aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Arquivo: fevereiro de 2016

martha e seus irmãos

martha e irmãos
No dia de seu aniversário de 89 anos, 21 Fevereiro 2016, fiz questão de de fotografar minha mãe Martha Diederichsen Stickel com a turma dos mais “experientes”… Ela os trata carinhosamente de ‘segundos irmãos’, pois eles são na verdade seus sobrinhos, filhos de sua irmã Leonor Diederichsen Villares (1906-2006), que era 20 anos mais velha, daí que a diferença de idade era mínima, e terem crescido quase como irmãos.

Da esq. para a direita, Paulo, Maria, Joaninha, Martha, Elisa e Luisinho. Joaninha é na verdade prima, mas acumula a função de melhor amiga…

O único irmão vivo de minha mãe, Ernesto George Diederichsen, está com 94 anos, boa saúde e vive em Florianópolis, infelizmente não pode estar na comemoração.

martha e filhos
Agora a foto com filhos, netos e bisneto.
Da esq. para a direita, no sofá: Meu neto Samuel no meu colo, Ana Maria, Martha, Sylvia e Roberto.
Sentados no chão, Joana, Antonio e Arthur.
Faltaram a minha filha Fernanda, que estava trabalhando, e os bisnetos recém nascidos Ian e Rodrigo.

é isso, por fernando stickel [ 16:58 ]

olhares s/ a cachoeirinha 2015


Abertura da exposição dos trabalhos dos alunos do curso gratuito de fotografia de Lucas Cruz “Olhares sobre a Cachoeirinha 2015”, promovido pela Fundação Stickel na Fábrica de Cultura Vila Nova Cachoeirinha, com a presença do Secretário de Estado de Cultura, Marcelo Mattos Araújo e o Superintendente da Fábrica, Rubens de Morais.


Os alunos.


A equipe da Fundação Stickel, Glaucia, Miriam, Roberta, Ana e eu.


Lucas Cruz.


Jarbas Mariz, Rubens Morais, Marcelo Araújo, eu e Lucas Cruz.

é isso, por fernando stickel [ 13:39 ]

cantatrice’s garage

cantatrice 1
Por circunstancias misteriosas chegou às minhas mãos imagens de um desenho de minha autoria de 1982.

Este trabalho participou da minha primeira exposição individual na Galeria Paulo Figueiredo, em 5 Abril 1983. A galeria que não existe mais ficava na R. Dr. Mello Alves 717, casa1 em São Paulo.

A preparação desta exposição foi um esforço muito interessante. Eu queria fazer tudo direito, tinha aprendido com mestres poderosos, tinha visto como eles faziam, então procurei fazer tudo igual.

Um dos itens necessários era a etiqueta de identificação do trabalho, colada no verso da moldura. Desenhei-a a partir de uma bolacha de chopp alemã que havia ganhado de uma amiga, e mandei imprimir em uma empresa de adesivos. O conceito que quis transmitir com a imagem do cervejeiro é de “TRABALHO COM PRAZER”.

Aprendi também que deveria registrar os trabalhos realizados, para tanto mandei fazer um carimbo e utilizei um antigo caderno de registros contabeis herdado do meu pai.

Iniciei o registro dos meus trabalhos simultaneamente aos preparativos da exposição, tanto assim que o número de registro deste desenho com título “Cantatrice’s Garage” é 45. Percebe-se que as traças se divertiram com o adesivo e o papel da etiqueta, mas as informações ficaram preservadas nestes 34 anos…

Achei interessante ver um registro da execução do trabalho preservado, a marca da tachinha com a qual prendi o papel à prancheta à direita da minha assinatura.

cantatrice2

é isso, por fernando stickel [ 15:25 ]

faleceu beatriz esteves

bia
Li na edição do Estadão de 12/2/2016 a notícia do falecimento da minha ex-aluna Beatriz (Bia) Esteves e fiquei chocado. Muito jovem!

Alguns dias depois leio no Facebook que foi o coração, dormindo… o que pode-se dizer é uma benção…

Vivi com ela um episódio muito interessante durante minhas aulas de desenho de observação, cerca de 1986/87.

Em um dia de aula no meu estúdio na R. Ribeirão Claro, Vila Olímpia a Bia reclamava muito que não conseguia desenhar, estava intranquila, falava muito, ao ponto em que solicitei aos outros alunos que parassem de desenhar, reuni todos ao redor da lareira e pedi para a Bia falar sobre sua intranquilidade.

Ela era uma pessoa reservada, discreta e estranhou a minha solicitação, diria que ficou chocada… Tranquilizei-a dizendo que se fosse necessário conversar para podermos evoluir no desenho, era isso que faríamos, sem problema nenhum.

Timidamente ela começou a contar seu momento e rapidamente surgiu o assunto que originou o desconforto, ela estava desmamando seu bebê! Leio no anúncio fúnebre que ela deixou os filhos Ana Helena e Francisco, não lembro sobre qual deles era a questão.

As angustias do crescimento e a consequente separação da criança estavam atrapalhando sua concentração na aula de desenho. Foi um momento catartico. Houve compreensão, choro e alivio.

Me senti altamente gratificado com meu momento “Dr. Freud”, foi muito bom ajudar a Bia a encontrar o caminho da solução da questão.

Penso com carinho nela e seus filhos, já adultos… Desejo que faça uma boa viagem.

é isso, por fernando stickel [ 9:11 ]

nasceu rodrigo!


Nasceu ontem meu primeiro sobrinho neto, o Rodrigo, filho da minha sobrinha Joana Stickel e do Nicholas!


Vovó Sylvia com Rodrigo.

é isso, por fernando stickel [ 14:17 ]