aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Arquivo: abril de 2013

fare mondi

moemas-rothko

Em 20 Maio 2006 inaugurei na Pinacoteca do Estado de São Paulo exposição de fotos “Vila Olímpia”.
Diógenes Moura, curador de fotografia, e a equipe da Pinacoteca trabalharam impecávelmente na preparação e montagem, até convite impresso foi enviado pelo correio. A exposição foi um sucesso, assim como o lançamento simultâneo do livro “Vila Olímpia” editado pela Terceiro Nome.

Era uma época pré-Facebook.

Hoje muitas instituições abandonam os convites impressos em favor dos virtuais, consequência lógica do crescimento da web, sistema prático, simples e barato, que acaba por eliminar, porém, o “prazer analógico” de manusear uma peça gráfica de qualidade.

Em plena explosão das redes sociais, realizarei nova exposição das minhas fotos, trata-se da série inédita “Fare Mondi”. A vernissage será no dia 4 Junho próximo no Club Transatlântico. Não haverá convite impresso, e farei óbviamente uso de todos os meios eletrônicos disponíveis na divulgação da exposição. Já criei evento “Fare Mondi” no Facebook.

Pretendo reformar este blog e o meu site, e também criar uma conta no Twitter.

é isso, por fernando stickel [ 9:16 ]

cinquecento


Sandra e Jimmy nella Fiat Cinquecento! Loja do Mau Marx na Helio Pellegrino.

é isso, por fernando stickel [ 9:59 ]

raid solidário


Raid Solidário promovido pelo Alfa Romeo Clube do Brasil.

Após um café da manhã no Shopping Iguatemi, nos dirigimos para a Casa da Divina Providência de Campos do Jordão. Este asilo mantem 90 idosos de longa permanência, e lá entregamos nossas doações de fraldas geriátricas, gêneros alimentícios, leite em pó, etc…

Em seguida seguimos para um almoço no Haras Polana.

é isso, por fernando stickel [ 13:14 ]

public light/private light

mischa
Dona Glorinha, Antonio, Antonio Jr. e Roberto, 1998. Foto Kelly Kellerhoff

Em 1998, seis anos antes do início do meu trabalho de “ressurreição” da Fundação Stickel, alguém me procurou para pedir ajuda, tratava-se da finalização do catálogo da exposição “Private Light/Public Light” do artista representante alemão na 24ª Bienal de São Paulo, Mischa Kuball.
Marcamos um almoço no restaurante do MAM, e lá conheci o Mischa e a curadora da exposição, Karin Stempel.
Eu fiquei fascinado com a idéia da exposição, que era a seguinte: (descrição emprestada do site da Bienal)

“Dona Glorinha trabalha na Bienal há dezesseis anos, desde 1982. Ela conta que das bienais, as que ela mais gostou foram as do Paulo Herkenhoff e as da gestão do Edemar Cid Ferreira (22ª e 23ª).

Mas foi na 24ª Bienal, com a curadoria de Herkenhoff, que ela participou mais ativamente. Ela conta que o curador perguntou se ela aceitaria fazer uma foto na casa dela com sua família, numa permuta de lustres que fazia parte da projeto Public Light/Private Light, do artista alemão Mischa Kuball.
Durante a exposição, o lustre da sala da Dona Glorinha veio para o pavilhão e a sua sala ganhou um novo, como podemos ver na foto, que está na página 226 do catálogo Representações Nacionais da 24ª Bienal.

Ela comenta que a fotógrafa apareceu com um intérprete em sua casa, e ela, recém-chegada da feira, queria tirar o avental para a foto, mas a fotógrafa não deixou, falando que com o avental, sim, seria uma obra de arte. No final da Bienal, o lustre voltou para a sala dela e o outro ficou de presente.

E que não faltem lustres para a ilustre Dona Glorinha!”

As conversas evoluiram, e a Fundação Stickel apoiou a impressão do catálogo. Ao final da Bienal houve um leilão beneficente em que foram oferecidas as luminárias das residências que participaram do projeto, eu arrematei várias…

é isso, por fernando stickel [ 19:01 ]

sentimentos humanos

sentimentosh

O livro “sentimentos humanos: origem e sentidos” ficou pronto! Acaba de chegar da gráfica. É sempre uma sensação deliciosa pegar no objeto livro, sentir seu peso, seu volume, folhear as primeiras páginas.

