aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Posts tagueados ‘mondial’

bmw R60 1969

bmw69
Quando completei dezoito anos, em 1966, meu pai Erico me obrigou a vender a minha motocicleta Mondial 50cc, (Mondialino) que havia me dado de presente nos 17 anos, por acreditar que a moto era muito perigosa, e eu passei a utilizar os carros da casa.

Três anos depois, quando entrei na FAUUSP, meu apetite pelas motocicletas estava novamente aguçadíssimo, e eu tinha certeza que meu pai me daria, de prêmio por ter entrado na faculdade, uma Honda CD175 1969, que eu já tinha até escolhido em uma loja que ficava na R. da Consolação, perto da Universidade Mackenzie.

O presente não veio, mas dois anos depois, recém casado com a Alice, exigi do meu pai um dinheiro que ele havia prometido a mim e aos meus irmãos, ao qual teríamos acesso em duas condições, ou formados no ensino superior, ou casados.
Ele estrilou violentamente com o meu pedido, mas o meu tesão pela moto era maior, e eu o chamei à letra da promessa:
-Você não disse que liberaria a grana casado ou formado?
-Disse.
-Então, estou casado…
Ele liberou a grana a contragosto, e eu fui atrás da máquina, só que desta vez mirei no nirvana do motociclismo, uma BMW.

Procurei e encontrei uma BMW R60 1969, baixíssima quilometragem, equipada com bolsas, conta-giros e sirene à venda na loja do Edgar Soares. O vendedor era o Roberto Kasinski, filho do dono da Cofap, Abraham Kasinski.
Fui conversar com ele em sua casa em Higienópolis, acertamos o preço em uma agradável reunião e comprei a moto, último modelo desta linhagem clássica da BMW.
Este evento rendeu novas amizades, com o Renato, irmão do Roberto e seu amigo Sergio Vettori. Com eles pilotei pela primeira vez uma Honda Gold Wing!

é isso, por fernando stickel [ 9:03 ]

mondialino 50cc

Olha só que descoberta fantástica do meu amigo Pituco, enviada por WhatsApp!
Ele estava ajudando o Pedrinho Latorre a organizar coisas da famosa loja de motocicletas Latorre quando tropeçou no registro da compra da Mondialino 50cc no exato dia do meu aniversário de 17 anos, 6 Outubro 1965!!!

pituco

mondialino1
Em 1964, aos dezesseis anos de idade, de tanto insistir e encher o saco dos meus pais, acabei ganhando uma Leonette 50cc, com duas marchas, na mão.

No dia 6 de Outubro de 1965, dia do meu aniversário de 17 anos, um pouco antes da hora do almoço, meu pai pede para que eu entre no carro, o motorista começa a dirigir em direção à cidade, sem falar nada… vamos nos aproximando da Al. Barão de Limeira, e começo a sentir um friozinho na barriga, pois naquela região ficavam na época as principais lojas de motocicletas, Latorre, Edgar Soares, etc…
Paramos no Latorre, descemos, e meu pai me pergunta qual moto eu gosto mais…
Explodindo de alegria eu examino os modelos Mondial 50cc, havia um de corrida, com o tanque bem comprido, e um outro, estilo “cross”, que achei mais adequado ao meu biotipo, digamos assim, forte…
Quatro marchas no pé, a máquina era o sonho de qualquer moleque.
Meu pai fechou o negócio, e um mecânico da loja veio seguindo nosso carro no Mondialino zero km, azul claro metálico!!!
Que visão, que memória fantástica, meu pai que sempre foi durão comigo ganhou um milhão de pontos naquele dia.

Meu amigo Pituco me envia este catálogo da Brasimport, representante da Mondial:

brasimport

é isso, por fernando stickel [ 10:25 ]

máquinas da minha vida

As máquinas da minha vida

Raras coisas me despertam tanto interesse, para não falar tesão, quanto as máquinas e os motores.
Na minha adolescência, o foco eram os carros, motos, bicicletas, carrinhos de rolemã e tudo que tivesse rodas e andasse, e as mulheres.
É bem verdade que foi mais fácil dar vazão ao tesão pelos carros do que pelas mulheres…
Lembranças fugazes de carros fantásticos convivem com a memória presente e permanente do cheiro do interior de um Jaguar Mark V e do seu painel de madeira, com luz roxa, ou então de andar na caixinha (porta-mala) de um MG TD 1951 pilotado pelo meu pai, com a capota aberta na praia da Enseada
Outra situação que tenho muito clara na memória é a garagem da casa do meu tio Luis Dumont Villares na R. Áustria, onde moravam um Jaguar Mark 2 e um Buick 1955, pois em todas as ocasiões em que haviam reuniões de família eu sempre visitava a garagem, entrava nos carros, mexia no câmbio, nos botões das luzes…

Estão listados todos os veículos que tenho na memória, mesmo que não os tenha guiado, fossem os meus, da família, ou dos parentes e amigos.

