aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Arquivo: setembro de 2018

marinalva em contato


Marinalva Nunes foi minha caseira de 1987 a 1991 quando morava na R. Ribeirão Claro na Vila Olímpia em São Paulo. Ela tinha uma casa separada e morava com as filhas, sua principal responsabilidade era travar o portão da casa se chovesse, pois havia enchente no bairro, e se o portão com gachetas de borracha não fosse travado era uma tragédia!
Sua neta Tatiana me encontrou no Facebook, não é fantástico?
Já estamos em contato via Whatsapp, ela mora no interior da Bahia, em Pataiba!

é isso, por fernando stickel [ 15:52 ]

valdir cruz visita


Valdir Cruz em visita ao Espaço Fundação Stickel.

é isso, por fernando stickel [ 13:29 ]

reforma na fundação


Prossegue a reforma do escritório da Fundação Stickel, todas as instalações elétricas refeitas!


Finalmente a raspagem do piso, operação de guerra!!

é isso, por fernando stickel [ 10:40 ]

bienal sem identificação das obras


Sandra Pierzchalki ao lado de pintura de Antonio Malta Campos, a autoria do trabalho à direita é desconhecida.

Exposições coletivas de artes plásticas sem identificação individual das obras, de forma legível e de fácil acesso, são um desrespeito ao espectador, em qualquer lugar do mundo, seja qual for a justificativa e seja qual for a circunstancia, sejam salões, bienais, galerias particulares ou qualquer outra coisa, e não é de hoje que faço esta observação.

Tivemos o privilégio de ser convidados à “preview” da 33ª Bienal de São Paulo, evento muito bem organizado seguido de um excelente jantar. Passeamos pela Bienal e chegamos ao segundo piso, área de curadoria de Sofia Borges, artista que respeito e admiro muito. Sofia criou um labirinto digno de Twin Peaks de David Lynch, maravilhoso, cheio de veludos e recheado de obras de seus artistas convidados, todas as obras sem identificação.

Tudo bem, um dinossauro como eu, a poucos dias de completar 70 anos de idade, poderá identificar um Tunga ali ou um Antonio Malta Campos acolá, mas, faça-me o favor, exigir de qualquer espectador, de 17 a 70 anos, consulte o seu mapinha para saber qual o artista que está dependurado à sua frente já é pedir demais. Qual a justificativa?

No espaço maravilhoso de curadoria de Waltercio Caldas no 3º andar, o pobre do espectador terá de adivinhar em qual das esquinas ocultas estará o mapa da mina (que existe!) indicando a autoria das obras dos convidados do curador. Assim não dá, assim não é correto, assim não há possibilidade de se usufruir com prazer da arte contemporânea.

Alguém me desminta se for capaz!!!

é isso, por fernando stickel [ 9:58 ]

a última peça!!!


Hoje, quase dois anos após concluido o restauro na oficina A M Marcelo, meu carro recebeu a última peça que faltava para transformá-lo em um veículo 100% original.
Delineado em azul o atuador eletromagnético do acelerador, que compensa a marcha lenta na operação do ar-condicionado.

Cinco mil e tantoss quilômetros rodados foram suficientes para corrigir 90% dos bugs pós reforma, sempre vai aparecer ainda alguma coisinha…

é isso, por fernando stickel [ 13:35 ]