aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Posts tagueados ‘arthur stickel avô’

erico nasceu no hotel albion


Hotel Albion, então ocupando a antiga residência de Antônio Álvares Leite Penteado, futuro Conde Álvares Penteado, na Rua Brigadeiro Tobias, c. 1929.

Meu avô Arthur Stickel isolou-se na Ilhabela durante a Primeira Grande Guerra, por ter sido perseguido em São Paulo por ser alemão. A solução foi buscar refúgio, acompanhado de sua mulher Erna, na Praia da Siriuba.

A Ilhabela naquela época era muito, muito longe de tudo. Minha avó ficou grávida e o casal, temendo não ter condições adequadas, resolveu vir a São Paulo para o parto. A viagem se iniciava em uma canoa com destino a Bertioga…

Chegaram em São Paulo e se dirigiram ao Hotel Albion, no centro histórico da cidade. Na recepção do hotel minha avó entrou em trabalho de parto, rapidamente providenciaram uma parteira, e foi ali mesmo que meu pai nasceu em 3 Abril 1920.

Por conta da permanência na Ilha, meu pai recebeu uma homenagem ao local de sua concepção em seu nome, Erico João SIRIUBA Stickel

O almanaque da Província de São Paulo, editado em 1885, registra a existência então dos seguintes hotéis: Hotel Brasil-Itália, na rua Boa Vista; Hotel Fasoli, na rua Senador Feijó; do Hotel Boa Vista, na rua do mesmo nome; Hotel Provenceau, na rua São Bento; Hotel Albion, na rua Alegre, atual Brigadeiro Tobias; Hotel das Famílias, próximo ao Mercado, no fim da General Carneiro; Hotel Bristol, na rua Gusmões; Hotel Suiço e a Pensão Morais, no Paissandu. Alguns outros hotéis de quase nenhuma expressão ainda existiam na capital paulista. Mas com características de hotel e capacidade de hospedagem e prestação de serviços, os hotéis paulistanos eram os acima enumerados.

é isso, por fernando stickel [ 11:52 ]

arthur e a lembrança


Meu avô Arthur Stickel trabalhou muitos anos nas Indústrias Reunidas Fábricas Matarazzo – IRFM, juntamente com seu dono e CEO desde 1937, Francisco Matarazzo Júnior (Conde Chiquinho), nascido em 1900 em São Paulo e falecido em 27 de março de 1977.

No centenário do pai, Francesco Antonio Maria Matarazzo, nascido em 9 Março 1854 e falecido em 10 Dezembro 1937 aos 83 anos de idade, o Conde Chiquinho distribuiu aos seus funcionários mais graduados um relógio suíço de ouro Movado, gravado com a dedicatória e a homenagem ao centenário.

é isso, por fernando stickel [ 13:12 ]

rádio hallicrafters


Este rádio Hallicrafters de ondas curtas, design Raymond Loewy de 1947, foi do meu avô Arthur Stickel.
Quando eu era moleque, montei um rádio galena no meu quarto na R. dos Franceses, e estendi um fio de antena entre a janela e uma árvore no quintal, cerca de 20 metros.
Um dia resolvi testar o Hallicrafters com a antena do galena, e deu certo!

é isso, por fernando stickel [ 23:01 ]

erna stickel

Talvez esta seja a descoberta mais surpreendente da minha pesquisa dos arquivos da família, fotos da minha avó Erna jovem. Convivi muito com meu avô Arthur Stickel, gostava muito dele, lembro de muitos detalhes de sua pessoa, o mesmo não se aplica à minha avó, sempre muito quieta e precocemente envelhecida, não conseguia me relacionar muito bem com ela.


Minha avó Erna Hedwig Stickel (1889-1973) Uma mulher bonita, olhar forte, claramente uma personalidade marcante.


Aqui com 24 anos.


