aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

2-tri
Competi no sábado, 24 Novembro 2012 no 2º Triathlon de Revezamento da Sociedade Hípica Paulista, 500m. de natação.
Meu desempenho foi o segundo pior desde que comecei a competir em 2007, a estratégia utilizada na prova acabou confusa, por falta de treino.
Durante boa parte do ano estive com dores e formigamentos no ombro e braço direito, o que prejudicou o treinamento. Além do peso, que esteve em cerca de 93kg, 2 a mais que a minha média histórica.
Como sempre, valeu o esforço e o companheirismo da equipe 7, com Jacy na corrida e o Paulinho na equitação.

2012 – 11:51
2011 – 11:33
2010 – 11:40
2009 – 12:24
2008 – 11:25
2007 – 11:11

A melhor surpresa do dia foi a equipe 13, da Sandra, Mario e Sura ganhar, em um sorteio, uma semana na Lapinha!!!

2-tria

é isso, por fernando stickel [ 8:18 ]

franceses-aero
A casa da minha infancia, na Rua dos Franceses 324, Bela Vista, em foto aérea de Junho 1973.

franceses-google
A mesma casa hoje, com terreno menor e um vizinho nos fundos, cuja entrada é pela rua sem saída Ulisses Paranhos.

é isso, por fernando stickel [ 10:39 ]


Abrindo necessária exceção na norma deste blog não publicar assuntos políticos, é preciso comemorar a data de ontem, 17 Dezembro 2012, quando encerrou-se no STF o julgamento do Mensalão, ou Ação Penal 470.
Conquista mais importante do Brasil Decente na última década, 25 réus foram condenados após 138 dias de julgamento.
Justiça!!!

Augusto Nunes escreve sobre isso aqui.

é isso, por fernando stickel [ 10:08 ]


Meu filho Arthur mandou bem neste finalzinho de ano, entrou na faculdade de cinema da FAAP, se formou no colegial do Colégio Santa Cruz, e fez apresentação impecável no teatro.
Por conta de tudo isso ganhou um iPhone zero km!!!

é isso, por fernando stickel [ 11:11 ]


Edie Sedgwick (1943-1971), uma das “superstars” de Andy Warhol em sua “Factory”.
Morreu de overdose aos 28 anos.

é isso, por fernando stickel [ 18:33 ]

pandeiro
Alguém comentou o descalabro na Casa de Cultura da Brasilândia, situação que acabou por justificar o término da parceria que a Fundação Stickel vinha lá mantendo em 27/11/2012.

Nosso parceiro na Brasilândia “Luisinho do Pandeiro” sempre apoiou as atividades da Fundação, divulgando nossas ações.
Desta vez, infelizmente, a notícia que ele traz tem o sabor de “fim-de-feira”…

é isso, por fernando stickel [ 9:02 ]


Bem ou mal, através do Facebook vão surgindo informações interessantes.
Sobre a Cooperativa dos Artistas Plásticos de São Paulo, por exemplo, postou hoje o meu amigo Oswaldo Pepe este cartaz de uma exposição de gravuras realizada em Dezembro de 1978, no Paço das Artes, na Av. Europa 158 em São Paulo.
Hoje neste endereço situa-se o Museu da Imagem e do Som – MIS
Através dos nomes no cartaz, atualizei a lista dos membros da Cooperativa, que salve imperfeições foram os seguintes:

Aldemir Martins
Antonio Carlos Rodrigues – Tuneu
Antonio Gundemaro Lizarraga
Arnaldo Pappalardo
Caciporé Torres
Carlos Alberto Fajardo
Carlos Augusto GUTO Lacaz
Carmela Gross
Cassio Michalany
Claudio Tozzi
Clovis Graciano
Ely Bueno de Andrade
Ermelindo Nardin
Fabio Magalhães
Flavio Shiro
Fernando Lion
Fernando Zanforlin
Gabriel Borba
Gabriel Zellmeister
Gerty Sarue
Gilda Vogt
Guto Lacaz
Ivald Granato
João Xavier
José Carlos BOI Cezar Ferreira
José Morais
Julio Plaza
Leila Ferraz
Lizárraga
Lothar Charoux
Luis Paulo Baravelli
Marcelo Nitsche
Marcio Perigo
Mario Fiore
Massuo Nakakubo
Mauricio Fridman
Mauricio Nogueira Lima
Newton Mesquita
Odair Magalhães
Odileia Toscano
Portillo
Rafael DUDI Maia Rosa
Regina Silveira
Regina Vater
Ricardo Amadeo
Romildo Paiva
Sacilotto
Sara Goldman
Selma Dafre
Sergio Fingerman
Tomie Ohtake
Tomoshigue Kusuno
Tuneu
Ubirajara Ribeiro
Waldir Sarubbi
Yolanda Bessa

