aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Posts tagueados ‘fundação stickel’

volta à escola

school
Em Maio 2011 participei do curso “Foundation School” promovido pela CAF (Charities Aid Foundation) e IDIS (instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social).
O artigo da Alliance Magazine “Back to school!” trata do curso, agora em sua quarta edição e entrevista alguns dos participantes do curso.

é isso, por fernando stickel [ 16:20 ]

ongs, transparência e sociedade

A respeito do artigo “ONGs, transparência e sociedade” do Prof. William Eid Junior, publicado em 22/10/2012 no jornal O Estado de São Paul, escrevi esta carta ao “Forum dos Leitores”:

Cumpre esclarecer inicialmente o que se abriga debaixo da sigla “ONG” (Organização não Governamental). Sob esta sigla genérica existem apenas duas figuras jurídicas no Brasil, as ASSOCIAÇÕES e as FUNDAÇÕES. As Associações podem ainda receber denominações como Instituto, Grêmio, Clube, Núcleo, União, etc…
As Associações se formam pela reunião de um grupo de pessoas em busca de um ideal comum, já as Fundações são criadas a partir de um Fundo Patrimonial (Imóveis, aplicações financeiras, ações) dedicado a um ideal. As Fundações abrigam desde sua instituição, portanto, capital privado destinado a fins públicos, conhecido hoje como ISP (Investimento Social Privado) e por conta desta característica são veladas pelo Ministério Público.
As normas para a instituição e conduta aplicadas às Fundações são muito mais complexas e exigentes que as normas que se aplicam às Associações.
As Fundações são regidas pelos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência, e prestam contas anualmente ao Ministério Público (Curadoria das Fundações) através do sistema eletrônico SICAP. Publicam obrigatoriamente o balanço anual em jornal de grande circulação.

A transparência na prestação de contas é fundamental para a atuação eficiente e a longevidade de Associações e Fundações, cito o exemplo da instituição que dirijo, a Fundação Stickel, que aos 58 anos de existência não apenas cumpre com todas as obrigações legais, como disponibiliza em seu site na internet (www.fundacaostickel.org.br) seus relatórios anuais.
É bem verdade que poucas instituições mantém hoje seus sites na internet atualizados com a divulgação de relatórios, mas inevitavelmente o caminho da evolução do Terceiro Setor passará pela transparência e accountability, seja por força de lei ou simplesmente pela crescente conscientização e exigência da sociedade civil.

é isso, por fernando stickel [ 14:11 ]

aproximações com a arte

aproxi1
Aproximações com a Arte
Uma proposta inovadora para transformar a educação através das artes
 
O curso gratuito Aproximações com a Arte, realizado pela Fundação Stickel em parceria com a Fábrica de Cultura Vila Nova Cachoeirinha e patrocínio do IMPAES, é uma oportunidade para os professores da Vila Nova Cachoeirinha ampliarem seus conhecimentos sobre educação através das artes.
 
Oferece visitas monitoradas aos principais museus da cidade de São Paulo incluindo o transporte, aulas expositivas e exercícios práticos ligados às linguagens artísticas.
 
O curso é direcionado a professores de todas às áreas, como a matemática, ciências, educação infantil etc. Não é necessário ter conhecimento prévio em artes, apenas ter interesse em desenvolver suas habilidades em educação através das artes.
 
Ao longo do curso, os professores terão momentos de apreciação e experimentação artística durante as visitas às exposições e as aulas de ateliê. Repensarão a prática educativa (relação educador-escola-educando) e terão espaço/tempo para incorporar o “fazer criativo” ao espaço de ensino-aprendizagem.

Em 2013 o curso será realizado em 5 ciclos de três encontros:

1º ENCONTRO
Contextualização histórica e visita à exposição – museus, galerias e espaços culturais de São Paulo.

2º ENCONTRO
Ateliê de criação e apropriação de conteúdos através de linguagens artísticas: pintura, desenho, escultura, etc.

3º ENCONTRO
Repensar a prática educativa para a criação de novas estratégias de ensino-aprendizagem.

No fechamento do curso será realizada exposição dos trabalhos dos alunos na Fábrica de Cultura Vila Nova Cachoeirinha.

Carga horária total: 100 horas
Aulas quinzenais aos sábados das 9:00 às 13:00 / Exceto aulas externas: das 9:00 às 15:00
Início das aulas: 23/fevereiro/2013
Término das aulas: 14/dezembro/2013

Mais informações com Gláucia: Tel. (11) 2233-9270

é isso, por fernando stickel [ 9:43 ]

fábrica de cultura & fundação stickel

fabrequi
Iniciando 2013 na Fábrica de Cultura da Vila Nova Cachoeirinha com reunião das equipes da Fábrica e da Fundação Stickel, para se conhecerem e início dos trabalhos conjuntos.

Três projetos estão contratados para 2013 nesta nova parceria, os cursos “Aproximações com a Arte”, “Um olhar sobre a Cachoeirinha” e “Modos de ver – Investigações sobre o Desenho”. Outros projetos poderão ser desenvolvidos conjuntamente, dependentes ainda de captação dos correspondentes recursos.

A Fundação Stickel doou à Fábrica um piano M. Schwartzmann, e propos ceder as fotos de Juan Esteves “Presença” para exposição itinerante pelas diversas fábricas de cultura.
Muitas coisas boas por acontecer!

