aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Arquivo: dezembro de 2004

passou

Acabo de receber da minha amiga Ana Lins:
PASSOU
O ano passou. Não sei se vós, leitor amigo, ou vós, distinta leitora, o passastes bem. Eu, como já passei muitos, os tenho passado de todo jeito, e ainda hoje esse segundo que vem depois da meia-noite me perturba. Já passei ano só, em terra estranha, ou, o que é mais amargo, na minha; ou andando como um tonto na rua ou afundado num canto de um bar ruidoso; tentando inutilmente telefonar; dormindo; com dor de dente. E quando digo de todo jeito estou dizendo também de jeito feliz, entre gente irmã ou nos braços de algum amor eterno – braços que depois dobraram a esquina do mês e da vida, e se foram, oh! provavelmente sem sequer a mais leve mágoa nos cotovelos, apenas indo para outros braços.
Passam os anos, passam os braços; mas fica sempre, quando a terra dá outra volta em si mesma, essa emoção confusa de um instante. Conheço pessoas que fogem a esse segundo de consciência cósmica, afetando indiferença, indo dormir cedo – como se não estivessem interessadas em saber se esta piorra velha deste planeta resolveu continuar girando ou não. É singular que entre tantas festas religiosas e cívicas nenhuma chegue a ser tão emocionante e perturbe tanto a humanidade como esta, que é a Festa do Tempo. É como se todos estivéssemos fazendo anos juntos; é o Aniversário da Terra.
Se a alma estremece diante do Destino, o espírito se confunde; reina uma tendência à filosofia barata; vejam como eu começo a escrever algumas palavras com maiúsculas, eu que levo o ano inteiro proseando em tom menor, e mesmo o nome de Deus só escrevo assim para não aborrecer os outros, ou para que eles me não aborreçam.
Já ao nome do diabo, não; a esse sempre dei, e dou, o “d” pequeno, que outra coisa não merece a sua danação. A ele encomendamos o ano que passou e a Deus o Novo. Que vá com maiúscula também, esse Novo; fica mais bonito, e levanta nosso moral.
E se entre meus leitores há alguma pessoa que na passagem do ano teve apenas um amargo encontro consigo mesmo, e viveu esse instante na solidão, na tristeza, na desesperança, no sofrimento, ou apenas no odioso tédio, que a esse alguém me seja permitido dizer: “Vinde. Vamos tocar janeiro, vamos por fevereiro e março e abril e maio, e tudo que vier; durante o ano a gente o esquece, e se esquece; é menos mal. E às vezes, ao dobrar uma semana ou quinzena, às vezes dá uma aragem. Dá, sim; dá, e com sombra e água fresca. E quem vo-lo diz é quem já pegou muito no sol nos desertos e muito mormaço nas charnecas da existência. Coragem, a Terra está rodando; vosso mal terá cura. E se não tiver, refleti que no fim todos passam e tudo passa; o fim é um grande sossego e um imenso perdão.”
Rio, Janeiro de 1952
Rubem Braga, em A borboleta amarela

é isso, por fernando stickel [ 11:45 ]

mensagem do grande fodão


Será que o Grande Fodão lá em cima não está enviando uma mensagem aos comuns mortais cá embaixo, com esta tragédia do tsunami?

Nivelados na morte, pretos, brancos, amarelos, queimados do sol, albinos, loiras burras, altos, baixos, gordos, magros, tortos, pernetas, manetas, sarados, raquíticos, inteligentes, burros, bondosos, cruéis, parvos, nobres, plebeus, honestos, corruptos, eficientes, limítrofes, homens, mulheres, crianças, jovens, idosos, bebês, gays, lésbicas, prostitutos e putas, príncipes e play-boys, bilionários, miseráveis, sofisticados, desleixados, aposentados, cristãos, budistas, muçulmanos, pentecostalistas, agnósticos, ateus, evangélicos, mórmons, satanistas, espíritas, taciturnos, alegres e desligados, asiáticos, europeus, americanos, latinos, aborígenes, políticamente corretos e canalhas, todos na vala comum da tragédia em cenário paradisiaco.

Um simples peteleco na crosta trerrestre, um minúsculo desviar na órbita do planeta, algo imperceptivel lá de cima, e a lição sobre a inutilidade das guerras, dos preconceitos, da ganância, do ódio racial e religioso, da infinita sede de poder.

é isso, por fernando stickel [ 10:47 ]

faleceu meu pai


Erico João Siriuba Stickel 1920 – 2004
Meu pai viajou. Descansou. 84 anos bem vividos, precisa mais?

é isso, por fernando stickel [ 23:31 ]

bom natal a todos!

Direto do Ibirapuera, Bom Natal a todos!

é isso, por fernando stickel [ 1:58 ]

arthur no piano

Algumas semanas atrás, meu filho Arthur se apresentou com sua turma de aula de piano, a irmã Fernanda também foi.