Nesta foto com minha tia Mausi Stickel Müller, minha avó tinha apenas 39 anos, mas já envelhecida…

é isso, por fernando stickel [ 9:18 ]

homenagem a lili diederichsen


Testemunho da época: Três anos após ter sido criada em 1954, a Fundação Beneficente Martha e Erico Stickel, por sugestão do meu avô Arthur Stickel, Conselheiro, homenageou minha avó Maria Elisa (Lili) Arens Diederichsen com o título de Conselheira Honorária.
A carta de formalização foi assinada por meu pai, Erico João Siriuba Stickel, presidente da Fundação. Nesta época o escritório da Fundação em São Paulo ficava no centro de São Paulo, na R.do Ouvidor 102 5º andar.


O Edifício Pau DÁlho era meu conhecido, pois sempre que eu ia ao oculista na Rua Marconi, fazer exercícios para o estrabismo, na sequência passava-se na Confeitaria Cristallo, e, virando a esquina, no escritório do Papai para uma visita, lá também dava expediente meu avô Arthur, que após sua aposentadoria ajudava meu pai no escritório.


Até diploma teve!

é isso, por fernando stickel [ 11:29 ]

sociedade beneficente alemã

sba
Este é o “Stickel Heim”, pavilhão que meus pais doaram à Sociedade Beneficente Alemã SBA no Sesquicentenário da Imigração Alemã 1824-1974.
O projeto arquitetônico ficou a cargo do arquiteto Salvador Candia, em cujo escritório eu trabalhava na época. Sob a orientação do arquiteto Yasuhiro Aida, braço direito do Salvador, trabalhei bastante neste projeto.
São 12 quartos, sala de estar, copa e terraço para uso dos idosos que a SBA abriga.


Os dizeres da placa comemorativa, afixada no prédio:

Em homenagem à memória de nossos pais
Ernesto Diederichsen
Maria Elisa A. Diederichsen
Arthur Stickel
Erna H. Stickel
No ano comemorativo do Sesquicentenário da Imigração Alemã no Brasil, construimos esta casa.
Martha Diederichsen Stickel
Erico João Siriuba Stickel


Meu pai, Erico Stickel, na inauguração.


Eu, meu pai Erico, iris Di Ciommo, minha mãe Martha e o arquiteto Salvador Candia.

é isso, por fernando stickel [ 20:06 ]

arthur e erico


Meu pai Erico e meu avô Arthur Stickel, no Sport Club Germania em 1933.
Meu avô foi presidente do clube de 1933 a 1942, em sua gestão foi construido o conjunto de piscinas, em 1942 o clube passou a se chamar Clube Pinheiros.
Eu nunca cheguei a jogar tênis direito, tentei, bati muito paredão, mas na hora do jogo sempre foi um desastre… ao contrário do meu pai e avô que chegaram a jogar direitinho…

é isso, por fernando stickel [ 11:08 ]

meine liebe lehrerin


Claudia e sua filha Isabela.

A quarentena serve inclusive para fazer arrumação, abrir gavetas, pacotes, pastas, etc… Abri uma pasta e fiquei morrendo de saudades da minha professora Claudia, meine liebe Lehrerin…

O meu aprendizado de alemão se deu principalmente na minha infância, através da governanta da casa dos meus pais, a Fräulein (Lina Johanna Dietze), que conversava comigo em alemão. A minha convivência com meus avós Arthur e Erna era também em grande parte em alemão. No Colégio Visconde de Porto Seguro tive também aulas de alemão.

A manutenção da língua, no entanto, é muito difícil, principalmente se você não a utiliza no dia-a-dia, e como meus pais nunca conversaram com os filhos em alemão, apesar de falarem a língua fluentemente, o meu alemão foi sumindo com o passar do tempo…Como eu tenho uma ligação muito forte com a origem germânica da família, eu não queria perder a fluência com a língua, e foi aí que em 2010 me indicaram uma professora de alemão, Claudia Thomé Witte.