é isso, por fernando stickel [ 17:43 ]

aprendendo com o fracasso

idis
Escrevi um artigo chamado “Aprendendo com o Fracasso” sobre experiências mal sucedidas da Fundação Stickel.
O artigo foi publicado no portal do Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social – IDIS, veja aqui.

é isso, por fernando stickel [ 18:43 ]

vera martins

Lançamento em 15/12/2012 do livro “Vera Martins: Pintura por Desconstrução” editado pela Fundação Stickel e Editora Terceiro Nome, na Galeria Jaqueline Martins, com exposição e performance onde Vera mostra como desconstroi a tela e tece os fios da sua obra.

é isso, por fernando stickel [ 18:11 ]

aproximações com a arte

fabrica
Montagem da exposição “Aproximações com a Arte”

No sábado 15 Dezembro 2012 a Fundação Stickel inaugurou na Fábrica de Cultura da Vila Nova Cachoeirinha a exposição dos alunos de seu curso “Aproximações com a Arte”.
O curso contou com o apoio do Instituto Minidi Pedroso de Arte e Educação – IMPAES, foi fiscalizado pelo CENPEC, e teve como parceiros a Subprefeitura Freguesia-Brasilândia e a Fábrica de Cultura da Vila Nova Cachoeirinha.

Foram entregues certificados de conclusão a todos os alunos:

Ana Carolina Lima Fontes
Ana Cristina de Andrade
Aparecida de Cássia Andrade
Camila Oliveira de Souza
Carlos Alberto Borzeto
Cristiane de Lima Bellini
Hingrit Ellen dos Santos Souza
Jociene Barbosa da Silva
Jocyane Aleixo Vieira Lourenço Maila
Juliana de Oliveira Fenner
Maria Edna da Silva Oliveira
Maria Salete da Silva
Milena de Oliveira Fenner
Nilda Maria Maia Bello de Oliveira
Priscila Sânsia Silva Leite
Selma Antunes
Solange Teixeira de Lima

é isso, por fernando stickel [ 10:53 ]

olhar sobre a brasilândia

olhar-s
Nesta segunda-feira, 17 Dezembro 2012, encerrou-se o curso de fotografia “Um olhar sobre a Brasilândia IV”, promovido pela Fundação Stickel e ministrado pelo fotógrafo Arnaldo Pappalardo e seu assistente Lucas Cruz.
Tivemos o apoio da Subprefeitura Freguesia-Brasilândia e Fábrica de Cultura da Vila Nova Cachoeirinha.
Todos os alunos receberam certificados de conclusão do curso. em 2013 realizaremos exposição das fotos dos alunos.
Os alunos:

Ana Paula Oliveira de Moraes Lima
Arza Roze Steinmetz
Cibely Dehn Araujo Quirino
Cristiane de Lima Bellini Marin
Cristiano Marcelino de Andrade
Eduardo Vinicius Augustinho
Eliana de Carvalho Amorim
José Rodrigues de Oliveira Pereira
Juliana de Oliveira Fenner
Juliana Gonçalves Ferreira de Paula
Julio Cezar Oliveira Souza
Karina do Carmo Neto
Liliamar Lopes de Camargo
Luigi Menezes de Souza
Marcio de Jesus Ferreira
Mônica Darcy Luz
Nádia Regina Pinto Gonçalves de Lima
Rafael Henrique da Silva Barros
Ramildo Gonçalves de Lima
Ricardo Papai Marin
Rodrigo Silva de Oliveira
Solange Teixeira de Lima
Sonia Freitas
Ulda Mandu

é isso, por fernando stickel [ 17:16 ]

luisinho do pandeiro

pandeiro
Alguém comentou o descalabro na Casa de Cultura da Brasilândia, situação que acabou por justificar o término da parceria que a Fundação Stickel vinha lá mantendo em 27/11/2012.

Nosso parceiro na Brasilândia “Luisinho do Pandeiro” sempre apoiou as atividades da Fundação, divulgando nossas ações.
Desta vez, infelizmente, a notícia que ele traz tem o sabor de “fim-de-feira”…

é isso, por fernando stickel [ 9:02 ]

vera martins: pintura por desconstrução

Vera-005
Livro Vera Martins: Pintura por Desconstrução

A Fundação Stickel, a Editora Terceiro Nome e a Galeria Jaqueline Martins convidam para o lançamento do livro “Vera Martins: Pintura por Desconstrução”, na Galeria Jaqueline Martins (Rua Dr. Virgilio de Carvalho Pinto, 74, São Paulo-SP), no próximo dia 15 de dezembro (sábado), a partir das 12 horas.

O evento também marcará o início de uma exposição de Vera Martins no local e contará com uma performance da artista.

Editado pela Fundação Stickel e pela Terceiro Nome, o livro é belo registro da obra desta artista plástica que propõe a desconstrução do suporte da pintura. Desfiando a tela, Vera a transforma em fios e eles, por sua vez, tornam-se chicote e pincel, impondo suas marcas, formas e nós que geram linhas em uma ação enérgica, corporal e vital.
A artista vem de uma família de fiandeiras portuguesas que faziam à mão todas as etapas do trabalho: o plantio do linho, a sedagem, a fiação e o tear dos lençóis. Em seu percurso de 25 anos nas artes plásticas, Vera também se tornou uma fiandeira, tecendo a vida, a morte e a sexualidade em pinturas, objetos e instalações.

