aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Posts tagueados ‘rua dos franceses’

lili e a gripe espanhola


Lili, minha mãe Martha e meu tio Ernesto, anos 30, na casa da R. dos Franceses.

Minha avó Lili – Maria Elisa Arens Diederichsen (1883-1973), foi uma sobrevivente da gripe espanhola de 1918.

Ela se curou da gripe, mas teve como sequela uma lesão no pulmão que muitos anos mais tarde se transformaria em enfisema, doença que acabou sendo a causa de sua morte aos 90 anos de idade.

Ela tinha 35 anos de idade quando foi infectada em São Paulo pelo H1N1, a pandemia infectou 500 milhões de pessoas, cerca de um quarto da população mundial na época, e vitimou entre 50 e 100 milhões de pessoas no planeta, as vítimas preponderantemente adultos jovens.

Dois anos mais tarde nasceu a caçula da família, minha mãe Martha em 1920. Lili teve uma vida excelente, suas sequelas não diminuíram em nada seu vigor e alegria de viver. Dois anos ates de falecer o enfisema se manifestou, e ela passou a ter sintomas de falta de ar.


Lili no navio, com meu pai Erico, eu e minha irmã Sylvia, anos 50


Lili com minha irmã Sylvia na Suíça, anos 50


Lili com 87 anos, na festa do meu noivado com Maria Alice Kalil, 1970


A ciência tem dados das epidemias e pandemias, as curvas e as precauções são as mesmas…

é isso, por fernando stickel [ 9:23 ]

conjunto coral de câmara de s.paulo

klaus-dieter-wolff
À esquerda Klaus-Dieter Wolff, à direita Roberto Schnorrenberg.
De 1964 a 1969 cantei no naipe dos tenores de um grupo coral amador chamado Conjunto Coral de Câmara de São Paulo, regido por Klaus-Dieter Wolff (1926-1974) dedicado a repertórios medievais, renascentistas, de música contemporânea e de autores brasileiros.

Eu morava com meus pais na R. dos Franceses na Bela Vista e ia a pé aos ensaios no Colégio Visconde de Porto Seguro na Praça Roosevelt, duas vezes por semana, à noite.
O grupo se apresentava em teatros, igrejas, na TV, na Semana Santa viajávamos sempre para Santos e lá nos apresentávamos em uma igreja, ocasionalmente haviam apresentações conjuntas com o Madrigal Ars Viva de Santos e o Collegium Musicum de São Paulo, sob regência de Roberto Schnorrenberg (1929-1983)
A maior glória foi uma destas apresentações conjuntas no Teatro Municipal de São Paulo, com a casa cheia, em 7/12/1968 com o Vespro della Beata Vergine de Claudio Monteverdi.

coral2
A emoção de se apresentar com orquestra sinfônica completa, quase cem vozes e casa cheia é indescritível.
Depois das apresentações o grupo terminava invariavelmente em uma pizzaria, com todos cantando e sendo aplaudidos pelos outros comensais. Meu primo Luiz Diederichsen Villares (Luisinho) foi quem me convidou a participar do coral, cantávamos juntos!


Apresentação em Santos em 1964, Luisinho Villares e eu indicados nas setas.

é isso, por fernando stickel [ 9:52 ]

pólvora


Minha fase de brincar com fogo durou um ou dois anos, eu devia ter 13 ou 14 anos, e terminou com uma explosão.

Meus amigos me ensinaram a produzir pólvora em casa, com clorato de potássio (KClO3) e açúcar. Para acelerar a reação adiciona-se fósforo (P) vermelho, mas muito cuidado no preparo, qualquer atrito pode fazer a mistura explodir.

No início foram as bombinhas de São João, que nós desmontávamos e fazíamos de várias pequenas uma grandona, mas dava muito trabalho. Depois a coisa evoluiu para a produção “industrial”, queima lenta da pólvora para os foguetes, e queima rápida para as bombas.

A explosão final se deu na hora do jantar, no meu quarto na R. dos Franceses na Bela Vista. Enquanto minha mãe chamava para a mesa no andar de baixo, eu coloquei a mistura de clorato de potássio e açúcar no almofariz de bronze, não mais que uma colher de sopa, misturei bem, e me preparei para adicionar o fósforo vermelho, que é uma substância higroscópica e forma grânulos.

Lembrei da dica dos meus amigos que qualquer atrito pode provocar explosão, mirei bem um grânulo grande com o pilão, afastei meu rosto, e com o braço estendido bati.

Uma luz intensa, um estampido seco, tontura e um zumbido infernal nos ouvidos, sobrepujando todos os outros sons.