A confirmar:
Alex Fleming
Carlos Lemos
Carlos Martins
Emanoel Araujo
Gilberto Salvador
Graciano
Gregório Gruber
León Ferrari
Mario Gruber
Megumi Yuasa
Rebolo
Rafael França
Renina Katz
Samuel Szpigel

é isso, por fernando stickel [ 16:27 ]

oscar
“Toda forma que cria beleza tem uma função”

“O que me atrai é a curva livre e sensual. A curva que no encontro sinuoso dos nossos rios, nas nuvens do céu, no corpo da mulher preferida. De curva é feito todo o universo. O universo curvo de Einstein.”

Fiz esta homenagem a Oscar Niemeyer (1907-2012) em 9 Maio 1979, no caderno que mantive com meu amigo Cassio Michalany.

Como artista, escultor, desenhista, um gênio!
Já como arquiteto, sofrível (estive DENTRO de várias obras dele, são péssimas)
Como político, lamentável.

Sobre o comunismo de butique de Niemeyer, ícone perfeito da CHEC (Comunistas Hipócritas da Esquerda Caviar) leiam o excelente artigo de Reinaldo Azevedo.

copan1
Por outro lado, é inegável o legado plástico de Niemeyer, homenageado pelo Edifício Copan, neste meu óleo sobre tela de 1980.

é isso, por fernando stickel [ 9:16 ]

Vera-005
Livro Vera Martins: Pintura por Desconstrução

A Fundação Stickel, a Editora Terceiro Nome e a Galeria Jaqueline Martins convidam para o lançamento do livro “Vera Martins: Pintura por Desconstrução”, na Galeria Jaqueline Martins (Rua Dr. Virgilio de Carvalho Pinto, 74, São Paulo-SP), no próximo dia 15 de dezembro (sábado), a partir das 12 horas.

O evento também marcará o início de uma exposição de Vera Martins no local e contará com uma performance da artista.

Editado pela Fundação Stickel e pela Terceiro Nome, o livro é belo registro da obra desta artista plástica que propõe a desconstrução do suporte da pintura. Desfiando a tela, Vera a transforma em fios e eles, por sua vez, tornam-se chicote e pincel, impondo suas marcas, formas e nós que geram linhas em uma ação enérgica, corporal e vital.
A artista vem de uma família de fiandeiras portuguesas que faziam à mão todas as etapas do trabalho: o plantio do linho, a sedagem, a fiação e o tear dos lençóis. Em seu percurso de 25 anos nas artes plásticas, Vera também se tornou uma fiandeira, tecendo a vida, a morte e a sexualidade em pinturas, objetos e instalações.

O livro começou com o Projeto Contrapartida da Fundação Stickel, por meio do qual a artista criou uma parceria para publicar seu trabalho e, em troca, desenvolveu um curso sob o mesmo tema, para jovens da Brasilândia, a partir das suas experiências com alunos na Alemanha. ”O livro é o projeto editorial mais ambicioso da Fundação Stickel até agora. Iniciou-se como um registro do Projeto Contrapartida e foi evoluindo, incorporou vários textos, fotos, recebeu a colaboração de várias pessoas e sofreu inúmeras revisões do design gráfico”, relata Fernando Stickel, presidente da fundação.

Performance – Por volta das 16 horas, a artista realizará na galeria uma demonstração de sua técnica de chicotear para produzir suas obras.
A exposição das obras de Vera Martins ficará aberta na galeria ate 22 de dezembro.