O livro começou com o Projeto Contrapartida da Fundação Stickel, por meio do qual a artista criou uma parceria para publicar seu trabalho e, em troca, desenvolveu um curso sob o mesmo tema, para jovens da Brasilândia, a partir das suas experiências com alunos na Alemanha. ”O livro é o projeto editorial mais ambicioso da Fundação Stickel até agora. Iniciou-se como um registro do Projeto Contrapartida e foi evoluindo, incorporou vários textos, fotos, recebeu a colaboração de várias pessoas e sofreu inúmeras revisões do design gráfico”, relata Fernando Stickel, presidente da fundação.

Performance – Por volta das 16 horas, a artista realizará na galeria uma demonstração de sua técnica de chicotear para produzir suas obras.
A exposição das obras de Vera Martins ficará aberta na galeria ate 22 de dezembro.

Serviço:
Livro Vera Martins: Pintura por Desconstrução
Organização: Fernando Stickel
Textos: Agnaldo Farias e Carlos Perrone
Fotos: Rômulo Fialdini
108 págs
ISBN: 978-85-7816- 100-2
Preço: R$ 40,00

Lançamento, exposição e performance da artista
Local: Galeria Jaqueline Martins (Rua Dr. Virgilio de Carvalho Pinto, 74, São Paulo-SP)
Data: 15/12 (sábado)
Horário: 12 horas

é isso, por fernando stickel [ 8:35 ]

a day in the life

a-day
A day in the life – Fuga das Ilhas

No sábado acordei cedo, banho, barba, café com a Sandra, brinquei um pouco com o Jimmy, peguei a moto e fui recepcionar os alunos do curso Aproximações com a Arte promovido pela Fundação Stickel, inaugurando a parceria com a Fábrica de Cultura da Vila Nova Cachoeirinha.

De lá direto para a Hípica, onde nadei 600m, só para soltar. Almoço com a Sandra em casa, faço uma mala mínima, tiro a capa da Mercedes e largo às 14:30h para o Camburi.

Na estrada venho brincando com uma Cayenne Turbo, três vezes mais potente que a Mercedes com seus burocráticos 170hp… Fico perto do potente monstro preto e ouço a música de seu V8 com clareza, quando acelera para ultrapassar.

Dou uma passada pela Barra do Sahy para confirmar o horário da largada da prova Fuga das Ilhas no domingo, chego ao Camburi por volta das 17:00h, dou um mergulho no delicioso mar gelado e passeio pela praia.

Na Cantietta me permito meia garrafa de Carmen Sauvignon Blanc, linguine vegetariano com enormes brócolis e bolotinhas de queijo de cabra, e vou beliscando torradinhas crocantes enquanto observo na mesa ao lado uma morena musculada com o braço direito totalmente tatuado. A conversa é muito séria e rola sobre alimentação saudável, peso, pedaladas, corridas, repetições de exercícios e cargas, enquanto isso me delicio com uma cuca de banana com sorvete de creme e me espanto com a total falta de sensualidade que exala da mesa, composta de três gatas musculadas e um magrelo de barba.

Reparo que algo foi abolido das famílias, definitivamente, o ensino de modos à mesa. Na falta de orientações, os jovens devem entender que quanto mais complicado melhor, então observo malabarismos de pulso, dedos, garfos e facas inacreditáveis!!!! Que feio!!!!!

Ao lado uma avó embala o carrinho do bebê enquanto canta deliciosas canções de ninar.

No caminho de volta compro revistas e um charuto, chegando em casa me degladio com os controles da televisão e do Sky, peço ajuda para o porteiro da noite, e acabo por encontrar um filme interessente “Jogador”. Meia noite em ponto desligo a luz e durmo como um rei, embalado pelo som do mar.

é isso, por fernando stickel [ 6:40 ]

arte transforma

arte-transforma3
Fundação Stickel – Arte Transforma

Missão
Promover a inclusão social, cultural e econômica de pessoas e comunidades, por meio das artes visuais.

Visão
Fazer das artes visuais um instrumento de inclusão sócio cultural na sociedade brasileira.

ARTE TRANSFORMA – Impactar para transformar

A Fundação Stickel acredita que o contato do ser humano com a arte é uma poderosa centelha, iniciadora do processo de ampliação de seu universo e conhecimentos.
É o impacto inicial que transmuta olhares, valores e leituras do mundo; é o impulso criativo do desejar mais e ir mais longe.
Percebendo-se como protagonista da própria vida, o ser humano passa a compreender o enorme potencial de transformação pessoal e modificação de realidades.

Por isso promovemos e incentivamos o contato com a arte, por meio de exposições, educativo, cursos, oficinas, edição e lançamento de livros, projeções e pesquisas sobre movimentos artísticos nacionais. 
 
Estimulamos a vivência artística em uma das áreas de maior vulnerabilidade social da capital paulista – Brasilândia/Cachoeirinha – assim como desenvolvemos projetos de cunho empreendedor capazes, não apenas de propiciar geração de renda, mas também de elevar a autoestima do indivíduo e da comunidade.

é isso, por fernando stickel [ 14:13 ]

sub
Curiosa sincronicidade!!