Infância
Mercedes-Benz 540 ssk 1937 cinza ou prata
Jaguar Mark V 1949 preto
MG TD 1951 preto
Cadillac 1951 cinza
Chevrolet Belair 1955 branco e azul
Dodge Fluid Drive 1946 (do meu avô Arthur Stickel)
Ford Tudor 1955 branco (da minha avó Lili)
Ferrari 500 Testa Rossa (do vizinho do Bexiga Domingos Papaleo)

Adolescência
Leonette 50cc
Mondial 50cc
Royal Enfield 350 Bullet
Kart Rois-kart 125 (dos meus primos Bernardo e Arnaldo)
Plymouth (do meu tio Ernesto)
Brasinca 4.200 GT (do meu tio Ernesto)
Alfa-Romeo GTV 1750 branca (do meu tio Ernesto)
Jaguar MkII bordô (do meu tio Luis)
Buick azul claro metálico (do meu tio Luis)
Alfa-Romeo JK FNM 1962 cinza
Fusca 1200 (do meu primo Bernardo) em viagem à Bahia, com faróis de milha OSCAR
Camionete Ford 1951 cinza (em Campos do Jordão)
Trator Case anos 40 vermelho (em Campos do Jordão)
Opel Rekord 1960 verde claro
Rural Willys 1960/62/64/65
Riley RME 1949 2,5 preto e vermelho
Renault Gordini 1964 branco (da minha tia Joaninha)
MG TD (da família Oliveira)
Austin Healey (da família Oliveira)
DKW Vemaguete bege (da família Oliveira) na viagem com os Oliveiras ao RJ – hospedagem em Ipanema com Sonia e Jorge

Adulto
BMW R60 1969
Moto Guzzi 850GT 1973
Porsche 912 1968 branco
JK cinza
Veraneio bege
Fusca 68 bordô
Opel Commodore 1968 prata com capota vinil preta
Opala Caravan amarela
Jaguar Etype V12
Chevette alemão vermelho
Variant amarela
Variant II branca
Fiat 147 azul marinho
BMW 3.0 CSI 1971 branca (meu pai ficou tão pouco tempo com o carro que nem cheguei a guiá-lo)
BMW 2002 automática preta (meu pai ficou tão pouco tempo com o carro que nem cheguei a guiá-lo)
Belina branca
Corcel bege
Santana Quantum 1,8 champagne metálico
Santana Quantum 2,0 cinza metálico
Passat bege
Passat 1984 cinza
Parati branca
Voyage bordeaux metálico
Peugeot Break azul
Omega
Honda Accord verde metálico
Santana Quantum preta automática
Mercedes-Benz 500SL 1986 azul
Honda Accord 1995 perua azul
Volvo 850 1994 perua grafite
Volvo 850 1996 ou 97 perua verde metálico
Volvo T5 azul
Volvo XC70 azul
Volvo XC70 prata
Volvo XC60 branco ártico
Subaru Forester
Hyunday Azera preto
Porsche 911 Carrera 1975 branco
Mercedes-Benz 280SL 1970 branca “Pagoda”
Jaguar Etype S1 4,2 branco 1965

é isso, por fernando stickel [ 11:35 ]

motos

Na minha adolescência eu era absoluta e totalmente tarado por máquinas e velocidade.
No início era a bicicleta e os carrinhos de rolemã, andava quase sempre com o meu já falecido amigo Klaus Foditsch, depois guiar motos e carros, o que houvesse motor para acelerar e correr.
Aos dezesseis, de tanto insistir e encher os meus pais, acabei ganhando uma Leonette: (duas marchas, na mão)

leonette_001.jpg

e aos dezessete, uma Mondial, (quatro marchas, no pé) ambas de 50cc.

mondialino2.jpg

No início de 1967 tirei a carteira de motorista e meu pai me obrigou a vender a Mondial. Ele não sabia que eu havia comprado escondido, junto com o Klaus, uma motocicleta Royal Enfield 350 Bullet 1955.

royal.jpg

O Klaus e eu desmontamos a Royal Enfield inteirinha, queríamos deixá-la “zero km”, mandei cromar o tanque de gasolina e a reforma ficou por aí…
Anos depois vendi-a aos pedaços, mas estava prestes a comprar, em 1971 uma BMW R60 1969, a última das clássicas.

bmw.jpg

é isso, por fernando stickel [ 9:20 ]

mondialino 50cc

mondialino1.jpg
Quando fiz meu livro aqui tem coisa, escrevi na introdução:

“Uma boa maneira de trazer à luz coisas que de outra forma permaneceriam ocultas na solidão de cadernos e pastas.”

Me referia aos desenhos que incluí junto com as poesias.
Agora estou gostando muito dessa história de blogar. Talvez não tenha encontrado ainda o equilíbrio ideal que gostaria entre todas as minhas vontades e interesses, talvez ande exagerando no uso do meu brinquedo novo, a câmera digital, mas no final das contas estou ADORANDO, inclusive porque continuo a garimpar nos meus cadernos e pastas por outras coisas, igualmente significativas, como minha motocicleta Mondial (Mondialino) 50cc, com a qual infernizava (sem capacete) as ruas calmas de São Paulo em 1966.

é isso, por fernando stickel [ 11:54 ]