Serviço:
Livro Vera Martins: Pintura por Desconstrução
Organização: Fernando Stickel
Textos: Agnaldo Farias e Carlos Perrone
Fotos: Rômulo Fialdini
108 págs
ISBN: 978-85-7816- 100-2
Preço: R$ 40,00

Lançamento, exposição e performance da artista
Local: Galeria Jaqueline Martins (Rua Dr. Virgilio de Carvalho Pinto, 74, São Paulo-SP)
Data: 15/12 (sábado)
Horário: 12 horas

é isso, por fernando stickel [ 8:35 ]

wesley-j
Passei estes dias em frente a este imóvel situado na Av. João Dias 480, bairro de Santo Amaro, em São Paulo, onde morou desde os anos sessenta o pintor Wesley Duke Lee (1931-2010)

Tive o privilégio de conhecer o artista e sua casa/atelier, situada na parcela do imóvel marcada na foto com o Nº 1.
Ao lado, marcada com o Nº 2, ele montou nos anos setenta a fábrica de molduras “Rex”, depois desativada. O espaço passou a abrigar o “Instituto de Arqueologia Anímica de Santo Amaro”, na “Sala Cacilda Teixeira da Costa”, que nada mais era que o arquivo pessoal do artista.

Esta simples descrição não faz jus ao que de fato se encontrava neste imóvel, uma riqueza inacreditável de arte, objetos, livros, e, principalmente, um clima de beleza, mistério e arte únicos, que eu tive a felicidade de fotografar em 2005.

wesley-joao-dias1
Na foto de Dezembro de 2005, em frente à sua casa, a Profª Drª Claudia Valladão de Mattos, o próprio Wesley, e os pesquisadores André Luis Tavares Pereira e Maria do Carmo Couto da Silva.
Naquela época a Fundação Stickel dedicava-se a digitalizar os arquivos pessoais do artista, projeto bruscamente interrompido, veja porque aqui.

é isso, por fernando stickel [ 15:02 ]

filantropos
Participei do I Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais, promovido pelo Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS), em parceria com o Global Philantropy Forum (GPF), no último dia 30/11.

Muito bem organizado, com boas palestras, entre elas a do cientista Miguel Nicolelis, genial!

é isso, por fernando stickel [ 14:06 ]

Eu não tive o prazer de conhecer o Fabio pessoalmente, apesar de frequentarmos o mesmo clube de antigomobilistas. Tenho certeza de que ele estará passeando agora no meio das nuvens, em cima de sua Moto Guzzi…
Transcrevo abaixo a nota oficial do MG Club do Brasil:

“O MG Club do Brasil vem externar o seu profundo pesar sobre a morte do amigo, colecionador, piloto e associado Fábio Steinbruch de 51 anos (faria 52 em 12 de março), morto em um acidente de motocicleta (Moto Guzzi 250 – estouro do pneu dianteiro) na marginal do Tiete (São Paulo) – ele mesmo ligou para o resgate do Corpo de Bombeiros, sendo levado ao Hospital São Luiz (uma clavícula quebrada perfurou a artéria torácica superior, levando a uma forte hemorragia).
Seu enterro ocorreu no dia de ontem (3/12). Sempre que podia, o Fábio como associado do MG Club do Brasil, participava de nossos eventos (os realizados em pista, participava de todos) – no nosso último evento na pista do Eduardo Souza Ramos, ele compareceu com dois carros de corrida (Alfa Romeo GTV e um JK).
Sua atuação no antigomobilismo não se resume a isso – foi um grande incentivador do hobby, sendo autor de livros sobre o tema e, tinha a intenção de fundar um museu (que estava sendo construído na Região de Águas de Lindóia), onde poderia mostrar grande parte da sua coleção de mais de 200 veículos.
Era um homem gentil, de boa índole e apaixonado pela Alfa Romeo (foi um dos fundadores do Alfa Romeo Clube) e por carros nacionais (corria ultimamente com um Dodge Polara todo preparado). Nosso pesar a sua mulher Fabiane, seu irmão Leo e a toda sua família.

Conselho e Diretoria do MG Club do Brasil

Luis Cezar Ramos Pereira
Presidente”

é isso, por fernando stickel [ 13:52 ]

fuga
A day in the life – Fuga das Ilhas II

Acordei às 8:00h, tomei café, dei um tempo, preparei os equipamentos, besuntei grossas camadas de protetor solar, peguei o carro e fui para a Barra do Sahy, tentei entrar na “cidade” e desisti, muita bagunça, carros parados em tudo quanto é lugar, estacionamentos lotados, voltei e parei na beirada da estrada.
Através da praia lotada fui até a tenda da Fuga das Ilhas, lá escreveram o Nº 14 no meu braço direito. Dei uma circulada, examinei as bóias, pensei um pouco na estratégia a utilizar na prova.
As escunas voltaram da ilha após deixar a turma da segunda bateria, e os integrantes da terceira bateria começaram a nadar em direção a elas.
Chegamos na ilha e todo mundo se dirigiu à tenda em busca de água, quando cheguei JÁ NÃO HAVIA ÁGUA!!!!!!!! que merda de organização!!