é isso, por fernando stickel [ 17:52 ]

lama michel rinpoche


Ontem à noite minha prima Bel Cesar foi visitar o meu pai no Hospital Osvaldo Cruz acompanhada do filho, o Lama Michel Rinpoche.
Com 12 anos de idade o Michel deixou a família e foi estudar budismo tibetano na Índia, se transformando em um monge budista, aos 23 anos de idade.
A visita foi muito boa, calma, Lama Michel fez uma longa oração pedindo abertura de caminhos para a alma do meu pai se elevar, e atravessar o “bardo” mais tranquilamente.
Bardo é a fronteira entre a vida e a morte, que é descrita com minúcias no budismo.
Após a oração conversamos e esclarecemos dúvidas, foi um belo gesto. Obrigado!

é isso, por fernando stickel [ 10:53 ]

filho adolescente

O pai entra no quarto do filho adolescente e vê um bilhete em cima da cama. Ele vai até lá, já temendo o pior, e começa ler:

“Caro Papai, é com grande pesar que lhe informo que eu estou fugindo com meu novo namorado, Juan. Estou apaixonado por ele. Ele é muito gato, com todos aqueles “piercings”, tatuagens e aquela super moto BMW que tem. Mas não é só por isso, descobri que não gosto de jeito nenhum de mulheres e como sei que o senhor não vai consentir mesmo com isso, vamos fugir e ser muito felizes no seu “trailler”.
É que ele quer adotar filhos comigo, e isso foi tudo o que eu sempre quis para mim.
Aprendi com ele que maconha é ótima, é uma coisa natural que não faz mal pra ninguém, e ele garante que no nosso pequeno lar não vai faltar marijuana.
Juan acha que eu, nossos filhos adotivos e os seus colegas “gays” vamos viver em perfeita harmonia. Não se preocupe papai, eu já sei me cuidar, apesar dos meus 15 anos já tive várias experiências com outros caras e eu tenho certeza que Juan é o homem da minha vida.
Um dia eu volto, para que o senhor e a mamãe conheçam os nossos filhos. Um grande abraço e até algum dia. De seu filho com amor.”

O pai quase desmaiando continua lendo:

PS: Pai, não se assuste. É tudo mentira e estou na casa da Mariana, nossa vizinha. Só queria mostrar pro senhor que existem coisas muito piores que as notas vermelhas do meu boletim que está na primeira gaveta…

é isso, por fernando stickel [ 10:41 ]

fortaleza

Meu pai resiste.
Não deveria, mas resiste, estamos entrando no quinto dia de hospital, a sedação aumenta, e ele lá. Firme, não sei nem como.

é isso, por fernando stickel [ 20:37 ]

pisou no pato?!


Três mulheres morrem juntas num acidente de carro e vão para o céu. Chegando lá, São Pedro diz:
-Aqui no céu só tem uma regra:
“NÃO PISE NOS PATOS!”
Elas acharam a regra esquisita, mas quando, finalmente, atravessaram as portas do paraíso perceberam que era quase impossível andar sem pisar em um pato. O paraíso estava forrado de patos.
Ainda meio confusa, uma das mulheres pisou num pato. Minutos depois, São Pedro apareceu com uma corrente, um cadeado e o homem mais feio que ela já tinha visto e disse:
– Você não cumpriu a regra… seu castigo é viver a eternidade acorrentada a este homem.
Dias depois, a segunda mulher cometeu o mesmo erro; pisou num pato.
E, como antes, São Pedro acorrentou-a com o homem mais feio que ela já tinha visto e disse:
– Seu castigo é viver a eternidade com este homem.
A terceira mulher então, passou a ser super cuidadosa. Meses se passaram. Um dia São Pedro aparece com um homem perfeito: lindo, moreno, olhos verdes, forte, alto… e acorrentou-a a ele.
Ela sem entender nada, ficou quieta. Quando São Pedro se afastou, ela disse ao maravilhoso homem:
– Que será que eu fiz para receber este prêmio? E ele respondeu:
– VOCÊ não sei, mas… EU PISEI NUM PATO!!!

é isso, por fernando stickel [ 10:31 ]

época do natal

Coisas da época do Natal…
Uma senhora levou a filha de 17 anos ao médico, queixando-se que a menina andava com vômitos, tonturas, que tinha perdido o apetite… O médico observou a mocinha e concluiu:
– Minha senhora! a sua filha está grávida de três meses!
– A minha filha???? Ela nunca esteve sozinha com um homem! Não é verdade, Carla Susana?!?!?
– Eu nem nunca beijei um homem!!!
O médico tirou da gaveta uns binóculos, aproximou-se da janela e ficou calado a olhar para o infinito… Passados vários minutos a mãe da Carla Susana, admirada, pergunta ao médico o que é que se passava, ao que ele respondeu:
– Da última vez que isto sucedeu nasceu uma estrela no Oriente e chegaram três reis magos. Desta vez não vou perder o espetáculo!!