Como que a fornecer subsídios para comprovar a tese desenvolvida no post abaixo, recebo hoje do Secretário Executivo de Comunicação da Prefeitura de São Paulo as Coletâneas Anuais dos Boletins Informativos AQUI das Subprefeituras, em seis volumes finamente encadernados, abrangendo os anos de 2006 a 2011.

Analisando os verbetes da Subprefeitura Freguesia-Brasilândia, encontro apenas uma menção ao trabalho que a Fundação Stickel vem desenvolvendo na região desde 2007, no volume referente ao ano de 2010.

Ocorre que, apenas no período de 2010 a 2012, a Fundação promoveu na Casa de Cultura da Brasilândia:

-Exposição de fotos Juan Esteves “Presença”
-Curso de fotografia com Arnaldo Pappalardo e Lucas Cruz “Um Olhar sobre a Brasilândia I”
-Exposição de fotos Fernando Stickel “Vila Olímpia”
-Curso de documentário e cinema com Julia Campos “DNA da Brasilândia”
-Curso de fotografia para deficientes visuais com Teco Barbero “24 Horas de Olhar Universal”
-Mutirão de voluntários para revitalização da Praça Benedita Cavalheiro “Dia de fazer a diferença”
-Lançamento oficial do movimento “Transition Brasilândia”
-Exposição de fotos Valdir Cruz “Águas e Árvores”
-Exposição de fotos “Um Olhar sobre a Brasilândia I”
-Exposição de pinturas Carla Fatio “Entre Entes e Sementes”
-Curso de arte e atividades para crianças “Arte nas férias”
-Exibição de filmes às sextas-feiras para crianças e adultos “Cinema na Brasilândia”
-Curso de xilogravura com Laidye Negger
-Exposição de pinturas Plinio Toledo Piza “Terras e Céus: paisagens modulares”
-Curso para educadores da rede pública em parceria com IMPAES e CENPEC “Aproximações com a Arte”
-Curso de fotografia com Arnaldo Pappalardo e Lucas Cruz “Um Olhar sobre a Brasilândia II”
-Curso de curtas-metragens “Associação Cultural Kinoforum”
-Curso de vídeo “Instituto Criar”
-Exposição de fotos “Um Olhar sobre a Brasilândia II”

Uma pequena discrepancia, não é mesmo?
Prova inequívoca de que a Subprefeitura Freguesia-Brasilândia encontra-se totalmente desconectada de sua parceira, a Fundação Stickel, e vice-versa.

Ofício-Circular2

é isso, por fernando stickel [ 17:17 ]

fundação encerra parceria

Aprendendo com o fracasso

A Fundação Stickel acaba de encerrar em 27/11/2012 parceria com a Casa de Cultura da Brasilândia, equipamento da Prefeitura de São Paulo sob a gerência da Subprefeitura Freguesia-Brasilândia.
Em Maio deste ano finalizamos parceria com a Paróquia São José Operário da igreja católica, localizada na Região Episcopal Brasilândia, somando dois encerramentos de parceria em 2012, o que gera a necessidade de reflexão. É preciso entender o que levou as parcerias ao fracasso, para que fatos como estes não se repitam no futuro.

Tenho certeza que todos os projetos que foram desenvolvidos, em ambos os locais, foram de boa qualidade e atenderam à comunidade local. Por qual razão então o fracasso? Que forças se mobilizaram para inviabilizar a presença da Fundação? A quem interessa a nossa ausência?

Paróquia São José Operário

A Fundação chegou à Paróquia no final de 2008 através de reuniões da comunidade local com nossos APS (Agente de Proteção Social) que trabalhavam no Programa Ação Família, desenvolvido pela Fundação em parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social. As reuniões se realizavam no salão paroquial, com a concordância não muito entusiástica do padre responsável.

A Fundação se retirou do Programa Ação Família, porém os contatos com a comunidade permaneceram, o trabalho evoluiu e frutificou com a criação de dois grupos de geração de renda em Maio 2010, e a assinatura de um contrato de parceria com a Paróquia para que os Grupos se desenvolvessem lá, firmado pelo Pe. Hilton em Agosto do mesmo ano, contrato esse que se verificaria totalmente nulo, uma vez que o padre não poderia assiná-lo sem a concordância da Cúria.

Uma crise se instalou ao final de 2010 por divergências em relação à reforma que a Fundação executava no imóvel da Paróquia, o Pe. Hilton desapareceu da Paróquia no início de 2011, vários padres se sucederam e nenhum deles se interessou em dialogar com a Fundação. A curiosa hierarquia da igreja dá autonomia quase total ao padre da paróquia, o Bispo pouca influência tem nas decisões tomadas na comunidade, que acabou por rejeitar a presença da Fundação, processo que culminou com o encerramento de atividades na Paróquia e a saída da Fundação em Maio 2012.

Percebo hoje com clareza que a Fundação pecou em vários aspectos: Por não obter o apoio da comunidade local aos seus projetos; Por falta de clareza quanto à estrutura hierárquica da Igreja Católica; Por não ter procurado o superior hierárquico do Pe. Hilton, o Bispo da Brasilândia, na assinatura do contrato de parceria.