Levantei da mesa e mal consegui andar, tanta era a fumaça branca, abri as janelas do quarto, a fumaça começou a sair, abri a porta do quarto e saí envolto em volutas de fumaça, no hall do andar de baixo a família inteira olhava para cima assustada, sem coragem de subir as escadas… A explosão foi ouvida em toda a vizinhança, as pessoas sairam à rua perguntando o que havia acontecido, foi um fuzuê…

O saldo da brincadeira foram os meu dedos da mão direita incrustrados com resíduos da explosão, o zumbido que durou cerca de um mês para sumir, e a cúpula do abat-jour que se encolheu com o calor, sem falar na bronca que levei dos meus pais…

Na escala de coisas perigosas que fiz na minha adolescência (e sobrevivi…) só as brincadeiras com a Winchester 44 do meu avô superaram a pólvora, mas esta é uma outra história…

é isso, por fernando stickel [ 10:00 ]

lili e filhos, 1934


Minha avó Maria Elisa (Lili) Arens Diederichsen (1883-1973), com meu tio Ernesto George Diederichsen, que completará 96 anos de idade no próximo dia 6 de Agosto, e minha mãe Martha Diederichsen Stickel, 90 anos de idade…
Esta foto tirada na casa da R. dos Franceses deve ser de cerca de 1934.

é isso, por fernando stickel [ 9:27 ]

rua dos franceses

franceses livros
Na casa da Rua dos Franceses, onde minha mãe, eu e meus irmãos nasceram.

é isso, por fernando stickel [ 17:47 ]

rua dos franceses

franceses
Na Rua dos Franceses, Bela Vista.

é isso, por fernando stickel [ 8:52 ]

clarabóia na rua dos franceses

fra1
Na casa onde nasci na Rua dos Franceses, bairro da Bela Vista, a clarabóia no hall de escada.

é isso, por fernando stickel [ 8:52 ]

sonhei com meu pai

p0rtico
Sonhei que estava com meu pai Erico no pórtico de entrada da casa da família na Rua dos Franceses.
Estávamos de pé, um de frente para o outro, e ele me desabotoava a camisa, num gesto de carinho e intimidade.

é isso, por fernando stickel [ 7:22 ]

casamento martha e erico

cas
Começo do ano é uma época tranquila para os projetos, portanto propícia para limpezas e organizações gerais no escritório.
Decidi abrir caixas de arquivo fechadas há décadas, e começo a descobrir pequenas jóias, como por exemplo o convite de casamento dos meus pais Martha e Erico em 6 Janeiro 1947.
Se meu pai estivesse vivo, aos 96 anos de idade, estaria casado há 69 anos…

con
Após a cerimônia religiosa, recepção na Rua dos Franceses 324 na Bela Vista, a casa onde minha mãe, eu e meus irmãos nasceram, e onde meus pais viveram até o falecimento do meu pai em 2004.
con2
Menu amplo e curioso… A cargo do Automóvel Club de São Paulo.

é isso, por fernando stickel [ 14:36 ]

família reunida

familia
Cerca de 1966, meus pais e irmãos reunidos na casa da família na Rua dos Franceses, da esq. para a direita, o caçula Neco, Martha, Erico, Ana Maria, eu e Sylvia.

é isso, por fernando stickel [ 16:18 ]

seu arruda, farmacêutico

estojo-de-aco-antigo-com-seringa-vidro-marca-lider-coleco-7987-MLB5305770385_102013-F
O nome dele era “Seu” Arruda, baixinho, de meia idade, sempre de terno e gravata chegava em casa com sua fala rápida e enrolada, munido de maletinha de couro preta recheada de remédios, ampolas e seringas de vidro, agulhas, tudo devidamente esterilizado e guardado em estojos de aço inoxidável.

Simpático, discreto e eficiente, conhecia todos os glúteos da casa. Sua profissão, farmacêutico, sua missão, aplicar injeções. Eu gostava muito de observar a rotina de cortar o pescoço da ampola com uma serrinha e depois quebrá-lo com um ‘pop’.
Não sei por que me lembrei dele, presença constante na casa dos meus pais na Rua dos Franceses. Havia sempre alguém precisando de uma injeção, a casa era cheia de gente, meus pais, quatro irmãos, minha avó Lili, a Fräulein governanta e o “Seu” Paulo jardineiro.

é isso, por fernando stickel [ 23:32 ]

mondialino 50cc

Olha só que descoberta fantástica do meu amigo Pituco, enviada por WhatsApp!
Ele estava ajudando o Pedrinho Latorre a organizar coisas da famosa loja de motocicletas Latorre quando tropeçou no registro da compra da Mondialino 50cc no exato dia do meu aniversário de 17 anos, 6 Outubro 1965!!!

pituco

mondialino1
Em 1964, aos dezesseis anos de idade, de tanto insistir e encher o saco dos meus pais, acabei ganhando uma Leonette 50cc, com duas marchas, na mão.