Eis a introdução que escrevi:

Esta pequena obra-prima sobre os sentimentos humanos não estará completa (perdoem minha ousadia!) se não acrescentarmos mais um:

O impacto de uma mente brilhante: misto de paixão, curiosidade e ambição….

Cérebros privilegiados não se encontram em qualquer esquina… Eu tive o privilégio de conviver com gênios duas ou três vezes vida afora. A primeira experiência foi com o Professor Albrecht Tabor, no Colégio Visconde de Porto Seguro, e depois, lembro-me muito bem, nas aulas de português do Professor Flávio Di Giorgi, no colegial do Colégio Santa Cruz.

Chain-smoker, Flávio misturava em suas aulas poeira de giz com erudição e provocação, enquanto cinzas dos Lincoln sem filtro queimavam buracos em suas camisas brancas eternamente amarfanhadas.

O gênio, envolto em volutas de fumaça e totalmente alheio ao perigo de incêndio, continuava nos estimulando na busca pela excelência. Com inteligência e cultura enciclopédica declamava poemas, escrevia em grego na lousa, analisava as origens das palavras e respondia sobre todos os assuntos, ele era o máximo!

Colaborar com a edição deste livro, que presta merecida homenagem ao espírito genial do Professor Flávio é um enorme prazer. A obra se beneficia da combinação inteligente de estímulo à curiosidade com o prazer visual, seara perfeita para abertura de mentes e ampliação de universos.

Fernando Stickel
Fundação Stickel

é isso, por fernando stickel [ 18:14 ]

sentimentos humanos

sentimentos
“Sentimentos humanos: origem e sentidos”
 
Será lançado na próxima quarta-feira, dia 17 de Abril, a partir das 19 horas no teatro do Colégio Santa Cruz (Av. Arruda Botelho, 255, Alto de Pinheiros, São Paulo-SP), o livro “Sentimentos humanos: origem e sentidos”.

De autoria do do professor Flávio Di Giorgi, Beatriz Di Giorgi e Cristiano Di Giorgi, a obra apresenta um conjunto de 75 palavras que expressam as emoções humanas, tais como amor, ódio, desejo, preguiça, orgulho, indignação, coragem, vergonha, entre tantas outras presentes na vida e no cotidiano de todos.
 
Os verbetes estão distribuídos em 13 capítulos que configuram grupos temáticos, organizados de acordo com uma identidade comum. Sobre cada um deles se explicitará a etimologia, a definição e seus significados contemporâneos, evidenciando a relação particular e inédita que o professor Flávio Di Giorgi estabelece entre a etimologia e o significado de cada sentimento.

Em linguagem fluente, de fácil compreensão, os sentimentos são ilustrados por Alex Cerveny, Libero Malavoglia, Maria Eugênia e Vera Helena Ferreira, e por citações de textos poético-literários especialmente selecionados para a obra. 
 
O livro foi editado pela Fundação Stickel, com o patrocínio de Itaú Cultural e Morlan.

“Colaborar com a edição deste livro, que presta merecida homenagem ao espírito genial do Professor Flávio, é um enorme prazer. A obra se beneficia da combinação inteligente de estímulo à curiosidade com o prazer visual, seara perfeita para abertura de mentes e ampliação de universos”, revela Fernando Stickel, presidente da Fundação.

Durante o lançamento do livro, será realizada uma homenagem póstuma ao prof. Flávio, que dedicou sua vida e carreira às aulas de Literatura Latina e humanidades em geral em várias universidades e no Colégio Santa Cruz.


No lançamento do livro no Teatro Santa Cruz, os primos Fernando Diederichsen Stickel e Bernardo Ratto Diederichsen.
 

é isso, por fernando stickel [ 18:07 ]

babak em são paulo


Não é todo dia que um amigo que mora na Suíça dá uma passadinha pra te visitar aqui em São Paulo.
Quando Babak me ligou e disse que teria um dia para nos vermos, Sandra e eu pegamos o carro e fizemos um grande passeio pela cidade com Babak e sua mulher Tina.

é isso, por fernando stickel [ 10:22 ]