aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Arquivo: dezembro de 2010

até 2011!


Caríssimos amigos, leitores deste blog e visitantes ocasionais, faz um mês que noticiei a vocês o desaceleramento das postagens neste blog.
De fato, pude dinamizar neste período o perfil da Fundação Stickel no Facebook, algo que considero importante, pela irreversibilidade da presença das redes sociais nas nossas vidas virtuais.
Não sei ainda que outras mudanças farei em 2011, mas prometo a vocês que os deixarei informados.
Vou dar um pulinho ali na Bahia, e desejo a todos um excelente 2011!!!!!

é isso, por fernando stickel [ 16:59 ]

travessia

Estes foram os tempos dos nadadores da Sociedade Hípica Paulista na prova de natação travessia “Fuga das Ilhas” na Barra do Sahy no último domingo:

535º MARIO VICENTE SACCONI :41:22.02 HIPICA PAULISTA

934º FERNANDO STICKEL :51:01.43 HIPICA PAULISTA

1057º ALBERTO ABREU MACHADO :58:06.12 HIPICA PAULISTA

335º MICHAELA STRIKER :56:14.18 HIPICA PAULISTA

340º BASSY NOEMI ARCUSCHIN MACHADO :58:03.53 HIPICA PAULISTA

é isso, por fernando stickel [ 7:54 ]

los hermanos…

Argentino no deserto, desesperado por um pouco d’água, vê algo ao longe, parecendo um oásis.
Arrasta-se até lá e encontra um camelô brasileiro vendendo gravatas.
O argentino implora:
– Por favor, estoy muerto de séd, puedes dar-me un poquito de água?
O brasileiro responde:
– Eu não tenho água, mas por que vc não compra uma gravata? Tenho uma aqui que combina muito bem com sua roupa!
O argentino furioso:?
– Yo no quiero gravatas, idiota! Quiero água! ÁÁÁGUAAAA…!
Então, o brasileiro diz:
– Tá certo. Vou te dizer onde tem água: depois daquela colina ali, a cerca de 10 quilômetros adiante, existe um restaurante.
O argentino vai (sem agradecer, obviamente) em direção à colina e desaparece.
Cinco horas depois, volta arrastando-se quase morto até o brasileiro, que pergunta:
– Eu disse 10 quilômetros depois da colina. Você não encontrou?
E o argentino:
– Encontré! Solo que no es permitido entrar sin gravata, brasileño hijo de puta!

é isso, por fernando stickel [ 14:51 ]

biathlon


No sábado, 20 Novembro, houve o 10º Biathlon da Sociedade Hípica Paulista, completamos os 500m. (eu) de natação e 3.000m. Gisele, minha nova parceira de corrida.
Com 13 duplas concorrentes, ficamos em 8º lugar na classificação geral e 2º lugar na Categoria Mista até 60 anos.

2007
Natação: 11:11 Corrida: 18:31 TOTAL: 29:42
2008
Natação: 11:25 Corrida: 17:48 TOTAL: 29:13
2009
Natação: 12:24 Corrida: 20:55 TOTAL: 33:00
2010
Natação: 11:40 Corrida: 18:48 TOTAL: 30:28

é isso, por fernando stickel [ 9:14 ]

máquinas da minha vida

As máquinas da minha vida

Raras coisas me despertam tanto interesse, para não falar tesão, quanto as máquinas e os motores.
Na minha adolescência, o foco eram os carros, motos, bicicletas, carrinhos de rolemã e tudo que tivesse rodas e andasse, e as mulheres.
É bem verdade que foi mais fácil dar vazão ao tesão pelos carros do que pelas mulheres…
Lembranças fugazes de carros fantásticos convivem com a memória presente e permanente do cheiro do interior de um Jaguar Mark V e do seu painel de madeira, com luz roxa, ou então de andar na caixinha (porta-mala) de um MG TD 1951 pilotado pelo meu pai, com a capota aberta na praia da Enseada
Outra situação que tenho muito clara na memória é a garagem da casa do meu tio Luis Dumont Villares na R. Áustria, onde moravam um Jaguar Mark 2 e um Buick 1955, pois em todas as ocasiões em que haviam reuniões de família eu sempre visitava a garagem, entrava nos carros, mexia no câmbio, nos botões das luzes…

Estão listados todos os veículos que tenho na memória, mesmo que não os tenha guiado, fossem os meus, da família, ou dos parentes e amigos.