Foram três anos de muito aprendizado, e de convivência extremamente agradável com a Claudia, uma pessoa incrível que me recebia na sua casa sempre com um café e alguma guloseima… Neste período meu alemão renasceu com força! Interessante que este esforço concentrado me colocou em um nível onde ficou mais difícil de esquecer da língua, pois estou sempre prestando atenção em filmes e qualquer outro lugar onde apareça o alemão. Foram três anos de aula, e fiquei com saudades!
Além disso a Claudia é uma estudiosa de Dona Leopoldina da Áustria e irmã de Dom Pedro II, uma das maiores autoridades mundiais no assunto!


Claudia me enviou esta foto em seu estúdio, no início das nossas aulas em 2010.

é isso, por fernando stickel [ 14:09 ]

quarentena e fotos

Com a quarentena do coronavirus temos que encontrar assunto, eu fui abrir umas gavetas e encontrei algumas fotos…


Meu avô Arthur Stickel (1890-1967) jovem.


Lembranças da minha infancia no Guarujá, meu avô na volta da pescaria.


Minha bisavó Elizabeth Catharina Metz Stickel.

é isso, por fernando stickel [ 11:26 ]

arthur, peleca e edu


Meu amigo Eduzinho Prado me envia esta foto do meu avô Arthur Stickel pescando na Ilha da Moela no Guarujá, nos anos 50/60.
Com ele estão o Peleca, pescador e salva-vidas e o pai do Eduzinho, Eduardo Prado.
É a primeira vez que aparece, nestas fotos antigas, que adoro colecionar, a figura do Peleca, que era o companheiro permanente do meu avô nas pescarias. Lembro-me perfeitamente do Peleca ajudando meu avô a subir no barco…

é isso, por fernando stickel [ 9:08 ]

erna e arthur no guarujá


Erna Hedwig Stickel (1889-1973) e Arthur Stickel (1890-1967), meus avós paternos na Praia do Guarujá, final dos anos 40. Eles tinham nesta foto cerca de 60 anos de idade…
Ao fundo, a ponta dos Astúrias.

é isso, por fernando stickel [ 10:12 ]

stickel na abilio soares

as1

as2

as3
Minha mãe continua a encontrar tesouros… Desta vez são fotos de 1915 do interior da casa onde morou meu avô Arthur Stickel na R. Abilio Soares 49, no bairro do Paraiso em São Paulo.
O interessante são as anotações à caneta na foto, dando o endereço, mencionando Wohnzimmer, ou seja “sala-de-estar” e a orientação, sudeste, norte e oeste…

é isso, por fernando stickel [ 15:10 ]

erna hedwig stickel

Erna
Minha avó paterna Erna Hedwig Stickel (1889-1973) era um ser curioso. Discreta, não falava muito e não era particularmente afetiva. Com certeza uma pessoa que não despertava paixões.
Companheira do meu avô Arthur nos jogos de paciência no Guarujá, sentavam-se um em frente ao outro, e a cada rodada alternavam, um jogava e outro comentava, tudo em alemão.
Meu maior contato com ela era durante estas sessões de paciência, que eu acompanhava muito interessado, pois eles eram imbatíveis!
Nesta foto, pouco tempo antes de seu falecimento, creio ter captado sua bondade, ela era uma pessoa boa.

é isso, por fernando stickel [ 12:34 ]

edifício poema

poema
Na esquina das ruas José Maria Lisboa com Capitão Pinto Ferreira fica o “Edifício Poema”, simpático predinho de 6 andares, construído em 1954, ano do Quarto Centenário de São Paulo.
No segundo andar moravam meus avós paternos, Arthur e Erna. Vez por outra meus pais iam visitá-los comigo e meus irmãos. Nós os netos nos sentávamos educadamente na mesa para um lanche de biscoitos ou bolo com suco. Em uma das portas da garagem que dava para a rua morava o Dodge “Fluid Drive” 1946 do meu avô.
Quando meu avô faleceu em 1967, fui ao apartamento, ele estava deitado na cama, vestido para o funeral, com aquele pano amarrado na cabeça segurando a mandíbula. Fiquei chocado, acho que foi a primeira vez na vida que vi um cadáver, eu tinha 19 anos.
Me impressionou a ausência de sua monumental barriga, meu avô foi “forte” a vida toda, e lá estava ele magro e morto.
Acho que nunca mais voltei ao apartamento, pouco tempo depois minha avó faleceu.

