aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Arquivo: janeiro de 2021

18 anos!!!

Hoje, 31 Janeiro 2021, esta minha criatura, o blog “aqui tem coisa”, chega à maioridade!
É fascinante tê-lo criado na juventude da era digital e mantê-lo vivo e saudável por 18 anos!

Veja aqui o primeiro post, de 31 Janeiro 2003.

Em 6570 dias foram 6270 posts e 11.046 comentários. Média de 0,95 posts por dia, arredondando, UM POST POR DIA DURANTE DEZOITO ANOS!

Os números mostram minha constância, sim, mas o mais importante é que continuo a ter prazer em usar esta ferramenta para contar histórias. É o que mais gosto de fazer!

Procuro sempre da melhor forma possível confirmar a veracidade das histórias que conto. No ano passado, em pleno recolhimento da pandemia, me dediquei a pesquisar e contar esta história, talvez a mais ambiciosa e completa que escrevi até hoje.

O aqui tem coisa tem dois padrinhos, Dudi Maia Rosa, que me lançou nesta deliciosa aventura, e Fernando Bueno, que lá do Canadá me auxilia tecnicamente na manutenção do blog. Obrigado a ambos e a todos os que insistem em me visitar!

é isso, por fernando stickel [ 8:28 ]

isolated cinema


O Göteborg Film Festival na Suécia se inicia no próximo dia 30/1.
Uma das características que me fascinou foi a possibilidade de ser selecionado para ficar uma semana fechado em uma ilha, participando do festival “on line”, com acesso à projeção de todos os filmes!

Enviei minha inscrição por e-mail:

Dear Sirs at the Göteborg Film Festival,

My name is Fernando Stickel, I am Brazilian, 72 years old, three grown up children and four grandchildren. I’m married and live in São Paulo, Brazil, with my wife Sandra and two puppies, Jimmy and Bolt. I’m in good health and I’m a good swimmer.
I graduated as an architect at FAU-USP and got an MBA from FIA-CEATS. I am a visual artist and photographer. For the last 16 years I run a non-profit institution in São Paulo.
The artist’s work is lonely, I know it well and I am used to loneliness, even though it is not currently part of my daily life.
I think a lot about writing a book, or a movie script, I have already written three books, released in 1999, 2006 and 2020.
I maintain a blog called “aqui tem coisa” that will complete 18 years of uninterrupted activity next 31 January. Here: www.stickel.com.br
My wife and I are addicted to movies and series, we even bought a bigger and better TV on the first month of the Covid 19 pandemic, it is a daily and happy habit for us.
I am fascinated by the sea, ships, explorations and lighthouses, I am an occasional sailor and as a teenager I fished a lot with my grandfather Arthur in Guarujá, SP, in particular around Ilha da Moela.
I would be very happy to return to Sweden and spend a week in Pater Noster, in the company of a red lighthouse, the sea, sky, birds, paper, pencils, my camera (if possible), many films and solitude. Ah! I also enjoy cooking.
Finally I was very happy to see that Bacurau will be shown at the festival, it is one of the best films I have ever seen, it makes me very proud to have it at the Festival!

Questions:

1. Can I take my camera?
2. Will there be a space for exercise and stretching?
3. Will I be required to watch a certain number of films?
4. Will there be the possibility of including alcoholic beverages such as wine in purchases?
5. You will provide an alarm clock, as I will not be able to take my cell phone, which is currently my alarm clock …
6. It would be very helpful to have a Swedish-English dictionary. I am fluent in English and I do quite well in German.

Congratulations on the beautiful idea, thank you for the opportunity!

A pessoa que irá para a ilha foi selecionada (não sou eu…infelizmente…) entre 12.000 aplicantes de 45 países. Trata-se de Lisa Enroth de Skövde, Sweden, enfermeira de emergências e entusiasta de cinema.


Foto: Ola Kjelbye

é isso, por fernando stickel [ 18:49 ]

arthur em vancouver


Arthur, nos seus recém concluidos 26 anos de idade, morando em Vancouver no Canadá.


Ele completou o curso de especialização em animação na Vancouver Film School, e o diploma dele finalmente chegou!

é isso, por fernando stickel [ 10:00 ]

homens de prata

Entrevista que concedi ao Cuca, em seu canal no YouTube “Homens de Prata”.