é isso, por fernando stickel [ 9:18 ]

queridos amigos e leitores

Queridos amigos e leitores destas maltraçadas, me ajudem com seus pensamentos e orações facilitar ao meu pai Erico a transposição desta misteriosa barreira entre a vida e a morte.
Ele foi sedado ontem à noite, devido ao crescente sofrimento causado pelo câncer de pâncreas. Já não conseguia mais se alimentar e nem se hidratar. Ele mesmo pediu, embora sem muita clareza, o término do sofrimento, dele a da família.
Meu irmão Roberto, o caçula da família, completou 50 anos no dia 14, parece que meu pai aguentou até esta data simbólica, para então entregar os pontos.
Obrigado a todos que tem me apoiado.

é isso, por fernando stickel [ 10:06 ]

erico stickel


Na foto do meu filho Antonio, minha irmã Sylvia, meu pai, minha mãe e minha filha Fernanda.

Na quinta-feira 16 Dezembro a família estava reunida ao final da tarde ao lado do meu pai, que sofria muito com as consequências do cancer de pancreas, com dificuldade de se alimentar e mesmo de beber água. Várias semanas antes ele havia decidido que ficaria em casa até o último momento, a partir daí seria sedado e levado ao hospital.

Mesmo sem muita clareza, meu pai comunicou que não aguentava mais, e queria ser sedado.

Por volta das 22 horas, com minha mãe ao lado, meu irmão Neco e meu filho Antonio, ele tomou, em silêncio, os remédios que encerraram seu sofrimento. Na manhã seguinte a ambulância o levou para o Hospital Osvaldo Cruz.

é isso, por fernando stickel [ 9:25 ]

final da tarde

Sexta-feira final da tarde em SP. Bom fim de semana a todos!

é isso, por fernando stickel [ 20:17 ]

meio século atrás

Meio século atrás, Dezembro 1954, Jardim de Infância do Colégio Visconde de Porto Seguro, na Praça Roosevelt.
Com 6 anos eu sou o único de óculos na turma, acessório que carrego desde os 4 anos de idade. À esquerda de pé, bigode e óculos Dr. Turelli, o diretor de inspirações fascistas que durante décadas aterrorizou os alunos.

é isso, por fernando stickel [ 12:35 ]

dez coisas

10 Coisas que Levei Anos para Aprender (Veríssimo)

1- Jamais, sob quaisquer circunstâncias, tome um remédio para dormir e um laxante na mesma noite.
2- Se você tivesse que identificar, em uma palavra, a razão pela qual a raça humana ainda não atingiu (e nunca atingirá) todo o seu potencial, essa palavra seria “reuniões”.
3- Há uma linha muito tênue entre “hobby” e “doença mental”.
4- As pessoas que querem compartilhar as visões religiosas delas com você, quase nunca querem que você compartilhe as suas com elas.
5- Não confunda nunca sua carreira com sua vida.
6- Ninguém liga se você não sabe dançar. Levante e dance.
7- A força mais destrutiva do universo é a fofoca.
8- Uma pessoa que é boa com você, mas grosseira com o garçom, não pode ser uma boa pessoa. (Esta é muito importante. Preste atenção. Nunca falha.)
9- Seus amigos de verdade amam você de qualquer jeito.
10- Nunca tenha medo de tentar algo novo. Lembre-se de que um amador solitário construiu a Arca. Um grande grupo de profissionais construiu o Titanic.

é isso, por fernando stickel [ 9:29 ]

os incríveis

Os Incríveis
Simplesmente incrível, cativante, gostoso, inteligente, bonito. Imperdivel.
Arthur, meu filho de 9 anos e eu gargalhando juntos, tem coisa mais gostosa?

é isso, por fernando stickel [ 0:07 ]

gente sem sorte

Chegaram 700 currículos à mesa do diretor. Ele diz para sua secretária:
– Pegue os 30 que estão no topo da pilha e chame-os para entrevistas, jogue os restantes na máquina fragmentadora.
– O senhor está louco? São 670 pessoas! Talvez os melhores estejam lá!
– Eu não preciso de gente sem sorte…

é isso, por fernando stickel [ 18:53 ]

eu avisei…

O sujeito está no maior porre na porta do boteco e, de repente, aparece uma procissão. Centenas de pessoas reunidas, carregando uma santa numa plataforma toda decorada em verde e rosa.
O cachaceiro berra:
– Oooooolha a Mangueira aí, geeeente!
Enfezado, o padre se vira pro bêbado e esbraveja:
– Que falta de respeito, seu excomungado! Fique aí com o seu vício e nos deixe em paz com a nossa fé!
Mal o padre acaba de falar, a santa bate com a cabeça no galho de uma árvore, cai e se espatifa no chão.
E o bêbado:
– Eu avisei…

é isso, por fernando stickel [ 18:38 ]