Infância
Mercedes-Benz 540 ssk 1937 cinza ou prata
Jaguar Mark V 1949 preto
MG TD 1951 preto
Cadillac 1951 cinza
Chevrolet Belair 1955 branco e azul
Dodge Fluid Drive 1946 (do meu avô Arthur Stickel)
Ford Tudor 1955 branco (da minha avó Lili)
Ferrari 500 Testa Rossa (do vizinho do Bexiga Domingos Papaleo)

Adolescência
Leonette 50cc
Mondial 50cc
Royal Enfield 350 Bullet
Kart Rois-kart 125 (dos meus primos Bernardo e Arnaldo)
Plymouth (do meu tio Ernesto)
Brasinca 4.200 GT (do meu tio Ernesto)
Alfa-Romeo GTV 1750 branca (do meu tio Ernesto)
Jaguar MkII bordô (do meu tio Luis)
Buick azul claro metálico (do meu tio Luis)
Alfa-Romeo JK FNM 1962 cinza
Fusca 1200 (do meu primo Bernardo) em viagem à Bahia, com faróis de milha OSCAR
Camionete Ford 1951 cinza (em Campos do Jordão)
Trator Case anos 40 vermelho (em Campos do Jordão)
Opel Rekord 1960 verde claro
Rural Willys 1960/62/64/65
Riley RME 1949 2,5 preto e vermelho
Renault Gordini 1964 branco (da minha tia Joaninha)
MG TD (da família Oliveira)
Austin Healey (da família Oliveira)
DKW Vemaguete bege (da família Oliveira) na viagem com os Oliveiras ao RJ – hospedagem em Ipanema com Sonia e Jorge

Adulto
BMW R60 1969
Moto Guzzi 850GT 1973
Porsche 912 1968 branco
JK cinza
Veraneio bege
Fusca 68 bordô
Opel Commodore 1968 prata com capota vinil preta
Opala Caravan amarela
Jaguar Etype V12
Chevette alemão vermelho
Variant amarela
Variant II branca
Fiat 147 azul marinho
BMW 3.0 CSI 1971 branca (meu pai ficou tão pouco tempo com o carro que nem cheguei a guiá-lo)
BMW 2002 automática preta (meu pai ficou tão pouco tempo com o carro que nem cheguei a guiá-lo)
Belina branca
Corcel bege
Santana Quantum 1,8 champagne metálico
Santana Quantum 2,0 cinza metálico
Passat bege
Passat 1984 cinza
Parati branca
Voyage bordeaux metálico
Peugeot Break azul
Omega
Honda Accord verde metálico
Santana Quantum preta automática
Mercedes-Benz 500SL 1986 azul
Honda Accord 1995 perua azul
Volvo 850 1994 perua grafite
Volvo 850 1996 ou 97 perua verde metálico
Volvo T5 azul
Volvo XC70 azul
Volvo XC70 prata
Volvo XC60 branco ártico
Subaru Forester
Hyunday Azera preto
Porsche 911 Carrera 1975 branco
Mercedes-Benz 280SL 1970 branca “Pagoda”
Jaguar Etype S1 4,2 branco 1965

é isso, por fernando stickel [ 11:35 ]

dark in here…

A woman takes a lover home during the day while her husband is at work.
Her 9-year old son comes home unexpectedly, sees them and hides in the bedroom closet to watch.
The woman’s husband also comes home. She puts her lover in the closet, not realizing that the little boy is in there already.
The little boy says, “Dark in here.”
The man says, “Yes, it is.”
Boy: “I have a baseball…”
Man: “That’s nice”
Boy: “Want to buy it?”
Man: “No, thanks.”
Boy: “My Dad’s outside…”
Man: “OK, how much?”
Boy: “$250?”
In the next few weeks, it happens again that the boy and the lover are in the closet together.
Boy: “Dark in here.”
Man: “Yes, it is.”
Boy: “I have a baseball glove.”
The lover, remembering the last time, asks the boy, “How much?”
Boy: “$750?”
Man: “Sold.”
A few days later, the Dad says to the boy, “Grab your glove, let’s go outside and have a game of catch.”
The boy says, “I can’t, I sold my baseball and my glove.”
The Dad asks, “How much did you sell them for?”
Boy: “$1,000”
The Dad says, “That’s terrible to over charge your friends like that…that is way more than those two things cost. I’m taking you to church, to confession.”
They go to the church and the Dad makes the little boy sit in the confessional booth and closes the door.
The boy says, “Dark in here.”
The priest says, “Don’t start that stuff again; you’re in my closet now!”

é isso, por fernando stickel [ 10:19 ]

fundação stickel no facebook


Estou administrando o perfil da Fundação Stickel no Facebook.
Divulgarei suas ações e os convites para nossos eventos, fique amigo!

é isso, por fernando stickel [ 9:20 ]