Preocupado, pensei em alternativas, sei que a hidratação correta é uma necessidade absoluta em uma prova longa como essa. Olhei em volta, vários barcos estavam por ali perto da praia, pequenos e grandes, visualizei um “gommone” amarelo chamado Rapa Nui, me aproximei e pedi água ao casal, que muito simpáticamente me deu uma garrafa. Obrigado!!!

Tomei minha água discretamente e fui para debaixo de uma árvore esperar a largada. Examinei a situação e decidi sair bem longe do grupo principal, quando soou a sirene larguei praticamente sozinho e fui no meu ritmo, água mais para fria, mas gostosa, poucas ondas.
Até a metade do percurso foi tudo bem, aí me pegou a primeira cãibra na panturrilha direita, mexi pra cá, mexi pralá, a cãibra soltou, voltei a nadar o crawl, pouco depois outra cãibra, e assim foi indo, e cada vez inventava novos malabarismos para soltar as cãibras, que evoluiram paras as duas pernas e pegavam em todos os lugares.
Quando faltavam cerca de 300m a cãibra foi tão forte que chamei o barco resgate, mas ele estava longe e não me viu, então mais uma vez, com muita calma, fui administrando a melhor maneira de soltar, e fui avançando lentamente, em estilo “cachorrinho de pé” até a linha de chegada.
Completei os cerca de 1.900m. em 59′ 31″. No “curral” da saída ganhei uma medalha, tomei um isotônico, mas bananas já não haviam. Eta organização de merda!!
Tudo bem, sempre vale participar de um evento como esse, disseram que eram cerca de 3.000 participantes.

Encontrei alguns amigos, comentamos os respectivos desempenhos, fui para casa, tomei um banho, almocei e voltei pilotando a Mercedes via Mogi das Cruzes.
Cheguei em casa moído, com as panturrilhas destruidas, o que não me impediu de jantar uma bela pizza com a Sandra e os meus filhos Antonio e Arthur.

fuga2

é isso, por fernando stickel [ 11:05 ]

a-day
A day in the life – Fuga das Ilhas

No sábado acordei cedo, banho, barba, café com a Sandra, brinquei um pouco com o Jimmy, peguei a moto e fui recepcionar os alunos do curso Aproximações com a Arte promovido pela Fundação Stickel, inaugurando a parceria com a Fábrica de Cultura da Vila Nova Cachoeirinha.

De lá direto para a Hípica, onde nadei 600m, só para soltar. Almoço com a Sandra em casa, faço uma mala mínima, tiro a capa da Mercedes e largo às 14:30h para o Camburi.

Na estrada venho brincando com uma Cayenne Turbo, três vezes mais potente que a Mercedes com seus burocráticos 170hp… Fico perto do potente monstro preto e ouço a música de seu V8 com clareza, quando acelera para ultrapassar.

Dou uma passada pela Barra do Sahy para confirmar o horário da largada da prova Fuga das Ilhas no domingo, chego ao Camburi por volta das 17:00h, dou um mergulho no delicioso mar gelado e passeio pela praia.

Na Cantietta me permito meia garrafa de Carmen Sauvignon Blanc, linguine vegetariano com enormes brócolis e bolotinhas de queijo de cabra, e vou beliscando torradinhas crocantes enquanto observo na mesa ao lado uma morena musculada com o braço direito totalmente tatuado. A conversa é muito séria e rola sobre alimentação saudável, peso, pedaladas, corridas, repetições de exercícios e cargas, enquanto isso me delicio com uma cuca de banana com sorvete de creme e me espanto com a total falta de sensualidade que exala da mesa, composta de três gatas musculadas e um magrelo de barba.

Reparo que algo foi abolido das famílias, definitivamente, o ensino de modos à mesa. Na falta de orientações, os jovens devem entender que quanto mais complicado melhor, então observo malabarismos de pulso, dedos, garfos e facas inacreditáveis!!!! Que feio!!!!!