é isso, por fernando stickel [ 17:21 ]

religião

Religião não é algo que ocupe minha mente ou meu coração, simplesmente não faz parte da minha rotina.

Por outro lado, aos 72 anos de idade acredito que haja sim uma força (ou espírito) superior, à qual agradeço diariamente minha existência e a possibilidade de estar aqui e agora sobre este maravilhoso planeta, celebrando a vida!

Planeta cheio de vida, de gente, coisas, bichos, paisagens, música, arte, ciência, experiências e novidades sem fim!

Acredito que haja algo após a morte, não sei o que, mas nada relacionado a céu e inferno.
Não acredito que a Humanidade deva se sujeitar a regras e punições religiosas de qualquer natureza, muito menos em pecado e culpa, e principalmente, não acredito em matar ou morrer em nome de religião, qualquer uma, ou qualquer tipo de lider religioso.

Talvez seja possível experimentar, após a morte, algo que experimentei em vida muitos anos atrás, em Campos do Jordão:

O oco do cristal

Deito, fecho os olhos e logo sinto meu corpo se alongar. Primeiro alguns centímetros, depois alguns metros, depois quilômetros, milhares de milhas, trilhões de anos-luz, até que sou apenas um ponto de consciência alcançando as fronteiras do Universo, e o que vejo, o que SEI, é que o Universo que conhecemos, as Galáxias, Nebulosas, a Via-láctea, Black Holes, enfim tudo que a ciência nos deu a conhecer até hoje situa-se no OCO DE UM CRISTAL. E existem outros cristais, e o “nosso” universo se reflete nas paredes do “nosso” cristal. Não temos a menor idéia do que há além. Eu vi que existem outros.

é isso, por fernando stickel [ 8:27 ]

almoço no salvador


Almoço nos anos 70 na casa do arquiteto Salvador Candia na R. Inglaterra em São Paulo. As pessoas presentes nesta mesa eram parte de um grande grupo de amigos do qual meus pais faziam parte. Possivelmente havia neste dia uma segunda mesa com Minuta, Rubens, Luisinho, Terezinha e outros amigos como Gerard Loeb (1928-2020), Irene e Jacob Ruchti (1917-1974) ou Laura e Miguel Forte (1915-2002) e os Aflalo.

Nesta época eu trabalhava como arquiteto recém formado no escritório do Salvador e entre outras tarefas fui incumbido de detalhar o gaveteiro do closet do dono da casa. A casa foi reformada e era bastante convencional, a mesa ao ar livre ficava em baixo de uma pérgola. O grande diferencial e charme da casa era a ampla biblioteca/estúdio, que tinha o teto em formato de pirâmide, com iluminação zenital.

Na mesa estavam:

1. Salvador Candia (1924-1991) o dono da casa. Moravam com ele na casa os irmãos Filomena (Minuta) e Rubens, também falecidos.
2. Martha Diederichsen Stickel, minha mãe.
3. Joanninha da Cunha Bueno Marques (1924-2018) amiga íntima de minha mãe, e mãe do Renato e do fotógrafo Joaquim da Cunha Bueno Marques (1950-2004)
4. Erico João Siriuba Stickel (1920-2004) meu pai.
5. Helenita Ratto Villares (1931-2013), primeira mulher do meu primo Luiz Diederichsen Villares (1930-2020)
6. Antonio Soares de Gouvêa, marido da Joaninha
7. Roberto Schnorrenberg (1929-1983) – Maestro e pai do Raimundo, que herdou a casa do Salvador.
8. João Carlos Vogt, marido da
9. Marília Vogt, pais da Gilda Vogt, esposa do Dudi Maia Rosa
10. Norberto Nicola (1931-2007) – Tapeceiro

é isso, por fernando stickel [ 19:07 ]

clássicos

é isso, por fernando stickel [ 12:11 ]

fim de semana no campo


Fim de semana no campo, com amigos. Precisa dizer mais alguma coisa?

é isso, por fernando stickel [ 10:15 ]

martha e o dry martini

Minha mãe Martha e meu pai Erico estavam em New York nos anos 70 e foram assistir na companhia dos amigos cariocas Sonia e Jorge Diehl ao Die Dreigroschenoper, peça com música de Kurt Weill e letra de Bertolt Brecht, em algum teatro Off-Broadway.

Em frente ao teatro havia um bar, onde os amigos tomaram um dry-martini antes do início da peça.