Casa de Cultura da Brasilândia

Em relação à Casa de Cultura o processo foi similar, pois o convite para que a Fundação operasse lá os seus projetos não partiu de uma liderança local legítima, nem mesmo de um profissional graduado da hierarquia municipal, em consequência a Fundação acabou por aceitar uma posição de parceria informal, sem a garantia de contrato, realizando cursos e exposições com pouco interesse da comunidade local, o que poderia ter sido garantido pelo apoio das lideranças da comunidade e/ou por suas atividades estarem inseridas na execução de políticas públicas.
Crises se sucederam na Casa de Cultura pela total falta de apoio da Prefeitura, que não arcou com sua parcela de responsabilidade. A Casa de Cultura nunca abriu aos fins de semana, só para citar uma falha grave, e culminou com atitude francamente agressiva contrária às atividades da Fundação por parte dos funcionários públicos alocados na Casa de Cultura, o que acabou por gerar níveis de desconforto de tal ordem que a Fundação se viu obrigada a encerrar suas atividades.

O aprendizado

Uma pista imediata para entender as razões da nossa falha, em ambos os casos, reside na total ausência de interlocução, durante o período total das parcerias, com no mínimo uma liderança forte, representativa da comunidade atendida, bem como da instituição parceira. A ausência desta interlocução em alto nível acabou por minar a legitimidade do trabalho da Fundação.

É bem verdade que estes fracassos acabaram por gerar enorme experiência, que passa a fazer parte do acervo de conhecimento e sabedorias que a Fundação vem acumulando no trabalho com a população carente, que é complexo e exige habilidades políticas no mesmo nível das habilidades técnicas.?Apenas a prática, a reflexão, o aprimoramento técnico e político, e ao final a insistência em nossa missão será capaz de nos ensinar o caminho correto para este trabalho.

É bem verdade ainda que tanto de um lado, quanto de outro, é preciso o amadurecimento das instituições, seja das tomadoras de serviços (governo, igreja) quanto das prestadoras de serviços, (fundações, associações, ONGS em geral) para que as parcerias possam fluir sem sobressaltos e cumprir com sua função social, cultural, de benemerência e outras.

Existe, apesar de tudo, um indicador do acerto de nosso trabalho, que são os depoimentos positivos do nosso público, tanto de alunos dos diversos cursos, quanto dos parceiros que vem participando de nossas atividades e evolução.

é isso, por fernando stickel [ 18:24 ]

livro vera martins

livro-vera
Fazer um livro é uma das coisas mais gostosas que conheço.
Já fiz vários, tanto de minha autoria quanto para terceiros. Com maior ou menor grau de participação, a excitação e o prazer de ver a coisa pronta é sempre igual.

O livro sobre o trabalho da artista plástica Vera Martins “Pintura por Desconstrução” é o projeto editorial mais ambicioso da Fundação Stickel até agora, iniciou-se como um simples registro do “Projeto Contrapartida”, foi evoluindo, incorporou vários textos, fotos, recebeu a colaboração de várias pessoas, sofreu inúmeras revisões do design gráfico, e ao final de longo processo de maturação acertamos parceria com a editora Terceiro Nome, o que acabou por fornecer ao livro um “acabamento editorial” que só uma editora ativa no mercado sabe proporcionar.

Com 108 páginas, bilíngue (português-inglês) foi impresso a 4 cores em 1500 exemplares.
Coordenação geral: Fernando Stickel / Fundação Stickel
Textos: Agnaldo Farias, Carlos Perrone, Jochen Dietrich, Vera Martins
Concepção e projeto gráfico: Iris Di Ciommo
Revisão: Cecilia Ramos
Versão para inglês: Patrick David Hall
Fotos das obras: Rômulo Fialdini
Fotos na alemanha: Jochen Dietrich
Editora Terceiro Nome: Mary Lou Paris

Escrevi a introdução do livro:

Alquimia Contemporânea

Ao conhecer Vera Martins você percebe que ela não se revela por inteiro, mas se constrói aos poucos. É necessário um tempo para se chegar à inteireza da artista.

Para melhor compreender a artista e sua obra, a Fundação Stickel colaborou com o Projeto Contrapartida de Vera, e agora oferece, nesta publicação, as ferramentas necessárias para se entender sua trajetória.

Vera trabalhou em várias frentes. Sua trajetória é interessantíssima e recentemente incluiu uma forma de “atletismo artístico”, o pleno uso do vigor físico na fatura artística… Vera, porém, não descuida de aspectos espirituais e místicos – pois, ao final das contas, onde está a alma da obra de arte? Essa talvez seja a pergunta principal que se coloca em seu trabalho.

Alquimistas (ainda os há hoje… ) e artistas plásticos trabalham de maneira similar, trancados em seus estúdios e laboratórios, destilando bem guardadas sabedorias, muitas vezes mantendo seu trabalho propositalmente escondido do mundo.

O curioso na Vera é que o resultado de seu trabalho caminha no sentido oposto ao dos alquimistas tradicionais, que agregavam em seu cadinho substâncias exóticas e preciosas, para delas depurar conhecimento, sabedoria e poder.

Vera, na solidão do estúdio, tomou um caminho avesso para obter a pedra filosofal.
Seu objetivo? Chegar ao elemento primordial da pintura, isolar e capturar sua alma, sua essência, despindo-se no processo de todas as substâncias, excessos e acessórios, físicos e mentais. Um caminho difícil e tortuoso, que se revela claro e luminoso ao final .

Quanto mais Vera Martins desconstrói sua obra, mais ela própria se constrói.

