aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

ouro velho

ouro
Mais uma foto antiga encontrada! O endereço do Edifício Siriuba, R. São Francisco 71, escrito pelo meu pai nas costas da foto.
Em destaque a entrada do Restaurante Ouro Velho, com um recepcionista uniformizado.

ouro2
O luminoso, afixado na fachada do prédio.

ouvidor
Este prédio de seis andares e subsolo, sem garagem, foi construido pelo meu pai Erico Stickel no final dos anos 50, na esquina das ruas São Francisco e Ouvidor, no centro de São Paulo, com projeto arquitetonico de Oswaldo Bratke (1907-1997).
Aos sábados de manhã ele me convidava:
– Fernando, vamos ver o “predinho”?
E lá íamos nós ao centro da cidade visitar a obra, o momento culminante era andar no elevador de madeira da obra, eu devia ter 10 ou 11 anos de idade.
O prédio ficou pronto, meu pai se instalou no último andar, o restante do prédio era ocupado pelos escritórios da Argos Industrial do meu tio Ernesto George Diederichsen, cuja sala ficava no quinto andar.
Naquela época o centro da cidade era muito arrumado, ao ponto de meu pai exigir que eu colocasse terno e gravata “para ir ao centro”. Hoje está tudo degradado, sujo, uma tristeza…

ouro-velho
Projetado pelo arquiteto Jacob Ruchti (1917-1974), no subsolo do prédio, com entrada pela Rua do Ouvidor 52, ficava o sofisticado restaurante Ouro Velho, muito conhecido nos anos 60 e 70 pelos almoços de executivos, palco de “power-lunches” e happy-hour. Era pequeno, acolhedor e decorado em estilo colonial. Servia pratos clássicos como Chateaubriand e Camarão à Newburg.
As grandes ocasiões da família eram sempre comemoradas lá. O logotipo do restaurante tinha a letra “V” no lugar do “U”.

é isso, por fernando stickel [ 0:26 ]

18 comentários

Roberto Campana

setembro 30th, 2012 at 14:09

Fernando,como disse,hoje o centro da cidade está todo decadente,destruído,ao contrário do que ocorre em grandes cidades européias,como Paris,Londres,Madrid;aqui impera o descaso das autoridades em todos os sentidos!;esse restaurante me lembra não sei porque,o extinto restaurante Hungária,o qual era assíduo frequentador;talvez esteja errado…mas não sei;
Abração.

Roberto

Solange Veronezzi

maio 30th, 2013 at 18:39

Olá Fernando!
Você não pode imaginar a emoção e saudade que senti ao me deparar com essas fotos em seu blog. Sou filha Lazaro Veronezzi,já falecido. Meu pai, juntamente com Emílio
Bruno Bonh, comandaram o Restaurante Ouro Velho por muitos anos.Passei grande parte da minha infância e adolescência nessa casa, que, em minha suspeita opinião, foi uma das melhores e mais famosas de sua época. Ainda guardo na memória o gosto da feijoada e do “Filet Ouro Velho”…
Abraços,
Solange Veronezzi

fernando stickel

maio 30th, 2013 at 22:57

Solange, será que você não tem mais fotos?

Solange

maio 31st, 2013 at 22:04

Olá Fernando
Eu tenho sim mais algumas fotos. Só preciso procurá-las nos albuns de familia. Só que esses albuns estão em minha casa de Águas de São Pedro.

Na próxima vez que for até lá, procuro as fotos, scaneio e mando para você.

Depois me passe o e-mail para onde devo enviar as fotos.