Minha mãe, já durante a performance começou a passar mal, e meu pai saiu do teatro em busca de um sanduíche, cuja ingestão colocou tudo nos devidos lugares.

é isso, por fernando stickel [ 8:11 ]

arthur e a lembrança


Meu avô Arthur Stickel trabalhou muitos anos nas Indústrias Reunidas Fábricas Matarazzo – IRFM, juntamente com seu dono e CEO desde 1937, Francisco Matarazzo Júnior (Conde Chiquinho), nascido em 1900 em São Paulo e falecido em 27 de março de 1977.

No centenário do pai, Francesco Antonio Maria Matarazzo, nascido em 9 Março 1854 e falecido em 10 Dezembro 1937 aos 83 anos de idade, o Conde Chiquinho distribuiu aos seus funcionários mais graduados um relógio suíço de ouro Movado, gravado com a dedicatória e a homenagem ao centenário.

é isso, por fernando stickel [ 13:12 ]

erico stickel & bmw


Em 1973 meu pai Erico Stickel comprou uma BMW 2002 automática, preta, zero km, idêntica a esta da foto que vi recentemente em uma exposição de carros clássicos no Parque da Luz, centro de São Paulo.
Antes mesmo que eu pudesse experimentar a máquina, meu pai viajou a Campos do Jordão sozinho, à noite (tratava-se da “estrada velha”…). Dormiu no volante, e saiu da estrada, capotando. Corria o mês de Maio de 1973.
Seu salvador, João Amorim de Souza Filho Filho, descreve assim o resgate:

“Me lembro, eu dirigia valentemente, um Ford Corcel Coupe (2 portas), acompanhado de uma namorada para passar o fim de semana em Campos, quando atrás de mim, mais valente na condução, vinha uma BMW Coupe, conduzida por um cavalheiro solitário.
 
Após uma boa pressão acabei cedendo passagem, em um trecho sinuoso da estrada entre Monteiro Lobato e Campos, mas contudo tentado acompanha-lo de perto.
 
De repente, simultaneamente observei que o automóvel da minha frente tinha desaparecido, com uma vaga lembrança de ter percebido uma luz forte vinda da mata vizinha, proveniente de um barranco abaixo da estrada.
 
Parei de imediato, fazendo um retorno na estrada, dirigindo no sentido contrário para observar o que tinha acontecido, quanto percebi que se tratava do mesmo veiculo que me tinha ultrapassado, o qual se encontrava com as rodas para cima e com o seu motorista assustado dentro dele.
 
Neste caso era seu pai, o qual socorri, desligando o motor e os faróis, recolhendo os seus pertences pessoais e o ajudando a subir o barranco para então leva-lo a sua residência em Campos.
 
Já no meu carro, ele falava muito pouco e estava muito assustado, e assim chegamos em Campos mais ou menos uma hora depois do ocorrido, deixando-o em casa.”

Por sorte nada mais grave aconteceu com meu pai além do susto, alguns arranhões e contusões e um banho de gasolina…
O carro, bem… deu perda total.
Interessante coincidência é que os pais do João tiveram como padrinhos de casamento, no Rio de janeiro, os meus avós, Lili e Ernesto Diederichsen.
Esta história envolve sorte e cavalheirismo, sem as quais meu pai (falecido em 2004) talvez não vivesse até os 84 anos de idade… Obrigado João!!

é isso, por fernando stickel [ 18:10 ]

prova peculiar em interlagos


Foto Original Motors, um pouco antes da chuva começar…


Hoje, domingo 10/10/2021 ocorreu em Interlagos a primeira prova automobilística da nova década, com duas peculiaridades: Choveu muito forte, com o consequente encerramento da prova e houve desclassificações.

Participei do Rallye de Regularidade para automóveis clássicos em Interlagos, promovido pela Verde & Rosso do meu amigo Decio Fantozzi, em parceria com a Super Liga Desportiva de Velocidade e Le Mans Competições.

No briefing uma das regras repassadas foi o tempo mínimo de volta de 2’45”, assim como o caráter de regularidade da competição.

Um dia cinza, com previsão de chuva a partir das 14:00h. Fechei a capota de lona da minha fiel companheira Mercedes-Benz 280 SL 1970 e repassei mentalmente quais os pontos da pista onde eu deveria melhorar. Eu já sabia que o meu tempo ideal seria por volta de 3 minutos por volta, cerca de 86 km/h de velocidade média.