Fernando Stickel
Outubro de 2011

é isso, por fernando stickel [ 15:09 ]

bruno bischofberger

bischofberger
Em Maio 2007 fui à Suíça.
Na cidade de Basel o compromisso foi a inauguração da exposição de Magy Imoberdorf na Fundação Brasilea, e conversas sobre projetos conjuntos com Onorio Mansutti, diretor da Fundação.
Em Zurique uma reunião na UBS Optimus Foundation, para avaliar possibilidades de apoio ao trabalho da Fundação Stickel.
Aproveitei para visitar a famosa galeria Bruno Bischofberger

magi-f1
Inauguração da exposição de Magy na Fundação Brasilea, da esq. para a direita, Magy, eu e Erica Banwart.

é isso, por fernando stickel [ 12:24 ]

magy imoberdorf

Recuperando boas memórias do dia 4 fevereiro 2006:


O dia começou bem com este excelente artigo sobre a exposição de hoje, no Estadão:

Magy Imoberdorf cria obras com madeira e desenhos. A artista gráfica suíça exibe no Espaço Fundação Stickel da Fundação Stickel suas esculturas de parede em que valoriza o trabalho manual.

Camila Molina

A suíça Magy Imoberdorf recolhe madeiras e outros objetos nas caçambas das ruas de São Paulo ou de Nova York – e como ela diz, é incrível como se jogam no lixo materiais interessantes e que podem ser reaproveitados. Amigos também, ao saber de seu gosto, lhe fornecem pedaços de madeira que se transformam, depois, em esculturas de parede ao receber os desenhos da designer gráfica. “No Brasil há um certo medo do trabalho manual, ele é até desvalorizado. Na Suíça, onde nasci, sempre fizemos trabalhos manuais, desde a escola”, diz Magy, que exibe, a partir de hoje, na Fundação Stickel, uma série de 18 de suas novas criações.

Sobre pedaços de madeira encontrados a artista cola desenhos que representam retratos das pessoas à sua volta, animais e as flores de seu jardim. Em seu processo criativo, há um gosto por usar as mãos – Magy lixa o material, corta, trata com a encáustica, misturando verniz e cera de abelha. Algumas vezes, também, ela usa a madeira no estado em que foi achada – pode o material ter sofrido queimaduras ou cortes irregulares, pode um estrado se transformar no que seria a representação de um banco. Magy usa os defeitos e qualidades do material a seu favor e até cores ela vai descobrindo nos diferentes tipos de madeira que utiliza, um processo simples de apropriação de objetos reciclados – ela também incorpora chapas de metal e plástico.

Como diz a artista, que chegou ao Brasil em 1969, nessa série o desenho vem primeiro – desenhar é prática recorrente em sua vida, desde também a época de escola. “Como aqui há um problema grave de umidade e os desenhos mofam, comecei a procurar desenhar em materiais não perecíveis como pedras e discos e agora uso madeira”, conta Magy. Nessa série, que vem desenvolvendo há cinco anos, Magy primeiro realiza os desenhos em papel Kraft e depois os aplica à madeira, algumas vezes usando cera quente.

Suas esculturas de parede, ou relevos, são de grande porte – há obras que chegam a ter dois metros de altura. São cenas simples representadas: uma senhora tricotando ao lado de dois cachorros; um casal e um menino; uma fruteira sobre uma bandeja; folhagens. Mas vale dizer que alguns de seus últimos trabalhos caminham para a abstração. “Sempre trabalhei o figurativo, mas gosto de um tipo de figurativo contemporâneo, revisitado, misturado com a abstração”, diz. Nas obras deste tipo, Magy sobrepõe madeiras com diferentes recortes e cores e, dessa maneira, os relevos vão ficando cada vez mais espessos. Ela também faz questão de deixar aparente os parafusos indicando que função e estética estão juntos.

Durante o período de sua exposição, a partir do dia 6, Magy Imoberdorf vai participar de encontros promovidos pela Fundação Stickel com crianças e catadores de lixo para mostrar como o uso de materiais reciclados pode se transformar num agradável processo de criação de objetos.

(SERVIÇO)
Magy Imoberdof. Espaço Fundação Stickel. R. Ribeirão Claro, 37, V. Olímpia, 3849-8906. 14h/20h (fecha dom.). Grátis. Até 24/2. Abertura hoje, às 16h


Cenas da abertura da exposição de Magy no Espaço Fundação Stickel.

é isso, por fernando stickel [ 12:00 ]

rouxinol 51, o catálogo

rou11
A capa do catálogo

Em 2005/06 a Fundação Stickel dedicava-se ao projeto de implantação, ao longo de três anos, de um “Centro de Pesquisas sobre a Escola Brasil: e a Arte Contemporânea Paulista”, sob coordenação da Profª Drª Claudia Valladão de Mattos, constituindo um espaço de referência sobre este tema, aberto ao público, com múltiplas atividades, inclusive banco de dados informatizado.
A Escola Brasil: fundada em 1970, pelos artistas Luiz Paulo Baravelli, Carlos Fajardo, Frederico Nasser e José Resende, funcionou como instituição de ensino entre 1970 e 1974 e opôs-se às formas pedagógicas tradicionais. Sua proposta de aprendizagem baseava-se na vivência e na atividade artística como experimentação, apoiando-se fortemente no modelo de formação recebido pelos seus fundadores na convivência com Wesley Duke Lee.
Procurando romper com as formas de ensino tradicionais, fundadas numa relação autoritária entre professor e aluno, os quatro artistas organizaram a Escola, não em torno de um currículo fixo e progressivo, mas em torno das personalidades de cada um dos fundadores. Os Ateliês tinham o nome de seus professores com a constante modificação do conteúdo de acordo com a orientação do professor.