é isso, por fernando stickel [ 8:05 ]

memórias profundas

Memórias profundas

Porão escuro da R. dos Franceses
Porão/oficina do Paulo Villares na R. Áustria
O quarto de ferramentas do meu avô Arthur Stickel no Guarujá
A garagem de barcos do meu avô Arthur Stickel no Guarujá
Os cheiros da casa grande em Campos do Jordão – a cerâmica vermelha
O quarto dos rádios do meu tio Ernesto Diederichsen na R. Gal. Mena Barreto
A copa de inox da casa do meu tio Ernesto Diederichsen, na R. Gal. Mena Barreto – o cheiro de banana batida com leite
Os caminhos secretos montados com caixotes
Ferrari vermelha à beira da estrada na Suíça
Cheiro de resina na floresta da Suíca

é isso, por fernando stickel [ 11:12 ]

germania x pinheiros

germania
Completam-se 70 anos da transformação do Sport Club Germania no Esporte Clube Pinheiros. Meu avô, Arthur Stickel foi presidente do clube de 1933 a 1942.
Na revista “Pinheiros” nº 167, de Março 2012.

é isso, por fernando stickel [ 11:30 ]

itapema, guarujá

navio1
Lembranças de Itapema, bairro de Vicente de Carvalho no Guarujá vieram à minha memória nestes dias de regata em Santos.

O Clube Internacional de Regatas fica em situação geográfica similar aos estaleiro que eu visitava com meu avô Arthur Stickel, ambos no canal de Santos, o clube mais perto da ponta da praia de Santos e do mar aberto, e o estaleiro mais perto do estuário e do porto, ambos em situação privilegiada para observar o movimento dos navios.

Era um dos programas que eu mais adorava fazer, acompanhar a construção do barco de pesca do meu avô. O transporte da casa na Praia do Guarujá até Itapema era sempre o mesmo, o Dodge 1946 “Fluid drive” preto, meu avô tinha uma barriga digamos assim, “sólida”, e ao entrar no carro o volume abdominal se encrencava com a direção, para facilitar a relação entre ambos, meu avô prendia uma flanela amarela na bermuda caqui, que servia para “azeitar” a relação barriga/direção.

Ao chegar próximo ao estaleiro, passávamos por ruas estreitas de terra, e as crianças que já conheciam aquele carro corriam ao lado gritando “Papai-Noel, Papai-Noel”!!!! pois meu avô tinha um cavanhaque branco, era gordo, portanto era o próprio…

No centro do estaleiro, rodeado de pedaços de madeira de todos os tipos ficava o barco em construção, a cada visita eu compreendia melhor como a coisa crescia, a estrutura principal da quilha, depois as cavernas, o berço do motor, o casco.

Finalmente as peças que mais me excitavam, a abertura da caixa de madeira que trouxe o motor diesel monocilíndrico diesel Skandia da Suécia, o enorme tanque de combustível de mais de 100 litros de diesel, o leme, as ferragens, a âncora…


Muitos anos depois o barco foi vendido para um amigo, Edu Prado, que reformou-o e colocou uma “cabine”.

é isso, por fernando stickel [ 13:59 ]

cavanhaque

Sentado no meu escritório em frente ao computador (foi ele que tirou as fotos…) pensando nos rumos da Fundação Stickel. Penso também que preciso ir urgente ao dentista, tem uma dorzinha que vem aumentando…

Enquanto isso espero meu cavanhaque crescer, quero ver se fico parecido com meu avô, Arthur Stickel.

é isso, por fernando stickel [ 17:17 ]