aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

seu arruda, farmacêutico

estojo-de-aco-antigo-com-seringa-vidro-marca-lider-coleco-7987-MLB5305770385_102013-F
O nome dele era “Seu” Arruda, baixinho, de meia idade, sempre de terno e gravata chegava em casa com sua fala rápida e enrolada, munido de maletinha de couro preta recheada de remédios, ampolas e seringas de vidro, agulhas, tudo devidamente esterilizado e guardado em estojos de aço inoxidável.

Simpático, discreto e eficiente, conhecia todos os glúteos da casa. Sua profissão, farmacêutico, sua missão, aplicar injeções. Eu gostava muito de observar a rotina de cortar o pescoço da ampola com uma serrinha e depois quebrá-lo com um ‘pop’.
Não sei por que me lembrei dele, presença constante na casa dos meus pais na Rua dos Franceses. Havia sempre alguém precisando de uma injeção, a casa era cheia de gente, meus pais, quatro irmãos, minha avó Lili, a Fräulein governanta e o “Seu” Paulo jardineiro.

é isso, por fernando stickel [ 23:32 ]

Deixe seu comentário