Este trabalho de pesquisa resultou na exposição ROUXINOL 51 – UM OLHAR SOBRE A ESCOLA BRASIL: com a edição de um catálogo, com projeto gráfico de Iris Di Ciommo e texto da Profª Drª Claudia Valladão de Mattos, a seguir:

“Arte é muitas coisas”:
sobre a Escola Brasil: e o ensino da arte contemporânea

Prof. Dra. Claudia Valladão de Mattos

Rouxinol 51. Nesse endereço funcionou entre 1970 e 1974 a Escola Brasil:. Seus fundadores, os jovens artistas Baravelli, Fajardo, Nasser e Resende, possuíam uma história comum de aprendizagem com Wesley Duke Lee, alguma experiência como professor e o desejo de realizar uma revolução no ensino das artes. De acordo com Baravelli, a idéia inicial de fundar uma escola foi de José Resende e surgiu na época em que, após terem sido ‘diplomados’ por Wesley, os quatro passaram a compartilhar um mesmo ateliê: “Um dia ele falou: ‘Olha, vamos lá no bar pedir um chopp que eu preciso conversar uma coisa com vocês aí, quero fazer uma proposta.’ ‘Está bom, vamos lá’. ‘Vamos fazer uma escola.’ ‘Escola? Como? Quem? Como fazer uma escola?’ ‘Essa coisa que a gente está fazendo aqui, a gente pode expandir, aumentar e tal’”.
Pouco depois, a experiência de ateliê comum terminou, tendo cada um alugado seu próprio espaço, mas a idéia da escola permaneceu viva. Ainda de acordo com Baravelli, nos dois anos seguintes os quatro artistas passaram a fazer uma espécie de teste piloto do que poderia ser a escola, até finalmente decidirem de fato realizá-la: “tínhamos discussões contínuas tentando dar corpo ao que seria o nosso ensino, o que seria a Escola Brasil:”, lembra Fajardo.
Claro estava que o fundamento da escola deveria ser suas próprias experiências como artistas. Mas que experiência exatamente tinham esses quatro jovens no momento da fundação da Escola Brasil:? E por que tal experiência exigia um novo projeto pedagógico?

Devemos lembrar que os quatro artistas começaram suas carreiras durante um período especialmente significativo para a história da arte brasileira. A passagem dos anos 60 para os anos 70 foi marcada por grandes transformações políticas, econômicas e sociais que alteraram significativamente o cenário das artes em São Paulo. Foram os anos da ditadura e da articulação de novas formas de resistência e sobrevivência cultural, mas também os anos do‘milagre econômico’ que proporcionou as condições para o surgimento da cultura de massas, para o nascimento de um mercado de arte, propriamente dito, e para uma internacionalização da produção artística. Ampliaram-se, num espaço relativamente curto de tempo, os horizontes tradicionais da arte, e ela passou a se caracterizar fundamentalmente por uma intensa experimentação, tanto no que se refere aos materiais, quanto a conceitos.

O convívio com Wesley Duke Lee havia posto os quatro artistas, desde muito cedo, em contato direto com os debates sobre arte que se desenvolviam então em São Paulo. As atividades do Grupo Rex, organizadas em torno da figura irreverente de Wesley, das quais participaram ‘milagre econômico’ que proporcionou as condições para o surgimento da cultura de massas, para o nascimento de um mercado de arte, propriamente dito, e para uma internacionalização da produção artística. Ampliaram-se, num espaço relativamente Resende, Fajardo e Nasser, atualizavam o pensamento de Duchamp, questionando as formas geralmente aceitas de arte, denunciando a relação entre arte e mercado e propondo novos modelos de atuação para o artista. No final da década de 60 também se multiplicaram as oportunidades para dialogar com a produção artística internacional mais recente. Um dos espaços privilegiados para isso eram as Bienais. A Bienal de 1967 trouxe uma mostra da arte Pop, por exemplo, e em 1969 uma exposição de arte conceitual. O MAC-USP, sob a direção de Walter Zanini, também tornou-se fórum da nova arte no início dos anos 70, abrindo espaço para exposições de jovens artistas e valorizando uma produção conceitual.

rou2
Fajardo e Baravelli

Os futuros fundadores da Escola Brasil: circulavam por estes espaços e discutiam os novos rumos da arte. Nesse contexto, surgiu uma questão central: se a arte deixou de ser definida através de seus meios artesanais tradicionais (pintura, escultura, desenho, gravura) para ampliar-se e tornar-se “muitas coisas”, para citar a definição de arte que mais tarde nortearia as atividades da Escola Brasil:, as formas tradicionais de ensino da arte também deveriam mudar. Sabemos que o ensino tradicional das “belas artes” organizara-se, ao longo de vários séculos de tradição, em torno dos gêneros tornou-se fórum da nova arte no início dos anos 70, abrindo espaço para exposições de jovens artistas e valorizando uma produção conceitual. Os futuros fundadores da Escola Brasil: circulavam por estes espaços e discutiam os novos rumos da arte. Nesse artísticos que definiam o campo da arte então. Assim, o aluno ingressando em uma instituição voltada para a formação de artistas passaria por diversos ateliês onde as técnicas tradicionais vinculadas a cada um dos gêneros da arte eram transmitidas. Este cânone acadêmico mantinha-se, paradoxalmente, ainda vivo na década de 70 (e, diga-se de passagem, continua sendo adotado por muitas instituições de ensino de arte hoje), mesmo sendo totalmente incoerente com o novo modelo ampliado de arte que estava sendo adotado por uma nova geração de artistas.