Abraços,

Solange Veronezzi

fernando stickel

junho 1st, 2013 at 19:41

Solange, obrigado!
Vou adorar ver mais fotos, fico aguardando!
Meu e-mail: fernando@stickel.com.br
Abraço,
Fernando Stickel

Edro De Carvalho

julho 27th, 2013 at 14:22

Tambem sou saudoso desse inegualavel restaurante pois nunca mais voltei ao local pelo descaso publico para a manutenção da cidade.Nos anos 60 quando era executivo vice presidente de uma multi nacional cujo esscritório era na rua Formosa iamos sempre nos deliciar com incomparavel Dry Martini extra dry pois o vermute era espargido por um vidro de perfume antigo com spray e um delicioso “Steak Diana”, o qual nunca consegui
um igual em qualquer restaurante dos de hoje.
[ . Até daria paa fazer um capitulo no meu livro , talvez no proximo espargidor de perfume o qual tinha uma bola de borracha que ele espargis com dois toques nela.
E acreditem que ninguem nem em NY fas ou fazia um Steak Diana como o OURO VELHO. Muitas saudades do gerente e do Bar man. Muita saudades até do cheiro do meu restaurante preferido.Eu deveria ter escrito um capitulo no meu livro, mas esceverei no proximo.

Edro De Carvalho

julho 27th, 2013 at 14:45

Estou com saudades dos meus “DRY AMRTINIs e o inegualavel STEAK DIANA”, o qual não consigo encontrar em qualquer restaurante.
Não me perdou por não ter incluido no meu livro “Feliz Dia De Hoje”, mas incluirei no proximo.

fernando stickel

julho 29th, 2013 at 10:29

Edro, bons tempos dos almoços de três dry martinis e Steak Diana!!!

fernando stickel

julho 29th, 2013 at 10:31

Edro, que livro é esse?

sergio felizola

agosto 1st, 2013 at 12:34

tb tenho otimas lembranças do rest ouro velho e tb do seu pai…
recentemente conversei com o Edro sobre o rest.
sergio felizola

fernando stickel

agosto 1st, 2013 at 12:39

Sergio, conta mais das lembranças do meu pai!

oscar colucci

agosto 30th, 2013 at 22:34

demorei para me lembrar destes tempos. eu era um garoto de 20 anos e frequentava com amigos mais velhos e sábios esta delicia de restaurante.
trabalhava na revista Visão, na sete de abril.
era uma verdadeira delicia tomar dry martinis e
comer steak diana.
lembro do sr. Edro de Carvalho, pai do Marcelo da Rede tv. só fui encontrá-lo novamente na casa de um
amigo, num jantar. ele não me conheceu daquela epoca.
bons tempos onde o centro era frequentável.

fernando stickel

setembro 1st, 2013 at 10:39

Oscar, se lembrar de mais detalhes desta época compartilhe! O Brasil é muito fraco de registro de sua história, infelizmente…

Luciana Catão

janeiro 2nd, 2015 at 19:33

O sr Antônio era exímio cozinheiro! Quem manda o abraço e a lembrança recordando com saudades é dona Maria Eny de Lima Bohm esposa do falecido e saudoso Emilio Bruno Bohm meus sogros!! Abs Luciana

Luciana Catão

janeiro 2nd, 2015 at 19:41

Ricardo Emilio Bohm meu esposo pergunta com ansiedade de alguém poderia nos enviar a receita do famoso Camarão Newburguer, pois gostaria de tentar cozinhar para ele!
Obrigada Luciana

Luciana Catão

janeiro 2nd, 2015 at 19:42

Em tempo Ricardo Emilio Bohm é filho único de Emilio Bruno Bohm ! Abs

benedito luiz fornazier

maio 19th, 2015 at 20:48

linda materia apesar das injustiças mas da tempo ainda meu querido papai benedito luiz fornazier o famoso e eterno bene cuidou deste templo gastronomico como um filho seu e ainda antonio rotta o toninho gijo silvete zorro kkkkk bons tempos etccc isso o tempo nao apagara jamais aos clientes e amigos fiquem com deus amemmmm

fernando stickel

maio 20th, 2015 at 17:06

Benedito, a quais injustiças você se refere?
Me conte mais dessas pessoas, o que elas faziam?
Você tem fotos?

Deixe seu comentário