Ao lado uma avó embala o carrinho do bebê enquanto canta deliciosas canções de ninar.

No caminho de volta compro revistas e um charuto, chegando em casa me degladio com os controles da televisão e do Sky, peço ajuda para o porteiro da noite, e acabo por encontrar um filme interessente “Jogador”. Meia noite em ponto desligo a luz e durmo como um rei, embalado pelo som do mar.

é isso, por fernando stickel [ 6:40 ]

kisil-marcovitch
O Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS), em parceira com o Global Philanthropy Forum (GPF), realizará amanhã, 30/11 o I Fórum Brasileiro de Filantropos e Investidores Sociais.
O Fórum terá como tema “O Papel da Filantropia no Desenvolvimento do Brasil” e reunirá especialistas e líderes internacionais e nacionais que buscam soluções inovadoras para enfrentar desafios sociais e de desenvolvimento.
No coquetel de lançamento do Forum, hoje na Editora Abril, tive o prazer de rever dois gigantes do Terceiro Setor, Marcos Kisil e Jacques Marcovitch, ambos meus mestres, o Prof. Jacques me deu aula no MBA da FIA, e o Marcos vem me aconselhando desde que o conheci durante a preparação do meu TCC em 2009.

é isso, por fernando stickel [ 22:47 ]

leme
Fui à Galeria Leme visitar a exposição da fotógrafa alemã Candida Höfer.
Não me impressionei pela decantada arquitetura de Paulo Mendes da Rocha, e nem pelas fotografias.
Explico.
Já vi exposições da Candida fora do Brasil, com fotos em formatos bem maiores, da ordem de 2x3m. Acho que para o tipo de trabalho fotográfico da alemã, grandes formatos são fundamentais.
Em relação à arquitetura, eu simplesmente não acredito no concreto aparente, ao menos não desta maneira obsessiva, que te envolve com piso, parede e teto.
Tenho fé na qualidade das paredes brancas e nos ambientes neutros para a exposição de artes visuais. O que não quer dizer que museografia específica para determinada exposição não possa propor com sucesso paredes vermelhas, pretas, transparentes, ou até de concreto.
Além disso achei o espaço principal de exposição um pouco acanhado, faltam, na minha humilde opinião, cerca de dois metros na largura.

é isso, por fernando stickel [ 15:02 ]

arte-transforma3
Fundação Stickel – Arte Transforma

Missão
Promover a inclusão social, cultural e econômica de pessoas e comunidades, por meio das artes visuais.

Visão
Fazer das artes visuais um instrumento de inclusão sócio cultural na sociedade brasileira.

ARTE TRANSFORMA – Impactar para transformar

A Fundação Stickel acredita que o contato do ser humano com a arte é uma poderosa centelha, iniciadora do processo de ampliação de seu universo e conhecimentos.
É o impacto inicial que transmuta olhares, valores e leituras do mundo; é o impulso criativo do desejar mais e ir mais longe.
Percebendo-se como protagonista da própria vida, o ser humano passa a compreender o enorme potencial de transformação pessoal e modificação de realidades.

Por isso promovemos e incentivamos o contato com a arte, por meio de exposições, educativo, cursos, oficinas, edição e lançamento de livros, projeções e pesquisas sobre movimentos artísticos nacionais. 
 
Estimulamos a vivência artística em uma das áreas de maior vulnerabilidade social da capital paulista – Brasilândia/Cachoeirinha – assim como desenvolvemos projetos de cunho empreendedor capazes, não apenas de propiciar geração de renda, mas também de elevar a autoestima do indivíduo e da comunidade.

é isso, por fernando stickel [ 14:13 ]

exaus
A Saga do Exaustor Capítulo XV

O “novo” exaustor instalado atrás da chaminé da Sociedade Hípica Paulista, a menos de um mês atrás, voltou a fazer um barulho infernal!!!

Vou ter que escrever novamente sobre isso no livro de reclamações, tanta incompetência!!!!

Acompanhe todos os capítulos da novela clicando aqui.

Em tempo: Na sexta-feira, 30/11 consta que o presidente teve um “piti” com o barulho, chamou os responsáveis, reclamou, etc…

é isso, por fernando stickel [ 17:31 ]