Encontrar uma nova proposta de ensino que estivesse em sintonia com os novos modelos teóricos contemporâneos que circunscreviam o campo das artes, tornou-se o desafio principal dos quatro artistas fundadores da Escola Brasil:. Esta tarefa realizou-se não sem muita discussão e experimentação no decorrer dos anos em que funcionou a Escola. Se a Escola Brasil: deu alguma contribuição significativa para o campo das artes em São Paulo, foi através da realização desse novo modelo pedagógico. Um modelo que poderíamos denominar de “didática do processo” (por razões que ficaram claras a seguir) e que se mostrou mais coerente e em sintonia com uma definição contemporânea de arte.

A apostila que definia os princípios e objetivos da Escola Brasil: abria com as seguintes palavras que deixavam claro as intenções de seus autores: “Brasil: não é uma escola de arte no sentido usual. Nas escolas de arte, em geral, o que interessa primeiro são as matérias, o aprendizado ‘teórico’. Elas estão preocupadas com os resultados imediatos e com a especialização, dando aos alunos um falso conhecimento artístico, fragmentando-o e reduzindo-o a modalidades acadêmicas de expressão. Em Brasil: o mais importante é o interesse do aluno e suas experiências. A ênfase está na experimentação constante, na investigação do processo criativo, no investigar durante o fazer, no conhecimento artístico como um todo.” Concluindo: “O processo de envolvimento do aluno durante o trabalho interessa mais do que o resultado final desse trabalho.”
Os princípios fundamentais expressos aqui valorizam o elemento conceitual (em sentido amplo) da arte, expresso através da idéia de processo. A arte deixou de ser definida através de seus materiais intrínsecos para tornar-se reflexão sobre a realidade, produzida por uma mente criativa e investigativa que lança mão, para tanto, de qualquer tipo de material para expressar-se.

rou3
Créditos das imagens do catálogo

A estrutura do curso da Escola Brasil: espelhava esta concepção contemporânea de arte. Ao invés de organizar a Escola por ateliês ligados a diferentes meios: pintura, gravura, escultura, etc., Baravelli, Fajardo, Nasser e Resende optaram por distribuir as aulas em quatro ateliês, cada um vinculado a um deles. Nesses ateliês ocorriam atividades as mais diversas, visando estimular a criatividade e a capacidade discursiva do aluno. “A minha idéia era fazer perceber que a arte é uma linguagem que opera em todos os níveis”, recordaria Frederico Nasser em um depoimento para a revista Arte em São Paulo, em 1984.
Aprender a operar com essa linguagem seria o objetivo primeiro do curso. A apostila Brasil: descreve alguns dos exercícios idealizados para cada ateliê. Fajardo, por exemplo, propunha diferentes temas e pedia para que os alunos se manifestassem. Remontar um texto de James Joyce, criar uma topografia com massa de modelagem, ou trabalhar a partir do I-Ching, eram algumas das atividades propostas. Já o José Resende priorizava a questão da relação aluno/espaço, desenvolvendo atividades como caminhar pela escola com um rolo de barbante, ou realizar uma intervenção no espaço, acendendo e apagando as luzes. Tais investigações sobre o espaço ocorriam também fora da sala de aula, em exercícios denominados “atividades de percurso”, onde os alunos saíam para explorar a malha urbana da cidade de São Paulo.

O conceito ampliado de arte que embasava a pedagogia da Escola Brasil: permitiu ainda a ampliação do âmbito de formação do aluno. Aprender a operar de forma criativa com a linguagem das artes plásticas poderia não só ajudar na formação de um artista, mas também de outros agentes culturais, como galeristas, diretores de museus, etc.
A herança duchampiana que marcava o modelo de arte adotado pelo fundadores da Escola alertava para a impossibilidade de compreender a arte fora de seus circuitos e este princípio era levado a sério. Assim, a Escola Brasil: ajudou a formar alguns galeristas, como Luisa Strina e Regina Boni, designers e outros profissionais vinculados ao campo das artes que, como vimos, se expandia em São Paulo.

Um olhar retrospectivo sobre as atividades da Escola Brasil: nos anos de sua atuação talvez nos permita considerá-la como a primeira escola de arte verdadeiramente contemporânea em São Paulo. A presente exposição que traz uma série inédita de fotografias tiradas durante os anos de funcionamento da Escola, acompanhada de trabalhos dos alunos realizados na época, configura-se como uma tentativa de reconstruir o cotidiano da escola e com ele ressaltar a originalidade do projeto pedagógico desenvolvido ali.

rou4
Placa da Av. Rouxinol em Moema, São Paulo, onde se localizava a Escola Brasil:

é isso, por fernando stickel [ 14:36 ]