aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Arquivo: março de 2017

ponto convergente: 3 anos…


Três anos atrás iniciei no Madalena CEI o curso “Ponto Convergente”.
Para a inscrição e seleção me solicitaram um texto, que acabo de reler, vejam:

“PONTO CONVERGENTE

Em momentos de mudança buscamos orientação, indicação de caminhos e recomendações. Nos apoiamos nos depoimentos de quem passou por situação similar, até surgir clareza e caminho livre.

O livro milenar da sabedoria chinesa I-Ching garante responder sua consulta com exatidão, contanto que sua pergunta ao oráculo seja precisa. Se houver falha na resposta é porque a pergunta estava mal formulada.

Nesta jornada carregamos várias coisas, dúvidas, recursos, experiências, vontades.

Meu olhar é definitivamente uma das coisas boas que possuo, meu melhor instrumento de trabalho. Foi treinado, desenvolvido e aprimorado principalmente no âmbito das artes plásticas, mas também na arquitetura, nas cidades, ruas, museus, exposições, na natureza e em todas as experiências neste planeta. Recentemente (cerca de dez anos) este olhar vem voltando-se mais para a fotografia, onde também vem sendo aprimorado.

Mas o bom olhar por si só não resolve todas as questões, não faz a pergunta, não indica o caminho.

É preciso ajuda para chegar ao ponto convergente. É preciso formular a pergunta correta.
É preciso escolher um caminho.

Acredito que o curso “Ponto Convergente” possa me ajudar neste momento de procura, quando 30 anos de militância nas artes plásticas já ficaram para trás, e dez anos de experiência com a fotografia ainda não se consolidaram.

Fernando Stickel
24 Março 2014”

Posso assegurar que o trabalho foi feito, e eu não estaria onde estou hoje no universo da fotografia se não tivesse tido a rica experiência deste curso.

é isso, por fernando stickel [ 9:39 ]

faleceu julia campos


Fotografei a Julia dia 4 Fevereiro 2011, ocasião em que recebeu homenagem da Prefeitura na Casa de Cultura da Brasilândia.

No Dia Internacional da Mulher, homenageio uma mulher especial:

Júlia Campos nascida em 1965 na Vila Brasilândia em São Paulo, demonstrava desde criança seu amor à sétima arte.

Ela e o irmão Amaro gravavam histórias em fitas cassete para apresentar às crianças do bairro. Julia também participou de alguns comerciais de produtos.

Trabalhou como free-lance, produziu casting de elenco e até atuou como cabeleireira. O curso de cinema no SENAI foi o catalisador de sua carreira de cineasta.

Fundou com o marido a Brasilândia Filmes em 2007, ano em que deu vida ao seu primeiro curta-metragem “A loira do banheiro”, com a participação de moradores da comunidade.

Em 2010 nasceu o documentário “DNA da Brasilândia e suas histórias”, realizado pela Fundação Stickel em parceria com a Brasilândia Filmes. A Subprefeitura Freguesia/Brasilândia ofereceu o espaço da Casa de Cultura da Brasilândia para a realização do curso.

Júlia e os 18 participantes do curso foram às ruas da Brasilândia para documentar a história do bairro e entrevistaram vários moradores com mais de 50 anos de Brasa. O vídeo conta a história do bairro, através destas pessoas que testemunharam o desenvolvimento e a transformação da Vila Tiro ao Pombo em Vila Brasilândia.

Júlia Campos teve um AVC e faleceu precocemente aos 46 anos em 2011, poucos dias após receber homenagem da Câmara Municipal de São Paulo nas comemorações dos 64 anos do bairro da Brasilândia.


Recebendo a homenagem de Eliseu Gabriel

é isso, por fernando stickel [ 16:29 ]

mercedes-benz


Mercedes-Benz 280 SL 1970 na oficina A.M.Marcelo, para pequenos ajustes após o restauro. Ao fundo Marcelo Petriccione, responsável juntamente com sua equipe pelo maravilhoso trabalho de reforma!


300 SL na pintura.

é isso, por fernando stickel [ 10:21 ]

apoio o olho!


Apoio!!

é isso, por fernando stickel [ 17:43 ]