A largada se deu por volta das 13:20h, o céu foi escurecendo ao mesmo tempo em que eu me concentrava e incorporava as correções planejadas na pilotagem. Por volta das 13:45 os primeiros pingos de chuva e as cabines de fiscalização exibiram a bandeira listrada de amarelo e vermelho, “PISTA ESCORREGADIA”.

Logo em seguida, na curva do Pinheirinho e no Bico de Pato experimentei pela primeira vez pilotando em Interlagos uma chuva cataclísmica, não se via nada, consegui fechar as janelas do carro e segui para a Junção, onde derrapei um pouco e iniciei a subida em direção aos boxes, o limpador de parabrisa no máximo e ainda assim a visão muito difícil.

Na próxima volta, sob chuva intensa, fui me acostumando com a ideia de que para manter a média, precisaria aumentar a velocidade nas retas, e diminuir no miolo, fui me adaptando à nova realidade quando apareceu a bandeira vermelha: PROVA ENCERRADA. Foi atitude correta da direção da prova, impossível pilotar com segurança sob um diluvio.

Valeu muito a experiência de uma prova com chuva, no início com a pista escorregadia, portanto perigosa, a adaptação, a nova estratégia, etc… Foi uma experiência rápida, não mais que duas voltas, com duas bandeiras que experimentei pela primeira vez!

Logo depois do final da prova foram anunciadas as premiações e conquistei o terceiro lugar, subi ao pódio ao lado do meu amigo Wanderley Natali que conquistou o primeiro lugar!

Já em casa, 23:00h surge no grupo de WhatsApp uma observação de que a partir da análise das planilhas analíticas publicadas no site da Verde & Rosso vários carros não respeitaram o tempo mínimo de volta de 2’45”, solicitando ao Decio a revisão dos resultados.

De fato, o regulamento da prova diz o seguinte: “11.8 No briefing será definido qual o tempo limite mínimo para cada volta, e caso o participante efetue mais de 3 voltas abaixo desse limite ele será desclassificado da prova.”


Minha “Pagoda” ao lado da 450 SL do Fernando Leibel, as duas Mercedes pintadas no código 050!


O primeiro resultado divulgado.

Na análise, Decio percebeu que o computador estava regulado para 2’35″como tempo de volta mínima, gerando a confusão, feita a revisão e republicada a planilha de resultados eu galguei ao primeiro lugar!

é isso, por fernando stickel [ 23:28 ]

budismo


Arte por Michael Newhall

Budismo

O budismo existe para resolver um problema: sofrimento. O Buda chamou a verdade do sofrimento de “nobre”, porque reconhecer nosso sofrimento é o ponto de partida e a inspiração do caminho espiritual.

Sua segunda nobre verdade foi a causa de sofrimento. No Ocidente, os budistas chamam isso de “ego”. É uma palavra pequena que engloba praticamente tudo o que há de errado no mundo. Porque, de acordo com o Buda, todo sofrimento, grande e pequeno, começa com nossa falsa crença em um “eu” sólido, separado e contínuo, a cuja sobrevivência devotamos nossas vidas.

Parece que estamos irremediavelmente presos neste pesadelo de “eu e eles” que criamos, mas podemos acordar disso. Esta é a terceira nobre verdade, a cessação do sofrimento. Fazemos isso reconhecendo nossa ignorância, a falsidade de nossa crença nesse “eu”. Finalmente, o Buda nos disse que existe uma maneira concreta de chegarmos lá, que consiste basicamente em disciplina, esforço, meditação e sabedoria. Esta é a quarta nobre verdade, a verdade do caminho.

é isso, por fernando stickel [ 8:20 ]

l’isola delle rose


Começando o ano de 2021 com um filme italiano maravilhoso no Netflix “L’incredibile storia dell’Isola delle Rose”


Diretor e atores desconhecidos (para mim), baseado em uma história real, é uma comédia das boas!

é isso, por fernando stickel [ 11:56 ]

reveillon 2021


Com o Covid 19 à solta, nosso reveillon foi comemorado em casa com um grupo de amigos queridos.
Sandra, Vera, Mario, eu, Dionice, Zé e Luciana. E as crianças Jimmy & Bolt!


Sandrinha entrando no ano novo sempre linda e elegante!

é isso, por fernando stickel [ 8:34 ]