou um labirinto digno de Twin Peaks de David Lynch, maravilhoso, cheio de veludos e recheado de obras de seus artistas convidados, todas as obras sem identificação.

Tudo bem, um dinossauro como eu, a poucos dias de completar 70 anos de idade, poderá identificar um Tunga ali ou um Antonio Malta Campos acolá, mas, faça-me o favor, exigir de qualquer espectador, de 17 a 70 anos, consulte o seu mapinha para saber qual o artista que está dependurado à sua frente já é pedir demais. Qual a justificativa?

No espaço maravilhoso de curadoria de Waltercio Caldas no 3º andar, o pobre do espectador terá de adivinhar em qual das esquinas ocultas estará o mapa da mina (que existe!) indicando a autoria das obras dos convidados do curador. Assim não dá, assim não é correto, assim não há possibilidade de se usufruir com prazer da arte contemporânea.

Alguém me desminta se for capaz!!!

é isso, por fernando stickel [ 9:58 ]

cassio 30 desenhos


Um pouco antes de sua exposição individual de pinturas em Março de 1980 na Galeria Luisa Strina em São Paulo, Cassio Michalany acordou em um belo sábado ensolarado de Janeiro, pegou sua Caloi 10 branca e foi pedalando até a USP, onde nadou na piscina do COSEAS.

Voltou para sua casa-estúdio na R. Lourenço de Almeida na Vila Nova Conceição, pegou sua Brasilia verde e foi almoçar perto do Hospital São Paulo na Vila Mariana, onde traçou um bife a cavalo com dois ovos.

Voltou para casa, descansou um pouco, e foi até o Edgar Discos na R. Dep. Lacerda Franco em Pinheiros onde comprou um dos mais importantes discos de Stevie Wonder, “Songs in The Key of Life” o da capa vermelha, como uma rosa.

Voltou para casa, abriu as portas verdes do estúdio, pegou uma série de papéis pré cortados no tamanho 16 x 20cm, esponjas, e os potes de tinta acrílica que utilizou na execução das pinturas de sua exposição, colocou o Stevie Wonder para tocar, serviu-se de um uísque e começou a produzir desenhos.

Uma fortíssima chuva de verão desabou, e Cassio simplesmente a ignorou, intoxicado pelo calor de verão, focado no profundo prazer de fazer algo maravilhoso, intenso, o prazer de fazer ARTE!

A chuva parou, os desenhos estavam ali, no chão, exuberantes, prontos, relaxados. Cassio descontraiu-se, respirou fundo e foi até a Lanchonete da Pracinha, na Pça. Pereira Coutinho, comeu um sanduiche, deitou no banco da praça, olhou para o céu azul profundo, deu um tempo, voltou para casa e foi dormir satisfeito.

No dia seguinte logo cedo, domingo, observou os desenhos e adicionou com lápis e régua pequenos traços retos de grafite, que terminaram magistralmente a série de 30 DESENHOS.

é isso, por fernando stickel [ 13:17 ]

cassio michalany


Exposição de pinturas de Cassio Michalany na Galeria Raquel Arnaud, na foto Cassio e Celia Euvaldo.

é isso, por fernando stickel [ 11:40 ]

cassio michalany


Cassio Michalany em seu estúdio.


Visão do estúdio.

é isso, por fernando stickel [ 14:12 ]

maia rosa & millan

dudi
Dudi Maia Rosa

marcelo2
Marcelo Maia Rosa na entrada da Galeria Millan, onde se realiza a exposição VRIDO de seu pai, Dudi Maia Rosa.
A exposição estará em cartaz até 11 Junho.

estudio dudi
Gilda Vogt Maia Rosa no estúdio do artista.

é isso, por fernando stickel [ 10:11 ]

dudi maia rosa na millan

dudimaia rosa
Faço minhas as palavras do meu amigo Dudi Maia Rosa:

“Sábado dia 14 de maio exposição na Galeria Millan. Será um prazer enorme ver os amigos e mesmo essas pessoas que nunca vimos mas que tanto gostamos. Todos convidados e estaremos de coração aberto para nos abraçar!”

Galeria Millan, 14 Maio 2016 das 12:00 às 16:00h R. Fradique Coutinho 1360 São Paulo

dudimaiarosa
O artista em seu atelier, hoje, 3/5/2016.

é isso, por fernando stickel [ 17:48 ]

cantatrice’s garage

cantatrice 1
Por circunstancias misteriosas chegou às minhas mãos imagens de um desenho de minha autoria de 1982.

Este trabalho participou da minha primeira exposição individual na Galeria Paulo Figueiredo, em 5 Abril 1983. A galeria que não existe mais ficava na R. Dr. Mello Alves 717, casa1 em São Paulo.

A preparação desta exposição foi um esforço muito interessante. Eu queria fazer tudo direito, tinha aprendido com mestres poderosos, tinha visto como eles faziam, então procurei fazer tudo igual.

Um dos itens necessários era a etiqueta de identificação do trabalho, colada no verso da moldura. Desenhei-a a partir de uma bolacha de chopp alemã que havia ganhado de uma amiga, e mandei imprimir em uma empresa de adesivos. O conceito que quis transmitir com a imagem do cervejeiro é de “TRABALHO COM PRAZER”.

Aprendi também que deveria registrar os trabalhos realizados, para tanto mandei fazer um carimbo e utilizei um antigo caderno de registros contabeis herdado do meu pai.

Iniciei o registro dos meus trabalhos simultaneamente aos preparativos da exposição, tanto assim que o número de registro deste desenho com título “Cantatrice’s Garage” é 45. Percebe-se que as traças se divertiram com o adesivo e o papel da etiqueta, mas as informações ficaram preservadas nestes 34 anos…

Achei interessante ver um registro da execução do trabalho preservado, a marca da tachinha com a qual prendi o papel à prancheta à direita da minha assinatura.

cantatrice2

é isso, por fernando stickel [ 15:25 ]

paulo pasta no anexo millan

pp1
A Galeria Millan inaugurou dia 12/11 sua segunda unidade em São Paulo, o Anexo Millan, com a exposição de Paulo Pasta, que apresentou além de seu conhecido trabalho abstrato, paisagens.

pp2
foto: divulgação BNPRESS MEDIA SP

Aieto Manetti Neto e eu, no Anexo Millan.

é isso, por fernando stickel [ 8:45 ]