No dia 6 de Outubro de 1965, dia do meu aniversário de 17 anos, um pouco antes da hora do almoço, meu pai pede para que eu entre no carro, o motorista começa a dirigir em direção à cidade, sem falar nada… vamos nos aproximando da Al. Barão de Limeira, e começo a sentir um friozinho na barriga, pois naquela região ficavam na época as principais lojas de motocicletas, Latorre, Edgar Soares, etc…
Paramos no Latorre, descemos, e meu pai me pergunta qual moto eu gosto mais…
Explodindo de alegria eu examino os modelos Mondial 50cc, havia um de corrida, com o tanque bem comprido, e um outro, estilo “cross”, que achei mais adequado ao meu biotipo, digamos assim, forte…
Quatro marchas no pé, a máquina era o sonho de qualquer moleque.
Meu pai fechou o negócio, e um mecânico da loja veio seguindo nosso carro no Mondialino zero km, azul claro metálico!!!
Que visão, que memória fantástica, meu pai que sempre foi durão comigo ganhou um milhão de pontos naquele dia.

Meu amigo Pituco me envia este catálogo da Brasimport, representante da Mondial:

brasimport

é isso, por fernando stickel [ 10:25 ]

meu quarto de solteiro

quarto2
Meu quarto na casa dos meus pais na Rua dos Franceses, Bela Vista, no início dos anos 70.
Nesta época eu estava totalmente “intoxicado” pelo mundo das artes, frequentava a Escola Brasil: e tinha aulas com os mestres Luiz PauloBaravelli, Carlos Fajardo, Frederico Nasser e José Resende.
Vivia as artes intensamente, com curiosidade e tesão e mesclava as artes “da casa dos pais” com as minhas aventuras na pintura.
Em Maio 1971, me casei com a Alice e saí da casa dos meus pais.

tanque
Meu quarto refletido no tanque de gasolina cromado da motocicleta Royal Enfield 350 “Bullet”, que eu havia desmontado.

é isso, por fernando stickel [ 10:14 ]

elex märklin

elex
Minha infancia e adolescencia foram marcados por doenças.
Asma, eczema, bronquite, pneumonia.
Uma imagem recorrente na minha memória sou eu na cama do meu quarto, com vários cobertores, na penumbra com o abat-jour aceso, no criado-mudo o termometro e a bombinha Dyspne-Inhal.
Em cima da cama uma mesinha onde eu ficava brincando com o Elex, ou lendo.
Cheiro de cataplasmas quentes de mostarda e Antiphlogistine, que naquela época (anos 50, início dos 60) era uma espécie de argila cinza, aplicada em compressas de gaze sobre o peito.
Para amenizar a tortura de horas e dias na cama, meu pai me trouxe da Alemanha a caixa de experimentos elétricos ELEX, da Märklin, com a qual brincava à exaustão.
Até hoje tenho orgulho de ter descoberto sozinho os princípios que fazem os motores elétricos funcionar.

dyspne

Eu também brincava com o Märklin Meccano, mas não dava para ser na cama…

meccano

é isso, por fernando stickel [ 10:13 ]

art-deco na bela vista

deco
Belo exemplo de arquitetura “art-deco” sobreviveu na Rua dos Franceses, Bela Vista.

é isso, por fernando stickel [ 7:53 ]

rua dos franceses

franceses-aero
A casa da minha infancia, na Rua dos Franceses 324, Bela Vista, em foto aérea de Junho 1973.

franceses-google
A mesma casa hoje, com terreno menor e um vizinho nos fundos, cuja entrada é pela rua sem saída Ulisses Paranhos.

é isso, por fernando stickel [ 10:39 ]

memórias profundas

Memórias profundas

Porão escuro da R. dos Franceses
Porão/oficina do Paulo Villares na R. Áustria
O quarto de ferramentas do meu avô Arthur Stickel no Guarujá
A garagem de barcos do meu avô Arthur Stickel no Guarujá
Os cheiros da casa grande em Campos do Jordão – a cerâmica vermelha
O quarto dos rádios do meu tio Ernesto Diederichsen na R. Gal. Mena Barreto
A copa de inox da casa do meu tio Ernesto Diederichsen, na R. Gal. Mena Barreto – o cheiro de banana batida com leite
Os caminhos secretos montados com caixotes
Ferrari vermelha à beira da estrada na Suíça
Cheiro de resina na floresta da Suíca

é isso, por fernando stickel [ 11:12 ]

seu paulo


Hiroshi Okumura

Conhecido como “Seu Paulo” o jardineiro japonês que trabalhou décadas para os meus pais na casa da R. dos Franceses era uma figura.
Tinha hábitos exóticos, como colocar jornal dentro do sapato, cozinhar no quarto e curtir fotografia.
Lia revistas em japonês, e guardava pilhas delas em seu quarto em cima da garagem.
Não se alterava jamais, porém de tempos em tempos procurava minha mãe, tirava os óculos, punha as mãos na cintura e reclamava:
– Dona Marta! Axim no e poxivel! Dona Frola non sabe o que quer!!

Isso porque a “Dona Frola” era desorganizada e pedia para o “Seu Paulo” ir ao Monte Azul, mercearia do bairro umas quinze vezes por dia…

é isso, por fernando stickel [ 10:17 ]